The Evil Within 2

The Evil Within 2 [a] é um videogame de terror de sobrevivência em terceira pessoa desenvolvido pela Tango Gameworks e publicado pela Bethesda Softworks para Microsoft Windows, PlayStation 4 e Xbox One. O jogo foi lançado mundialmente em outubro de 2017 e é a sequela do videogame de 2014 The Evil Within. O jogo recebeu críticas geralmente positivas; como seu antecessor, recebeu elogios por seu visual, atmosfera e jogabilidade, mas recebeu algumas críticas por sua história e personagens.

Não tenha medo… de fugir

Naturalmente, The Evil Within 2 te dá medo. Ele foi feito para isso. Monstros assustadores, sustos mil, mas nem sempre precisa ser assim. Quando se deparar com uma criatura desconhecida que você não sabe bem o que faz ou como ataca, não tenha medo de fugir!

O game te dá todas as possibilidades para tentar se esconder ou despistar inimigos normais. Ainda que não seja tão adequado, é possível escapar com algum trabalho extra, seja por vida curta ou falta de munição. Contudo, tenha cuidado: os monstros são bem inteligentes e não deixarão que você suma sem mais nem menos.

Siga sempre o comunicador

O comunicador é uma importante ferramenta em The Evil Within 2 e coloca muita informação à disposição de Sebastian. Saiba seguir suas dicas e encontrar a localidade de outros elementos, itens ou sobreviventes no STEM.

Sem o comunicador, sua vida vai ficar bem mais complicada. Explicamos isso pois suas dicas podem parecer meros tutoriais do próprio jogo, mas não são. Não as ignore em hipótese alguma se quiser sobreviver um pouco mais.

Jogue com calma (na medida do possível)

Apesar de ter elementos de ação, The Evil Within 2 é um game para ser explorado nos mínimos detalhes. Jogue com calma, não pense em correr para terminar e ver logo a sequência de cenas finais.

Explore os cantos escuros, destrua caixotes para revelar itens e, claro, não deixe de aproveitar cada segundo da campanha. Essa dica é ainda mais recomendada nas dificuldades mais altas, carregadas de desafio superior.

Prefira sempre a furtividade

Por falar em calma, a furtividade é sua amiga em The Evil Within 2. Escolha permanecer nas sombras, evite combates e encontros indesejados. Os jogadores que fazem isso têm mais chance de sobreviver por algum tempo sem ser interrompidos. É no acobertamento que você encontra menus para matar automaticamente inimigos distraídos.

Como já deixamos claro, as sombras são suas amigas. Esgueire-se por cantos e escolha ficar atrás de móveis ao longo dos mapas que são dentro das casas, ou por trás de objetos diversos em outros locais de Union. Fique sempre atento ao ícone de olho que aparece no topo da tela. Se ele mudar, quer dizer que um inimigo te viu. Uma boa dica para distrair oponentes e usar mais a furtividade é, por exemplo, lançar objetos como garrafas em outro canto do cenário.

Economize balas

Chegamos àquela dica precisamente voltada para o gênero de sobrevivência de horror: economize balas. Não é brincadeira, já que toda a munição é escassa ao longo do jogo. As armas brancas, de corte, fazem um trabalho melhor para eliminar monstros mais simples ou abrir caixotes.

É claro que teremos momentos nos quais as balas serão imprescindíveis e você terá que descarregar pentes inteiros para eliminar os inimigos. Contudo, é sempre bom ter aquela reserva adicional, para fazer com que uma batalha de chefe seja mais simples, por exemplo.

Machado: a melhor arma branca

Por falar em armas brancas… Elas são as armas de corte, que não gastam munição e te oferecem ataques praticamente infinitos contra qualquer monstro padrão. Dentre elas, o machado é a melhor, com golpes mais fortes e precisos.

Na maioria do tempo, Sebastian terá a clássica “faquinha” à sua disposição, mas a partir do momento em que conseguimos o machado, a experiência de combate muda completamente. Não tenha medo de usá-lo no lugar das armas de fogo, inclusive.

Sempre mova a câmera

Essa dica está ligada com outras que citamos mais acima: a câmera é um dos segredos para se dar bem em The Evil Within 2. Alguns inimigos atacam sem aviso, silenciosos e, principalmente, por trás.

Ter todo o cuidado para não receber um golpe desprevenido ou morrer sem ser alertado é primordial no game. Infelizmente, não dá para olhar para a frente sempre, então é ideal que você sempre vigie outros ângulos da cena.

Jogar no ‘Easy’ não é vergonha

Por fim, saiba que The Evil Within 2 tem pelo menos três níveis de dificuldade iniciais. Começar no mais fácil não é vergonha alguma e, inclusive, é indicado pelo próprio diretor do jogo, Shinji Mikami – que foi o produtor e co-criador do primeiro.

The Evil Within 2 já é difícil por natureza, dada a variedade de momentos tensos, e jogar no “Casual”, o nível mais fácil, ajuda na adaptação dos controles e no desenrolar da história. Depois, é possível repetir a partida, em dificuldade superior, mas não se acanhe em começar pela mais simples – mesmo nesta dificuldade há um certo desafio alto.

Ande sempre escondido

The Evil Within 2 é um game que precisa ser jogado com cautela. O seu personagem, Sebastian, não é particularmente rápido ou forte e você terá que aprender a sobreviver sabendo isso. Considere sempre os campos de visão dos inimigos, seus movimentos e os locais onde você pode se esconder.

Sendo um game de terror de sobrevivência, você também necessita de itens essenciais como munições, mas estará limitado a um inventário não muito grande. A melhor estratégia então será andar escondido e tentar pegar seus adversários com sua faca, sempre por trás. Cada zumbi que você mata dessa forma é mais uma bala que pode o salvar no futuro.

Não seja impulsivo se for visto

Se você for descoberto por algum zumbi, não entre logo em pânico. Não é boa ideia começar disparando, mas sim procurar outro local para se esconder. Se você conseguir quebrar o campo de visão com o inimigo há boas hipóteses dele se esquecer de sua presença.

Tenha apenas cuidado com os arbustos, pois embora eles sejam bons para você se esconder, os mais altos podem também quebrar sua visão.

Estude suas redondeza

Como você não vai ter acesso a um mini-mapa, é muito importante percorrer seu caminho com cautela. Alguns zumbis estão sentados ou deitados nas ervas, um pouco camuflados e parecendo até mortos. Você não deve confiar em nada que não tenha sido morto por você, logo evite pisar nesses mortos-vivos ou eles vão acabar o atacando quando menos esperar.

Para o ajudar, você tem um ícone de alerta em cima da tela que indica se alguém está atento a sua presença. Se o olho estiver escaneando, isso significa que alguém está procurando você. Se por outro lado estiver apenas olhando em frente sem pestanejar então é melhor fugiu porque alguém está indo na sua direção!

Não esqueça que esse é um game de mundo aberto

The Evil Within é um game que o vai recompensar pela exploração. É necessário entrar em edifícios para pegar itens que vão ser muito necessários na sua sobrevivência. Logo, é útil que vá explorando suas redondezas enquanto se dirige para seu objetivo principal.

Além disso, andar pelo meio das ruas vai provavelmente levar você até à morte. Felizmente, o game tem muitos atalhos e vielas para você percorrer, fazendo com que fique mais escondido. Estabeleça sua rota por caminhos alternativos para aumentar suas chances de sobrevivência.

Complete todas as missões, incluindo as secundárias

É muito importante que você não só complete suas missões, mas também alguns objetivos opcionais que pode pegar. Essas missões secundárias devem ser completadas assim que possível porque vão conceder a você recompensas muito úteis, como novas armas e bolsas que aumentam sua capacidade de inventário.

Construa itens e melhore suas armas

The Evil Within 2 tem um sistema de construção fácil. Você apenas tem que pegar os materiais pelo mundo e os usar para criar itens. Embora o possa fazer em qualquer parte, o melhor será mesmo planejar o que quer fazer e levar seus itens a um banco de trabalho que pode encontrar em alguns pontos seguros. E ao fazer isso aproveite para criar um pouco de tudo, pois não sabe que itens vão fazer falta enquanto andar em suas aventuras. No início do game, tente se focar principalmente em munições para sua pistola de mão.

Nos bancos de trabalho, você também pode melhorar suas armas e, nesse caso, deverá começar a fazer o mais cedo possível. Cada melhoramento que você faça não vai ficar ativo apenas na arma que você está usando no momento, mas em todas da mesma categoria. Ou seja, se você melhorar uma pistola fraca na realidade todas as pistolas que pegar no futuro vão ter esse melhoramento incluído.

Evite entrar em combates desnecessários

Nesse início de jogo, seu personagem não terá várias habilidades que ajudam em combates. Sejam eles corpo a corpo ou com armas de fogo. Dessa forma, vá “comendo pelas beiradas”. Sim, elimine zumbis desgarrados para ganhar o gel verde que ajuda justamente a melhorar suas habilidades. Mas evite confrontos com grupos de monstros ou com criaturas que parecem assustadoras (elas são fortes, vai por mim).

Use os arbustos para passar desapercebido

The Evil Within 2 usa o bom e velho arbusto (consagrado em Assassin’s Creed, Uncharted e tantos outros jogos) como camuflagem. Portanto, aproveite os arbustos em Unity para andar camuflado e/ou fazer um aproach ninja antes de fazer aquele ataque furtivo.

Faça as missões paralelas

Sempre que possível, faças as missões paralelas em Unity. A primeira que já aparece logo de cara é para procurar por um armazém de armas. Do it (faça). Além de pegar munição pra chuchu, você conseguirá ótimas armas, como o virote (besta) e a shotgun.

Rifle “sniper” no telhado

Unity se parece com uma cidade de interior, cheia de casas pequenas, igreja e parque. Porém, há um prédio nela. E é nele que você precisa subir. Não chega a ser um arranha céu, mas é uma construção alta que se destaque dentre as outras. Em uma das laterais da construção há uma escada. Suba e procure pelos corpos de membros da Mobius. Só cuidado com os zumbis errantes que você pode encontrar por lá.

Reviste os soldados Mobius

Sempre que possível, reviste os soldados da Mobius mortos em Unity. Eles tem os melhores loots. Desde munição, porções generosas de gel e até itens que só eles lhe darão, como melhores repositórios de munição, seringas curativas etc. É claro que o jogo, sabendo disso, escolhe a dedo os locais para os policiais estarem caídos. Geralmente perto de algo em risco. Mas, mesmo assim, é possível saquear vários corpos e voltar com recompensas bem legais.

Se avistar uma imagem de santa, quebre-a

Calma. Sebastian Castellanos não virou nenhum religioso fanático. É que as imagens de santa em The Evil Within 2 contém chaves para você desbloquear itens em um armário que fica ao lado da cadeira elétrica na qual você obtém seus poderes.

Deixe para craftar em refúgios

Em The Evil Within 2 é possível melhorar armas e criar os itens que você usa no jogo. É possível fazer isso em bancadas espalhadas pela cidade. Logo de cara você encontra uma, no abrigo do O’Neil. O abrigo é um dos refúgios do jogo. Você até encontrará bancadas (workbenchs) “soltas” em algumas casas na Unity. Porém, criar itens nesses locais custará o dobro dos materiais que os refúgios lhe cobram. A não ser que você precise muito, guarde seus itens para criar em refúgios.

Pausa para o cafezinho

Quem não gosta de um café quentinho? Ainda mais passando o perrengue que o Castellanos passa em The Evil Within 2. Qual não foi minha surpresa quando, ao adentrar no primeiro refúgio do jogo, dei de cara com uma máquina de café. E, para minha surpresa ainda maior, o café recuperou completamente minha energia. Incrível! Portanto, se estiver voltando para um refúgio após uma missão e a energia não estiver lá essas coisas, tente economizar suas seringas já pensando naquele café quentinho do refúgio. Só não abuse, pois o café demora um tempinho para ficar pronto novamente.

Olho vivo no indicador de som

Em The Evil Within 2, há um indicador de barulho que fica na sua tela. Sempre que um zumbi ou monstro estiver por perto, o sensor mostrará umas ondas de som (parecem também com um eletrocardiograma, se você já viu um). Quanto mais perto do zumbi, mais ondas você verá. Portanto, sempre que tiver ondinha, tem zumbizinho. 

Upgrades

O mais importante de tudo; foque em estamina. Saiba que o personagem tem um péssimo fôlego. Sua barra é pequena e esvazia rápido. Então melhore dois níveis dessa barra. Você poderá ter uma chance melhor de correr de uma encrenca.

Depois dessa barra procure melhorar atributos que não envolvam o ataque. Não fará grande diferença. Veja os upgrades de estamina, vida etc, mas não de seu ataque.

Perceba as melhorias “laterais”. Toda árvore possui o principal a ser melhorado e o que rodeia a melhoria. Veja o que melhor te ajudará na progressão do jogo.

Particularmente, eu investi um pouco na árvore de furtividade. Diminuindo o ruído dos meus passos e aumentando a velocidade da caminhada agachada. Com isso, a dica que dei sobre o ataque furtivo fica ainda melhor se pensar por esse lado.

Melhoria de arma

Pense na melhoria da sua pistola. Claro, esse foco voltado mais para o início do jogo. Não gaste suas peças com nada diferente do que a capacidade de balas no pente e a cadência de tiro.

Sobre a quantidade de balas a explicação é muito simples; quanto mais munição disponível, melhor. Lembrando que arma de fogo é apenas para momentos de alta dificuldade, seja eles quais forem. E outro ponto é de você não deixar munição para trás no cenário. Se sua arma estiver cheia, você não coletará as balas, nem mesmo para ficarem em inventário. O que faria sentido se fosse assim, mas fazer o que né?!

A cadência vai te ajudar diretamente em momentos de aperto. Caso esteja sendo seguido por muitos inimigos ou tenha alguma criatura muito forte e é preciso mata-lo o quanto antes, a velocidade de disparo da arma será essencial. Ficaria muito difícil matar duas ou três criaturas que te perseguem se a sua arma demora para atirar.

Essas duas melhorias, você pode gastar peças para um upgrade cada ou dois. Fica a seu critério. Depois de estar bom o suficiente nesses dois aspectos, você pode pensar no resto. Na potência, na velocidade de recarga ou em outra arma.

Procure as chaves

Caso não tenha saco para procurar as famigeradas chaves, com certeza encontrará a localização delas na internet. Mas lembre-se, na grande maioria das ocasiões elas ficam dentro de estátuas. Não é tão fácil de encontra-las, mas ajudaria muito caso encontre.

As chaves lhe darão acesso aos armários da sala de upgrades. Com uma chave em mãos, então a sorte estará lançada. Mas praticamente, sempre, você obterá bons itens.

Referências:

Alvanista, Última ficha, Aficionado, wikipedia, techtudo.

Fire Emblem: Three Houses

Fire Emblem: Three Houses (ファイアーエムブレム 風花雪月 Faiā Emuburemu Fūkasetsugetsu?) é um jogo eletrônico de RPG de estratégia desenvolvido pela Intelligent Systems e Koei Tecmo e publicado pela Nintendo para Nintendo Switch em 26 de julho de 2019. O jogo é um título da série Fire Emblem, e o primeiro para consoles domésticos desde Fire Emblem: Radiant Dawn, de 2007. Three Houses é situado no continente de Fódlan, dividido entre três nações rivais agora em paz, ligadas através do Mosteiro Garreg Mach. Tomando o papel de um ex-mercenário e novo tutor em Garreg Mach, o jogador deve escolher uma nação para apoiá-los e guiá-los através de uma série de batalhas. O jogo transita na jogabilidade táctica baseada em turnos dos títulos Fire Emblem anteriores, ao mesmo tempo que incorpora elementos de simulação social e gestão de tempo.

A produção do jogo foi desafiadora para a Intelligent Systems, que atribuiu seu sucesso à Koei Tecmo Games, que já havia se associado à empresa com Fire Emblem Warriors. A equipe queria algo inteiramente novo para a estreia da série em consoles domésticos de alta definição, dando vida à mecânica e às expansões da escola para a batalha. Chinatsu Kurahana foi responsável por criar os desenhos e ilustrações dos personagens. O sistema escolar do jogo e uma pausa no final da história inspiraram-se em Fire Emblem: Genealogy of the Holy War.

Repare seus erros a tempo

A série Fire Emblem é conhecida por seus sistemas de permadeath, ou seja, a morte permanente e irreversível de seus personagens nas batalhas. Mesmo que você desligue essa função em Three Houses, a queda de um aliado o impedirá de ganhar tantos pontos de experiência quanto poderiam ter. Quando um aliado tombar, vale a pena usar a nova ferramenta chamada Divine Pulse, que retrocede o tempo a seu favor.

Mas fique atento, pois o Divine Pulse só pode ser utilizada por um número limitado de vezes (embora este possa ser aumentado no desenrolar da campanha). Quando o estrago for grande demais para ser reparado em apenas uma jogada, você também pode resetar Three Houses segurando os botões L, R, menos e mais no joystick. Só tome o cuidado de lembrar onde o último autosave aconteceu para não perder boa parte do seu progresso de uma só vez.

Crie vários arquivos de save diferentes

A história de Fire Emblem Three Houses não segue um único caminho e, de tempos em tempos, surgem escolhas dramáticas que bifurcam a narrativa em rotas totalmente distintas. Para não precisar jogar o game desde o princípio várias vezes, vale a pena criar e gerenciar múltiplos saves, a fim de retornar para os momentos críticos quando bem entender.

O jogo sempre avisa quando você estiver prestes a fazer uma escolha importante, mas isso também é útil para experimentar diferentes opções de romance. Lembre ainda que, ao terminar a campanha principal, você habilitará o New Game Plus, e nele poderá importar seus batalhões, habilidades e combate e suporte, então se planeje de acordo para curtir o jogo ao máximo.

Aprimoramento de classes

Tal qual acontecia nos jogos de 3DS, em Three Houses você pode escolher não só as armas empunhadas por seus personagens, mas também para quais classes eles evoluirão. No novo jogo, os personagens podem se tornar especialistas em múltiplas armas ao mesmo tempo, o que é bastante útil no longo prazo, especialmente quando você tiver personagens híbridos, especialistas em longa e curta distância ao mesmo tempo.

Tente planejar um passo a frente sempre, pensando em quais funções podem ser mais úteis em suas próximas missões, e então evoluindo seus personagens de acordo, com cada missão, aula e seminário já servindo para guiar seus personagens favoritos rumo às funções que você pretende que eles exerçam em batalha.

Tanto você quanto seus alunos podem fazer exames para subir de classe. Para isso é preciso atingir os pré-requisitos tanto da classe desejada quanto do nível de classe.

Existem quatro níveis de classe: “Beginner”, que exige nível 5 dos personagens, “Intermediate”, que exige nível 10, “Advanced”, nível 20, e “Master”, que exige nível 30 dos personagens.

Além de atender a esses requisitos de nível, é preciso ter uma entrada para o teste, que pode ser comprada no mercado. Cada nível de classe tem o seu preço.

Depois de atingir o nível e comprar a entrada para o teste, é preciso passar nele, e nesse momento entram as aulas que os alunos pegaram com você. Cada classe exige uma perícia diferente. Cavaleiros vão precisar de perícia em lança e montaria, por exemplo.

O segredo é escolher a classe final do seu aluno e já focar nos requisitos desde cedo, para não precisar mudar tudo no final e perder tempo.

Uma casa para chamar de sua

Como o próprio nome do jogo indica, há três casas principais para escolher: Golden Deer, Blue Lions e Black Eagles, cada uma delas com seus próprios líderes e estudantes. Não há uma casa melhor ou pior que as outras, então faça sua escolha baseado no quanto você gostou dos alunos de cada uma, embora também seja possível recrutar estudantes de outras casas posteriormente.

Assim, o que mais importa é quanto você simpatiza com os líderes de cada casa tanto em carisma quanto em política. Claude, por exemplo, é mais neutro e tranquilo, enquanto Dmitri faz mais a linha de conquistador. A bela Edelgard, por fim, é a mais focada em conseguir evoluir seus batalhões e táticas de batalha, então escolha o líder que mais tiver a ver com sua personalidade e visão do mundo.

Cumpra o máximo possível de missões

Não faça apenas as fases principais de Three Houses, ou você perderá várias melhorias e bônus essenciais para superar os desafios posteriores. Ao completar uma missão paralela você habilitará novas lojas e opções de batalhão. Além disso, suas tropas também subirão de nível muito mais rápido e, com isso, estarão mais fortes para as próximas missões principais.

Use as estátuas

Bem cedo na campanha, assim que o tutorial do game chega ao fim, você destrancará automaticamente as estátuas santas (Saint Statues), que são essenciais e devem ser utilizadas sempre que possível, já que elas atribuem bônus de crescimento para suas unidades.

Sempre que você cumprir missões do jogo, você ganhará pontos de renome (Renown). Estes, por sua vez, podem ser utilizados ao interagir com as Saint Statues em troca de melhorias como mais usos do Divine Pulse, ou mesmo habilidades passivas para todos os estudantes, com melhor manejo de arco e flecha ou maior obtenção de pontos de experiência.

Aprimore suas armas

Se você jogar Three Houses sem aprimorar suas armas, descobrirá logo cedo que os combates ficam quase impossíveis de ser vencidos muito rápido, então é essencial visitar sempre os ferreiros para aprimorar seu equipamento. Tome cuidado também para reparar as armas no ferreiro e mantenha sua durabilidade sempre em alta.

Three Houses removeu seu tradicional sistema de triângulos de armas em estilo pedra-papel-tesoura e, ao invés disso, os rivais agora possuem maior vulnerabilidade a certos tipos de elementos. A melhor forma de contornar esse problema no novo esquema de jogo é comprar e equipar uma ampla variedade de espadas e lanças, de materiais como ferro e aço.

Abuse dos batalhões

Uma das principais novidades de Fire Emblem Three Houses são os batalhões, que aparecem pela primeira vez na franquia e podem virar completamente o rumo de uma batalha. Existe um grupo de soldados que pode ser contratado e aprimorado para cada membro do exército, e vale a pena treinar vários deles.

Tome cuidado, porque se você sofrer dano demais na batalha, suas unidades não conseguirão mais invocar os batalhões para ajudar. Um bom batalhão surge na hora exata da batalha para curar suas tropas, atribuir status negativo como envenenamento aos rivais, ou causar grande dano a um inimigo poderoso.

Passagem do tempo

Toda segunda-feira é dia de aula. Nessa data é possível orientar os estudos dos alunos, focando no que eles mais precisam para evoluir com a perícia em alguma arma ou comportamento, como a autoridade.

A primeira coisa para levar em consideração é a motivação do aluno. Você terá um número limitado de orientações por semana, portanto o ideal é escolher os alunos mais motivados. O ícone que parece um emoticon demonstra o quão motivado o aluno está.

Quanto mais motivado ele estiver, mais orientações você poderá dar sem gastar um ponto de tempo. Quanto mais nível de professor você conseguir, mais pontos de tempo terá, e mais alunos poderá orientar.

É possível também escolher dois alunos para executar uma tarefa em conjunto, como limpar o pasto, patrulhar os céus com um pégaso ou arar o campo. Essas atividades melhoram os atributos dos dois alunos e melhoram sua afinidade.

No final da aula, alunos vão te fazer perguntas. Se você responder bem, o aluno poderá melhorar o seu nível de motivação.

Domingo é o dia mais importante

Todo domingo do mês pode ser utilizado para uma atividade extra. Você poderá explorar o monastério e conversar com os alunos e professores, participando de diversas atividades. Poderá ir para o campo de batalha para completar missões secundárias ou treinar. Poderá criar seminários com outros professores para melhorar atributos específicos para os seus alunos. Também poderá dar o fim de semana de descanso para que todos melhorem a motivação, além de fazer exames de certificação, que muda a classe dos seus personagens e compra itens no mercado.

Escolha com antecedência o que fazer e trace um plano. É importante explorar o Monastério pelo menos uma vez por mês. Assim como separar um dos domingos para treinar e completar missões secundárias no campo de batalha. O outro domingo pode ser dia de repetir um dos anteriores, ficar de descanso ou seminário.

Recrutando novos guerreiros

É possível recrutar quase todos os personagens que fazem parte do monastério. Ao conversar com eles enquanto explora o monastério, a opção “Recruit” aparecerá. A princípio ninguém vai querer migrar para a sua turma, mas é possível ver quais as exigências do aluno ou mesmo professor.

Você terá de melhorar seus atributos e nível para conseguir os melhores guerreiros para a sua classe.

Interaja com as partículas azuis

As partículas azuis são referentes aos tesouros escondidos no monastério. A cada mês, novas surgirão para serem coletadas.

Os itens que podem ser conseguidos com elas são diversos, como presentes para dar para alunos, itens que eles perderam e podem ser devolvidos em troca de afeição e motivação, livros que podem ser lidos para aumentar bastante a experiência para o nível de professor e diversos ingredientes e iscas. Sempre que achar um desses, colete.

Como jardinar? Para que serve?

Durante sua visita livre no monastério, é possível participar de diversas atividades, e uma delas é a jardinagem. Tanto ela quanto pescar não consomem unidades de tempo, portanto podem ser feitas mesmo que você tenha zerado o número de atividades para a semana.

Aqui é possível plantar as sementes que você coleta durante o jogo. Cada semente demora uma semana do jogo para brotar e poder ser colhida. É possível utilizar técnicas que aumentam a colheita no menu “Cultivate”, e para cada técnica é preciso gastar uma quantidade de ouro.

Quanto mais nível de professor você tiver, mais opções no “Cultivate” vão aparecer, e mais sementes será possível plantar por vez.

A colheita rende flores que podem ser usadas como presente, ingredientes para cozinhar e ervas especiais que aumentam seus atributos por tempo indeterminado.

Torneios novos todo

Após liberar a ala de treinamento, será possível participar de torneios individuais. Todo mês traz um novo torneio, que tem regras únicas, como uso de espadas ou machados, e garantem novos prêmios.

Você pode inscrever um dos seus alunos para participar. A cada novo round ele enfrentará um adversário de outras classes ou um inimigo de um grupo que está ali somente para o torneio em questão. Você poderá recuperar a vida do seu aluno apenas duas vezes por torneio, portanto use com cuidado.

Cozinhar melhora atributos

Cozinhar é uma tarefa que consome um ponto de tempo durante a exploração do monastério, mas deve ser feita todo início de mês. É possível escolher um aluno para participar da tarefa, o que vai aumentar sua motivação caso ele goste de cozinhar.

Após escolher o aluno, você deverá escolher o prato a ser cozinhado, garantindo algum bônus de atributo para todos os seus alunos durante o restante do mês. Cozinhe sempre.

Pesca

A pesca é uma das atividades iniciais do jogo e pode ser feita sempre que você visitar o monastério, sem consumir pontos de tempo.

Para pescar é preciso falar com o NPC que fica na frente da cabana próxima ao lago e ter alguma isca no inventário. O resto é bem intuitivo e nada complicado. Cada sucesso na pescaria garante um peixe que pode ser utilizado na cozinha.

Coral e Jantar

Outras duas atividades do monastério são o coral e o jantar. São atividades que servem para aumentar sua ligação com os alunos e aumentar a sua motivação para as aulas. Eles custam um ponto de tempo, portanto use com cuidado. Escolha sempre os alunos que têm mais interesse nesse tipo de atividade e os pratos que mais os agradam.

Melhorar as perícias do seu personagem

Os seus alunos podem ser lecionados em sala de aula e aprendem mais sobre suas principais aptidões com armas a cada nova semana. Isso não acontece com o seu personagem principal, que também precisa melhorar esses atributos para ganhar novas classes.

Para melhorar sua aptidão com armas e magias, é preciso pegar uma lição com outros professores e pessoas influentes do monastério. Isso só pode ser feito durante a exploração livre do monastério. Cada professor pode te ensinar uma vez por semana e esse processo consome uma unidade do contador de atividades.

Batalhas semanais

Além das batalhas de missão, existem também as opcionais, que podem servir como treinamento ou para completar missões. Essa é uma das opções para serem feitas no fim de semana.

Existe um número de batalhas que podem ser feitas por fim de semana, semelhante ao contador de tempo do monastério. Quanto mais você melhorar o seu nível de professor, mais batalhas poderá fazer.

Algumas batalhas não consomem tempo e podem ser feitas infinitamente para treinar os seus alunos mais fracos. A quantidade de tempo que a batalha toma fica visível através de um ícone com uma espada logo na frente do nome.

Em algumas semanas podem aparecer batalhas especiais que só podem ser feitas naquele dia, com inimigos e recompensas raras. Outras batalhas também têm tempo para serem executadas. Fique atento ao nível recomendado.

Os chás

Um dos itens que você acumulará durante a jornada são ervas de chá, que servem para passar um tempo com outros integrantes do monastério. Você pode tanto convidar alguém diretamente para um encontro, quanto fazer isso no dia do aniversário das pessoas.

Durante o chá você poderá abordar três assuntos para puxar conversa. Se seu convidado gostar do assunto, o chá continua, caso ele ache o papo chato por duas vezes, o chá acaba. Se você conseguir levar o evento até o final, a sua ligação com esse personagem aumentará bastante.

Matar Monstros

Diferente dos inimigos normais, os monstros possuem escudos. Você pode ver os escudos pelos quadrados amarelos em volta do inimigo. Ao bater nos escudos eles podem trincar e então quebrar. Quando não há o escudo, o monstro toma mais dano naquela região.

Os monstros também possuem mais de uma vida, que você pode contar pelo número de cristais ao lado da barra que fica embaixo dele.

Gambits chamam a atenção do monstro, evitando que ele ataque em área na direção marcada. Use essa tática para salvar aliados. Cavaleiros podem usar o gambit e então sair, pois se movimentam após atacar.

Divine Pulse

Ao pressionar LZ, é possível ativar o Divine Pulse. Esse é o principal meio de corrigir um movimento errado durante a batalha, pois ele serve para voltar no tempo e retornar para algum turno passado.

Se um personagem morrer, ou algum objetivo falhar, volte até o turno desejado para conseguir corrigir a situação. Só tome cuidado com o número de usos, que é limitado. Você pode conseguir mais pulsos ao melhorar as estátuas na catedral do monastério.

Dominar o campo é o segredo

Cada mapa tem seu território dividido em diversos terrenos, como florestas, altares, campos abertos e até montanhas. Cada terreno desses tem suas vantagens e desvantagens, por isso é importante ver o que eles fazem antes de confirmar a movimentação dos seus personagens.

Um guerreiro na floresta por exemplo, terá um bônus absurdo na evasão. Usar isso com inteligência é a chave para a vitória. Se estiver cercado de inimigos, coloque seu grupo em uma floresta e defenda os mais fracos no centro. Deixe o inimigo tomar a iniciativa e errar todos os ataques enquanto você contra-ataca para a vitória.

Peso faz diferença

Muitas vezes você ficará atento ao dano e velocidade do personagem, mas vai esquecer de um dos atributos mais importantes, o peso. É esse medidor, em conjunto com a sua classe e arma, que vai indicar quantas vezes o seu personagem vai atacar em um turno.

A conta é feita levando em consideração também os equipamentos do adversário e seus atributos. Antes de a pancadaria começar de fato, é possível ver quantas vezes cada exército vai atacar. Portanto, fique atento na hora de equipar um escudo ou item pesado no seu personagem, já que pode ser uma desvantagem na hora que for pesar o dano causado.

Modo terceira pessoa

Durante a batalha, é possível ativar um modo de movimento em terceira pessoa, onde seu personagem pode se mover sem utilizar o grid tático. Para isso basta pressionar o “+” no controle. Esse botão também serve para aproximar a câmera durante a exploração do monastério.

Pescando Professor Points

Uma vez liberada através de uma quest, a atividade de pescaria é muito útil e pode ser feita a qualquer momento desde que o jogador tenha iscas em seu inventário. Esse tipo de item pode ser conseguido em pontos brilhantes do monastério ou comprando em uma das lojas do monastério (desbloqueada após uma quest de batalha). Todo mês o estoque da loja é reposto, sendo interessante comprar todas as iscas possíveis na visita mensal ao monastério.

Então o jogador deve ir ao lago do monastério conversar com o responsável pelo local. Cada isca tem sua própria chance de encontrar os diferentes tipos de peixe e isso é indicado no texto. Além do tamanho (pequeno e grande), existem cores diferentes para representar peixes de grande raridade (vermelho e dourado).

Uma dica interessante nesse sentido é que não é necessário pescar na primeira mordida. Sempre é possível esperar no mínimo por três peixes (às vezes mais, mas existe a chance de fuga a partir do quarto peixe), dando ao jogador mais oportunidades de conseguir uma boa pesca.

Com os peixes, é possível realizar receitas no refeitório, que aumentam o support (nível de “amizade”) e a motivação dos personagens. Mas além deles, pescar oferece Professor Points, o que, ao atingir certos níveis, aumenta a quantidade de atividades que o jogador pode realizar (Activity Points) e o número de alunos que pode tutorar em uma semana.

Em especial, existe um evento marcado no calendário no qual é possível pescar vários peixes com uma só isca. Nele é possível conseguir muitos pontos, mas o melhor a se fazer é conquistar Professor Level alto o mais rápido possível para poder realizar ainda mais atividades. Então é importante não deixar para pescar apenas muito tarde no jogo.

Aumente o support e a motivação dos seus alunos

Entre as atividades que consomem pontos existem, a grosso modo, principalmente dois tipos: “eventos de relacionamento” e “aprimoramento pessoal”. Caso o jogador decida recrutar personagens de outras casas, gastar um tempo com as duas é fundamental.

Apesar de escolher uma casa no início do jogo e isso determinar o caminho que a história irá trilhar, é possível recrutar todos os personagens exceto os líderes de cada casa (Edelgard, Dimitri e Claude) e seus mais fiéis aliados (Hubert, Dedue e Hilda). Além dos alunos, os outros professores e cavaleiros de Seiros também podem ser recrutados em certos pontos da história.

No entanto, no caso dos estudantes, o jogador precisa demonstrar aptidão nas habilidades que eles valorizam. Cada um deles exige um parâmetro e habilidade com um determinado tipo de “equipamento”, seguindo a seguinte tabela:

Mas além desses atributos, é fundamental que o jogador aproveite seu tempo na academia para aprofundar seu relacionamento com os personagens. Além dos já mencionados presentes e objetos perdidos, uma forma de fazer isso é através de atividades que consomem Activity Points e são, portanto, mais limitadas.

É possível, por exemplo, cozinhar com um personagem. Além de aumentar o relacionamento com o personagem, a atividade também oferece buffs para as batalhas realizadas durante aquele mês de acordo com a receita utilizada.

O jogador também pode convidar o personagem para um chá, onde deve fazer escolhas de fala corretas para aumentar seu relacionamento com eles e talvez o seu Charm. Cada personagem tem suas preferências de chá, um item consumível cuja escolha adequada ao personagem já pode facilitar um resultado favorável na conversa

Há também duas atividades em grupo para aumentar o relacionamento não apenas do professor com os outros personagens, mas também entre eles. Na capela é possível realizar um treino de canto coral que aumenta a faith dos envolvidos, um atributo relacionado a magia branca.

A outra é a alimentação no refeitório. Além de uma ótima oportunidade para se aproximar dos personagens de outras casas, ela pode ser utilizada para aumentar a motivação dos seus aliados.

Motivação é uma barra que define quantas práticas um aluno está disposto a fazer em uma sessão de tutoramento. O limite superior da barra é quatro e oferecer uma comida da qual eles gostam enche a barra ao máximo, tornando a atividade um excelente investimento.

As cinco aptidões que precisam ser ensinadas

A outra forma principal de consumir Activity Points é o treinamento do próprio professor. No monastério alguns personagens podem lecionar suas aptidões para que você aprenda. Cada pessoa só ensina apenas uma vez por visita ao monastério e, durante os ensinamentos semanais, apenas os seus alunos aprendem, deixando um potencial vácuo no aprendizado do seu personagem.

Para cobrir isso é bom utilizar os serviços desses personagens. E no caso do treinamento, existem várias potenciais escolhas e caminhos. Não só o protagonista, mas todos os membros da equipe tem a possibilidade de seguir uma variedade de classes diferentes, apesar de cada um ter suas vantagens e fraquezas.

É possível utilizar batalhas como uma forma de aprendizado também. Na dificuldade normal, existem batalhas auxiliares que podem ser feitas à vontade, ampliando consideravelmente as oportunidades de treinamento.

Em batalha, várias classes podem utilizar vários tipos de armas e, portanto, ganhar mais habilidade no seu manuseio. No entanto, existem cinco aptidões que precisam ser ensinadas fora do campo de batalha para serem utilizadas caso o personagem em questão ainda não tenha algum nível de conhecimento em suas artes.

São elas: Reason, Faith, Heavy Armor, Riding e Flying. As duas primeiras se referem ao uso de magia (negra e branca, respectivamente), já as últimas três só podem ser treinadas obtendo as suas respectivas classes. Não é necessário treinar todos os personagens em todas elas, mas saber que estas precisam ser ensinadas mais do que as armas é uma boa forma de planejar o treinamento. Especialmente se o jogador desejar alcançar uma das classes mais altas como Holy Knight, Dark Knight ou Wyvern Lord.

Monte grupos de batalha baseados em support

Durante a batalha, é importante aproveitar bem o posicionamento dos seus personagens. Uma ideia interessante é planejar sua movimentação no campo em função de pequenos grupos de support. Ou seja, equipes de aliados em tiles adjacentes que, ao atacarem e serem atacados por inimigos, podem fortalecer seus laços de relacionamento.

Com isso, fica mais fácil para o jogador focar em recrutar outros personagens para a equipe durante o seu tempo no monastério. Ou ficar mais próximo de seus aliados que deseja conhecer sua história mais a fundo.

Ao mesmo tempo, essa dica pode ser um tanto restritiva já que nem todos os personagens tem relacionamento uns com os outros e é bem possível esgotar as conversas de support entre alguns deles muito rapidamente. Logo, parcerias interessantes podem ser esgotadas rapidamente em prol do complecionismo.

Realize paralogues para obter as melhores armas do jogo

Entre as missões opcionais de batalha do jogo, existem algumas chamadas paralogues. Elas são, em geral, missões voltadas a se aprofundar na backstory dos personagens e é possível obter alguns itens e tropas. Algumas das melhores armas do jogo, as Hero Relics, podem ser conseguidas realizando elas.

No entanto, é bom destacar também que essas armas apresentam uma durabilidade baixa e para restaurá-las são necessários materiais de difícil acesso no jogo. Mesmo assim, vale a pena realizar essas tarefas sempre que possível.

Referências:

Nitendo Blast, Uol, Wikipedia, Techtudo.

Death Stranding

Death Stranding (デス・ストランディング Desu Sutorandingu?) é um jogo eletrônico de ação desenvolvido pela Kojima Productions e publicado pela Sony Interactive Entertainment. Foi lançado no dia 8 de novembro de 2019 para PlayStation 4 e será lançado em 2020 para Microsoft Windows. É o primeiro jogo da companhia e seu diretor Hideo Kojima após a dissolução da empresa como subsidiária da Konami, em 2015. O seu elenco conta com os atores Norman Reedus, Troy Baker, Mads Mikkelsen, Léa Seydoux e Lindsay Wagner. O diretor Guillermo del Toro também participará do jogo, mas sua voz e movimentos serão capturados por outra pessoa. O título refere-se ao fenômeno do arrojamento, em que animais marinhos encalham em praias.

Death Stranding foi anunciado oficialmente durante a conferência de imprensa da Sony na Electronic Entertainment Expo de 2016. Seu desenvolvimento completo começou em 2017 utilizando o motor de jogo Decima, criado originalmente pela Guerrilla Games e aprimorado por esta e pela Kojima Productions. Um dos principais aspectos do jogo é a conexão entre vida e morte, com Kojima inspirando-se em um conto do escritor Kōbō Abe (The Man Who Turned Into A Stick (棒になった男 – Bō ni natta otoko) para o desenvolvimento dos temas e jogabilidade do título.

Death Stranding recebeu críticas geralmente favoráveis ​​através da crítica especializada, que o viram como uma experiência única e elogiaram sua dublagem, trilha sonora e gráficos, embora muitos tenham sido polarizados por sua jogabilidade e história.

Entregas

Faça várias entregas por viagem. Cumprir diferentes pedidos destrava ferramentas e uma conexão quiral aprimorada. Quanto maior o nível, mais estruturas estarão disponíveis para a construção, como pontes e torres. Esses recursos serão bastante úteis para poupar tempo de andança.

Entregando itens requisitados ou recuperando a carga perdida vai aumentar a reputação de Sam Bridges como entregador. Quanto mais popular, mais a capacidade de carga é melhorada.

O jogador não está sozinho no universo de Death Stranding. Conforme as criações são colocadas no mundo, os outros jogadores poderão curtir as obras, melhorando os próprios atributos. Claro que é uma via de mão dupla: aproveite as ferramentas deixadas pelos amigos para conseguir caminhos rápidos e melhores.

As caixas postais espalhadas no mundo funcionam como um cofre que permitem guardar itens temporariamente para o protagonista conseguir carregar ainda mais peso.

Carregamento

O gerenciamento é importante. Os pedidos vão exigir itens leves ou uma quantidade grande de cargas pesadas. É importante avaliar a distância e como serão transportados os itens. No início, saiba realocar os produtos no corpo de Bridges e, depois, use veículos, bolsas e tudo o que tiver direito.

O jogador precisa ter uma noção não somente do próprio corpo, mas também do terreno a ser enfrentado. Mesmo que a carga esteja montada no protagonista, os lugares íngremes ou os rios podem dificultar a vida.

Fique atento aos comandos do R2 e L2 que vão auxiliar na hora de manter o equilíbrio. Os MULEs vão tentar desequilibrar e o próprio ambiente parece agir contra o Sam.

A luta contra os EPs

Os BTs são os seres assustadores de Death Stranding. Nestas horas, furtividade é a principal aliada neste momento. O Odradrek, equipamento funcionado pelo BB, vai apontar a localização dos monstros, por isso, evite ficar próximo. Segure o fôlego para conseguir escapar despercebido.

Há a opção de derrotar os EPs e coletar Cristais Quirais. Com as armas corretas, é uma boa forma de obter recursos especiais para a construção de ferramentas.

Mesmo com o aparecimento dos monstros, continue na missão de entregar os pedidos. É possível que novos equipamentos surjam e facilitem a vida contra as criaturas.

Construa as estradas assim que possível

Assim que Sam alcançar Lake Knot City na região central do país, os jogadores podem construir estradas pelo mapa que interligam os terminais, dando fácil acesso aos principais pontos de interesse.

Para isso, é preciso doar boas quantias de cristais quirais, metais e cerâmicas para a autopavimentadora que vai criar as rodovias a partir de carbono.

Essas estruturas ainda são coletivas, ou seja, as estradas que outros jogadores criarem também podem aparecer para você. Por isso é uma boa se conectar diretamente com quem estiver empenhado nas construções, assim vocês podem se ajudar e todos saem ganhando.

Fique de olho nas construções de outros jogadores

Um dos pontos fortes do multiplayer de Death Stranding é a conexão entre os mundos dos jogadores, que faz com que as construções de outra pessoa apareçam aleatoriamente em seu mapa.

Algumas entregas vão fazer Sam carregar mais de 100 quilos, então será bem complicado levar as cargas e os itens de escalada que são cruciais em áreas íngremes e montanhosas.

O jeito mais fácil é fuçar o mapa para encontrar cordas, escadas, pontes ou qualquer construção útil que outros jogadores deixaram por aí e traçar uma rota personalizada por eles — assim você carrega menos carga e ainda consegue fazer um caminho até o objetivo.

Sempre carregue um CQP

O CQP (que significa “construtor quiral portátil”) é o seu mais novo melhor amigo. Ele é uma tecnologia capaz de construir diversas estruturas, como geradores de energia, quartos privados, abrigos contra a chuva temporal e outras coisas úteis.

Em trajetos muito longos que envolvem montanhas, Sam pode ficar cansado ou a energia de sua moto pode acabar, deixando o jogador em uma bela enrascada.

Por isso, é sempre bom ter um CQP acoplado no porta-ferramentas da mochila, assim não sobrecarrega o peso das cargas nas costas e ainda tem um belíssimo “plano B” se as coisas derem errado.

Use e abuse da previsão do clima

Ao decorrer do jogo, Sam acaba adquirindo dois recursos importantes para manter as rotas ainda mais seguras: a previsão do tempo e a criação de abrigos contra a chuva temporal.

Prever o tempo faz com que o jogador fique ciente de quando e onde a “chuva temporal”, causada pela presença de BTs (os monstros do “outro lado”), vai acontecer para poder traçar uma rota que evite os inimigos.

Já para criar um abrigo é preciso de um CQP (já citado aqui antes). Ao interagir com a estrutura, o jogador pode acelerar o tempo até a “chuva temporal” parar e a área já estiver livre dos BTs. Ela ainda restaura o dano de suas cargas, sendo também um belo lugar para Sam descansar.

Preste atenção nas placas espalhadas pelo mapa

Os jogadores podem se ajudar indiretamente colocando placas que avisam de pontos de interesse ou perigos em determinadas áreas. Algumas avisam onde tem BTs ou MULEs (inimigos humanos), outras já apontam fontes termais que restauram a estamina de Sam.

Por mostrarem tanto o que é negativo quanto positivo para o jogador, é sempre bom ficar de olho nelas quando o mapa for aberto. Elas podem dar uma dica valiosa para que a sua viagem não seja interrompida por fatores desagradáveis.

Algumas placas ainda são interativas e podem restauram a energia do protagonista, acelerar sua velocidade, acalmar o BB, entre outras coisas. Então não deixe de passar por elas!

Use bem o espaço e equipamento

Muito do desafio de Death Stranding diz respeito ao gerenciamento de inventário e bom uso do sistema de física do game. Para melhorar os movimentos do protagonista Sam, é uma boa ideia equipar as suas escadas e equipamento de escalada nos seus braços e pernas, distribuindo bem o peso de tudo para que o personagem não tropece sem necessidade. Deixe para guardar na caixa de ferramentas os itens de médio e grande porte.

Corra com cuidado

Sempre que Sam estiver correndo pelo mapa, aumentam as chances de que o personagem caia acidentalmente. Quando o terreno é inóspito, repleto de rampas ou pedras, a corrida é ainda mais arriscada, então prefira andar devagar por essas áreas. Lembre que Sam possui uma espécie de pulo duplo: quando for saltar, aperte o botão de pulo novamente para que o personagem faça um salto longo, ideal para atravessar pequenos buracos e abismos.

Não esqueça de descansar

Sam é uma pessoa comum e não aguenta correr por muito tempo sem parar para descansar. Quando o personagem estiver fadigado, aumentam as chances de tropeçar e perder sua valiosa carga, então pare um pouco de tempos em tempos. Lembre que você pode segurar os botões L2 e R2 nos terrenos mais íngremes para descer com cautela extra.

Equilibre bem as encomendas

Quando as encomendas nas costas de Sam forem muito pesadas, você perceberá que o personagem e as caixas balançam para os lados enquanto ele anda. Tente caminhar de forma a regular sozinho o peso, novamente apertando os botões L2 ou R2 enquanto se vira para garantir que nada caia no chão. A tentação de largar itens pode ser grande, mas eles somem e são considerados perdidos de vez caso você fique a mais de mil metros de distância deles. Sendo assim, guarde os itens que não for transportar ou utilizar.

Ganhe muitos likes

A conexão da sociedade em Death Stranding passa por profundos elementos online. No geral, contribuir para fazer um mundo melhor é a chave para receber curtidas de outros jogadores: melhore as estruturas deixadas para trás por outras pessoas, entregue itens pedidos por outros jogadores e construa atalhos úteis na exploração. Cada curtida recebida gera uma notificação e um pequeno aumento de fôlego. Se a obra de outro jogador estiver atrapalhando seu progresso, segure o botão Options para destruí-la. Quanto mais likes você der, mais curtidas receberá de volta, então não tenha vergonha de enviar muitos joinhas.

Ajudas durante a viagem

Algumas rotas de entrega de Death Stranding consomem muito tempo de viagem. Felizmente, há alguns itens e elementos que tornam o caminho mais tranquilo. Passe por cima de um sinal BB para deixar o feto feliz e aliviar o seu estresse. Passe por cima de uma seta para ganhar mais velocidade em seu veículo. Se estiver com dificuldades para encontrar bons transportes, vasculhe as garagens em busca das motos de outros jogadores. Se você criar mais de quatro veículos, suas sobras serão desmontadas e enviadas online para ajudar outros jogadores também.

Dicas de combate

Mules são os inimigos mais recorrentes de Death Stranding, e a melhor forma de lutar é segurar o botão L2 para preparar seu Strand, e então pressionar R2 para dar parry enquanto o tempo desacelera. Se o inimigo soltar um item, vale a pena pegá-lo rápido para atacar as demais ameaças mais próximas. Quando o inimigo cair, olhe os símbolos acima dele; se aparecerem dois círculos, eles logo levantarão para seguir lutando. Ataque até aparecerem estrelas, o que indica que eles continuarão caídos, sem representar uma ameaça para Sam.

Crie checkpoints pelo caminho

A distância entre dois abrigos pode ser muito grande, então é uma boa ideia deixar caixas de correio no meio do caminho entre seus dois postos de descanso. Nas caixas você pode deixar parte das suas encomendas guardadas, e então viajar mais leve. Outra boa ideia é construir geradores do lado de fora dos bunkers dos Preppers, os personagens holográficos que aguardam suas entregas. Essa é uma ótima forma de ganhar mais likes de outros jogadores. Para o caminho de volta, também vale a pena asfaltar e criar estradas, o que economiza bastante tempo e bateria, pois os veículos rodam mais leves no meio de estradas.

Gerencie bem o seu sangue

Algumas armas disponíveis em Death Stranding funcionam movidas à sangue. Ao utilizá-las, as armas podem sugar o sangue do próprio Sam caso você não tenha uma bolsa de sangue devidamente equipada. Quando for utilizar uma arma de sangue, aperte o botão esquerdo do D-Pad para equipar uma bolsinha de sangue e evitar que o Sam perca energia de forma desnecessária.

Escadas e âncoras são as ferramentas essenciais de Death Stranding, e são úteis até o fim do jogo.

Sempre que encontrar algum obstáculo significativo, é provável que a solução mais simples envolva um destes itens, seja para subir ou descer de algum lugar.

Especialmente ao explorar regiões que ainda não foram conectadas à rede quiral, recomendo levar ao menos duas âncoras e escadas, já que nunca se sabe quando vai se encontrar uma parede ou penhasco.

Preste atenção nas suas botas

Assim como o próprio Sam, as botas que ele utiliza se desgastam com o tempo, ao ponto de ficarem completamente inutilizadas se o jogador não trocá-las.

Por que isso é ruim? Bom, andar descalço pelos terrenos repletos de pedregulhos do mundo de Death Stranding significa que Sam pode começar a sangrar profundamente pelos pés, se não resolvido com o tempo, pode até causar sua morte.

Por isso, carregue pares extras — Sam tem um gancho especial capaz de segurá-las em seu uniforme — e sempre que notar que o desgaste já está significativo (geralmente ao atingir a cor amarela na faixa de durabilidade no canto inferior esquerdo da tela), e fabrique novas botas em lugares conectados à UCA sempre que possível.

Sempre confie na bondade dos estranhos

Pegue coisas de outras pessoas e fabrique os seus próprios equipamentos usando materiais preciosos. Procure itens e veículos em locais compartilhados.

Usar os equipamentos de outro jogador é uma boa estratégia, mas não esqueça de também deixar equipamentos seus para o próximo.

Cuidado com a quantidade de peso que você carrega

Esta é uma das dicas mais importantes para quem está começando a jogar Death Stranding. No começo do jogo, Sam é bastante atrapalhado e vai tropeçar bastante. Para evitar que isso aconteça, abra o menu do jogo, vá na carga e aperte triângulo para que o jogo organize-a da melhor maneira possível.

Dessa forma, Sam se desequilibra menos e você consegue chegar mais facilmente perto do limite de peso que ele consegue carregar. Ele ainda vai tropeçar, mas bem menos do que antes.

Construa (ou evolua) estruturas

Um dos aspectos mais especiais de Death Stranding é ver o mundo ganhar mais forma ao juntar as diferentes partes da região à rede quiral, e a forma mais clara disso são com a construção de novas estruturas.

Por meio de itens como o CQP, o jogador pode construir pontes, torres de vigia, os já mencionados abrigos contra a chuva, caixas postais, entre tantos outras.

Não só isso, as estruturas que outros construíram estarão no seu mundo, e você poderá ajudá-los (e a si mesmo) ao evoluí-los, doando materiais para atingir níveis melhores e resistirem melhor às chuvas temporais.

O melhor exemplo disso é a autoestrada da região central, que requer uma enorme quantidade de recursos em diferentes regiões do mapa, e por isso precisa de um trabalho comunitário (ainda que indireto) para ser completada.

Não se apegue aos veículos

Em certo ponto, é possível desbloquear (e, posteriormente, fabricar) veículos como motocicletas e caminhonetes para atravessar o mundo mais facilmente.

Ao conectar as regiões à rede quiral, também será possível encontrar veículos de outros jogadores espalhados pelo mundo.

Por isso, se você encontrar um terreno em que for essencialmente impossível seguir com o veículo, não há problema em abandoná-lo. No outro ponto, é provável que haja uma caminhonete e moto semelhantes, criadas por outras pessoas, que também ficaram por lá

(Isso se complica um pouco, claro, caso você esteja carregando uma grande quantidade de itens para entrega)

Aproveite e compartilhe com o mundo

Relacionado aos pontos acima, Death Stranding reforça que seus jogadores estão, em maior ou menor escala, conectados e unidos uns com ou outros, e suas ações podem refletir de certa forma no game dos outros.

Cargas perdidas por jogadores conectados podem ser entregues para eles, da mesma forma que qualquer coisa que você perder irá para o jogo de outros. É possível doar materiais e itens que você não precisa, do mesmo modo em que é possível resgatar o equipamento dos outros.

Death Stranding é uma experiência compartilhada, ainda que de forma não-convencional, e por isso é melhor aproveitado se você cooperar com os outros de pequenas formas.

Recicle!

Isso é uma dica para a vida real também, mas reciclagem é uma ação essencial em Death Stranding, especialmente por ser um mundo em que recursos são tão escassos que o ideal é reaproveitá-los de outras formas.

Itens como botas, escadas, âncoras e granadas desgastadas com a chuva temporal podem ser recicladas e seus materiais usados para criar outros equipamentos.

Maletas e barris de materiais também devem ser reciclados para que centros de distribuição e abrigos para que abastecê-los e permitir ao jogador a construir mais coisas, então é aconselhável parte destes materiais espalhados pelo mundo – desde que não tenha coisas demais para cuidar, claro.

Um entregador prevenido vale por dois

Já que o assunto é se preparar, agora é hora de definir o melhor caminho. O mapa no menu do Death Stranding é extremamente detalhado, com uma definição muito clara da topologia e todos os elementos naturais que você irá enfrentar pelo caminho, como rios, montanhas e erosões. Evitar o máximo de percalços é possível fazendo uma boa marcação de caminho no mapa.

Ao pressionar quadrado, é possível marcar um ponto. Segure o botão e arraste até o próximo local desejado e solte. Isso criará uma linha estilo GPS dentro do jogo, bastando então segui-la para chegar aonde você quer. Lembre-se que não basta traçar dois pontos até o local da entrega, vá traçando diversos desvios para evitar os terrenos mais acidentados, buscando o caminho mais rápido e também seguro. Uma linha reta que passe por uma montanha enorme vai exigir mais que os desvios.

Além disso, por conta do Stranding System, você poderá ver placas deixadas por outros jogadores, que geralmente sinalizam que naquela local existem EPs, MULAS e outros inimigos que podem te atrapalhar. Enfrentá-los ou desviar é escolha sua, o importante é estar preparado.

Se ficar meio perdidão, pressione L1 para ativar o módulo bússola, que te joga em uma espécie de tela em primeira pessoa. Nessa tela é possível utilizar o D-Pad para virar para a direção dos pontos importantes e marcados no mapa sem precisar ficar se localizando pelo menu.

Use seu Scan para saber por onde andar

O Scan é imprescindível para navegar pelo mundo de “Death Stranding”. Ele coloca pequenas marcações e ícones por longas distâncias, mostrando por onde é melhor navegar e quais locais devem ser evitados.

Antes de atravessar um rio, por exemplo, sempre utilize o seu Scan. Os locais que forem marcados com bolinhas azuis podem ser atravessados com facilidade. Já os amarelos vão cobrir o Sam até o peito, deixando o bebê estressado. Os pontos vermelhos significam que o local é muito fundo, o que te fará ser arrastado pela correnteza, e soltará boa parte das suas cargas das costas. O mesmo vale para locais íngremes.

Além de ajudar na navegação, o Scan ainda indica recursos, como cristais quirais e criptobiontes, que podem ser coletados pelo caminho. Também indica caixas deixadas por outros entregadores e até mesmo a posição de inimigos. Faça bom uso dessa ferramenta.

Evite a chuva

A Chuva Temporal é um dos principais danos que o Death Stranding trouxe para a América criada por Hideo Kojima. Quando em contato com essa chuva, materiais e células vivas têm o seu tempo acelerado, o que envelhece os seres vivos e estraga as suas cargas.

Sam tem um traje feito para evitar essa chuva, mas ele não protege as cargas. Se você for até o seu menu de cargas, notará que existe uma barra de vida para as caixas, e outra para a carga em si. A Chuva Temporal corrói esse recipiente e depois estraga a sua carga em poucos minutos.

O ideal é evitar pegar chuva, mas nem sempre é possível. Para garantir que a sua carga chegue inteira e você receba mais curtidas pela boa entrega, tente sempre manter o recipiente intacto. Para isso, leve sempre o Spray de Recuperação de cargas. Esse item recupera os recipientes, tirando toda a ferrugem causada pela chuva. Ele inclusive recupera alguns dos seus equipamentos. Você pode direcioná-los direto para as costas, ou para frente se suas cargas estiverem empilhadas em um trator flutuante.

Em certo ponto, o Stranding System terá uma construção específica para isso: uma proteção para chuva que já atira o spray nas caixas. Mas ele chegará bem mais para frente no jogo, então não conte com ele no início. Outro recurso que chega mais tarde e protege da chuva é a caminhonete, que é coberta. Mas sem estradas pode ser um martírio ir para alguns lugares com ela.

Bastões revelam sua posição para os MULAs

Diferente dos jogos anteriores do Kojima, em “Death Stranding” o foco em combate e furtividade é bem superficial. Os inimigos são menos inteligentes e não contam com tantos estados de alerta como nos jogos anteriores. Para compensar, eles possuem um truque que vai revelar a sua posição caso falte atenção.

As MULAs são os inimigos humanos, que ficam de olho nos entregadores para roubar a carga e guardar em seus armários protegidos em um acampamento. Para detectar os entregadores, eles colocam bastões no chão que leem as etiquetas das suas cargas. Se você notar o bastão amarelo fincado no chão, desvie, caso contrário ele vai revelar a sua posição.

Se você caiu no truque dos caras, procure logo um local para esconder, como matos altos. Caso você esteja confiante, apenas encare de frente, um por um. O combate não é muito desafiador, então também é uma boa opção. Se eles roubarem a sua carga, vá até o acampamento mais próximo e procure no armário, sua carga provavelmente vai estar lá.

Leia os e-mails

Durante a sua jornada, Sam vai se conectar com diversas pessoas, compartilhar experiências e também acompanhar os resultados das mudanças do mundo na vida destas pessoas. Eventualmente elas irão enviar emails para contar as novidades e conversar um pouco.

Somente por abrir esses emails você ganhará algumas curtidas dessas pessoas, o que, somado às informações extras sobre o mundo e mecânicas, já valeria a pena. Mas o interessante mesmo é que alguns desses emails contém informações para missões secundárias e colecionáveis. Fique atento para descrições de pontos brilhantes, águas termais e muito mais.

Leia as entrevistas

A história de “Death Stranding” não é tão complicada como parecia, mas existem dezenas de detalhes que ficam escondidos e vão fazer os jogadores que encontrarem se aprofundar mais na narrativa proposta para o jogo. A maior parte delas será encontrada nas chamadas entrevistas, documentos que ficam no seu menu de informações.

A cada nova etapa alcançada em um relacionamento com um dos personagens, você poderá ganhar uma nova entrevista, que conta diversos detalhes do mundo antes, durante e depois do Death Stranding. Se você quer dominar todos os segredos do jogo, faça sempre uma visitinha para esse menu.

Troféus fáceis

Se você curte ir atrás de troféus, existem alguns muito simples de serem obtidos logo nas primeiras horas de jogo. Gritar, dormir, fazer xixi e trocar suas botas pela primeira vez, por exemplo, lhe darão troféus. Basicamente, você ganha um troféu sempre que utiliza uma mecânica do jogo pela primeira vez.

Cuide do BB

O famoso bebê de “Death Stranding” passará quase que o tempo todo ao seu lado. Acalmá-lo para que seu nível de stress não fique elevado pode ser a diferença entre a vida e a morte quando você estiver cercado por BTs. Se ele começar a chorar, aperte L1, depois d-pad para baixo e quadrado para escolher a opção de acalmar o BB. Descansar no quarto e em fontes termais também ajudam nesse processo.

Faça bastante xixi

É uma das mecânicas mais engraçadas do jogo e tem três utilidades. A primeira é que o xixi faz crescer cogumelos que podem ser vistos por outros jogadores. A segunda, e mais importante, é que xixi serve para criar Granadas EX No.1, que podem ser utilizadas contra os BTs.

Dicas finais

É possível escapar dos EPs mesmo depois de ser pego. Não deixe eles te derrubarem e saia da zona de alcatrão. Assim que sair, se abaixe, você estará seguro e escondido de novo.

Se for derrubado, você também pode escapar do EP gigante. Corra para fora da zona do alcatrão e ele irá desaparecer para o outro mundo junto com todos os inimigos da área.

Ajude a construir estradas, elas aceleram a travessia pelo mundo.

Faça entregas secundárias para conseguir equipamentos melhores ao ganhar mais estrelas de afinidade com o local.

Use os esqueletos corretos para cada terreno, focando na velocidade e na integridade da carga.

Referências:

Jovem Nerd, Critical Hits, Meu PS4, The Enemy, Uol, Techtudo, Wikipedia.

Gwent: The Witcher Card Game

Gwent: The Witcher Card Game (Gwint: Wiedźmińska Gra Karciana) é um jogo eletrônico free-to-play de cartas colecionáveis que está sendo desenvolvido pela CD Projekt Red para as plataformas PlayStation 4, Xbox One e Microsoft Windows. O game foi anunciado no dia 13 de junho de 2016 durante a coletiva da Microsoft na E3 e contará com um sistema de Cross-play para suas versões nas plataformas Windows e Xbox One. Uma closed beta foi liberada em outubro de 2016 também nestas duas plataformas. O jogo é derivado do minigame de cartas colecionáveis de mesmo nome que pode ser jogado dentro de The Witcher 3: Wild Hunt, jogo baseado na obra de Andrzej Sapkowski.

Jogabilidade

Gwent é um card game de turnos entre dois jogadores, onde cada partida é dividida em uma melhor de três rounds. Cada jogador deve jogar uma carta por turno de seu deck de, no mínimo, vinte e cinco cartas. O deck deve conter no máximo quatro cartas de ouro e seis de prata. Cartas de ouro e prata normalmente tem mais habilidades do que as de bronze. Decks devem conter no máximo três cópias de cada carta de bronze. Cada deck pertence a uma das cinco facções, sendo elas Nilfgaard, Monstros, Skellige, Reinos do Norte e Scoia’tael.

Como jogar

Primeiro, vamos começar com o básico. Cada partida de GWENT acontece em três rodadas. Seu objetivo é ganhar duas das três. O objetivo de cada rodada é fazer mais pontos que seu oponente. Os jogadores usam cartas, alternando-se em turnos, até que um dos dois passe, indicando que não quer mais jogar cartas naquela rodada. O jogador restante pode continuar jogando as cartas até quando quiser, e primeiro, pode até achar que vale a pena continuar jogando até ganhar a rodada, mas tenha em mente que você comprará somente duas cartas na segunda rodada e uma na terceira. Isso significa que se você investir muito na primeira, pode acabar em desvantagem nas próximas duas e perder o jogo. Passar cedo na primeira rodada pode ser uma boa estratégia se você não conseguir acompanhar os pontos do seu oponente sem ter que gastar muitas cartas a mais que ele. É preciso um pouco de prática pra pegar o jeito, mas é importante pensar nisso.

Qual facção?

Agora que você sabe o básico, é hora de decidir com qual facção jogar. GWENT oferece cinco facções distintas para você escolher, e cada uma tem seu estilo único de jogo. Vale a pena testar todas para ver qual você gosta mais. Suas opções são:

Reinos do Norte – Essa facção tem a habilidade de usar armadura para proteger suas unidades de dano. Você consegue, inclusive, usar isso para outros benefícios. Reinos do Norte possui muitas formas de causar dano nas unidades de seu inimigo, incluindo um arquétipo onde você atira nas cartas do seu oponente com máquinas de guerra como balistas e trabucos.

Monstros – Essa facção é baseada em perigos. Os perigos de clima têm várias formas e cada tipo causa efeitos negativos diferentes quando jogados no campo do seu oponente. A facção dos monstros possui cartas que têm sinergia com esses perigos, como algumas que te ajudam a pegá-los do baralho, e outras que ganham benefícios quando perigos específicos estão em jogo. Essa facção também tem outros arquétipos que se beneficiam de ações como consumir suas próprias cartas, ou até mesmo matar suas próprias unidades.

Scoia’tael — Essa facção é composta principalmente de Elfos e Anões. Você pode construir baralhos que possuem sinergia com essas famílias de cartas. Existem também baralhos que te permitem aumentar o poder das cartas na sua mão, e baralhos que são especialistas em jogar cartas especiais.

Skellige — Essa facção é, talvez, a mais difícil para novos jogadores. Skellige te permite causar dano nas suas próprias unidades para ganhar benefícios. Isso pode ser feito usando cartas como o Espada Longa. Você tem várias opções para ressuscitar unidades do cemitério e pode utilizar essa mecânica como parte da sua estratégia. Você também pode usar a sinergia dos grupos de carta que se dão muito bem em Skellige, os Veteranos Tuirseach ou unidades amaldiçoadas.

Nilfgaard — É mais ou menos a facção “traiçoeira”, Nilfgaard te da a opção de revelar cartas, mostrando o que você tem na mão para seu oponente ou o que ele tem na dele para ganhar benefícios. Você também vai utilizar espiões (cartas que são colocadas no lado inimigo do tabuleiro) os quais lhe darão vários benefícios, como ganhar mais pontos. Você também vai poder construir baralhos de alquimia que melhoram suas próprias unidades e causam dano nas do seu oponente.

Um bom jeito de conhecer as facções, e de conseguir seus líderes, é fazer os desafios single player. Ao completa-los, você destravará dois líderes de cada facção, além de ter uma ideia melhor dos vários baralhos iniciais para ver qual facção você gosta mais. Além disso, ao completar os desafios, você receberá minério – o dinheiro do jogo utilizado para comprar barris e ganhar mais cartas.

Primeiro de tudo: desafios

Mas antes de jogar no modo multiplayer, que é o principal atrativo de Gwent, é altamente indicado passar pelos desafios. Eles funcionam como uma “fase de aprendizado”, para que você aprenda o básico do game na prática. Cada desafio ensina a jogar cartas, fazer combos, criar baralhos ou até mesmo criar cartas.

Após a conclusão dos primeiro conjuntos de desafios básicos – as duas primeiras linhas – o jogador tem a opção de realizar os desafios de cada raça – estes já são mais complexos, pois são partidas contra o computador, mas vão ajudar a dominar a jogabilidade e as estratégias em cada embate contra os oponentes.

Dicas para ser um mestre

Gwent não envolve apenas somar o poder das cartas para vencer. É preciso ter estratégia. O blefe é uma dessas estratégias. Não há comunicação direta entre os oponentes nos consoles ou na maioria das partidas online, mas é possível fazer com que seu oponente pense que você está com a mão ruim, jogando as cartas certas, e, assim, fazendo com que ele jogue as cartas mais poderosas, logo de cara.

Isso possibilita vencer com mais facilidade, além surpreender o desafiante. Outra dica é saber com qual das facções de Gwent você se identifica mais: Skellige, Monstros, Nilfgaard, Reinos do Norte ou Scoia’tael. Saber suas características e dominar cada uma delas pode fazer a diferença contra o oponente. O recado é: estude as cartas e leia suas descrições, para entender como combiná-las no campo de batalha.

Como abrir barris e conseguir cartas

Gwent é um jogo gratuito, mas que usa dinheiro para comprar barris com mais cartas. Estes barris também podem ser obtidos por meio do jogo, apenas jogando partidas e conseguindo valores virtuais. Assim como em outros games similares, cada barril traz cards variados, que podem ser comuns, raros, épicos e lendários.

Quatro cartas iniciais são abertas e, ao fim, é preciso escolher entre uma mais forte. O barril te dá três opções finais, mas só uma pode ser escolhida – enquanto as outras duas são destruídas. É bom escolher sabiamente, pois não há garantias de que as outras virão em barris futuros.

Como criar baralhos

O processo de criar baralhos em Gwent é de extrema importância e o jogador deve ficar algum tempo se familiarizando com seu menu de construção. É preciso ficar de olho em pequenos detalhes: o mínimo de 25 cartas, a quantidade máxima de cartas de prata (seis) ou ouro (quatro) e em qual das linhas do tabuleiro a carta escolhida vai se posicionar: ataque corporal, longa distância e cerco, como explicamos mais acima.

Antes de começar a montagem do baralho, é necessário escolher sua carta de líder, que vai ter um efeito especial durante o combate, bem como a facção, que fornecerá os cards e os tipos de cards para a construção. Ao sair da fase de montagem, não esqueça de salvar seu baralho e nomeá-lo, de acordo com sua estratégia: “deck de ataque”, “deck de descarte”, ou qualquer outra nomenclatura que seja o foco da estratégia.

Como criar cartas

Gwent conta com um sistema de criação de cartas. Praticamente qualquer carta pode ser “craftada”, como é dito informalmente, a partir dos “Restos”, que por sua vez são itens criados por meio de cartas desfeitas pelo usuário – funcionalidade disponível a partir do nível três.

O custo para criar uma carta varia bastante. Pode ser de 30 restos ou de 800, entre outros possíveis custos, por exemplo. O valor destoa de acordo com a raridade do card desejado pelo jogador. É possível conseguir Restos também em recompensas de temporada e em recompensas diárias – como, por exemplo, vencer um determinado número de rodadas.

Jogando o multiplayer

O multiplayer de Gwent é seu principal atrativo. Ao jogá-lo o usuário avança de nível, consegue novos barris e tem a experiência de enfrentar um adversário humano, em outro lugar do mundo, por meio da internet. Participar de embates online sempre será a opção mais divertida e indicada para jogar Gwent.

O multiplayer pode ser acessado logo na primeira opção do menu. No nível dez, o usuário pode participar de embates classificatórios, que valem posições de rank. Mas é altamente indicado estar com baralhos bem construídos e bem testados, antes de começar a se aventurar nas classificatórias – que sempre vão valer pontos.

O multiplayer funciona da mesma forma que as partidas contra o computador – todos os comandos e funcionamento de cartas são os mesmos – com a exceção de que quem está do outro lado é um outro jogador. A regra se mantém: venceu dois rounds, venceu a partida inteira.

Quanto mais vitórias, mesmo em partidas casuais, mais recompensas, seja no rank ou por meio de pontos ou ouro para comprar barris. A evolução em Gwent é bem natural e corresponde ao que um jogo de cartas online deve ser.

Cross-play e cross-buy

Gwent será compatível com a tecnologia cross-play, isto é, multiplayer cruzado entre plataformas. Quem jogar no PC, poderá jogar contra usuários no PS4 ou Xbox One. Porém, Xbox One e PS4 não jogarão entre si.

Já no caso de PC, os usuários do Windows 10 terão a vantagem, na versão UWP (Universal Windows Platform), de jogar com a mesma conta do Xbox One. Assim, todo o progresso e cartas compradas ou obtidas em uma conta, valerão para a outra, e vice-versa. A versão PS4, contudo, permanecerá independente e seu progresso não será transferido ao PC.

Ranqueado

Quando você atingir nível 10, você poderá jogar na Ladder Ranqueada. Isso pode parecer assustador no início, mas é uma ótima forma de ganhar mais recompensas e melhorar sua habilidade. Subir de ranque no GWENT também te dá recompensas, que incluem Barris, Restos, Minério e Pó de Meteorito – o pó é usado para criar cartas Premium, versões animadas das cartas. Além disso, quando a temporada terminar, no fim do mês, você receberá mais recompensas baseado no maior ranque que chegou naquela temporada. Comparado com jogar casual, o ranqueado é a melhor opção para progressão no GWENT. Mas o casual é ótimo para testar novos baralhos e estratégias, que você pode depois levar para o ranqueado.

Não pule os tutoriais

Você pode ter vencido o torneio de Passiflora em The Witcher 3, mas isso não significa que a sua vida será fácil em Gwent. O jogo traz mecanismos de jogos mais refinados, complexos e até confusos. No início não é nada recomendado que você vá direto para as partidas multiplayer.

Em primeiro lugar porque seu deck estará muito fraco. Em segundo porque você precisa dar uma reforçada nos seus aprendizados a respeito das cartas. As fases iniciais do modo single player são a melhor maneira de você evoluir seu jogo.

Além disso, caso não queira investir dinheiro real em Gwent, poderá dar uma turbinada no deck ao ganhar boas cartas nas primeiras partidas que jogar.

Foque sua atenção em apenas uma Facção

Uma das partes mais interessantes de Gwent é poder escolher uma entre cinco Facções. Cada uma tem cartas específicas e poderes especiais únicos, o que significa que ser um mestre em todas elas é uma missão longa, árdua e que certamente é bastante complicada. Por isso o ideal é você focar em apenas uma dessas facções.

Por isso pense bem antes de tomar sua decisão. Reinos do Norte, Império Nilfgaardiano, Skellige, Monstros e Scoia’tael são as Facções disponíveis. Para quem está começando, pode ser interessante ficar ou com Reinos do Norte ou com Scoia’Tael.

Reinos do Norte foca na estratégia conhecida como enxame. Ou seja: são soldados de pequeno poder, mas que dão suporte uns aos outros, aumentando seus níveis de carta ao mesmo tempo que tiram poder das cartas adversárias.

Já o Scoia’Tael é voltado para encher o campo com cartas de anões. Apesar de serem também de baixo nível de poder, é bastante fácil muitos pontos, visto que são várias cartas que podem ser postas em jogo.

Evolua em sua Facção

Assim que você escolhe uma Facção, o próximo passo é se tornar um mestre nela. Obter todas as cartas disponíveis e montar seu deck é certamente uma atividade muito divertida e um grande desafio. Mas não é exatamente com isso que você precisa se preocupar em um primeiro momento, mas sim em evoluir o máximo que puder no Livro de Recompensas.

O Livro de Recompensas é uma seção do jogo em que você pode ver todos os decks e líderes de Facção disponíveis. Muitos estarão bloqueados no início. A sua própria Facção terá apenas um líder disponível. Evolui-la ao máximo garantirá acesso aos demais líderes, o que aumenta seu poderio de jogo.

Isso é feito usando pontos de recompensa, que você ganha derrotando oponentes e cumprindo missões diárias.

Use decks prontos

Infelizmente montar decks é uma habilidade que nem todas as pessoas têm. Em Gwent isso também se confirma. Por isso aconselhamos a usar baralhos prontos, que muitas vezes estão disponíveis em sites na internet. Isso lhe poupa tempo, evita que se estresse e permite que tenha um conjunto de cartas coeso.

Às vezes pode apenas dar uma olhada nos decks alheios para se inspirar a criar o seu. Isso também é válido, principalmente para quem está começando. O essencial é que tenha um baralho com muitas cartas bronze, algumas prateadas e o máximo de quatro de ouro, que é o limite.

Jogue todos os dias

Jogar Gwent todos os dias é importante não só para treinar, mas porque é a melhor maneira de ganhar novas cartas. O jogo lhe concede prêmios se você obter pelo menos seis coroas todos os dias. Uma vitória concede duas coroas. Mas se você vencer apenas uma rodada, ganha uma. Ou seja: em apenas três partidas já dá para obter as três coroas diárias e ganhar seu prêmio.

Além disso, há quests específicas que dão pontos de recompensa sempre que você as cumpre. Elas estão relacionadas a movimentos de jogo, como usar determinadas cartas de ação ou efeitos de unidades.

Dê preferência a cartas neutras

Muitos jogadores acabam dividindo sua atenção entre duas Facções. Não há nenhum problema com essa estratégia se você dominar dois estilos de baralho diferentes. O mais importante, no entanto, é você focar sua atenção em obter cartas neutras.

As cartas neutras são aquelas que atuam de forma vantajosa em todos os decks. Geralt, por exemplo, é bastante versátil, principalmente em sua variação Igni. Djikstra, embora pertença aos Reinos do Norte, é um ótimo espião, já que possui pouca energia e permite a compra de duas cartas.

Mesmo que você goste de determinadas cartas icônicas, como algumas variações de Geralt ou de Ciri, no início não foque tanto em obtê-las se elas não forem úteis ao seu baralho.

Não colecione cartas inúteis

O propósito de Gwent não é colecionar cartas. Portanto não vale a pena ter cartas de um tipo de baralho que não é o seu e que você não planeja ter. Se você optou, por exemplo, por ter um deck Skellige, por que gastar tempo e recursos em cartas tipo Monstro?

Por isso quando ganhar cartas que não vai usar, quebre-as para obter recursos e investi-los no que realmente importa. Cartas repetidas ou cartas iguais, mas com artes diferentes também podem ser dispensadas. Contudo tenha atenção: faça isso apenas com cartas bronze ou de baixo poderio. Cartas douradas devem ser mantidas, pois são valiosas e raras.

Além disso, essa dica só deve ser seguida por quem realmente tem certeza de que não irá mudar de Facção posteriormente. Caso bata o arrependimento, não poderá voltar atrás e terá de perder bastante tempo conseguindo novamente os cards dispensados.

Tenha mais cartas na mão que seu oponente

Em Gwent há basicamente duas formas de se obter vantagem em relação ao seu oponente. A principal, como é óbvio, é ter mais força no tabuleiro. Outra, cuja importância é fundamental, é ter mais cartas na mão que o adversário.

Podemos dizer que nesse sentido jogar Gwent é como jogar Poker. Você pode desistir de uma rodada se perceber que é mais inteligente manter as cartas na mão para tentar a sorte em um próximo turno.

Isso tem a ver com controle de jogo. Se o adversário joga em campo uma carta que você não poderá enfrentar, termine seu turno e foque em vencer o próximo. Isso fará com que você volte com mais cartas que o oponente. Ou seja: mesmo sem cartas no campo, você já tem uma vantagem.

Saiba quando o turno está perdido

A dica anterior está muito ligada a esta. Às vezes você está perdendo por 10 ou 15 pontos de diferença. Ficar correndo atrás e empilhando cartas no campo não é a melhor solução. Analise bem a sua mão e veja se é possível mudar o panorama. Se não for, desista.

Gwent é um jogo de estratégia, em primeiro lugar, portanto jogue com esse pensamento. As cartas precisam combinar umas com as outras para que todas aumentem seus potenciais e você consiga fazer bons combos. Vale muito mais ter uma mão boa para rodadas futuras do que uma mão inútil para a rodada atual.

Domine o oponente no primeiro turno

Quem vence o “cara ou coroa” no início de uma partida irá começar jogando. Em jogos de cartas como Hearthstone ou como Yu-Gi-Oh! Duel Links, isso nem sempre pode ser uma vantagem. É interessante ser o segundo a jogar, visto que você já sabe com o que vai lidar.

Quem vence o primeiro turno em Gwent, começa o segundo. Mas imagine que você perca o segundo. Você e o adversário irão para a última rodada com poucas cartas, mas você terá a vantagem, visto que será o segundo a jogar. Poderá traçar uma estratégia rápida de acordo com a carta posta em jogo pelo oponente.

Além disso, vencer a primeira rodada garante que a pressão seja toda colocada em cima de seu oponente. Há mais chances de ele tentar usar toda a mão para vencer e manter-se vivo. Novamente: caso ele vença, há muitas chances de você se sagrar o grande vencedor, já que terá a vantagem literalmente na mão.

Use e abuse das cartas de suporte

Existem mais de uma centena de cartas de suporte em Gwent. Elas variam ainda em tipo. Muitas darão um boost de energia as suas cartas. Há aquelas que dão energia a um aliado e tiram pontos de uma carta inimiga. Outras apenas atacam um ou vários cards inimigos.

Essas cartas são tão importantes quanto aquelas usadas para acumular pontos de campo. Ainda há aquelas que mudam o clima do tabuleiro ou que afetam uma ou as duas fileiras inimigas, retirando pontos por turno. Essas precisam ser usadas com inteligência, para não desperdiçar sua utilidade.

Cuidado com as cartas scorch

Uma carta scorch é uma carta que “queima” outras. Geralt: Igni é um ótimo exemplo. Não são muitas que têm essa habilidade, mas elas existem, e é importante que você tome cuidado com elas.

Assim como você pode usar esse tipo de card contra um inimigo, ele também pode usar contra você. Dedique-se, portanto, a estudar as cartas scorch que existem no jogo. Tente prever se o baralho do seu oponente, dando uma olhada na Facção dele, pode conter uma carta dessas.

Guardar as cartas douradas e de líder

Logo no tutorial, o game diz que usar suas cartas mais poderosas no começo é uma boa estratégia, o que nem sempre é verdade.

As cartas douradas são as mais poderosas e com habilidades mais devastadoras, o que justifica seu limite de quatro por deck.

As douradas são tão fortes quanto os líderes, personagens importantes que representam a facção desejada. Como já dizia Vezemir, “Poupe os recursos para quando forem mais impactantes.”

Aproveite o Mulligan

O Mulligan é uma jogada conhecida de muitos card games, tanto dos físicos como Magic: The Gathering, e virtuais, como Hearthstone, que consiste em trocar cartas da sua mão no começo do round.

Criar uma estratégia com isso em mente é importante. Sabendo que é possível trocar três cartas no primeiro round e uma nos próximos dois, construir um deck que se aproveite disso é essencial.

Saiba filtrar seu deck

Para aproveitar ao máximo o Mulligan, e também outras mecânicas, é fundamental construir um deck que combine com o que pode acontecer durante as partidas.

Como exemplo, podem ser citadas as cartas que buscam unidades aleatórias no deck, que podem ser trocadas no Mulligan, servindo como um coringa, já que aumenta as chances de sacar suas tropas mais importantes.

Administre danos e melhorias

Algumas cartas do game podem causar danos no adversário ou melhorar unidades aliadas, a diferença é marcada por como isso é executado, já que isso pode ser feito imediatamente ou levar alguns turnos.

Enquanto certos personagens causam um de dano por turno, outros podem explodir os oponentes imediatamente.

Escolha bem em que situação cada uma se sai melhor, já que em um começo de rodada garantir aquelas melhorias periódicas pode ter um enorme peso no decorrer do confronto.

Referências:

VS, Play Gwent, Ligados Games, Wikipedia, techtudo.

Monster Hunter: World

Monster Hunter: World é um jogo de ação desenvolvido e publicado pela Capcom. O jogo faz parte da série Monster Hunter, foi lançado em todo o mundo para o PlayStation 4 e Xbox One em janeiro de 2018, com uma versão para o Windows sendo agendada para o final do ano. No jogo, o jogador assume o papel de um Caçador, encarregado de caçar e matar ou atrapalhar monstros que vagam em um dos vários espaços ambientais. Se for bem sucedido, o jogador é recompensado através de pilhais constituídos por partes do monstro e outros elementos que são usados para fabricar armas e armaduras, entre outros equipamentos. O loop principal do jogo faz com que o jogador crie equipamentos adequados para poder caçar monstros mais difíceis, que por sua vez fornecem peças que levam a uma engrenagem mais poderosa. Os jogadores podem caçar sozinhos ou podem caçar em grupos cooperativos de até quatro jogadores através dos serviços on-line do jogo. 

Anunciado na E3 2017, Monster Hunter: World adotou as formulas de seus jogos antigos. Mudanças feitas no Monster Hunter: World inclui a criação de espaços ambientais totalmente conectados e a remoção das “zonas” que eram necessárias nos jogos para o PlayStation 2 e jogos portáteis, inteligência artificial e físicas dos monstros ficou mais avançados para criar ecossistemas aparentemente vivos que poderiam ser aproveitados durante caças, uma experiência cooperativa multiplayer mais persistente e um aprimoramento da interface do usuário do jogo, sistemas de menu e tutoriais para ajudar a trazer novos jogadores para a série. Essas mudanças levaram a Capcom a planejar o lançamento simultâneo do jogo em mercados japoneses e ocidentais, já que Monster Hunter, como uma série, geralmente definiu no Ocidente, em comparação com o Japão em parte devido a horários de lançamento diferentes. A Capcom também optou por apoiar o jogo online entre essas diferentes regiões geográficas por motivos semelhantes. O atraso para o lançamento do Windows foi atribuído à Capcom, procurando garantir que sua primeira incursão no mercado do Windows fosse otimizada para os jogadores nos computadores.

Monster Hunter: World recebeu elogios da crítica após a liberação do jogo, com críticas ao louvar como a Capcom conseguiu tornar o jogo mais acessível aos novos jogadores e aos mercados ocidentais, sem prejudicar os principais elementos da jogabilidade da série e dificuldades divertidas e aproveitar o plenamente capacidade computacional de consoles mais modernos para criar ecossistemas vivos. Dentro de algumas semanas do lançamento, o jogo tornou-se o jogo mais vendido na história da Capcom com mais de seis milhões de cópias enviadas. No momento, já são 7,5 milhões de copias vendidas no mundo todo, nas plataformas Xbox One e Playstation 4.

Novo Mundo

O game tem uma narrativa simples, que leva você por todas as regiões do Novo Mundo e sempre em busca da próxima criatura para abater ou capturar. Essa campanha dura entre 40 e 50 horas de jogo e serve, na prática, como um fio condutor para as suas caçadas e, durante boa parte do tempo, como um grande tutorial, ao longo do qual você ganha confiança nas suas habilidades e entende o que precisa para alcançar seus próprios objetivos – como, por exemplo, obter todos os ingredientes para forjar o conjunto de armadura dos seus sonhos.

Se você não se importa tanto com a história, “Monster Hunter World” pode ser bem divertido, especialmente ao lado de outros jogadores. Há vários pontos do game onde é possível se juntar a um grupo de caçadores ou chamar amigos, desde um lobby online até os painéis com as missões. Em última instância, se precisar de ajuda no meio de uma caçada mais violenta, é possível disparar um pedido de “SOS” e recrutar voluntários de última hora.

Em todo caso, “Monster Hunter World” é um jogo mais divertido para curtir ao lado de amigos em partidas cooperativas. Ainda assim, se você quer se tornar um caçador melhor, seja afiando suas habilidades ou preparando equipamentos superiores, é bom dedicar algumas horas para explorar sozinho as selvas, pântanos e desertos do Novo Mundo.

Pegue todas as pistas de monstros

Em toda missão de caçada, você é levado a pesquisar pistas até encontrar o monstro . São pegadas, arranhões em árvores ou em pedras, muco, penas, etc. Normalmente, basta investigar algumas pistas para achar o monstro, indicadas em verde brilhante. Ao coletar pistas suficientes, eles te indicam a posição do seu alvo.

Mesmo que você ache o monstro que está caçando, não pare de investigar seus rastros. Isso aumenta seu nível de pesquisa, o que pode desbloquear investigações, missões paralelas que garantem pedaços mais raros daquele monstro cujo set de armadura você está querendo completar.

Mantenha um foco

Boa parte do loop de gameplay de Monster Hunter consiste em coletar itens de monstros para montar um set de equipamentos, o que significa que você vai matar a mesma criatura várias vezes. Portanto, não se preocupe em ter todas as armaduras e armas do jogo. Escolha as que você mais gosta ou mais precisa, e mantenha o foco. Há muitos colecionáveis que valem a pena completar no jogo – as armaduras não são um deles.

Coma antes de cada missão

Em Monster Hunter, é possível fazer refeições para aumentar temporariamente seus pontos de vida, ataque e defesa. Você pode fazer isso na cantina, em Astera, ou nos acampamentos em cada um dos locais da missão. Não se esqueça de comer antes de cada missão para garantir pontos extras para seu personagem e seu Amigato.

Quer explorar o mapa? Vá em uma Expedição

A maior parte das missões de Monster Hunter – tanto as Designadas (main quest) quanto as Opcionais -, tem um limite de tempo. Se você não completar no tempo determinado, é obrigado a retornar à base.

Portanto, para explorar com calma os mapas, sua opção é a Expedição, na qual você pode perambular sem limite de tempo. Se você precisa obter itens que não vem de monstros – como pilhas de ossos, minérios, insetos ou plantas -, esse é o melhor jeito de conseguí-los com calma.

Fique de olho no Centro de Recursos

Logo na entrada de Astera, há um “altar” com três personagens. Este é o Centro de Recursos, onde é possível pegar missões paralelas como investigações, caçadas registradas ou entregas. São tarefas simples, como coletar uma quantidade de um item, ou matar um número específico de monstros.

Tudo isso é registrado automaticamente, independentemente se você estiver fazendo a missão ou não, e as recompensas são boas. Portanto, fique sempre de olho no Centro de Recursos.

Aprenda enquanto joga e experimente as armas

Eu apenas diria para não ficar muito vidrado em parar para ler muito sobre como jogar o jogo – nós incluímos tutoriais com vozes que são narradas enquanto você joga, então siga o fluxo inicialmente. Você pode não saber, em parte, o que está fazendo, mas saia e comece a caçar.

Se, por exemplo, você pegar uma arma em particular e a tirou da bainha pela primeira vez, o personagem do tutorial começará a falar em tempo real, lhe dizendo que tipo de arma é essa e o que ela pode fazer, então você realmente pode simplesmente sair pelo mundo e experimentar até encontrar a que melhor serve para você.

Claro, isso se você já não souber, existem 14 tipos de armas, então há muito o que explorar – apenas experimente todas elas, e veja do que você gosta. Se não gostar de uma, não sinta-se mal em deixá-la de lado, apenas experimente a próxima e encontre aquela que melhor funciona com você. E o mais importante, curta o jogo!

Experimente o arco e armas à distância

O que diria para os jogadores intermediários, nosso arco e armas à distância sempre tiveram um pouco de reputação ruim no passado. E nós levamos isso em consideração – se você as experimentou e não conseguiu descobrir o que fazer com elas anteriormente, então eu iria adorar se os jogadores intermediários dessem uma olhada nas armas que podem ter dispensado anteriormente. Os controles foram muito melhorados, especialmente com armas à distância, e elas podem ser uma experiência completamente diferente para eles.

Tente ativar os números opcionais de dano

Para outras ações, existem alguns truques para acelerar as coisas que já haviam antes, que as pessoas podem não ter se acostumado. O fato onde você pode dizer quanto de dano você está causando é um deles – as pessoas querem gostar do jogo, mas não podiam dizer se estavam indo bem ou não, com coisas do tipo: ‘Será que eu estou acertando esse monstro? Isso é efetivo? A cabeça está mas machucada que a calda? Essa arma é melhor que aquela?’.

Nós não queríamos colocar uma barra de vida lá, pois então tudo o que você faria seria observar a barra de vida descer, mas adicionamos – opcionalmente – números de dano. Se você não gostar deles, é possível desligá-los, porém deve ser bem mais fácil de ver agora, ‘Ok, estou causando um bom dano aqui, mas não aqui’, ou ‘a arma A é boa para esse monstro, arma B não aparenta ser eficaz’, e por aí vai. Isso é algo que pode, talvez, ajudar a retificar experiências ruins anteriores.

Experimente o auto-sheathing

Outro elemento semelhante é o auto-sheathing – ele está ativo por padrão, então, novamente, é com você; se você gostar dele, pode mantê-lo, se não gostar, desligue-o. O fato é que você tem dois estados de armas, sheathed (escondidas) e unsheathed (não-escondidas), e existem algumas coisas que você não pode fazer com a arma empunhada, como interagir com itens. Você tem primeiramente que saber guardá-la, e não havia uma forma amigável de dizer: ‘Ei, você não pode fazer isso agora porque sua arma está ativa’. Então, o auto-sheathing quer dizer que enquanto você não estiver ativamente em combate e estiver correndo ou fugindo, após alguns segundos o jogo irá entender que sua arma pode ser guardada com segurança. Isso torna mais fácil poder executar outras ações sem ter que parar para pensar sobre se você está em modo sheath ou não. Acho que esse é outro aspecto do jogo que as pessoas que deixaram de lado no passado ficarão felizes em descobrir que foi melhorado.

Familiarize-se com itens do tipo bomba de fumaça

Há algumas novas coisas que acho que eles vão se acostumar, algumas pequenas novidades – como os itens do tipo bomba de fumaça, que agora são disparadas com a sub-arma Estilingue, para deixá-las mais fáceis de usar, do que apenas jogá-las. Isso é algo novo que você deve se acostumar.

Customize os controles

Contudo, o meu conselho é que você pode customizar os controles bem mais do que você poderia imaginar. Nós demos uma atualizada nos controles para pessoas que estão mais acostumadas no geral, com padrões da indústria para jogos em terceira pessoa – seja correr com um clique do analógico esquerdo ou selecionar itens dessa forma – porém se você não gostar dessa configuração, ou se quiser jogar da maneira mais old school dos diabos e ficar com o que lhe trouxe até aqui, então explore esse modo nas opções.

Temos todos os tipos de coisas, seja para desligar a corrida no analógico esquerdo ou manter o seletor de itens como você quiser, ou até mudar a distância da câmera para deixar as coisas mais parecidas com os jogos anteriores.

Não deixe esses detalhes frustrarem você no início – apenas leve algum tempo e configure as coisas da maneira que preferir e acredito que você terá uma experiência muito mais leve ao pegar o macete das ótimas novidades de jogabilidade que irá descobrir.

Qual arma escolher?

Monster Hunter: World dá ao jogador a possibilidade de escolher entre 14 diferentes armas. E cada uma escolhida agrega uma jogabilidade totalmente diferente da outra. Muita opção pode atrapalhar, especialmente se você nunca jogou nada da série antes. A dica aqui é dar uma passada na Área de Treino e testar todas elas. É só falar com o Amigato, que trabalha como zelador, no seu quarto (há algumas entrada para o cômodo em Astera). No treinamento, você poderá explodir e destruir o que quiser sem custos de munição.

A segunda dica é não tentar jogar com todas as armas de uma vez, especialmente no começo. O interessante é escolher uma ou duas e se especializar nisso. Ao progredir no jogo será possível comprar novas armas e ainda aperfeiçoar as que você já tem. É claro que, para isso, será necessário dinheiro (que você ganha ao completar missões), coletar objetos pelo mundo e caçar monstros, às vezes o mesmo várias e várias vezes na esperança de conseguir aquela gema rara. A propósito, todos os itens que podem ser extraídos de criaturas são aleatórios e você precisará ter muita paciência até que a garra que precisa, por exemplo, apareça. Inclusive, paciência é algo que você irá exercitar muito nesse jogo.

Logo no início do jogo, quando chegar a Astera, você será levado ao seu quarto, onde poderá escolher uma arma. Lá, também existe uma sala de treinamento – para acessar, fale com o Amigato ao lado do baú. Neste local, você aprende o funcionamento básico de cada arma e alguns combos, o que será vital na hora de enfrentar os monstros.

Ao testar todas as armas, você pode descobrir qual delas combina mais com seu estilo de jogo – muitas vezes, pode ser com algum equipamento que você não imaginava.

Não se apegue às armaduras iniciais

O impulso inicial é quase sempre querer aperfeiçoar aquele primeiro ou segundo set de armadura ao máximo, certo? Não faça isso. Mas há uma explicação. Os sets de armaduras são divididos em dois grupos: ranking mais baixo (de raridades 1 a 4) e ranking mais alto (de raridades 5 a 8). Seu foco precisa ser nessa segunda opção, até porque sets de raridade baixa têm limite máximo baixo de aperfeiçoamento.

É claro que para chegar nesse grupo mais alto você precisa progredir na história e, principalmente, sobreviver até lá. A dica é sempre deixar ativa alguma Caçada para ganhar Esferas de Armaduras, itens usados para aperfeiçoar suas vestimentas. Em princípio, aparecerão esferas mais fracas, ideais para dar uma ajudinha na sua armadura inicial, mas use-as com moderação. Elas serão bem mais úteis em equipamentos melhores. Para registrar uma Caçada, basta ir ao Pátio do Comércio (no 1º andar) e ir até o Centro de Recursos. Conforme progredir na campanha, caçadas mais difíceis, e com Esferas de Armaduras mais poderosas, aparecerão.

Para desbloquear novas armaduras é indispensável progredir na campanha principal. No entanto, desbloquear significa apenas tê-la à disposição na Oficina (localizada no 2º andar). Agora é correr atrás dos recursos para forjá-las, além de ter o dinheiro necessário. Novamente, insira o exercício da sua paciência aqui.

Meu caçador não sobe de nível! O que houve?

A progressão de nível clássica, que faz parte da maioria dos jogos ditos ocidentais, onde é necessário matar inimigos e cumprir algumas tarefas para acumular XP (pontos de experiência), só funciona para seu Amigato. Seu personagem progride a partir de um sistema de ranking de caçador.

Em princípio, seu ranking vai subir conforme você progredir na história principal, somente. Não importa quantas vezes você voltar nesse ou naquele monstro para matá-lo ou capturá-lo. Até antes da última batalha da campanha será possível progredir até o nível 15. Assim que derrotar a última criatura, seu ranking será “destravado” e você poderá subir normalmente após completar, com sucesso, um contrato de captura (como missão designada). Para continuando subindo de ranking, será necessário completar missões disponíveis tanto com a Assistente (que geralmente está na Cantina, no 3º andar) quanto em algum dos Quadros de Missões, espalhados por Astera.

Seu Amigato, seu melhor amigo

Monster Hunter: World não se resume apenas à dor e sofrimento para conseguir o set de armas e armaduras dos sonhos. Ao longo de sua árdua jornada, seu principal escudeiro será um Amigato (Palico), Felynos que fizeram um pacto com os caçadores para ajudá-los em batalhas. Não se engane por sua carinha fofa e peluda. Amigatos são destemidos e muito úteis em batalhas, tanto para te ajudar a derrotar monstros quanto coletar itens extras, mas você precisa equipá-los para tal.

Vá até a Oficina e escolha a opção Forjar Equipamento de Amigato. Se você não tiver participado de nenhum evento ainda, como o que liberou a armadura especial de Horizon Zero Dawn para o Amigato, só aparecerá a opção Equipamento Padrão. A lista de armas e armaduras para seu Palico também será atualizada conforme progredir na campanha e você precisará de itens de criaturas para forjá-las. A única diferença aqui é que ao invés de dinheiro, tudo relacionado aos Amigatos é feito com pontos – conseguidos ao terminar missões e outras tarefas com sucesso.

Além de forjar armas e armaduras, é possível escolher o tipo de habilidade especial do seu Palico. Converse com ele, no seu quarto, e escolha a opção Mudar Equipamento de Amigato. Essas habilidades serão desbloqueadas conforme você encontrar outros grupos de diferentes Felynos pelo mapa, que também te ajudarão nas missões. A critério de curiosidade, é possível dispensar seu Amigato, em uma das opções ao conversar com o bichano. A questão é ter o coração gelado de fazer isso.

Leve apenas o necessário em sua bolsa

Existem centenas de recursos, espalhados pelo mapa, que podem ser combinados para criar vários itens. Desde as tradicionais poções de cura a bombas de barril e cápsulas de esterco, você terá à sua disposição inúmeras opções de customização, o que pode te levar a querer carregar tudo de uma vez na sua bolsa. Não faça isso. O espaço do seu inventário é limitado e, dependendo da arma que tiver escolhido, o item que você possivelmente está carregando é inútil e só ocupa espaço. O conselho também vale para os coletores compulsivos: você não precisa pegar vários recursos para munição se está usando uma espada, por exemplo.

A dica é otimizar sua bolsa levando itens já prontos para uso e deixar a maior parte das matérias-primas no seu baú pessoal (que pode ser acessado em vários pontos do mapa, inclusive dentro da sua barraca em missões ativas). Se você já souber o que te espera numa missão (qual monstro vai enfrentar e em que ambiente), priorize levar itens que te ajudarão a sobreviver mais tempo. Se for um contrato de captura de monstro, por exemplo, não deixe de levar alguma armadilha e bombas sedativas; você precisará dele vivo.

A propósito, antes de fazer qualquer missão, não deixe de visitar seu baú e ver se é possível criar novos objetos e, ainda, reabastecer o seu estoque da bolsa. Estar no meio da lava e só aí lembrar que esqueceu de pegar algumas bebidas geladas pode ser tarde demais, por exemplo. Também é interessante marcar os itens que mais usa para produção automática.

Como sobreviver à câmera do jogo nas batalhas

A câmera de ação de Monster Hunter: World, certamente, vai te estressar antes que qualquer monstro o faça. Especialmente se este é seu primeiro contato com algum título da série. Sabendo disso, o próprio jogo te permite fazer ajustes, como focar a mira em todos os monstros ou apenas nos grandes, direção de mira, velocidade da câmera e etc. Para acessar essas configurações, dentro do game, vá em Sistema, Opções, Câmera.

Não há uma fórmula mágica de melhor câmera a se usar. Tudo depende do seu estilo de jogo e até mesmo do tipo de arma que está usando. Vale testar algumas combinações e ver o que mais se adequa ao seu gosto. Ao todo, existem 16 opções de personalização para você. Divirta-se.

Como melhor se preparar para enfrentar um monstro

Além de organizar sua bolsa de itens, como dito anteriormente, antes de enfrentar uma criatura é muito importante saber mais sobre ela. Da primeira vez que encontrar um Anjanath, por exemplo, é bem capaz de você ter que enfrentá-lo às escuras, o que pode significar uma morte quase certa. Mas nem sempre precisa ser assim. A maioria dos monstros deixa rastros (pegadas, mucos, partes do corpo) e, um dos seus trabalhos como caçador, é coletar esses rastros para aprender mais sobre o seu alvo. Quando coletar rastros suficientes será possível visualizar o monstro no mapa.

Lembrando que é importante visitar o Chefe de Ecologia, que fica no Pátio do Comércio, para apresentar suas descobertas e, assim, desbloquear mais informações para o Bestiário. Este catálogo contém informações úteis, como: características dos monstros, habitats, pontos fracos, que efeitos eles sofrem e etc. Quanto mais rastros você coletar, mais informações serão desbloqueadas.

Dica de ouro: antes de sair para uma caçada, não deixe de passar na cantina para comer alguma coisa. Além de se manter mais ativo em batalha, você ainda pode ganhar bônus de comida.

Como conseguir itens para forjar armas e armaduras

Essa é a parte mais adoravelmente sofrida do jogo. O ponto alto do game é caçar monstros, por isso, se quiser aquele set de armadura ou arma de ranking 8 você terá que ir caçar… E muito! Entre no Quadro de Missões e escolha entre publicar ou entrar numa nova missão. Se sua intenção é conseguir algumas partes em específico, a melhor opção são os contratos de Investigações, que além dos itens normais recebidos ao completar a missão com sucesso, também dão matérias-primas extras.

Ativar os tickets diários, recebidos ao entrar no game, antes das missões também aumentam as chances de prêmios recebidos. Há sempre recursos extras que podem ser conseguidos enviando Amigatos para Safaris. Para isso, é só visitar o zelador em seu quarto quando o serviço estiver ativo.

Responder ao SOS de outros jogadores também é interessante, especialmente se filtrar sua busca pelo monstro que está procurando. A partir daí é pura loteria: você pode conseguir o item que precisa de primeira ou ter que refazer a mesma missão várias vezes até conseguir. E se estiver jogando em modo multiplayer, ainda tem o risco de passar quase 50 minutos numa caçada e, por azar, os jogadores excederem o número de desmaios (geralmente são 3) e a missão falhar. Procure não se desesperar. Mantenha o foco, você vai conseguir!

Dica de ouro: sempre que possível, capture um monstro ao invés de matá-lo. Capturas rendem mais itens. Durante a luta, espere aparecer a imagem de uma caveirinha em cima do ícone do monstro no mini mapa, e pare de bater nele (ou você irá matá-lo). Espere até que ele se arraste para o ninho e durma. Coloque uma armadilha bem próximo e, assim que ele cair nela, jogue duas ou três bombas sedativas nele. Também é possível capturar uma criatura antes de ela ir para o ninho, desde que apareça a caveirinha no mini mapa, mas a primeira opção é mais segura.

“It’s dangerous to go alone” (É perigoso ir sozinho)

Como um velhinho aconselhou Link, em The Legend of Zelda, a não enfrentar os perigos que estavam por vir sozinho, a melhor experiência de Monster Hunter: World é mesmo jogar com outras pessoas. Vale ressaltar que, em nenhum momento, o game te obriga a jogar em modo multiplayer. No entanto, por mais que você seja um lobo solitário, dê uma chance ao modo cooperativo. E o motivo é bem simples: cada jogador tem a possibilidade de complementar o outro em alguma estratégia, especialmente tendo 14 tipos de armas diferentes à disposição.

Jogar em grupo também te ajuda a respirar um pouco numa batalha, enquanto a atenção dos monstros está nos outros caçadores. Assim você pode, por exemplo, afiar sua arma, trocar o tipo de munição, beber uma poção, coletar alguma parte da criatura que caiu no chão, ou simplesmente descobrir onde a câmera resolveu focar dessa vez. De qualquer maneira, Monster Hunter: World é uma das experiências online mais satisfatórias dessa geração, basta apenas a Capcom resolver alguns probleminhas de sessões caindo de vez em quando.

Bônus: personalize seu poogie

Isso não vai mudar em absolutamente nada o seu gameplay e nem se encaixaria como uma dica de sobrevivência, mas é necessário ser dito: customize seu porquinho de estimação. Em Astera (o acampamento base do jogo), você verá perambulando pelo Pátio de Comércio um simpático porquinho de pijama.

Brinque com ele e resolva o mini game, que basicamente se resume a apertar um botão, na hora certa, ao final da música. Faça isso toda vez que chegar de uma missão (ou sempre porque ele é fofo). Em algum momento, ele pulará de felicidade e corações aparecerão sobre a cabeça dele. Pegue-o no colo e leve-o para passear no primeiro andar. Ao sentir o controle vibrar na sua mão coloque-o no chão. Seu poogie começará a cavar e pode encontrar itens para seu uso em batalhas, além de roupinhas para ele. Importante: não se esqueça de dar-lhe um nome!

Referências:

The Enemy, Uol, RedBull, Wikipedia, techtudo.