1HitGames

Warcraft III

Warcraft III: Reign of Chaos

Warcraft III: Reign of Chaos (Warcraft: o Reinado do Caos), desenvolvido e lançado pela Blizzard Entertainment em 2002, e expandido em 2003 com Warcraft III: The Frozen Throne (Warcraft: o Trono de Gelo), é um jogo eletrônico de estratégia em tempo real com elementos de RPG, feito para PCs.

O Warcraft III apresentou uma mudança importante com relação às versões anteriores do jogo: unidades únicas, mais poderosas, chamadas “Heroes” (heróis). Um herói no jogo pode achar ou trocar itens mágicos para melhorar suas características e atributos, ao género dos RPGs. Os heróis podem também adquirir auras de proteção através de habilidades, que beneficiam unidades aliadas que estão próximas dele. Tal como nos RPGs, os heróis ganham experiência através de combate, subindo de nível, e desbloqueando novas habilidades ou melhorando aquelas que já possui.

Outra inovação são os creeps: criaturas controladas pelo computador, presentes mesmo em jogos multijogador. Eles guardam certas áreas do mapa. São aproveitadas para aumentar o nível do herói no início do jogo, já que ele ganha experiência e tesouros.

Warcraft III inclui um editor de mapas. Ele utiliza uma linguagem de script similar ao sistema de eventos de StarCraft, conhecido como JASS.

Warcraft III: The Frozen Throne

Em 29 de maio de 2002, a Blizzard anunciou que a expansão Warcraft III: The Frozen Throne “foi a ouro”, o que significa que o jogo foi preparado e enviado para a prensagem dos CDs. Foi lançado em todo o mundo e em várias línguas a partir de 1º de junho. Inclui um novo herói por raça, quatro campanhas, duas novas unidades por raça, cinco novos heróis neutros e algumas novas facilidades como enfileiramento de upgrades. Para jogar, é preciso possuir uma cópia do jogo normal, Reign of Chaos.

Periodicamente são lançadas novas versões de Warcraft III, inicialmente o jogo era vendido na versão 1.07, e a cada atualização são corrigidos erros de programação (“bugs”) e de balanceamento do jogo. São adicionadas também correções quase invisíveis no visual do jogo e novos capítulos da campanha dos Orcs (“The Founding of Durotar”).

A versão 1.26, lançada em 1 de março de 2011, essa versão é geralmente utilizada para partidas on-line do próprio Warcraft III, ou de mapas criados por terceiros, sendo o Dota All-stars o mais conhecido mundialmente. Essa versão apresenta diversas melhorias de balanceamento e algumas novas opções, como salvar replays automaticamente.

Em 4 de abril de 2017, a Blizzard decidiu atualizar o jogo mais uma vez, lançando a versão 1.28, adicionando várias atualizações importantes, além de balanceamentos. Essa atitude foi a marca de reavivamento da série pela empresa.

Em 21 de fevereiro de 2018, a Blizzard lançou uma nova atualização, com novas funcionalidades, suporte nativo para widescreen, suporte para jogos com até 24 jogadores e muitas outras coisas. Até o momento (07/05/2018), o jogo está recebendo atualizações constantes para que sejam corrigidos problemas das novas funcionalidades implementadas e que novas atualizações tenham várias novas.

Warcraft III: Battlechest 

A Blizzard lançou no mesmo ano do lançamento de Warcraft III: The Frozen Throne o pacote Warcraft III: Battlechest contendo o jogo Warcraft III: Reign of Chaos com sua expansão Warcraft III: The Frozen Throne.

Warcraft III: Reforged

Na BlizzCon 2018, Blizzard anunciou uma versão remasterizada de Warcraft III intitulada Warcraft III: Reforged, que contará com modelos de personagens refeitos e gráficos melhorados, para ser lançado em 2019. De acordo com o artista Brian Souza e o produtor Pete Stillwell, Reforged algumas partes do jogo serão mudadas para sincronizar com o que foi estabelecido em World of Warcraft. Blizzard também contratou o novelista Christie Golden que escreveu alguns livros sobre o universo Warcraft para garantir que a história dos jogos permaneça em sincronia entre os títulos, incluindo alguns retcons de alguns eventos do jogo e aumentando a participação das personagens Jaina Proudmoore e Sylvanas Windrunner, que se tornaram centrais na história de World of Warcraft. Stillwell também afirmou que Reforged vai balancear a jogabilidade.

Facções

As quatro facções do jogo têm vantagens diferentes, desde a maneira de coletar os recursos (Ouro e Madeira) até os tipos de unidades, que são únicas por raça. Várias características são similares aos atributos raciais das facções de Starcraft. Os Night Elves, por exemplo, lembram os Terrans no aspecto de que suas construções podem levantar e se movimentar; também lembram os Zergs devido ao trabalhador ser sacrificado para criar a construção. Os Undead, tais como os Zergs, também corrompem o solo com suas construções, e a maioria das construções só podem ser feitas no solo contaminado.

As raças

Humans

Os Humanos, lutam ao lado de elfos e anões, defendendo os reinos da Alliance (Aliança). Embora a Aliança esteja enfraquecida em consequência das sucessivas guerras, os cidadãos de Azeroth e Lordaeron ainda empunham suas armas contra os inimigos da Humanidade. Suas unidades em geral possuem boa defesa e unidades variadas e equilibradas. Seus trabalhadores podem construir em conjunto para concluir as construções mais rápido.

Orcs

Os Orcs que já cultivaram uma sociedade shamanista no mundo de Draenor, foram corrompidos pela magia da Burning Legion (Legião Flamejante) e aliando-se aos Trolls e Ogros formaram a Horde (Horda). Atraídos para Azeroth por um portão dimensional (o Dark portal) aberto por Medivh, O Profeta, a Horda foi manipulada contra os Humanos de Azeroth e Lordaeron, facilitando a posterior invasão da Burning Legion. Depois de vencidos os orcs que permaneceram em Azeroth eventualmente retornaram a suas tradições xamanistas sob o comando de Thrall. Fugindo para o continente de Kalindor eles se aliaram aos Trolls Headhunters e, em Kalindor, aos Taurens formando a Nova Horda. Os Orcs possuem as unidades mais caras e poderosas do jogo, investindo mais em qualidade do que em quantidade. Suas construções podem ser barricadas com espinhos que dão dano aos atacantes.

Undeads (Mortos-vivos)

A armada Undead, também conhecida por Scourge , é formada por mortos-vivos e almas amaldiçoadas. A Scourge foi criada pela Burning Legion para espalhar o terror no mundo antes da chegada da mesma. O comando da Scourge foi por muito tempo do Lich King, este teve Kel’Thuzad como seu braço direito por muito tempo. O atual portador do trono Lich king (que pertencia a Ner’zul) agora é de Arthas (o antigo príncipe Arthas filho do Rei Terenas Menethil II, príncipe coroado de Lordaeron e antigo Paladino da Silver Hand), ele ao subir os montes do leste em Northrend, o continente esquecido, fundiu-se com Lich King (Ner’zul (Frozen Throne), que estava perdendo seus poderes e assim fazendo com que Arthas também perdesse os seus) tornando a si mesmo um dos Reis e seres mais poderosos do mundo de Warcraft. Os Undeads utilizam de práticas necromancistas e os poderes elementais do norte gelado contra seus inimigos. Ao construir, o solo ao redor da construção é contaminado por Blight (Peste). As unidades que ficam sobre Blight ganham regeneração de vida extra. Seus trabalhadores são os Acolytes, que não precisam construir e não pegam madeira, apenas invocam as construções. A unidade mais básica de infantaria Undead (Ghoul) é responsável pela coleta de madeira.

Night Elves (Elfos Noturnos)

Os Night Elves foram a primeira raça a aparecer no mundo de Warcraft e também os primeiros a estudar magia. Aliados das Dríades, Hipogrifos e outras criaturas da floresta, eles formam o grupo dos Sentinelas. Eles evitaram a invasão da Legião Ardente, porém sua terra natal foi dividida e engolida pelo mar. Desde então, os Elfos Noturnos pararam de usar magia arcana temendo a volta da Legião e se isolaram no topo da montanha Hyjal por milhares de anos. As unidades Elfo Noturno se especializam em ataque a distância e magias de cura, manipulação da natureza e metamorfose. Seus trabalhadores são Espíritos que não destroem as árvores, e, como o nome indica, a maioria das unidades Elfos Noturnos ganham bônus à noite, como regeneração de vida extra e a habilidade de se camuflar.

Naga

Uma facção jogável apenas na campanha. Foram a última raça a aparecer e foram primeiramente vistos por Thrall e seus orcs, numa parada inesperada no meio do Grande Oceano. São monstros aquáticos, variando sua forma em seres semelhantes a crocodilos, sereias, peixes, tartarugas, etc. Eles um dia já foram Nigh Elves, mas na guerra dos anciões pela cobiça de magia eles ficaram ao lado da Burning legion e Azshara, e ao perderem a guerra caíram ao mar com a destruição de sua terra natal e da Well of Eternity, se transformando em aberrações adaptadas para a vida aquática com a explosão mágica. Depois quase todos adormeceram pelo mandado da rainha Azshara para se fortalecer e voltar a dominar.

Depois vieram ao chamado de Illidan, um Herói traidor dos Night Elves. Seus fins para dar esse chamado foi destruir o trono de gelo (Frozen Throne). Illidan traiu seu irmão e toda a sua raça para ganhar poder, porém no final ele teve se aliar novamente ao seu irmão para salvar Tyrande, esposa de seu irmão. Os Naga então permaneceram junto dos elfos de sangue após a quase morte de Illidan em seu confronto contra Arthas aos pés do Frozen Throne. As unidades Naga tem a habilidade de nadar na água, o que facilita os jogadores a andar livremente pelo mapa mesmo tendo mares. E além disso, os Naga não tem campanha própria, eles são apenas jogáveis na campanha da Alliance: Curse of the Blood Elves em cooperação com os humanos no Warcraft III: The Frozen Throne.

O multiplayer

Um dos grandes destaques de Warcraft 3 é seu modo multiplayer — este que inclusive cresceu junto com a facilidade dos gamers nacionais em acessarem a internet. Isso explicava bem a “invasão brasileira” tanto nos servidores alternativos quanto nos oficiais.

O multiplayer online é gerenciado pelo sistema antigo da Battle.net que interliga os games clássicos da Blizzard, como Diablo 2 e StarCraft: BrooWar. Os brasileiros jogaram, por muito tempo, em plataformas alternativas por conta dos servidores oficiais se localizarem nos Estados Unidos.

A opção mais nostálgica talvez seja o Garena — uma plataforma que continua firme e forte apenas em terras orientais. Além dela esteve presente o Euro Battle.net, se mantendo como uma alternativa forte para os fãs no início do DotA.

Hoje, os jogadores competitivos se encontram no W3Arena, que se localiza na Europa. Na China, a comunidade recebeu uma plataforma oficial patrocinada pela Blizzard, o Net Ease. Nela, os jogadores competem ainda em partidas ranqueadas e torneios oficiais com grandes premiações.

E os brasileiros hoje em dia? Eles se encontram no GameRanger e alguns ainda tentam a sorte nos servidores oficiais da Battle.net. Outros se organizam em um grupo de Facebook para tentar marcar jogatinas de vez em quando.

Os mods

Defense of the Ancients, Legion TD, Hero Line War, Footman Frenzy, Warlock, Enfos Team Survival, X Hero Siege e tantos outros mapas foram criados pela comunidade desde o lançamento do game. O Epic War, o catálogo com todos os mods criados pelos jogadores, contabiliza hoje mais de 251 mil criações. Muitas delas inclusive desenvolveram uma subcomunidade apaixonada pelas novas maneiras de jogar Warcraft 3 — ou mesmo outros gêneros que se popularizaram com os anos seguintes, como foi o caso de DotA.

Veja esse e outros vídeos no nosso canal do youtube.

Referências:

Wikipedia, The Enemy.

Das Antigas, Estratégia, PC Tags:, , , , , , , , ,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Subir ↑