Albion Online

Albion Online (AO) é um MMORPG de fantasia medieval desenvolvido pela Sandbox Interactive, um estúdio baseado em Berlim, Alemanha. Durante os estágios beta de desenvolvimento, os jogadores puderam comprar “Founder’s Packs” para obter acesso aos testes beta fechados que foram executados de forma intermitente pela Sandbox Interactive, geralmente após um intervalo de alguns meses de desenvolvimento. Esses pacotes do Founder não estão mais disponíveis desde o lançamento do jogo completo. O Albion Online removeu seu modelo free-to-play por várias razões em 30 de dezembro de 2015.

Desde o seu lançamento em 17 de julho de 2017, Albion online agora oferece uma seleção de “Starter Packs”, que concedem aos jogadores acesso ao jogo e oferecem uma quantidade variável de ouro para começar. Depois que um jogador compra qualquer um dos pacotes iniciais, ele terá acesso ilimitado ao jogo, sem taxas obrigatórias extras. Os jogadores também podem comprar a associação por um período limitado, sem os benefícios dos pacotes iniciais. A partir de 10 de abril de 2019, o Albion Online passou a ser gratuito para jogar .

O caminho das pedras:

Em algum lugar dos confins do continente oriental de Albion, num lugar desolado de paz oprimido pelas disputas políticas, as histórias de um novo começo se tornam realidade. Era a hora de escrever a história de um novo herói.

Bem-vindos, Aventureiro. Você chegou ao lugar certo — e ao jogo certo. Albion Online é um MMORPG medieval da Sandbox, projetado inteiramente com o objetivo de proporcionar uma vivência equilibrada e desafiadora. Do desenho de animação simplista, mas cheio de impacto, até a abordagem minimalista do estilo de arte esteticamente agradável, o jogo exige atenção.

Dito isso, estou aqui hoje para fornecer-lhe algumas orientações sobre a linha de conduta inicial ao dar os primeiros passos no mundo de Albion. Comecemos com a primeira coisa que se pensa naturalmente ao conectar no jogo: o Painel do Destino.

O Painel do Destino: ponto central da progressão

Ao entrar no jogo pela primeira vez, você notará que não há ninguém para dar uma missão nem NPCs para direcionar a sua jornada. Não se preocupe: isso é intencional. Em Albion Online, você escreve a sua história e determina o próprio caminho. No entanto, o Painel do Destino está disponível como um sistema de apoio para ajudar a definir melhor quem você deseja se tornar como jogador. A primeira coisa que você deverá fazer é abrir o Painel do Destino; para isso, aperte a tecla de atalho “N”.

Sim, a princípio, o painel do destino parecerá muito complexo, mas não desanime: só serão necessários alguns momentos para perceber que se trata de algo mais coerente do que parece. Ele será o seu guia tácito da progressão de personagem em Albion, acessível a qualquer hora e de qualquer lugar. Você começará a progressão no painel do destino assim que se conectar. Depois de fechar o painel do destino, veja a parte inferior central da tela. Lá estarão as tarefas iniciais do painel do destino que você deverá concluir para começar a sua jornada. 

Agora que você já compreendeu o estilo básico de progressão e começou a sua jornada em Albion, falemos sobre as primeiras tarefas em que você deverá se envolver.

O começo da jornada

Ao chegar às praias da costa de Albion, você poderá se direcionar a três lugares: o Cruzamento Oeste, o Cruzamento Central ou o Cruzamento Leste. Se você planeja começar a sua jornada com um acompanhante, a viagem entre cada cidade inicial é um processo bem simples. Para isso, fale com o Planejador de Viagem localizado nas docas de cada cidade inicial. É possível viajar entre cada cidade inicial… por uma pequena quantia, é claro (achou que ia sair assim, de graça?).

Antes de fazer alguma coisa, abra o correio, localizado na parte superior da tela. Além de itens de vaidade que o Pacote de Fundador lhe dá, você encontrará também um cavalo e um boi que facilitam o deslocamento pelo mundo de Albion. Porém, atenção: se você entrar nas Zonas Vermelhas e alguém o matar, você poderá ficar sem os seus itens de Fundador, inclusive as montarias.

Como dito anteriormente, a primeira tarefa se localiza na parte inferior central da tela na lista de verificação do painel do destino. Comece a coletar as pedras e troncos iniciais e mate os inocentes coelhinhos para o seu bel-prazer! Não se esqueça de saquear os pelegos de coelho depois de matá-los. É bem útil conseguir mais dos recursos que você coletar, pois cada um deles é útil de alguma maneira.

Depois de concluída a tarefa inicial de coletar recursos, é hora de criar os primeiros itens: ferramentas de coleta e armas. Vá até o primeiro NPC que você encontrar no jogo, no meio do mapa, que lhe fornecerá a bancada necessária para criar os equipamentos e as ferramentas iniciais. Comece as suas primeiras criações!

Produção ilimitada

Agora que você está com os recursos no inventário, poderá fazer suas primeiras ferramentas e armas. As ferramentas de coleta são um componente imensamente importante do sistema de produção de Albion Online, pois elas permitem coletar recursos de grau mais elevado que produzem, portanto, armas e armaduras mais fortes.

Os recursos são apresentados em oito graus. Cada grau é gradativamente mais difícil de encontrar no mundo aberto, pois a escassez de recursos é um fator muito tangível no mundo de Albion. Só o melhor dos melhores conseguirá manter o grau mais alto de equipamentos, portanto vale ressaltar que se trata de um mundo bem competitivo. Será necessário ter as ferramentas do grau adequado para coletar recursos do mesmo grau. Dito isso, tenha sempre as ferramentas à mão se você planeja coletar e produzir o próprio equipamento. Tendo em mente que você planeja ser o melhor dos melhores, comece a criar suas ferramentas de grau 1. Esse será o seu primeiro passo para atingir o objetivo máximo de desbloquear o grau 8. Com suas ferramentas à mão, colete madeira, pedra e pelegos (ou use os adicionais que você coletou anteriormente) para criar as primeiras armas e armaduras em Albion.

Sistema sem classes: você é o que você usa

Para produzir a espada, o escudo e a armadura de couro, vejamos novamente o painel do destino. Embora você esteja empunhando uma espada e um escudo no momento, é importante notar que, assim que você adquirir fama o suficiente (leia-se “experiência”) para progredir para armas e armaduras de grau 2, suas opções de equipamentos tornam-se ilimitadas. Isso porque a abordagem de Albion Online quanto à progressão de personagem não confina o jogador a uma função específica, ao contrário: ela lhe permite criar o personagem e o estilo de jogo de sua preferência.

Em poucas palavras: você é o que você usa. Um dia você pode jogar como um mago de fogo que usa roupas de tecido e ataques pirofóricos que incendeiam os inimigos. Outro dia, no entanto, você pode ser um tanque totalmente blindado com armadura para proteger os aliados de levas de mortos-vivos nas masmorras de Albion. Tudo isso é possível com um personagem.

Alinhada com a natureza simples do design de Albion está a simplicidade do sistema sem classes. Quando você se equipar com uma armadura ou uma arma, notará que, do lado direito da tela, novas habilidades estarão presentes. Se você se equipar com um tipo diferente de armadura ou arma, verá que essas habilidades mudaram. Exatamente: você é o que você usa. O uso dos três tipos de armadura resultará em diferentes habilidades e um estilo de jogo totalmente novo e revigorante em cada mudança. Isso abre uma porta para a infinita teoria da produção. O único fator limitante é o grau de inventividade que você se permitirá, criando assim um estilo de jogo que define você como jogador.

Agora que estamos num ponto em que você começou a entender o painel do destino, a progressão e o sistema sem classes de Albion Online, é hora de pegar no correio o seu equipamento exclusivo de grau 3 e também o cavalo ou o boi — se estiverem incluídos no seu Pacote de Fundador — e partir para a aventura em mundo aberto.

Olhe por onde anda

Como novo jogador, é importante compreender que novos desafios se apresentam ao longo do caminho. Há uma curva de aprendizado para sobreviver em Albion Online, pois trata-se de uma das características essenciais do jogo. Daremos algumas dicas para garantir que você tenha uma vivência memorável e agradável.

Para começar, é importantíssimo entender o sistema de zonas de Albion Online. Há quatro tipos de zona, cada um com novos desafios e oportunidades desafiadoras. Para reconhecer cada tipo de zona, aperte a tecla de atalho “M” e abra o mapa múndi. Elas se coordenam por cor com base no tipo de zona e, portanto, dos riscos envolvidos.

Variação de zonas: risco x recompensa

Zonas verdes

A primeira das quatro é a zona verde. É o tipo de zona em que você se encontra — a única zona totalmente segura em Albion. Nessas zonas encontram-se recursos de grau 1 a 4.

Você estará seguro portando seu equipamento e suas montarias de fundador por essas zonas, pois há muito poucos perigos além dos primeiros mobs que matará em mundo aberto. Se você morrer numa zona verde, não se desespere, pois você só cairá momentaneamente e sofrerá uma perda de durabilidade em vez de realmente morrer e perder todo o equipamento.

As zonas verdes são lugares perfeitos para começar as primeiras aventuras PvE (jogador contra o ambiente) em Albion, portanto use o seu tempo para aprender os detalhes de combate e coleta de recursos nessas zonas. Se você vier a morrer nas zonas verdes, não se preocupe! Os espectadores rirão com você no processo.

Zonas amarelas

A seguir, temos as zonas amarelas. Lá encontram-se recursos de grau 3 a 5, além de uma pequena quantidade de grau 6. Será a primeira zona em que poderá realmente encontrar PvP (jogador contra jogador) em Albion Online. No entanto, assim como nas zonas verdes, se você morrer numa zona amarela, cairá momentaneamente e sofrerá uma perda de durabilidade em vez de soltar todos os itens. Portanto, você se sentirá relativamente seguro se portar o equipamento de Fundador por zonas amarelas.

A única diferença é que, nelas, você deverá ficar de ouvido em pé e preparar-se para ocasionais jogadores furtivos que tentem matá-lo. Isso é possível se você sinalizar PvP. Para sinalizar-se como hostil, clique no ícone de “escudo” próximo à barra de pontos de vida. Só se sinalize se realmente estiver procurando PvP. Se você ficar sem sinalização, terá um bônus de amigável que ajudará a defender-se dos que possam atacá-lo.

Seja você um pacifista ou um matador, é importante manter-se alerta e preparado para os poucos perigos que uma zona amarela oferece.

Zonas vermelhas

Em terceiro, as zonas vermelhas. Nessas zonas, espera-se encontrar recursos de grau 4 a 6. É aí que a adrenalina começa a correr, quando se percebe que a relação entre risco e recompensa começa a fazer a diferença no jogo.

Se você morrer numa zona vermelha, não há como voltar: todos os itens do personagem cairão como espólios ao vencedor. Se você planeja entrar nas zonas vermelhas, aconselho depositar num banco os itens de Fundador, inclusive o cavalo e o boi, pois com certeza você não quer ver esses itens saqueados tão cedo no jogo! Nessas áreas não há bônus de jogador amigável: todos estão dispostos a jogar em PvP.

Se você entrar mesmo em zonas vermelhas, esteja totalmente ciente dos riscos e recompensas que o aguardam. Se você matar um jogador, todo o saque é seu — e vice-versa, caso algum jogador o mate.

É importante ter em mente que Albion Online apoia todos os que quiserem jogar individualmente. Quando houver mais de 10 inimigos próximos numa zona vermelha, eles aparecerão no minimapa como bolinhas vermelhas. É um alerta de perigo certo, um sinal que pode ser a oportunidade para você escapar de uma luta indesejada a menos, é claro… que você queira ser o herói!

Zonas pretas

Por fim, temos as zonas pretas. Lá os jogadores encontrarão recursos de grau 5 a 8. É o ômega de todos os tipos de zonas e, de longe, a mais perigosa (e recompensadora) de todas. Como nas zonas vermelhas, se você morrer numa zona preta, soltará todos os itens do inventário, inclusive os equipados. Não há bônus de jogador amigável e nenhum indicador de perigo no minimapa, nem nada que o ajudará além de coragem e mérito. Quando você chegar ao ponto de entrar em zonas pretas, estará pronto para o mais alto nível de competição em mundo aberto que Albion tem a oferecer. 

Tenha em mente que diferentes graus de mobs estarão presentes pelo mundo de Albion! Da mesma forma que ocorre com os graus de itens, os mobs em Albion funcionam de forma semelhante. Eles se apresentam em oito graus progressivos de dificuldade e raridade. Os mobs mais fáceis estarão nas zonas verdes e os mais desafiadores nas zonas pretas. 

Ao compreender os diversos tipos de zona e a proporção entre risco e recompensas em cada uma, você terá um entendimento sólido de quando e como se aproximar de cada zona, sabendo dos riscos que você está disposto a enfrentar. Mesmo depois de ter chegado tão longe, ainda precisamos falar de um assunto importantíssimo. É o assunto que testará toda a sua dedicação, integridade e experiência geral no Albion Online: entrar numa guilda.

Guildas e disputa por território

Embora seja possível jogar individualmente em Albion Online, recomendamos entrar numa guilda que se alinhe com seus objetivos e aspirações no jogo. Fazer parte de uma guilda aumenta em muito o prazer de jogar Albion Online. A maior parte da ação em Albion ocorre entre guildas rivais que buscam dizimar as adversárias. Você pode se perguntar: como as guildas podem se enfrentar fora do mundo aberto PvP? A resposta nos leva ao próximo tema: batalhas Guilda contra Guilda.

Guilda x Guilda

Guilda x Guilda (GvG) em Albion Online é onde os mais corajosos se enfrentam em disputas de 5 x 5 por controle de território. É um sistema complexo. Em poucas palavras, as guildas podem reclamar o domínio de territórios e acumulam grandes quantidades de terra no mundo de Albion. Nos territórios adquiridos, as guildas podem edificar uma grande variedade de construções para refinar materiais, produzir equipamentos, cultivar a terra e ter acesso a mais armazenamento. Uma guilda rival pode desafiar a guilda ocupante, roubar-lhe a terra e reivindicá-la como sua, inclusive a infraestrutura nela construída.

Se você jogou algum MOBA recentemente, estará familiarizado com a natureza da competição GvG em Albion e não terá problemas em participar e sair-se bem na disputa! É um destaque no PvP em Albion com muita adrenalina envolvida. É um excelente motivo para fornecer conteúdo de transmissão para seus espectadores.

Quanto aos nossos jogadores solo e em pequena escala, não se preocupem! Vocês ainda poderão ter um pedaço de terra em Albion Online sem o medo de perdê-lo para uma guilda mais forte. Trata-se do nosso sistema de Ilha do Jogador.

Ilhas de jogador: terra para todos

Em Albion Online, as Ilhas do Jogador foram projetadas como uma transição para a propriedade de terras, mas os menos capazes de manter territórios conquistados! Por um preço módico, todos podem comprar uma ilha de jogador em qualquer uma das cidades principais de Albion. É possível aprimorar a ilha do jogador em 6 graus, cada um com mais espaço de terra que o grau anterior. Claro, quanto mais espaço de terra, mais lotes para construir.

O principal é que a Ilha do Jogador é totalmente particular e acessível somente para o proprietário e para os visitantes autorizados. A ilha não pode ser conquistada. Ela pertence e sempre pertencerá ao jogador.

Para o alto e avante!

Se você chegou até aqui no nosso guia, está pronto para transitar pelo mundo de Albion Online num ambiente descontraído. Há muito conhecimento para adquirir durante o jogo, mas não se desanime! À medida que você faz a sua história no mundo aberto, tudo passará a fazer sentido. Siga o painel do destino, determine o seu estilo de jogo, fique atento à sua localização e — o mais importante — entre numa guilda! Lembre-se: Albion é um jogo projetado para ser simples, mas com todos os detalhes necessários para oferecer uma vivência inesquecível!

Economia conduzida por jogadores

O jogador constrói o próprio destino!

Seja um conjunto de armadura poderoso, um bastão mágico ou um conjunto de ferramentas robusto – todos os itens são forjados pelos jogadores, assim como a economia é conduzida pelos mesmos!

Além disso, o jogo possui ainda um sistema de ilha pessoal, que fica fora do mundo, ou seja, na costa de Albion onde você pode construir e manter uma fazenda, inclusive com cultivo e animais e um conjunto totalmente novo de construções.

Assim você pode gerar comida e abastecer os esforços de guerra da sua guilda ou vende-los no mercado para obter lucro!

Personalização do personagem

Para criar o personagem perfeito, você precisa conhecer os diversos caminhos pelos quais seu destino pode levá-lo. É aí que entra em cena o Painel do Destino! Ele mostra tudo o que você é e o que poderia ser — e não é pouca coisa!

Durante o seu progresso você pode mudar de ideia e reaver suas escolhas! O que torna todo o processo por si só muito divertido e abre margem para bastante experimentação!

Esqueça o que conhece de outros MMOs. Não há classes em Albion Online, ou seja, não há restrições de equipamentos. Experimente projetar e criar seu próprio estilo — no Albion Online, você é o que usa! (Frase está que foi usada como marketing do jogo!)

Uma base de jogadores robusta

Com aproximadamente 30.000 usuários ativos por mês jogando em um único servidor gigante, o mundo de Albion está em constante estado de movimento. Com uma ampla gama de atividades em grupo disponíveis, seu próximo mergulho em masmorras, ataque avançado ou batalha de mundo aberto está sempre à mão.

Conteúdo sazonal

No ano passado, foi introduzido as temporadas GvG e o Desafio do Aventureiro mensal. Estes oferecem recompensas exclusivas, desde montagens poderosas a roupas e móveis exclusivos, até Fama e Prata.

Referências:

Albion Online, Gamers News, wikipedia,

Hollow Knight

Hollow Knight é um jogo indie de gênero metroidvania desenvolvido e publicado pela Team Cherry. O jogo foi lançado para Microsoft Windows, macOS e Linux em 2017 e, posteriormente, para Nintendo Switch, Playstation 4 e Xbox One em 2018. O seu desenvolvimento foi sustentado através de uma campanha no site de financiamento coletivo Kickstarter, onde arrecadou cerca de A$57.000 no final de 2014.

No início de 2019, Hollow Knight havia vendido 2,800,000 de cópias no mundo inteiro.

História

O mundo de Hollow Knight é habitado por insetos antropomórficos que viviam em uma cidade subterrânea, até que um tipo de contaminação enlouqueceu as criaturas. O Hollow Knight, personagem principal que carrega o nome do jogo (“cavaleiro vazio” em inglês), é um tipo de receptáculo criado para combater essa infecção. No entanto, após tantos anos e ciclos, não sobrou muito o que salvar. O mundo já está em ruínas e o jogador apenas encontra registros dessa civilização que supostamente deveria proteger. Em meio a tudo isso, o cavaleiro encontra também Hornet, a protetora dessas ruínas que às vezes tenta impedi-lo.

O enredo de Hollow Knight é tão profundo quanto seu mapa e, caso jogadores se interessem, é possível ir atrás de cada figura que era importante nesse mundo e descobrir o que aconteceu depois desses anos, como o “Rei Pálido” e a “Dama Branca”. Boa parte da história é contada de forma sutil ou indireta com cenas e diálogos que insinuam ligações entre personagens para que o usuário ligue os pontos, ou melhor, teça os fios.

Gameplay

A jogabilidade de Hollow Knight tem duas faces que se complementam. De um lado a aventura inspirada por Metroid e Castlevania, “Metroidvania” como é chamado entre alguns jogadores, na qual o usuário explora um grande mapa desconhecido e pode acessar cada vez mais lugares conforme desbloqueia novas habilidades que permitem atravessar certos obstáculos. O mapa de Hollow Knight é incrivelmente grande e o jogador não deve se preocupar demais quando não puder superar algum obstáculo, pois algumas habilidades demoram para serem encontradas.

Do outro lado, há os combates inspirados em Dark Souls. Inicialmente, o cavaleiro não possui muita energia, apenas cinco máscaras, unidade que conta as vidas do personagem, mas essa quantidade pode ser aumentada durante a aventura. Cada inimigo tem uma boa chance de matar o jogador se pegá-lo desprevenido ou em uma sequência de erros. Quando há um tempo para descansar há a chance de recuperar sua energia com “Foco”, habilidade que gasta o recipiente de energia usado também para golpes especiais. Este recipiente se preenche sempre que o jogador atinge um golpe em um inimigo.

Caso o usuário seja derrotado, será criado uma espécie de fantasma no local onde ele morreu. A capacidade do cavaleiro ficará comprometida até que o usuário retorne ao local e derrote o fantasma, o que devolverá também seu dinheiro. Caso não se lembre onde morreu, o fantasma é mostrado no mapa.

Amuletos

Durante a aventura, o jogador encontra diversos amuletos que garantem poderes especiais ao cavaleiro, porém só há a possibilidade de equipar alguns deles de cada vez. Para equipá-los, basta sentar em um banco e acessar o menu para preencher os espaços disponíveis, espaços esses que também podem ser aumentados durante o game. Alguns amuletos, como a Bússola, costumam ser essenciais para explorar – mas, como último recurso em uma batalha difícil, o jogador pode tirá-la e colocar um amuleto de combate.

A parte mais interessante sobre os amuletos é que seus efeitos são cumulativos e interagem entre si. Um amuleto para aumentar seu poder de ataque e um amuleto para atacar mais rápido pode permitir que você destrua um chefe antes mesmo que ele tenha a chance de reagir. O jogador pode experimentar diferentes combinações e construir diversos “builds”, conjuntos específicos para certas situações e batalhas.

Mapas

No começo do jogo é difícil saber para onde ir devido à falta de um mapa, mas logo nas primeiras horas o game apresenta o cartógrafo Cornifer e sua esposa Iselda. Cornifer está na parte de baixo e à esquerda da Encruzilhada Esquecida, concentrado em desenhar seu mapa. Ao falar com ele, é possível comprar um mapa inicial da área.

Cornifer está sempre “escondido” em algum lugar em cada área do jogo e o usuário precisa encontrá-lo e comprar seu mapa para ter um ponto de partida para explorar. Na loja de Iselda, em Dirtmouth, há um essencial amuleto de bússola à venda que mostra a localização do cavaleiro no mapa. Há também outro item útil, a pena, que faz com que o cavaleiro faça anotações no mapa e marque áreas exploradas além das registradas por Cornifer.

Finais

Originalmente, Hollow Knight possui três finais. Dois deles podem ser considerados “ruins” e um deles seria o verdadeiro final feliz da história. Normalmente, jogadores encontram o final ruim primeiro e, ao continuarem a jogar após esse final, podem descobrir o final melhor. O DLC Godmaster adicionou ainda dois novos finais para um total de cinco, que exigem que o jogador complete o modo de enfrentar vários Bosses em sequência.

Encontre e atualize os mapas

Hollow Knight, ao contrário de outros jogos do gênero, utiliza um sistema diferente na construção de mapas. Para obter o esquema de alguma região, precisamos comprá-lo do cartógrafo Cornifer — o detalhe é que o personagem precisa ser encontrado em algum lugar da área. Por sorte, ele deixa pistas: páginas espalhadas pelo chão indicam que ele está próximo, e é possível ouvir ele cantando. Sendo assim, fique atento a esses detalhes. Depois que o chefe da área é derrotado, Cornifer vai embora do local e o mapa pode ser comprado na loja.

Para atualizar o mapa, compre o item “Mapa e Pena” na loja de Cornifer em Dirtmouth e descanse em algum dos vários bancos espalhados pelo jogo. Para mostrar o marcador do herói no mapa, equipe o artefato “Bússola Caprichosa”. Por fim, é possível abrir o mapa das proximidades ao segurar o botão L, sendo que dois toques rápidos no botão abrem o mapa completo.

Utilize os marcadores no mapa e faça anotações

O mundo de Hallownest é extenso e é muito fácil esquecer onde ficam tesouros e pontos inicialmente inalcançáveis. Para ajudar na tarefa, é possível colocar marcadores no mapa. O primeiro passo é comprá-los na loja de Cornifer em Dirtmouth, depois basta abrir o mapa completo e colocá-los nos pontos desejados. Existem vários tipos de marcadores, o ideal é usar categorias diferentes para elementos específicos: o dourado pode indicar tesouros, já o vermelho algum obstáculo, e assim por diante.

Mas, mesmo assim, somente os marcadores podem não ser suficientes. Sendo assim, uma alternativa é fazer anotações em algum elemento externo ao jogo. Outra opção é utilizar o recurso do Switch que permite tirar fotos. Dá um pouquinho de trabalho, contudo vai ajudar bastante na jornada.

Explore quando estiver perdido

Hollow Knight tem progressão aberta e é comum não saber exatamente qual é o próximo passo. Quando estiver perdido, abra o mapa e procure passagens ainda não visitadas completamente, é bem capaz que a aventura continue em algum desses pontos. As anotações, marcações e fotos tiradas anteriormente podem ajudar nesses momentos. Também fique atento aos cenários: algumas passagens e entradas podem ser difíceis de ver em um primeiro momento, vasculhe minuciosamente cada canto.

Reinicie o jogo para sair de situações difíceis ou para viajar rapidamente

Hollow Knight salva automaticamente o progresso da aventura. Já os bancos espalhados pelo mundo funcionam como ponto de renascimento e também como ponto de início ao carregar um arquivo. Sendo assim, é possível utilizar esses dois detalhes para facilitar algumas coisas sem penalidade. Caso você esteja em alguma situação complicada e com pouca vida, basta sair para o menu principal e recarregar o arquivo — você recomeçará no último banco visitado com todo o progresso intacto. Esse truque também é bem útil para navegar mais rapidamente pelo mundo: em vez de andar de volta para algum banco, basta recarregar o arquivo. Por fim, essa dica também funciona para evitar que Amuletos quebráveis, como Força Frágil/Fragile Strength, sejam destruídos.

Mude os artefatos de acordo com a situação

Os Artefatos (Charms) são itens que concedem vantagens ao herói. Os efeitos são variados: aumentar a velocidade de movimentação, diminuir o custo de Alma para realizar feitiços, atacar inimigos ao ser atingido e mais. A configuração de Artefatos só pode ser alterada quando o protagonista está sentado em algum banco.

O herói conta com encaixes para colocar os Artefatos, e cada um desses itens tem um custo para poder ser equipado. No começo da aventura há somente três encaixes e é possível aumentá-los ao realizar tarefas pelo mundo. Caso deseje, é possível equipar um Artefato mesmo sem ter encaixes suficientes por meio da Sobrecarga (Overcharm). Para isso, tente ativar um Artefato repetidas vezes até que ele seja forçadamente equipado. É uma boa maneira de receber os efeitos de um Artefato poderoso, porém há um grande revés: você recebe o dobro de dano enquanto estiver no estado de Sobrecarga.

Sempre altere a configuração de Artefatos de acordo com a situação. Algumas recomendações:

Exploração: Bússola Caprichosa/Wayward Compass (indica localização no mapa), Ganância Frágil/Fragile Greed (os inimigos derrubam mais dinheiro), Apanhador de Almas/Soul Catcher (recebe mais Alma ao acertar os inimigos), Enxame de Colecionadores/Gathering Swarm (o dinheiro é coletado automaticamente), Pedra do Xamã/Shaman Stone (aumenta a potência dos feitiços);

Combate: Espinhos da Agonia/Thorns of Agony (acerta inimigos ao ser atingido), Longnail (aumenta o alcance do ferrão), Carapaça Robusta/Stalwart Shell (aumenta o tempo de invencibilidade após ser atingido), Carapaça de Baldur/Baldur Shell (cria uma barreira que protege o herói enquanto ele executa o Foco), Foco Rápido/Quick Focus (aumenta a velocidade de execução do Foco).

Fique atento aos sons e barulhos

O mundo de Hallownest é repleto de perigos brutais e qualquer deslize pode ser fatal. Uma dica para sobreviver é ficar atento aos sons: resmungos de inimigos ficam cada vez mais altos quando eles se aproximam e alguns personagens pacíficos também fazem barulhos, como os Grubs aprisionados. O cenário também dá dicas sonoras, como partes quebráveis do chão que rangem quando passamos por elas. Por fim, muitos ataques dos chefes são precedidos de algum grito ou murmúrio.

Compre a lanterna assim que possível

Na loja de Dirtmouth é possível comprar uma lanterna. Ela é bem cara, mas vale a pena: existem várias partes bem escuras no mundo, algumas delas praticamente sem luz alguma. A probabilidade de você acabar em um desses lugares cedo é bem alta, logo é melhor ir prevenido.

Obtenha desconto na loja de Leg Eater

Um vendedor chamado Leg Eater vende alguns Amuletos poderosos do tipo “frágil” que se quebram quando o protagonista morre. Caso você esteja com o Amuleto Marca do Defensor/Defender’s Crest ao interagir com ele, todos os itens da loja estarão com 25% de desconto, inclusive o serviço de reparo.

Chame sua sombra de volta

Ao morrer em Hollow Knight, uma sombra maligna do herói é criada no local da morte. Para recuperar todo o dinheiro perdido, é necessário ir até o lugar e derrotar a criatura. Acontece que muitas vezes morremos em locais complicados, o que torna difícil recuperar o dinheiro. Uma alternativa a esse problema está em uma casa no extremo direito de Dirtmouth. Após destrancá-la com uma Chave Simples (Simple Key, pode ser comprada na loja da cidade), é possível usar um Ovo Rançoso (Rancid Egg) para chamar a sombra de volta. Esses ovos podem ser encontrados por todo o mundo, porém a quantidade é limitada — utilize-os somente em situações de necessidade.

Domine as batalhas

O combate de Hollow Knight parece bem simples por causa da pequena quantidade de movimentos disponíveis. No entanto os confrontos são bem difíceis e intensos, pois os inimigos usam ataques ágeis e a janela de invencibilidade do herói após ser atingido é bem pequena.

Confira algumas dicas para se dar bem nas batalhas:

A principal maneira de ataque do protagonista são golpes com o Ferrão (Nail), uma pequena lâmina que lembra uma espada. Não é possível atacar rapidamente em sequência com a arma, sendo assim, dose os golpes e atinja os inimigos nos momentos certos. Tentar atacar descuidadamente normalmente significa receber dano;

Observe com cuidado os padrões de ataques dos inimigos e identifique aberturas para conseguir golpear no momento correto. Cada oponente exige estratégias diferentes, atacar de qualquer jeito pode significar morte, principalmente quando enfrentando grupos;

Domine o ataque para baixo no meio do pulo. Quando ele acerta, o herói é lançado para cima, o que permite atacar novamente. Além disso, muitos inimigos são vulneráveis a ataques vindos de cima. O porém vem do fato de que esse é um ataque difícil de acertar o tempo, treine o máximo que conseguir;

Abuse dos feitiços que consomem Alma. Dois, em especial, são muito úteis: Espírito Vingativo (Vengeful Spirit) lança um projétil poderoso e é ideal para acertar inimigos distantes, já Mergulho Desolado (Desolate Drive) deixa o herói invencível por alguns poucos momentos. As versões melhoradas desses feitiços podem ser devastadoras.

Derrotando os chefes

Os confrontos contra os mestres de Hollow Knight são bem complicados. Os grandes monstros são poderosos, usam ataques complexos, se movem rapidamente e normalmente contam com várias fases. Por conta disso, algumas dessas batalhas podem ser bem frustrantes e difíceis. Confira algumas estratégias para acabar com os chefes:

Observe muito atentamente os padrões de ataques dos chefes e abuse da investida para escapar de golpes;

Respire fundo e tente várias vezes. Ataque com cuidado e tente dominar ao máximo as habilidades do protagonista;

Altere o seu conjunto de Amuletos de acordo com o chefe. Alguns mestres atacam muito rápido e não há tempo para recuperar a vida, nesses casos utilize Amuletos focados no ataque, como Pedra do Xamã/Shaman Stone (aumenta poder dos feitiços), Força Frágil/Fragile Strength (aumenta o poder de ataque) e Ferrão Longo/Longnail (aumenta o alcance do Ferrão). Uma configuração defensiva interessante é Carapaça Robusta/Stalwart Shell (aumenta o tempo de invencibilidade após ser atingido), Carapaça de Baldur/Baldur Shell (cria uma barreira que protege o herói enquanto ele executa o Foco) e Foco Rápido/Quick Focus (aumenta a velocidade de execução do Foco);

Experimente diferentes tipos de estratégia: em alguns chefes o ideal é ser mais agressivo, já em outros é mais fácil observar e atacar nos momentos certos;

Tentou varias vezes e não consegue derrotar o chefe? Explore outras partes do mundo em busca de melhorias e enfrente o mestre depois. É possível aumentar a vida do herói, fortalecer o Ferrão, melhorar os feitiços e encontrar outros Amuletos. Com equipamento melhorado, algumas batalhas ficam bem mais fáceis.

Use o Ferrão dos Sonhos

O Ferrão dos Sonhos (Dream Nail) é uma espécie de arma com vários usos distintos. Ele é praticamente inútil no combate, mas serve para várias outras coisas interessantes: ler o pensamento de NPCs e inimigos, enfrentar chefes opcionais, acessar áreas específicas e mais. Além disso, é de posse dele que é possível acumular Essência (Essence), que dá como recompensa vários itens importantes.

O uso mais interessante do Ferrão dos Sonhos é a possibilidade de criar um ponto de teletransporte chamado Portão do Sonho (Dreamgate). Ele pode ser colocado praticamente em qualquer lugar do mapa, facilitando bastante a navegação. Para consegui-lo, é necessário coletar 900 Essências. As maneiras mais fáceis de conseguir essa quantidade de Essências são ativando as Raízes Sussurrantes (Wispering Roots) e enfrentando chefes dos sonhos opcionais (para enfrentá-los, acerte seus corpos com o Ferrão dos Sonhos).

Procure a Trupe Grimm

Hollow Knight conta com uma linha de história opcional focada na Trupe Grimm, uma sombria e estranha companhia de insetos circenses. Esse conteúdo está levemente escondido na aventura e conta com vários passos, contudo as recompensas valem o esforço: Amuletos poderosos, itens valiosos, personagens exóticos e batalhas intensas. Quer iniciar a linha de história por conta própria? A dica é procurar em uma área perto do início do jogo. 

Subsolo

Para navegar com sucesso pelo Hallownest, mas primeiro você precisa ir para o subsolo e ganhar dinheiro/GEO. Para isso, precisa desbloquear a loja do Cornifer, o cartógrafo. Basta estar sempre aos seu zumbidos e saberá que ele está por perto. Vale a pena investir na bússola, por 340 GEO, na superfície.

Amigo de Insetos

Faça amizade com os poucos insetos do reino que não querem te matar, como o besouro gigante, que funciona como uma espécie de viagem rápida. Procure pelos filhos do “Grubfather” para boas recompensas ou GEO.

Encha o medidor de alma

Preste atenção no canto esquerdo da tela. Você pode usar o líquido para reabastecer sua saúde ou para usar ataques especiais. Mas use com sabedoria.

Olhe bem antes de pular

Para todo o gamer cascudo de jogos de metroidvania, sempre é cauteloso dar um pulo, porque ele pode definir seu futuro. Nunca pule cegamente. Use e abuse de observar bem o cenário.

Seja paciente

Em jogos como Hollow Knight, manter a calma é essencial. Inimigos atacam em padrão, então preste bastante atenção na movimentação para saber o momento perfeito de atacar. O mesmo vale para armadilhas. Espere até ter a habilidade específica para se aventurar em determinadas áreas.

Referências:

Nintendo Blast, Arena Xbox, Wikipedia, techtudo.

Prey

Prey é um jogo eletrônico de tiro em primeira pessoa e sobrevivência desenvolvido pela Arkane Studios e publicado pela Bethesda Softworks. Foi lançado mundialmente em 5 de maio de 2017 para Microsoft Windows, PlayStation 4 e Xbox One. A história se passa no futuro em uma história alternativa e acompanha Morgan Yu, um pesquisador na estação espacial Talos 1 que precisa combater os alienígenas hostis Typhoon depois deles escaparem de seu confinamento. O jogador tem a sua disposição várias armas, itens e habilidades que lhe permitem combater os alienígenas e explorar o mundo aberto da estação espacial.

O título não tem relação com o jogo Prey de 2006, desenvolvido pela Human Head Studios, sendo considerado uma reimaginação da propriedade intelectual com uma narrativa totalmente nova. Prey 2, uma sequência do jogo original, começou a ser desenvolvida pela Human Head, porém enfrentou diversas dificuldades depois dos direitos terem sido comprados pela Bethesda em 2011, acabando por ser cancelado em 2014. A Arkane assumiu o projeto, porém não usou nenhum trabalho feito anteriormente, apenas incorporando o nome e a temática geral do protagonista ser perseguido por alienígenas. Este Prey foi desenvolvido como um sucessor espiritual de System Shock, oferecendo ao jogador diversos meios de progredir pelo jogo.

Não se deixe enganar pelo fôlego

O fôlego é uma ferramenta que a jogabilidade insere para deixar a experiência mais difícil, limitada e realista. Não se deixe enganar pela barrinha que guia o fôlego do personagem: ele tem mais do que parece. Basta manter sob controle para não gastar tudo de uma vez e não ficar cansado frente a um inimigo.

O fôlego é gasto quando se usa armas de combate corporal ou quando se corre, então não é algo tão constante. Além disso, habilidades e melhorias fazem com que o fôlego seja um problema ainda menor. Basta saber administrar e você não terá problemas com isso ao longo do jogo.

Modifique a sensibilidade do controle

Seja no joystick ou no teclado e mouse, a sensibilidade padrão do controle de Prey é muito alta, tanto na vertical quanto na horizontal. Qualquer “toque” para o lado e o personagem se movimenta de forma bem rápida, mais do que o necessário.

Para deixar a experiência mais dinâmica, vá ao menu de opções do jogo e selecione as modificações de controle. Reduze em um ou dois níveis a sensibilidade e o resultado já vai ser bem mais aceitável do que o padrão.

Jogue com a tela mais clara

Outra dica que envolve as configurações no menu está no brilho padrão do jogo. Se for possível, aumente um pouco um brilho, sem que atrapalhe sua experiência ou prejudique a atmosfera de tensão que Prey carrega.

Isso por um motivo simples: alguns cenários são escuros demais e escondem inimigos, que também são escuros e saem dos cantos mais inesperados. É claro que usar a lanterna é uma altetnativa, mas ela tem bateria escassa e demora para recarregar. Vá ao menu de configurações e tente aumentar um pouco o brilho, mas só um pouco.

Salve o jogo sempre que possível

Essa dica parece óbvia, até por conta de o jogo ter um sistema de salvamento semiautomático, mas acredite, não é tão óbvia quanto parece. No meio da tensão e da ação, o jogador pode esquecer de salvar facilmente e morrer, obrigando-o a retornar muito no cenário – e você vai morrer bastante, dada a dificuldade do game.

O salvamento pode ser feito no menu básico de pause do jogo, mas não pode ser feito duas vezes seguidas. A principal dica é salvar em “salas seguras”, locais onde você sabe que não há inimigos e onde se pode parar para respirar um pouco.

Não atire tanto

Como em todo jogo de terror e tensão, em Prey a munição é escassa, mais do que se imagina, já que algumas armas nem mesmo usam balas. Algumas você vai encontrar pelo caminho, enquanto outras podem servir como tiros rápidos, apenas para desacelerar inimigos.

As armas funcionam mais como ferramentas do que como itens de destruição, com exceção de uma ou outra. Por isso, use-as sempre com inteligência, sem ficar com o dedo pressionado direto no botão de tiro.

Gaste bem os Neuromods

Os Neuromods permitem que o personagem principal seja melhorado, mas também define quanto menos humano ele fica, ao longo das modificações genéticas que entram no seu corpo. Porém, a principal dica é que você economize os Neuromods que conseguir no início da aventura.

Gastar os Neuromods no início pode ser um grande desperdício, principalmente porque ganhamos eles em muita quantidade nas primeiras horas de jogo, quando ainda não temos muitas ameaças. Tenha paciência que, pouco depois disso, eles serão mais valiosos e mais uteis. Junte-os para gastar melhor depois desse período.

Gloo: a melhor arma

A arma Gloo é uma das melhores e mais uteis do jogo – e ela não mata inimigos, ao menos não sozinha. A Gloo serve para paralisar alvos por um determinado tempo, ou no mínimo reduz seu avanço e permite uma escapada rápida. O ideal com a Gloo é imobilizar inimigos para depois usar uma arma mais pesada e abatê-los com apenas um tiro.

Não ignore os corpos

Os humanos vivos em Prey são poucos. A maioria que você vai encontrar estão mortos ou morrendo. Não deixe de parar por alguns segundos e coletar os itens de cada um deles, pode-se surpreender com o que será encontrado.

Para vasculhar os itens, pressione o botão de ação próximo dos corpos. É possível coletar tudo de uma vez ou só os itens que desejar, dado o espaço disponível na bagagem do personagem. O importante é nunca deixar nada útil passar – e são muitos os itens úteis, seja para reparo da armadura ou para melhorar o personagem.

Vasculhe absolutamente tudo

Quando digo para vasculhar tudo, é literalmente tudo que é possível interagir no cenário, desde lixeiras a armários e gaveteiros. Muitas vezes há itens valiosos como kits médicos, munição de escopeta e kits de reparo do traje em locais que você menos espera. Até mesmo itens mais comuns como qualquer tipo de comida ou materiais que você poderá reciclar mais tarde podem ser um mão na roda.

Além disso, esses containers podem servir de armazém pessoal caso seu inventário esteja relativamente cheio e você está longe de uma máquina recicladora. Só não esqueça em qual móvel deixou seus itens!

Vidros foram feitos para serem quebrados

Ao longo de Prey você encontrará grandes painéis de vidro, intitulados Looking Glass. Neles, você verá vídeos importantes para a trama, mas depois que assisti-los, é uma boa ideia quebrar essa superfície com sua fiel chave inglesa, pois muitas vezes há caminhos e salas escondidas por detrás. Sabe-se lá que tipo de cofre você pode encontrar, não é?

E não se preocupe em não poder mais assistir aos vídeos, pois é possível reparar os painéis, normalmente utilizando comandos em um PC próximo.

Recicle armas também

Além de mandar para o reciclador todas as tralhas que achar pela Talos I, é possível também colocar armas sobressalentes na máquina, resultando em materiais. Toda vez que encontra mais um Canhão Gloo dando sopa por aí, saiba que pode ser uma excelente ideia reservar um espaço no seu inventário para reciclá-lo depois.

Isso é especialmente efetivo pois a maioria das armas resulta em materiais minerais, utilizados na confecção de kits médicos, munição e Neuromods — ou seja, algo que você vai usar bastante.

Torretas são suas amigas

Diferente de Portal, em Prey as torretas são aliadas valiosas, especialmente no início do jogo. Sim, vale muito a pena carregar uma delas para novos ambientes que, muito provavelmente, estarão repletos de mímicos e outros inimigos. Elas atiram automaticamente em qualquer alienígena em seu campo de visão e, muitas vezes, podem limpar uma sala inteira sozinhas.

Mais tarde no game, elas passam a ser menos efetivas conforme você descobre e enfrenta tipos diferentes de aliens, mas em grandes quantidades ainda podem ser muito úteis. Em determinados pontos, elas serão inimigas, caso estejam sob controle de um Tecnopata.

Leia todos os emails

Se você é como eu e não suporta ver sua caixa de entrada com emails não lidos, essa dica é redundante. Mas saiba que inspecionar cada estação de trabalho e cada computador da Talos I pode resultar na obtenção de senhas para cofres ou portas.

É importante vasculhar tudo para adquirir senhas e também novas missões opcionais. Eu recomendaria que você lesse os emails, pois há histórias e anedotas interessantes sobre o dia-a-dia da Talos I.

Priorize habilidades que auxiliem na exploração

É completamente entendível dar prioridade ao combate, principalmente num jogo em que os inimigos aparentam ser muito mais fortes que você e podem se esconder em qualquer lugar. Porém, em função de ficar mais forte, a exploração é imprescindível.

Ao encontrar os primeiros Neuromods – pequenos aparelhos oculares que injetam agulhas diretamente no seu cérebro; funcionam como os pontos de experiência em Prey – você se depará, inicialmente, com três variações da sua árvore de habilidades. Nessas habilidades, há três essenciais que, caso opte pela exploração extensiva, são essenciais:

Hacking: acessar computadores e portas trancadas sem senhas e cartões de acesso pode ser a coisa mais útil e aliviante de se fazer em Prey. Para ter esse tipo de acessibilidade, será necessário investir na habilidade de hacking – com ela, como dito acima, você poderá acessar computadores (ler emails, autorizar acessos etc) e abrir portas trancadas com senhas que podem te levar a recompensas e recursos interessantes.

Repair: como o nome sugere, essa habilidade te auxiliará a consertar máquinas de craft, computadores e portas eletrônicas no geral. Ao consertar esse tipo de equipamento, você conseguirá ter acesso aos objetivos de sidequests – sendo que algumas dependem exclusivamente dessa habilidade para serem concluídas.

Leverage: talvez a mais útil dessas três, essa habilidade concede uma espécie de ”super força” ao protagonista, sendo possível levantar itens pesados para criar passagens, abrir atalhos, descobrir lugares secretos, abrir portas emperradas e usar itens do cenário como armas.

Lembre-se que com a exploração você poderá posteriormente investir em habilidades que te deixam mais poderoso, deixando tudo mais fácil.

Desbloqueie a habilidade “Mimic” assim que possível

No começo do jogo, você estará limitado apenas a habilidades humanas (skills azuis). Prosseguindo na história e fazendo missões principais, Morgan vai ter acesso às skills dos aliens abordo da estação espacial, os Typhons. E a primeira habilidade essencial dessa nova árvore na variação “Morph” é a skill Mimic.

Usando o Mimic você é capaz de se transformar em objetos do cenário, desde uma caneca a um rolo de papel higiênico. Sabe aquela porta barricada que tem apenas um espacinho de baixo? Se transforme numa banana e passe por de baixo. Essa habilidade será um complemento do seu potencial de exploração, te deixando ainda mais livre para encontrar segredos no jogo.

Desligue o marcador da missão principal

Não sei se enfatizei isso o bastante, mas Prey é um jogo de exploração. Por mais tentador que seja seguir na história e desvendar os segredos da Talos I e os envolvidos no incidente na estação, se faça um favor e desligue o indicador da missão principal. Dessa forma você ficará menos preso a um único objetivo e mais a vontade para explorar melhor áreas que você não esteve e/ou explorou pouco.

Graça ao bom senso dos desenvolvedores, isso pode ser feito facilmente indo no menu de Objetivos e simplesmente desmarcando o indicador principal da missão.

No combate vale tudo

Quando eu digo tudo, é exatamente isso o que quer dizer. Ou quase tudo. Vários inimigos – principalmente os que aparecem mais para frente – podem ser um desafio que beira a frustração se você ligar o modo “automático” de simplesmente correr pra cima deles e apertar o botão de atirar. Além de gastar bala à toa, a eficiência desse combate simplório vai te deixar na mão muitas vezes.

Combine seus poderes, explore a possibilidade das suas armas e do ambiente. Cada área da estação possui algo que você pode usar como arma ou combinar para realizar execuções poderosas: arremessar móveis, eletrônicos e tudo que achar pela frente nos inimigos – quanto mais pesado o objeto, mais dano irá causar. Imobilize primeiro os inimigos com a Gloo Canon e bata neles com sua wrench, e assim por diante. A imaginação é o limite.

A dificuldade padrão é o bastante

Esse tópico pode ser um pouco polêmico – principalmente caso se considere como um ótimo jogador de FPS e adora um desafio. Dificuldades mais altas parecem ser tentadoras e um padrão para esses jogadores, mas eu aconselharia tomar um pouco mais de cuidado aqui. Prey não é o típico run and gun como Doom, e sim um jogo onde o racionamento de recursos e tomada de decisão são fatores cruciais.

No início da sua jornada é onde as coisas são mais difíceis. Sem poderes alienígenas, sem armas com upgrades, sem saber no que investir e inventário limitado. Os inimigos batem forte e muitas vezes correr vai ser a opção mais sensata, então, não se acanhe de começar o jogo na dificuldade padrão. Quando você se sentir mais familiar, dificuldades mais altas (inclusive a dificuldade Nightmare) são desafios a serem considerados.

Toda a abertura

Claro, que a gente tá dando uma roubadinha com essa dica, mas a sequência de abertura espetacular de Prey como já é suficiente para te deixar vidrado no jogo. Como um novo funcionário da TranStar Corporation, Morgan Yu te leva por um passeio de helicóptero através de uma deslumbrante paisagem urbana com o objetivo de passar por testes de rotina em uma instalação operada por seu irmão.

Mas como você bem sabe, a “rotina” não é bem uma garantia duradoura, e logo a própria natureza da vida e da memória de Morgan é posta em questão. A Arkane criou essa sequência inteira com bastante cuidado, introduzindo uma variedade de features para a mecânica do jogo, enquanto preparava um cenário para uma história arrebatador.

Até o mapa aberto tem informações importantes para você

A história ambiental é uma ferramenta inestimável para desenvolvedores de games, e a equipe da Arkane tem alavancou esse features ainda mais em sua recente campanha. Morgan pode invadir terminais e ler segmentos de e-mail privados que revelam eventos-chave na catástrofe da estação espacial Talos I. O museu da estação esboça a história da construção, completa ainda com iluminação dramática e placas iluminadas.

Até mesmo os próprios corpos, congelados e retorcidos em agonia, ajudam a criar a terrível história de TranStar e o que está em jogo logo ali na Terra.

Construa suas próprias plataformas (BYOP)

A dica do gameplay de Prey? Empoderar você com tantas escolhas quanto possível. Essa filosofia é exemplificada no GLOO Cannon, um dispositivo que aciona uma cola de rápida expansão. Você pode usar isso para desacelerar os inimigos e diminuir a distância de um ataque corpo a corpo ou para construir plataformas até áreas difíceis de alcançar. Ou você também pode ignorar o Cannon completamente.

Só depende de você

0451

A lendária sequência numérica já vista em títulos como System Shock, Deus Ex, e inúmeros outros é totalmente mostrada aqui no game. Prey se inspira em seus antecessores.

Os imitadores

Talos I está sendo consumido por uma infestação alienígena Typhon. Essas ameaças perigosas e fantasmagóricas assumem muitas formas. Literalmente. O Imitador, uma pequena criatura com velocidade assustadora, pode assumir a forma de quase qualquer objeto na estação. Agora cada caneca descartada ou objeto pequeno poderia ser algum perigo disfarçado.

Morgan, como você ainda vai descobrir, pode destravar essas habilidades… mas tudo tem seu preço.

Economize Neuromods para comprar as skills certas

Essa é bem subjetiva, mas vai te ajudar a aguentar mais facilmente o tranco do game depois de um tempo. Como havia dito, é necessário sim que você colete muita coisa no jogo e, também, se comportar como um urubu carniceiro checando todo bendito cadáver que aparecer no caminho para coletar itens melhores. Primeiro, invista na skill Necrópsia. Com ela, você coletará ainda mais material exótico dos Typhons que detonar pelo seu caminho te ajudando a fabricar bons itens sem se preocupar em esgotar esse material rapidamente. A outra skill recomendada para dedicar seus preciosos neuromods é a de expansão de inventário. Novamente isso tudo é relacionado com a dica anterior.

Há jeitos melhores de tirar itens pesados do seu caminho

Mais uma vez, Prey insiste que o jogador pense fora da caixinha. Não serão raras as vezes que você se deparará com objetos pesados que impedirão seu percurso em algum momento. O jeito mais óbvio e contraindicado é queimar neuromods para comprar a skill de força física. Porém, é bem mais inteligente usar as ferramentas que o cenário te oferece. Há diversos explosivos espalhados na Talos-1. Portanto, use-os a seu favor. Leve esses objetos perto das coisas que barram o caminho e simplesmente meta um tiro para explodir tudo. Te livrará dor de cabeça e ainda te permite comprar habilidades melhores.

Use as benditas Torretas

Facilmente outra habilidade que indico para melhorar sempre que possível é a de hacking. Como disse, Prey é difícil (às vezes, desnecessariamente difícil), mas há as boas maneiras de contornar essa característica ingrata ao gamer casual: as torretas. Seja as terrestres ou os robôs aéreos que te caçam na primeira olhada, o jeito é hacker tudo o que for possível. Esses pequenos robôs voadores te ajudarão em pouco tempo a limpar o cenário já que vagam incessantemente por aí. Já as torretas terrestres, é bom transportá-las para locais que você sabe que encontrará inimigos mais poderosos.

Também é só seguir uma receita de bolo. Posicione suas torretas em locais estratégicos, já seguros. Depois, atraia seus inimigos até a sala com os robôs e os congele com o Canhão Gloo, Voiláa! Desse modo você consegue se livrar de muitos Fantasmas rapidamente a quase nenhum custo de esforço. Lembre-se sempre de levar ao menos uma enquanto perambula pela Talos-1 principalmente em áreas grandes como o Lobby que sempre terão inimigos novos te aguardando.

É importante ressaltar isso porque muitos jogadores podem subestimar o desafio que eles oferecem. Acredite, essas criaturas são pequenas, rápidas e, quando em grupos de 3 ou 4, conseguem te matar rapidinho. Portanto, fique atento. Ao desconfiar de um objeto, já prepare o Canhão Gloo para congelá-lo (ao menor contato, é revelado se é um alien ou não). Caso for, prepare sua chave inglesa ou 9mm é acabe com a raça do maldito.

Referências:

Nos Bastidores, Jogazera, Blog Playstation, Br Ing, wikipedia, techtudo.

The Surge 2

The Surge 2 é um jogo de RPG de ação desenvolvido pela Deck13 Interactive e publicado pela Focus Home Interactive para Microsoft Windows , PlayStation 4 e Xbox One . É a sequela de The Surge de 2017.

Gameplay 

The Surge 2 é um jogo de role-playing de ação jogado de uma perspectiva de terceira pessoa. O jogo apresenta um criador de personagem que permite aos jogadores personalizar as aparências e o sexo do avatar do jogador.  Os jogadores podem utilizar uma variedade de armas brancas para derrotar os inimigos, cujos membros podem ser alvejados e removidos individualmente. Os jogadores também podem evitar e desviar de ataques, o que exige que os jogadores angulem adequadamente suas armas equipadas.  Drones de combatee consumíveis como bio-sensores também podem ser implantados. Quando os jogadores matam ou desmembram seus oponentes, eles podem coletar e equipar as armas, aprimoramentos de armadura ou tecnologia deixados por eles. A cidade de Jericó, o cenário do jogo, oferece caminhos alternativos que os jogadores podem explorar livremente. No jogo, os jogadores encontrarão diferentes personagens não jogáveis e terão que fazer escolhas diferentes que afetarão o mundo e a história do jogo. Os jogadores também podem deixar mensagens de graffiti no mundo do jogo para outros jogadores verem. 

Use o drone de combate

Logo de cara, o segundo jogo da série introduz um recurso muito bem-vindo: o drone de combate. Com ele, é possível atirar nos inimigos de longe, sem tanto alarde, o que garante uma boa dose de estratégia e concede uma liberdade maior na hora de formular a melhor abordagem.

Mantenha o estoque de omnicélulas (a munição do game) sempre cheio e priorize o uso do robô para quando houver um grande número de criaturas num mesmo ambiente. Assim você se mantém longe de ataques corpo a corpo, por exemplo, e ganha tempo com uma distração para recuperar a barra de saúde. Definitivamente, o drone é o grande salvador em momentos críticos.

O Contra-ataque faz a diferença

Uma das grandes novidades de The Surge 2 é a sua dinâmica de parry, que consiste em revidar ataques rivais com investidas fulminantes. Embora o contra-ataque seja um tanto arriscado e tenha uma lenta curva de aprendizado, você certamente ficará em vantagem na batalha ao conseguir executá-lo com maestria.

Se você estiver jogando no controle, seja de PS4 ou Xbox One, pressione o botão de bloqueio e utilize o analógico direito para manipular a arma em posição de defesa. Para realizar um contra-ataque devastador, é preciso posicionar o armamento do personagem no mesmo ângulo de ataque do adversário, no tempo certo. Saiba que o jogo não permite aparar ataques de qualquer inimigo, então é importante saber com quem você está lidando antes de se arriscar.

Desmembre inimigos

Assim como no jogo anterior, o sistema de personalização é todo baseado na mecânica de desmembrar inimigos. Você pode focar em diferentes partes do corpo e utilizar golpes de finalização para decepar o componente desejado e obter matéria-prima. Corte a cabeça do alvo, por exemplo, e ganhe peças para criar novas proteções de cabeça.

Caso você queira aprimorar uma arma, o ideal é focar no braço do inimigo que esteja munido com o equipamento almejado para cortá-lo. Fique atento também às partes das criaturas robóticas, já que há uma grande chance de o loot conceder implantes extras.

Implantes são essenciais para sobreviver

Os implantes são itens equipáveis que servem para complementar e conceder efeitos especiais ao traje. Conforme o personagem sobe de nível, novos espaços de implantes são desbloqueados e podem ser gerenciados em campo, eliminando a dependência de um Medcentro.

Alguns implantes consomem potência de núcleo – a barra em azul alocada no centro da tela -, portanto fique de olho nela para não gastar o estoque todo de uma vez. Lembre-se de que os implantes também podem ser aprimorados para aumentar a quantidade de pré-cargas – o item que restaura vida – a serem feitas durante os embates.

Morreu? Corra para recuperar a sucata

Como é de praxe nos jogos inspirados na fórmula masoquista de Dark Souls, o personagem deixa seus recursos no local da morte depois de ser derrubado pelo oponente. Em The Surge 2, a situação é mais crítica, já que há um cronômetro para indicar o tempo que o jogador tem de resgatar a sucata até que ela expire para sempre. Quando você morrer, preste atenção ao contador e corra ao local da morte para não perder nada.

O Medcentro é o seu local seguro

Os Medcentros funcionam como as fogueiras de Dark Souls, ou seja, são locais seguros onde é possível salvar o progresso, subir de nível, criar e melhorar itens e equipamentos. Tenha em mente que, ao morrer, o personagem vai ressurgir no último Medcentro encontrado, então considere procurá-los o quanto antes assim que uma nova área for descoberta.

Evolua o personagem

Se você não quer sofrer mais que o necessário com a dificuldade acima da média, certifique-se de evoluir seus atributos nas estações de Medcentro, no módulo do núcleo de energia. Obtenha pontos de módulo ao coletar sucata de inimigos abatidos para distribuir entre as três opções disponíveis: vida, vigor e bateria.

Todos os atributos são igualmente valiosos no decorrer da jornada, mas o vigor deve ser prioridade na lista de quem está começando a desbravar o game agora. A saúde aumenta a barra de vida, enquanto o vigor possibilita um número maior de ações durante as batalhas, significa ter mais resistência. Por outro lado, fortalecer a eficiência da bateria eleva a reposição de vida a cada uso de injeção – algo que não é tão relevante no início tendo em vista o modesto nível e poder de ataque dos inimigos.

Faça upgrades

Em comparação ao jogo anterior, pouca coisa mudou no sistema de upgrades de itens. A mecânica de montagem funciona de forma bastante simples: use sucata e componentes para subir o nível de armas e armaduras. Todas os itens são criados inicialmente no Grau I (GQ I) e recebem novos atributos e status à medida que são melhorados no Medcentro.

Procure acompanhar o progresso das armas pelo menu de pausa para saber se algum de seus equipamentos já pode ser evoluído com as peças obtidas. É realmente difícil sobreviver às ameaças da cidade de Jericho e progredir na história sem desbloquear o potencial total dos equipamentos, então concentre-se em evoluir todos os encaixes.

Busque vingança e seja recompensado

Se você estiver online e conectado ao servidor do jogo, saiba que é possível vingar a morte de outros jogadores reais para ganhar bônus de sucata e peças extras de montagem. O oponente passível de revanche possui um ícone de caveira alocado em sua barra de vida, como um indicador, sendo facilmente detectável. Ao avistá-lo, não hesite em iniciar o confronto, pois a recompensa que será concedida vale o desafio.

Um boa (e intrigante) história

“The Surge 2” não deixa o jogador às escuras quando o assunto é a sua história. De cara você fica sabendo que encarna um sobrevivente de um acidente de avião que foi parar na cidade de Jericho. Para deixar as coisas mais legais, o jogo permite que você defina aparência, gênero e história do personagem.

A cidade, em si, encontra-se em convulsão social depois dos acontecimentos do primeiro game. Breve resumo com spoilers: um enxame de nanorobôs criados para recuperar o equilíbrio ecológico da Terra foi liberado na atmosfera acabou se tornando uma doença capaz de deixar os usuários de implantes mecânicos – muita gente, no mundo do jogo – e máquinas completamente fora de controle.

No decorrer do game, além de receber pílulas de tudo o que ocorreu por meio de arquivos de áudio, o jogador também tem acesso a missões paralelas que expandem a trama.

O resultado é que, em vez de ter uma narrativa misteriosa, “The Surge 2” traz uma história palpável e que mantém o jogador interessado, especialmente quando colocado diante de algumas reviravoltas que dão diferentes propósitos à jornada.

O mapa do jogo, que concentra a ação em poucas localidades, mas com diversas áreas e atalhos a serem localizados, também evita que os jogadores fiquem perdidos tentando descobrir onde ir.

Sistemas de jogo que funcionam

“The Surge 2” não se afasta de suas origens quando falamos de sistema básico de jogo. Temos as tradicionais barras de saúde e vigor, bem como o sistema de “alto risco, alta recompensa”: andar por aí carregando uma grande quantidade de sucata (que é a moeda do jogo, usada para evoluir o personagem, armas e aprimoramentos e também comprar determinados itens) garante recompensas melhores ao matar inimigos. Se você for derrotado, porém, terá um tempo limitado para retornar ao local e reaver seus itens.

Isso abre uma possibilidade estratégica, uma vez que quando você está perto do seu local de morte, sua barra de saúde se regenera. E, uma vez que você coleta a sucata perdida, você recupera totalmente sua saúde. Sendo assim, morrer para aquele chefão complicado pode ser a saída para ter um ponto de recuperação de saúde no meio da luta e tornar o embate mais favorável.

Já quem é avesso a riscos pode armazenar sua sucata em um dos med-centros, que estão para “The Surge 2” como as fogueiras estão para “Dark Souls”.

Além disso, conforme você ataca os inimigos e dá parry nos ataques, você acumula cargas de bateria. Essas cargas servem não apenas para você usar um item recarregável que recupera sua saúde, mas também permite que você use o sistema mais atrativo do game: as execuções.

Funciona assim: conforme você trava o alvo em um inimigo, é possível escolher qual parte do corpo irá atacar. São seis delas, sendo braços, pernas, corpo e cabeça. Uma vez que cada uma delas recebe dano suficiente, é possível usar uma carga de bateria para decepar a parte escolhida.

Além de finalizar os oponentes instantaneamente, esse “fatality” também permite que você adquira as armas dos inimigos, bem como esquemas de suas armaduras para que você as construa posteriormente.

Por fim, há mais dois elementos. Os implantes, que são uma espécie de “perks” que dão características específicas ao personagem – como recuperar saúde após uma finalização – e o drone, que acumula modos de operação distintos.

Dar prioridade à Vida, Vigor e Eficiência da Bateria

Isto é mais uma opinião pessoal. Na prática, não sei se é o melhor, mas foi o que fiz e resultou até ao momento. Inicialmente, investi a minha sucata sempre na Vida e Vigor e um pouco menos na Eficiência da Bateria. Só passado algumas vezes de ter evoluído estes aspetos, é que comecei a melhorar equipamentos. Fica ao vosso critério, mas acho mais importante ter mais vida e poder atacar mais vezes, mesmo que os ataques sejam mais fracos ou tenhamos menos defesa.

Matar inimigos com caveira na cabeça

Existem inimigos no terreno, os quais até já podem ter morto anteriormente, mas agora têm uma caveira vermelha sob as suas cabeças. Isto significa que esse inimigo matou um jogador humano. Ao derrotar este inimigo, irão obter materiais para criar equipamentos ou fazer melhoramentos. Sempre que os avistarem, não hesitem em defrontá-los.

Levar sucata para as lutas com bosses

Por norma, noutros jogos do género, todos tentamos ir sem qualquer tipo de sucata (almas/ecos de sangue) para as batalhas com os bosses. Porém, The Surge 2 muda um isso e é aconselhado a terem um pouco de sucata convosco. Ao morrer em combate com um boss, a vossa sucata estará lá à espera para ser recuperada, mas com a particularidade que também recuperam vida. Ou seja, o ideal é deixar a sucata no campo durante um bocado e quando já tiverem pouca vida, aproximem-se para a apanhar e ganhar uma barra de vida cheia novamente.

Enfrentar bosses com Eficiência da Bateria no máximo

Ainda no seguimento das batalhas com os bosses, é altamente aconselhável entrar em combate com os mesmos com a vossa barra da Eficiência da Bateria algo preenchida. Isto irá permitir que possam usar essa energia para recuperar vida. Para tal precisam ter ativos os implantes “Regenerador Celular” e “Circuito Medivoltaico”.

Seja Agressivo!

Em The Surge 2, você pode se curar com seu estoque de energia e cargas apenas de energia quando atacar com sucesso um inimigo. O ataque é a melhor defesa! Tente gerar o máximo de energia possível para se manter melhor.

Abandone o implante de auto-recuperação

Também ajuda a abandonar o implante inútil Auto-Heal. Este implante cura automaticamente quando você está prestes a morrer. Pode parecer útil, mas na verdade você não vai adiantar nada se for um veterano do Dark Souls. Livre-se dele e encaixe-o em um implante diferente o mais rápido possível.

Cuidado com as desvantagens da engrenagem da classe Golias

Equipar o equipamento com a maior defesa pode parecer uma ótima idéia, mas você também encontrará sérias desvantagens. O equipamento da classe Golias, que é o mais pesado e oferece a maior defesa, geralmente concede uma penalidade de resistência ou torna seus ataques mais lentos. Alguns até diminuem a quantidade de energia que você gera por ataque. É melhor ficar com uma armadura mais leve para evitar ataques, em vez de absorver mais danos.

Se você é iniciante, tente usar a lança

Lanças são uma classe de arma que é bastante ideal para iniciantes. Eles são rápidos em atacar, têm bom alcance em seus inimigos, e existem algumas lanças incríveis para encontrar, mesmo no início do jogo. Caso contrário, você vai querer usar armas rápidas, como as Lâminas de 1 Mão ou Punhais. Quanto mais rápido você puder atacar, mais fácil poderá escapar de situações ruins.

Aprenda quando desencadear ataques cobrados

Ataques cobrados são movimentos poderosos que todas as armas podem desencadear. Eles levam um momento para carregar (naturalmente), mas o dano extra que eles fazem vale a pena esperar. O truque da maioria dos encontros é apenas encontrar uma boa oportunidade para desencadear um ataque carregado, eles também são ótimos em quebrar armaduras. Uma vez que a armadura é destruída em um inimigo, o resto da luta pode ser trivial.

Troque armas constantemente – você as encontrará em todos os lugares

Ao contrário de Dark Souls, onde você pode ficar com a mesma arma por muito tempo, The Surge 2 incentiva você a trocar. Algumas armas são simplesmente melhores do que outras. Abandone as armas antigas e adote as novas.

Explorar as fraquezas dos inimigos para facilitar a vida

Muitos inimigos têm fraquezas únicas que você pode explorar e trata-se de qual parte do corpo você ataca. Por exemplo, quando você chega ao Jardim e precisa lidar com os robôs aqui, pode atacar uma variedade de diferentes partes do corpo para enfraquecê-los. Atirar na cabeça deles com o seu drone interromperá o ataque a laser. Atacar suas pernas pode imobilizá-las completamente.

Explorar, Explorar, Explorar

Cada área é um labirinto de passagens e corredores e é importante explorar todos os cantos e recantos que puder. Você pode abrir muitos atalhos que facilitam muito as viagens futuras por essas áreas. E há itens, armas e implantes que você não vai querer perder.

Há onde melhorar

Mas “The Surge 2” também traz alguns tropeços. Um deles, ao menos na versão de avaliação, diz respeito ao desempenho do game em si.

Jogando no Xbox One X, por diversas vezes enfrentei quedas bruscas no FPS, mesmo com o jogo no modo “desempenho” (que sacrifica parte da qualidade gráfica em prol de manter os quadros estáveis).

Nenhuma dessas quedas ocorreu durante combates (felizmente), mas sim enquanto eu explorava os cenários. Considerando que esse é o tipo de falha que mais me irrita em um game, passei muito perto de perder a paciência.

Outro ponto a ser melhorado é a variedade de chefões. É curioso que o jogo comece com um boss inovador, com mecânicas específicas – que são bastante satisfatórias quando descobertas pela primeira vez -, mas acabe perdendo parte desse fôlego conforme progride, apostando mais no tamanho e na dificuldade da encrenca do que em fazer o jogador usar o cérebro.

Esses erros, no entanto, não apagam o avanço que “The Surge 2” representa em relação ao seu antecessor. Inclusive, fica aqui a dica: se você quiser se aventurar na franquia, pode ignorar o primeiro jogo e partir de cara para esse, já que a história é bem contextualizada e o game, em si, é muito melhor.

Referências:

Huf Games, The Pixel Glitch, Uol, techtudo, wikipedia.

Disco Elysium

Disco Elysium é um jogo eletrônico de RPG desenvolvido e publicado pela ZA/UM. Foi lançado para Microsoft Windows em 15 de outubro de 2019, com um lançamento para PlayStation 4 e Xbox One planejado para 2020. O jogo é inspirado nos jogos de RPG da Infinity Engine (como Baldur’s Gate e Planescape: Torment) e nos jogos de RPG de Mesa, sendo escrito e projetado pelo romancista estoniano Robert Kurvitz. O jogo foi aclamado pela crítica, com alguns citando-o como um dos melhores jogos de RPG de todos os tempos.

Um degenerado lutando contra as vozes da própria cabeça

A arte de Jenny Saville é uma das influências de Disco Elysium. A amnésia é uma muleta, um recurso de linguagem bastante saturado em roteiros, seja nos filmes ou nos games. E também é o ponto de partida de “Disco Elysium”.

Você não tem controle sobre o passado do policial protagonista, mas age ativamente daquela manhã em diante. Acorda de cuecas, cara no chão, gravata no ventilador. De onde veio e o que está fazendo ali? É o que vamos descobrir — se essas vozes na sua cabeça deixarem.

São vozes dentro da mente do policial lutando pelo holofote dos sentidos expositórios. Elas surgem como caixas de texto, como se fossem um típico personagem. Mas quem está falando? Devo ouvir ou pular fora?

Cada voz na cabeça do policial seria algo como a personalidade de um diferente mestre neste RPG da vida real? É uma forma de se pensar.

Substâncias ilícitas podem entrar na equação, afetando o resultado das conversas com efeitos reais, não só pontuais. É como se Arthur Conan Doyle desafiasse Shakespeare para uma disputa de braço de ferro, com tapa de luva de pelica e tudo.

Não subestime as palavras

Em “Disco Elysium” você vai ser soterrado por textos —até o momento, sem tradução para o português brasileiro. Mas não é um texto qualquer, cozinhado em três minutos para preencher missões.

O texto tem peso, as respostas transitam entre o mais puro fascismo grotesco e o ultra-liberalismo desmedido num mundo de ficção versus realidade. E nem pense em sair pulando diálogos, ou então é melhor nem começar o jogo. O impacto de uma caixa de texto vertical, e não horizontal, carrega valores de Rembrandt, Ilya Repin e, em especial, Jenny Saville.

Como num RPG tradicional, você ganha XP, distribui pontos e conceitos básicos de psiquê e força física, por exemplo. Você é testado, rolando “dados virtuais” que aparecem na tela, como se rolassem em uma mesa. Falhas e acertos dependem desses testes, mas o sistema de jogo não impõe barreiras.

Os NPCs são profundos e marcantes, assim como criptozoologia

Com exceção de um ou outro morador de rua bêbado demais para articular mais do que um par de linhas de raciocínio, todo e qualquer NPC em Disco Elysium é complexo o suficiente para ganhar seu próprio espaço no caderninho de anotações. E não só do excepcionalmente resoluto Kim Katsuragi, seu parceiro policial.

Criar qualquer tipo de vínculo com o dono da banquinha de jornais pode dizer muito mais sobre você mesmo. O policial, ora ingênuo, ora filosófico, pode derrubar paredes metalinguísticas irreversíveis. Afinal de contas, o cadáver não vai desfazer o nó da forca sozinho, as crianças não pretendem deixar de lado suas compulsões pelo mórbido e a senhorinha cadeirante, cujo marido é estudioso da arte da criptozoologia, não vai esquecer tão cedo (por mais que ela diga o contrário) do encontrão atrapalhado, com direito a câmera lenta e dois dedos do meio direcionados ao barman.

Não há cães para acariciar em Disco Elysium, mas você pode despejar toda essa ternura na caixa de correios (evidentemente que chutá-la também é opção).

O seu Forgotten Realms particular

“Planescape: Torment” é considerado por estudiosos da era de ouro dos RPGs de computador o manifesto do refinamento em texto, narrativa, roteiro, e do que esse tipo de mídia foi e seria capaz de criar.

Disco Elysium é condensado e formulado com os mesmíssimos fundamentos, mas a mensagem foge do medieval fantástico —o momento de karaokê bêbado não me deixa mentir.

Saúde física e mental precisam andar em dia, e aí entra o uso de substâncias psicotrópicas, ilícitas ou não. Para ganhar dinheiro, você precisa coletar garrafas para reciclá-las. Ao menos, é uma tentativa de fazer o mundo melhor.

Atitude de punk-rock estoniano: anárquico, caótico

Se David Lynch tirou inspiração para finalizar seu “Eraserhead” de uma citação bíblica (e jamais saberemos exatamente qual), as mentes pulsantes por trás de Disco Elysium consumiram punk-rock de sua terra-natal o suficiente para que o vírus do inconformismo anarquista fosse companhia constante, assim como os livros de Dungeons & Dragons ou o movimento Avant Garde russo.

Disco Elysium é um jogo nascido de cenário de RPG de mesa que virou novela para, então, ser concebido no formato de videogame – ou seja, estamos falando de criadores mais acostumados ao analógico que ao digital.

ZA/UM, o estúdio responsável pelo jogo, nasceu tão de garagem quanto as bandas ouvidas durante a adolescência tumultuada, dentro e fora de casa. E talvez fosse isso que o mercado de games estivesse precisando com tanta urgência para trazer um ar de novidade.

Nem sempre confie nos seus instintos

A cabeça de um detetive é um emaranhado de ideias, suposições e raciocínios. Em “Disco Elysium”, esse instinto é parte importante do gameplay. Dependendo de quais atributos você for melhorando ao ganhar níveis, diferentes áreas da sua mente vão entrar em ação na hora dos diálogos pelo mundo.

Lógica, retórica, drama e diversos outros conhecimentos vão te ajudar a descobrir mais sobre as intenções dos interrogados e alertar sobre locais escondidos e possíveis armadilhas. No entanto, assim como na realidade, nem sempre o raciocínio do seu detetive vai estar correto.

Desconfie especialmente de habilidades que estiverem com poucos níveis ou que tiverem vencido apenas testes fáceis para dar uma dica. Pensamentos que têm relação com a vontade do seu personagem de se acabar em bebedeira e drogas também não dão conselhos muito produtivos.

Respostas ruins ou que irritem o seu interrogado podem fechar opções de diálogo, dificultar desafios de rolagem de dado e até mesmo causar algo trágico, como o fim de uma sidequest ou mesmo a morte do seu personagem graças a uma reação desmedida.

Recicle para fazer dinheiro

Em Revachol, o dinheiro é para poucos. Um detetive que recebe quase nada e gasta o que tem com bebidas também não vai ter sucesso para pagar o seu quarto de hotel, quanto mais comprar bons itens para ajudar nas missões.

Um meio de fazer uma grana extra é reciclando garrafas. Para isso você vai precisar de uma sacola que fica próxima a dois veteranos na parte sul do primeiro cenário. Com essa sacola você pode recolher garrafas por todos os lados e trocar por dinheiro na loja de conveniência próxima ao hotel onde você dorme. Não é muito, mas ajuda a comprar aquele item em que você estava de olho.

Faça missões secundárias

Missões secundárias são a melhor forma de ganhar experiência. Há dezenas delas espalhadas pela cidade só esperando a sua ajuda para uma resolução. Algumas demandam que você encontre alguém em um momento exato do dia, outras pedem que você use algum dos seus atributos para investigar alguma coisa. A recompensa é sempre uma boa quantidade de experiência e, quem sabe, algum dinheiro ou item.

Para conseguir missões secundárias é preciso conversar com todo mundo, já que elas não ficam marcadas no mapa. Tente sempre esgotar as opções de conversa, e fique atento porque algumas delas estão escondidas embaixo de várias camadas de diálogo com NPCs.

Visite o mapa regularmente

O seu inventário em Disco Elysium é bem útil durante a jornada. Na parte chamada de ‘Journal’ você tem acesso a duas abas importantes. A primeira, de ‘Tasks’, mostra todas as missões ativas no momento, tanto principais quanto secundárias. Além das descrições, ela mostra qual o seu último passo e o que fazer a seguir. Com tantas missões, é bom voltar aqui regularmente para garantir que não esqueceu nada.

Na segunda aba está o mapa do jogo. Além de uma visão geral de Revachol, você conseguirá ver onde está cada local importante nesse mundo, inclusive pessoas com quem você pode ter alguma pendência ou algum desafio de dado não concluído. Basta ir descendo a barra para encontrar quem você estava procurando e qual a perícia que ele exige para completar um desafio.

Use ‘Tab’ sempre

O cenário de Disco Elysium é sempre bem carregado. Em áreas abertas isso dificulta identificar todos os objetos passíveis de interação, e em áreas fechadas algo sempre acaba ficando escondido. Para não te deixar na mão, o jogo colocou uma opção bem tradicional de RPGs isométricos: contornar tudo com o que você pode interagir.

Para ativar esse contorno, basta pressionar ‘Tab’. Sempre que chegar em um novo local ou suspeitar de algo, utilize o botão. Com algumas perícias ainda é possível descobrir objetos escondidos e entradas secretas.

Itens e roupas ajudam nos desafios

Vários dos desafios de rolagem de dados podem ser refeitos. Quanto maior a sua perícia no atributo que o desafio pede, maior a sua chance de conseguir executá-lo. Para te ajudar a conseguir mais pontos, você pode modificar as roupas do seu personagem. Cada peça de roupa conta com vantagens e, às vezes, desvantagens em algum atributo. Equipe as que você precisa e tente novamente.

Para um bônus ainda maior, você pode utilizar substâncias que causam dano à sua moral e saúde, mas melhoram algum atributo. Bebidas, cigarro e drogas são exemplos do que você pode conseguir pela cidade. Mas tome cuidado com a quantidade de usos, que pode complicar a vida do seu personagem.

Vida após as 21h

O seu parceiro Kim Kitsuragi vai estar durante todo o dia ao seu lado. Na maior parte do tempo ele é calado e não interfere muito nas suas atitudes, mas por vezes pode te impedir de fazer algo, como roubar uma bota de um cadáver.

Se você vai ser do tipo policial corrupto e prefere fazer essas coisas sem a presença do Kim, existe um meio. A partir das 21 horas é possível ir para o hotel e dormir. Assim que você entrar no seu quarto, o seu parceiro vai dar boa noite e ir para o quarto dele. Nesse momento é possível sair do seu quarto e abusar da noite na cidade, livre do olhar julgador do Kim. Só tome cuidado para não fazer nada de que vá se arrepender depois.

Como dormir em Disco Elysium?

Os desenvolvedores deste jogo nos fizeram algumas sugestões, porque eles nos dizem que é idéia ir com Roy para a loja de penhores, então podemos vender alguns objetos com ele recolher dinheiro, por outro lado, é importante continuar com a exploração, porque alguns recipientes às vezes contêm dinheiro, há também uma outra opção e é que Joyce pode dar algum dinheiro que ele está na doca, para isso acontecer é importante passar um cheque em branco de Volition.

Enquanto isso, outro lugar onde podemos obter dinheiro no contêiner fechado do porto, não é necessário fazer uma verificação, além de ter em conta o seguinte:

É importante ter tempo a nosso favor, então se o tempo for antes das 23.00 horas podemos equipar o saco de tara amarelo, então é necessário recolher a tara e vendê-la para Frite, por outro lado se for antes das 22.00 horas podemos passar um cheque com Sell e assim pedir dinheiro, então, recolher dinheiro suficiente é necessário com Garte no Whirling e cancelar o quarto de hotel porque desta forma podemos dormir em Disco Elysium.

Por outro lado, se você chegar às 2.00 da manhã e nós não conseguimos obter dinheiro se você voltar a um problema, uma vez que não podemos dormir e isso é uma desvantagem, e, por acaso, você não pode executar as operações relacionadas recentemente para levantar dinheiro, se esse caso for apresentado, basta recarregar a gravação de 23,00 e siga os passos acima.

Como ganhar dinheiro no Disco Elysium

Você precisará de muito dinheiro no Disco Elysium. Assim como na vida real, viver não é barato.O dinheiro é necessário para colocar um teto sobre sua cabeça, comprar comida para curá-lo e outras bugigangas que podem ou não ser úteis para suas investigações. Infelizmente, não é fácil conseguir dinheiro no Disco Elysium, mas há algumas coisas que você pode fazer para tentar obter mais.

A moedausado no Disco Elysium é chamado r & eacute; al. Se você quiser fazer alguma coisa –como obter um mapa –você precisará descobrir uma maneira de se tornar real. De fato, depois de acordar, você descobrirá que sua conta de hotel é uma gritante quantia de 130 r, significativamente mais do que seu saldo atual de zero.

Também vale a pena notar isso, a menos que você tenha um lugar livrepara dormir, você precisará pagar 20 dólares por dia para dormir no Whirling-in-Rags.Não apenas você precisará tentar avançar com a investigação todos os dias, mas também precisará descobrir uma maneira de obter mais dinheiro.

Coletando moedas

A primeiramaneira de obter r & eacute; tudo é simplesmente pegá-lo do chão. Espalhadas pelo mundo do Disco Elysium estão pequenas pilhas de moedas. Estes costumam chegar a alguns centavos, mas é melhor que nada. De fato, é provável que você encontre 50 centavos ímpares fora do seu quarto de hotel. Comece bem!

Venda itens para a casa de penhores

Outra maneira de ganhar dinheiro rápido no Disco Elysium é vender itenspara a loja de penhores. Você pode encontrar a casa de penhores ao sul de Whirling-in-Rags. Esta loja é administrada por um sujeito interessante que tem um leve vício químico. Traga a ele qualquer coisa interessante que você encontrar e você pode fazer algo real.

Os tipos de coisas que você pode penhorar para r & eacute; todos são: a caneta chique que Kim lhe dá, fotografias que você encontra, uma caneca quebrada. Basicamente, tudo o que você acha que não precisa pode ser vendido.A única coisa que o dono da loja de penhores não compra é a sua roupa, e ele absolutamente não compra a sua gravata.

Caridade de estranhos

Finalmente, a última maneira de conseguir dinheiro no Disco Elysium é literalmente implorar a estranhos por sua caridade. Embora nem todos os NPCs possam receber uma apostila, há alguns em que a opção está disponível.

Há uma mulher bastante próspera em um barco à esquerda de Martinaise chamado Joyce Messier. Depois de conversar um pouco com ela, você pode pedir uma apostila. Se você pedir uma quantia razoável, é provável que você a consiga. Uma boa idéia é pedir 130 r & eacute; al, apenas para cobrir os danos que você causou antes de começar a jogar.

Conseguir dinheiro no Disco Elysium é difícil.Não há muito o que encontrar no mundo, mas existem maneiras de ganhar dinheiro.Não se envergonhe de pegar garrafas para reciclagem, vender itens para a loja de penhores e até pedir um folheto a estranhos. Você precisará usar todas as avenidas se quiser manter o teto sobre sua cabeça ou seus medidores de saúde e moral cheios. Para obter mais cobertura do Disco Elysium, você já está no lugar certo.

Referências:

Joy Stick Brasil, Xbox Play, Uol, Wikipedia.