Vampire Survivors: early access está fazendo sucesso

Vampire Survivors é a nova febre do momento. De acordo com os dados do perfil SteamDB do jogo, Vampire Survivors rapidamente acumulou milhares de jogadores. Atualmente é um dos 30 jogos mais jogados da Steam, além de ter juntado 37 mil jogadores simultâneos e audiências de 139 mil espectadores, isso nas últimas 24 horas.

📹 Vampire Survivors Gameplay | Reprodução BaronVonGames

“No ano de 2021, na Itália rural, vivia uma pessoa má chamada Bisconte Draculó, cujas muitas magias malignas criaram um mundo ruim cheio de fome e sofrimento. Cabe agora aos membros da família Belpaese acabar com o seu reinado de terror e devolver a boa comida à mesa”

descrição oficial

Sobre

Vampire Survivors

📷 Vampire Survivors: jogo em early access está fazendo sucesso | Divulgação

Vampire Survivors é um jogo de terror gótico com tema de vampiro, criado por poncle, desenvolvedor indie. O título é um jogo de sobrevivência no tempo com jogabilidade minimalista e elementos roguelite. Nesse jogo, não há um lugar onde você possa se esconder, tudo o que pode fazer é tentar sobreviver e obter o máximo de ouro possível para o próximo sobrevivente, antes que a morte inevitavelmente ponha fim às suas lutas. O objetivo é bem simples: o jogador precisa lutar contra milhares de criaturas da noite e sobreviver até o amanhecer. Para isso, existem 24 armas disponíveis, como chicote, machado, facas, e até mesmo granadas de água benta e pombos que atacam os inimigos.

Jogabilidade

Vampire Survivors

📷 Vampire Survivors: jogo em early access está fazendo sucesso | Divulgação

Um detalhe sobre a mecânica é que você não controla os ataques do personagem, eles são desferidos de tempos em tempos. No começo pode parecer estranho, mas com o tempo você verá que te ajuda a se concentrar em trocar suas armas, bem como nos itens dropados pelos inimigos derrotados. Vale mencionar que, as gemas deixadas pelos inimigos são utilizadas para subir seu personagem de nível, o que faz melhorar habilidades e adicionar mais armas ao seu arsenal. Além disso, existem habilidades mágicas e buffs que aumentam a velocidade, protegem armadura e regeneram saúde.

Vampire Survivors

📷 Vampire Survivors: jogo em early access está fazendo sucesso | Divulgação

Conteúdo na versão de acesso antecipado

  • 7 caracteres
  • 24 armas e 14 power-ups
  • 10 captadores
  • 34 conquistas
  • 2 estágios
  • Suporta mouse, teclado, controlador e tela sensível ao toque.

Dicas iniciais

  • Leve o seu tempo para pegar gemas e itens, eles não vão desaparecer.
  • Obtenha apenas duas ou três armas ofensivas, mas concentre-se em nivelá-las uma de cada vez.
  • Armadura e Sorte são bons power-ups iniciais para gastar dinheiro.
Vampire Survivors: jogo em early access está fazendo sucesso

📷 Vampire Survivors: jogo em early access está fazendo sucesso | Divulgação

Segundo o desenvolvedor, a versão Steam está recebendo atualizações regulares de conteúdo, enquanto a versão web no Itch deve ser considerada apenas como uma demo. Além disso, é mencionado que não há planos para transferir o arquivo salvo da versão web para a versão Steam.

Nos últimos dias, as mídias sociais foram inundadas com diversas postagens de fãs do jogo. Será que esse é o hype que o jogo precisava para sair do acesso antecipado? Vamos aguardar!

Você já conhecia o jogo? O que achou? Deixe aí nos comentários

Referências:

Vampire Survivors, IGN, Steam, Voxel, SteamDB.

Avowed tem detalhes revelados

Avowed é o novo RPG da Obsidian, que foi revelado durante o showcase da Xbox em julho de 2020. O título é um exclusivo da Microsoft para Xbox Series e PC. Relembre o trailer de revelação:

📹 Trailer oficial de anúncio | Divulgação

Até então, Avowed só tinha o trailer que foi divulgado e pouquíssimas informações reveladas, pelo menos até agora. Um insider do site Windows Central chamado Jez Corden, publicou um artigo com algumas informações recentes – não oficiais – sobre Avowed.

Comparações

Avowed tem detalhes revelados

📷 Avowed tem detalhes revelados | Divulgação

Segundo o que foi divulgado, Avowed será algo parecido com The Elder Scrolls:Skyrim, na questão do manuseio de armas e conjuração de magias. Segundo o que diz no relato, será possível fazer uso de duas armas ou só magia, ou armas com magias semelhantes às de Skyrim. O jogo também contará com estilos de jogo de classe múltipla. Cordem também reforçou que o jogo se passa no mundo de Pillars of Eternity, e por isso contará com muitas mecânicas do game de 2015.

Mais detalhes

Avowed

📷 Avowed tem detalhes revelados | Divulgação

Avowed possui um grande número de classes com gameplay distintos, e permite que os personagens utilizem diferentes armas em cada mão, o que possibilita utilizar várias combinações diferentes de itens para dano físico e mágico, por exemplo. Além disso, será possível lutar com espadas, adagas e cajados, podendo lançar feitiços e encantar equipamentos. Segundo o relato de Corden, o combate do jogo será bastante voltado para a ação, com a possibilidade de os jogadores montarem conjuntos de feitiços, equipamentos e golpes com chutes e ataques com escudo. Vale mencionar também que o jogador poderá interagir com alguns itens do cenário, como queimar obstáculos ou destruir certos elementos do ambiente.

É ou não é?

Avowed

📷 Avowed tem detalhes revelados | Divulgação

O título desde que foi revelado recebe comparações com Elder Scrolls, inclusive, Phil Spencer, chefe do Xbox, já tinha se pronunciado sobre o assunto, dizendo que os games eram bem diferentes um do outro, que não poderia ser dito que “esse é a nossa versão disso”. Ele ainda completa:
“Então, sim, eu acho que Avowed é apenas um RPG baseado em fantasia central, haverá algumas diferenças distintas do que Elder Scrolls tem feito tradicionalmente. Acho que ele será incrível quando for lançado, e quero dar a eles tempo e recursos para construir o jogo mais incrível que já construíram.”

Sobre

Avowed

📷 Avowed tem detalhes revelados | Divulgação

Avowed é um RPG de Ação em primeira pessoa com elementos de fantasia situado em um mundo medieval. O jogo está sendo desenvolvido pela Obsidian Entertainment, uma desenvolvedora americana fundada em 2003. O jogo levará os jogadores para o universo épico de Eora, que é o mundo onde Pillars of Eternity se passa. Avowed promete entregar uma experiência de mundo aberto, com um ambiente grande e bastante denso. No Xbox Series X, o título contará com tecnologia em tempo real para interagir com sistemas de iluminação, física e Inteligência Artificial de última geração. A intenção da desenvolvedora é criar um mundo de fantasia mais realista.

Por estar em estágios iniciais de desenvolvimento, não se tem muitas informações do game ainda. Mas uma coisa é certa, a expectativa em cima do game está grande, mesmo sem muitas informações. Segundo Matt Booty, chefe da Xbox Game Studios, este é o jogo de maior orçamento já criado pela Obsidian Entertainment, e foi o motivo principal pelo qual eles se juntaram a família Xbox.

Você está ansioso pelo jogo? Deixe aí nos comentários.

Referências:

Windows Central, Voxel, The Enemy.

Actraiser Renaissance: Clássico de SNES, é lançado de surpresa

A Square Enix aproveitou a Nintendo Direct desta quinta-feira para revelar Actraiser Renaissance, um remake de um dos maiores clássicos do SNES, famoso por sua combinação de ação em plataformas com gerenciamento no estilo SimCity.

O remake obviamente vem com sua parcela de novos recursos, incluindo uma nova região, novas magias – fogo, gelo e outros feitiços elementais, um recurso de salvamento automático ou até mesmo diferentes modos de dificuldade. A trilha sonora também foi enriquecida com quinze novas faixas, com a possibilidade de opção pela versão original ou remasterizada composta pelo mestre Koshiro.

📷 Actraiser Renaissance: Clássico de SNES, é lançado de surpresa | Reprodução

Actraiser Renaissance conta com gráficos retrabalhados, 15 novas músicas, além da trilha sonora original composta por Yuzo Koshiro. Novas histórias também foram adicionadas contando com um reino completamente novo e um novo – e poderoso boss. Autosave e novos níveis de dificuldade também foram incluídos.

Lançado originalmente para o Super Nintendo, Actraiser mistura elementos de combate em 2D com gerenciamento de cidades, em que o jogador controla o Senhor da Luz e seu fiel servo angelical lutando para livrar o mundo das forças do mal.

📷 Actraiser Renaissance: Clássico de SNES, é lançado de surpresa | Reprodução

Na “Gestão de Reino”, o jogador alterna para o controle de um anjo de arco e flechas que deve defender o povoado de monstros invasores em batalhas estratégicas. Adicionalmente, seu dever também se torna construir instalações protetivas e invocar desastres naturais para remover obstáculos, tudo com o intuito de garantir a sobrevivência de seu povo.

No game original, a jogabilidade consiste em duas fases: um jogo de plataforma de ação side-scrolling, onde você luta contra monstros usando esgrima e magia, e uma fase de construção da cidade, onde você deve gerenciar o desenvolvimento de sua sociedade em expansão.

📷 Actraiser Renaissance: Clássico de SNES, é lançado de surpresa | Reprodução

Jogabilidade

Ações do reino: lança mágica de fogo, gelo e outros feitiços poderosos estrategicamente nessas fases de ação 2D. Os humanos voltam para reocupar o reino após você vencer essas fases, permitindo que você conheça um cultivar os povoados.

Foi adicionado uma nova magia que não estava disponível no jogo original, além da habilidade de esquivar. Os jogadores também atacar com movimentos para cima e para baixo, criando uma ação mais dinâmica. Você precisa de todo o seu arsenal para derrotar os chefes mais fortes no final das novas fases de ação.  

Gerenciamento do reino: ajude a humanidade a prosperar cultivando seus povoados e oferecendo orientação. Use seus poderes incríveis para invocar raios e desencadear terremotos para removedores de como árvores e rochas que impedem o desenvolvimento dos seus escolhidos. Jogue no papel do anjo do Senhor da Luz e use seu poderoso arco e flecha para repelir os monstros malignos que assolam seu povo.

📷 Actraiser Renaissance: Clássico de SNES, é lançado de surpresa | Reprodução

Proteja seus povoados de inimigos em legados em tempo real. A posição dos seus fortes e a hora certa de usar seus milagres é a chave para obter a vitória nesses embates.

Viva novas histórias das atribulações da humanidade para superar seus defeitos e fracassos enquanto aprendem a amar ao próximo e que juntos são mais fortes. Juntas, essas novas histórias somam mais do que o dobro da história presente no jogo original. Explore um grande reino novo e tenha mais tempo do que antes para construir seus povoados!

Actraise Renaissance encontra-se imediatamente disponível para PlayStation 4, Nintendo Switch, PC (via Steam) e dispositivos móveis iOS e Android. O título original foi lançado em 1990 para SNES, recebendo uma versão para celulares na Europa em 2004.

📹 Actraiser Renaissance – Launch Trailer | Square Enix

Referências:

Densetsu Games, Nintendo Blast, R7, IGN, The Enemy.

Tales of Arise ganha demo na próxima semana

Tales of Arise ganhará uma demo jogável nos consoles a partir do dia 18 de agosto. A informação foi divulgada pela Bandai Namco. Vale lembrar que o jogo também será lançado para PC, porém, assim como foi com a demo de Scarlet Nexus, a produtora optou por deixar a plataforma de fora da demo.

Veja mais

Juntamente com o anúncio da demo, também foi divulgado gameplays em sites como; GameSpot, Game Informer e Siliconera, esses que, receberam uma versão de teste do game. Para os ansiosos de plantão que já querem saber mais sobre o game antes mesmo da demo, veja novidades, impressões, novas imagens e capturas de tela. A seguir, temos a gameplay divulgada pela Game Informer:

📹 Luta contra o chefe | Reprodução Game Informer

Detalhes da gameplay

Tales of Arise

📷 Tales of Arise ganha demo na próxima semana | Divulgação

Como mencionado, a Game Informer foi um dos veículos de comunicação que teve acesso antecipado ao jogo. No vídeo acima, divulgado por eles, você confere o foco no combate, que mostra um pouco do trabalho da desenvolvedora em tornar as lutas do RPG ainda mais estratégicas, com o advento de combos, magias e técnicas especiais que dependem da build do seu personagem. Além disso, são mostradas algumas missões, combates contra lacaios inimigos, pequenos chefes, muita exploração e uma batalha épica contra um chefão.

Sobre o jogo

Tales of Arise

📷 Tales of Arise ganha demo na próxima semana | Divulgação

Tales of Arise é o 17º jogo da franquia, o último foi Tales of Berseria de 2016. Tales of Vesperia (2008), um dos melhores da série para os fãs, chegou ao Nintendo Switch no início de 2019. Contudo, Tales of Arise não será lançado para o console da Nintendo, pelo menos por enquanto. O título se passa em um cenário dividido entre o mundo medieval de Dahna e o mundo avançado de Rena. O avanço tecnológico e mágico superior de Rena faz com que ela tenha poder sobre Dahna, pegando seus recursos e tratando seu povo como escravos. Os protagonistas são um homem, Alphen, nativo de Dahna, e uma mulher, Shionne, de Rena, que acabam viajando juntos.

Lançamento adiado

Tales of Arise

📷 Tales of Arise | Divulgação

Originalmente, Tales of Arise seria lançado em 2020. Contudo, a desenvolvedora encontrou problemas devido ao surto de Covid-19. Foram meses sem nenhum novo relato os fãs da série já estavam preocupados com o futuro do game. Mas para a felicidade dos fãs, em abril de 2021, um novo trailer foi divulgado juntamente com a revelação da data de lançamento.

Principais características

Tales of Arise

📷 Tales of Arise | Divulgação

  • O Próximo Capítulo – experimente o próximo capítulo da série Tales of, trazido à vida em incrível HD com o Unreal Engine 4
  • Ação Dinâmica – RPG de ação dinâmico com um sistema de batalha atualizado que mantém os contos clássicos de jogabilidade
  • Um novo conto aguarda – uma história rica com um mundo vibrante e um novo elenco de personagens
  • Visuais impressionantes – animação de alta qualidade criada por Ufotable
Tales of Arise ganha demo na próxima semana

📷 Tales of Arise | Divulgação

Tales of Arise vai ser o primeiro título na franquia principal com um lançamento global e multiplatforma, e também marca a migração da desenvolvedora para a Unreal Engine. O novo RPG da série de sucesso da Bandai Namco será lançado em 10 de setembro para PC, Xbox One, Xbox Series, PS4 e PS5.

Gostou da novidades? Deixe aí nos comentários.

Referências:

Voxel, KaBuM! News.

Pathfinder: Wrath of the Righteous chega em setembro

Pathfinder: Wrath of the Righteous, o novo jogo da desenvolvedora independente Owlcat Games será lançado oficialmente no dia 02 de setembro, para PC, via Steam e GOG. Veja o trailer de gameplay:

📹 Trailer de gameplay de combate | Divulgação

Anúncio

Pathfinder RPG PC 1Hit Games

📷 Pathfinder: Wrath of the Righteous chega em setembro | Divulgação

O mais novo jogo de RPG foi anunciado em 2019, surgindo como um spin-off de Pathfinder: Kingmaker. Durante os últimos meses, recebeu períodos de alfa e Beta para receber feedbacks. O jogo estava com lançamento confirmado para junho deste ano, contudo, devido levando em consideração os feedbacks, acabou sendo adiado para setembro.

Beta

Pathfinder: Wrath of the Righteous chega em setembro

📷 Pathfinder: Wrath of the Righteous chega em setembro | Divulgação

Além da data de lançamento, foi disponibilizado um segundo período beta, que inclui os quatro primeiros capítulos do jogo, bem como melhorias, correções gráficas, visuais e sonoros. O segundo beta também trouxe novas builds de personagens, classes, missões, efeitos atmosféricos, trilhas sonoras e uma remodelagem de interface e tutorial para tornar as mecânicas mais convidativas. Vale a pena saber que, essa demo experimental poderá ser acessada apenas por contribuintes da campanha do Kickstarter e para slacker backers selecionados.

História do jogo

Pathfinder RPG PC 1Hit Games

📷 Pathfinder: Wrath of the Righteous | Divulgação

“O reino de Sarkoris foi destruído quando Areelu Vorlesh, um estudioso e praticante de magias proibidas, abriu uma fenda para os planos abissais da existência, e hordas de demônios invadiram o mundo de Golarion. Liderados pelos malignos Senhores Demônios Deskari e Baphomet, as forças abissais esmagaram todos os que estavam contra eles, transformando Sarkoris em uma terra infestada de demônios agora conhecida como Worldwound. Junte-se à Cruzada contra a invasão demoníaca e erga-se como um novo herói com poderes inimagináveis ​​neste clássico CRPG. O destino deste mundo está em suas mãos.”

Escolha seu caminho

Em Pathfinder: Wrath of the Righteous, você viverá grandes aventuras. Seus adversários não são inimigos comuns, são demônios formidáveis. É preciso escolher seu caminjo, vai encarnar como um Anjo ou um Demônio, um Lich impiedoso ou um astuto Malandro, um super-herói Azata ou a encarnação da lei – um Aeon. Seu herói poderá ser aprimorado de maneira única, de acordo com o caminho escolhido, adicionando uma nova camada ao desenvolvimento do personagem e tornando seu herói e seus aliados uma verdadeira combinação para seus inimigos poderosos.

Sistema Crusade

Pathfinder RPG PC 1Hit Games

📷 Pathfinder: Wrath of the Righteous | Divulgação

O sistema é uma nova camada estratégica de jogo construída especificamente para esta aventura. Em um determinado ponto do jogo, você receberá o comando da Quinta Cruzada: um grande empurrão contra os demônios. Desse ponto em diante, você se aventura não apenas com seu partido, mas recrutando tropas e seus líderes. Gradualmente, você formará exércitos de milhares e os levará através do Worldwound para recuperar os territórios e seus tesouros do inimigo.

Combate tático

Pathfinder RPG PC 1Hit Games

📷 Pathfinder: Wrath of the Righteous | Divulgação

As batalhas da cruzada agora ocorrem em um novo modo de jogo separado: o combate tático. Neste novo modo baseado em turnos inspirado na série Heroes of Might e Magic, você comanda suas tropas e usa suas habilidades únicas para lutar contra os demônios e seus adoradores de seitas. Os líderes militares irão ajudá-lo em sua cruzada. Eles comandarão seus exércitos, concederão bônus poderosos e implantarão rituais para determinar o vencedor. No início da batalha, o líder pode então subir de nível, permitindo que você selecione novas habilidades.

O que você espera do jogo? Deixe aí nos comentários.

Referências:

Pathfinder: Wrath of the Righteous, Voxel, Steam.

Darksiders III

Darksiders III é um jogo de RPG de Ação desenvolvido pela Gunfire Games e publicado pela THQ Nordic para Microsoft Windows, PlayStation 4 e Xbox One em 2018. É uma sequência de Darksiders II e o terceiro título da série Darksiders.

Jogabilidade

Darksiders III é um jogo que se diferencia muito em relação aos jogos anteriores, com perspectiva em terceira pessoa o RPG de Ação em 3D com fortes influências na jogabilidade da série Dark Souls. Os jogadores controlam Fury, irmã de Guerra e Morte, dois dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse. Fury é descrita como a mais imprevisível e enigmática dos Quatro Cavaleiros, utilizando de chicotes, espadas, adagas e magias em combate. Em Darksiders 3 fúria pode assumir diferentes formas elementares que lhe dão acesso a novas armas e afetam a forma com a qual a personagem interage com o cenário. Os inimigos são mais fortes do que nos jogos anteriores, mas aparecem em menor número durante os encontros, de modo a tornar as batalhas mais um contra um.. Existem novos inimigos e alguns que retornaram dos jogos anteriores. Os combate não são em arenas ou salas fechadas, pois há uma tentativa de tornar tudo dentro do cenário contextualizado e interconectado (como outro rpgs de ação). O jogo se passa em um ambiente contínuo, onde a exploração desempenha um papel importante para ganhar almas e subir de nível com mais eficiência. Ao longo da campanha, Fury resolve simples quebra-cabeças e atravessa obstáculos de plataforma, alguns dos quais fazem uso de seu chicote. Tais quebra-cabeças incluem o uso de bombas e as diferentes formas de Fury, como a de Chama para explodir caminhos e materiais obstruídos no meio ambiente ou a de Gelo para congelar objetos criando caminhos para a personagem atravessar. Darksiders III dispõe de um sistema de níveis que se resume a aumentar Vida, Dano físico e Dano Arcano. Além da possibilidade de melhoras do dano das e runas equipáveis as mesmas para diferentes vantagens. Semelhante à Guerra, mas diferente da Morte, a Fúria coleta almas dos inimigos e dos objetos no meio ambiente, como uma forma de moeda ou um recurso dispensável. Conforme o jogador avança, os inimigos das novas áreas aparecem mais fortes e mais resistentes, se igualando ao poder de Fury toda vez que um pecado capital é derrotado.

Colete tudo

No Darksiders 3, há toneladas de itens colecionáveis ​​espalhados por todo o mundo para você encontrar. De Adamantine a Lurcher Crystals, os itens que você coleciona em sua jornada estão lá para ajudá-lo a subir de nível e atualizar seu arsenal, então você deve tentar pegar os itens que encontrar, se possível. 

Alguns itens estão estrategicamente fora de alcance e podem exigir que você use um determinado formulário oco para alcançá-los. Faça uma anotação mental das áreas que você não pode alcançar ao longo do caminho e lembre-se de voltar a explorar essas áreas quando estiver melhor equipado.

Visite Ulthane frequentemente

Lembre-se de fazer uma viagem de volta a Ulthane sempre que você tiver acumulado um pouco de Adamantina ou encontrado Artefatos diversos ao longo do caminho. O Ulthane pode atualizar suas armas e aprimoramentos  , desde que você tenha os materiais de fabricação certos, por isso crie o hábito de viajar rapidamente  para a Forja do Criador para atualizar seu arsenal depois de passar algum tempo explorando.

A pausa de Nephilim é seu amigo

Embora você possa notar almas verdes escapando de seus inimigos durante o combate, é importante notar que essas almas não irão curá-lo como fizeram nos jogos anteriores. Em vez disso, as almas da saúde são usadas para reabastecer a pausa do seu Nephilim, na qual você deve confiar como sua principal maneira de se curar . 

Os Fragmentos de Saúde são consumíveis muito mais difíceis de encontrar, enquanto o Respite do Nephilim pode ser recarregado gratuitamente. Sempre use o Pausa do Nephilim para curar, se você o tiver disponível. Dica rápida: pressione o D-Pad para retornar rapidamente ao Nephilim’s Respite sem precisar rolar os consumíveis. 

Estilhaçar cristais de Lurcher perto de Vulgrim

Antes de quebrar todos os cristais de Lurcher que você acumulou em seu inventário, lembre-se de que suas almas acumuladas cairão como um Lurcher Demoníaco após a morte. Você não quer quebrar um monte de cristais de Lurcher até saber que pode trazê-los facilmente de volta para alimentá-los com Vulgrim. Ao visitar Vulgrim, verifique quantas almas são necessárias para você alcançar o próximo nível e, em seguida, quebre apenas os cristais Lurcher suficientes para subir de nível.

Evite comprar consumíveis 

Embora você possa ficar tentado a restaurar seu suprimento de itens de consumo ou outros itens comprando-os na Vulgrim, lembre-se de que os itens no inventário da Vulgrim ficarão gradualmente mais caros a cada compra. O preço aumentará toda vez que você comprar fragmentos ou outros itens, portanto, considere se você realmente deseja gastar almas Lurcher em consumíveis ou se é melhor procurá-las no ambiente.

Use a morte a seu favor

Morrer é tipicamente algo que você deseja evitar em Darksiders 3. Quando você morre, derruba todas as almas que reuniu e todos os inimigos que você matou ressurgirão, o que significa que você terá que percorrer todos os caminhos de volta. deles se você quiser recuperar seus Lurchers. No entanto, existe uma maneira de usar esse mecânico para sua vantagem.

Demon Lurchers (o pacote flutuante de almas que caem quando você morre) permanece intacto mesmo depois de morrer pela segunda vez. Enquanto você estiver voltando para onde morreu, você também estará acumulando almas lutando contra os inimigos que reapareceram ao longo do caminho, permitindo que você obtenha ainda mais almas do que quando você morreu. Esta é uma ótima maneira de cultivar almas, se você precisar de mais alguns para subir de nível, especialmente se Vulgrim estiver por perto. Além disso, a pausa do seu Nephilim será reabastecida quando você reaparecer, o que pode ser útil se você puder voltar para onde estava sem se machucar demais.

Ouça com atenção

Alguns inimigos em Darksiders 3 tentarão emboscar você quando você menos esperar. Ao descobrir uma nova área, ouça atentamente os sons dos inimigos. Dependendo do barulho que eles produzem, isso pode lhe dizer que tipos de inimigos podem estar por perto, mesmo que você não possa vê-los imediatamente. Ter essa consciência adicional dará a você uma pequena vantagem sobre os oponentes que tentarão pegá-lo de surpresa. Além disso, se você ouvir com atenção, poderá encontrar frequentemente itens colecionáveis ​​ocultos ou locais do Vulgrim Plinth.

Observe seus arredores

Os elementos do quebra-cabeça estão espalhados por todo o ambiente no Darksiders 3, e geralmente você precisará examinar tudo ao seu redor para descobrir o que fazer a seguir. Talvez um bug de bomba possa ajudar a abrir uma passagem bloqueada que esteja fora de alcance, ou haja um cristal que abrirá uma porta trancada quando for atingido. Observe o seu entorno e não tenha medo de explorar todos os cantos e recantos para encontrar itens e colecionáveis ​​escondidos que possam ajudá-lo a progredir em sua jornada.

Atrair inimigos únicos 

Existem muitas regiões em Darksiders 3 que consistem em grandes áreas abertas com inimigos espalhados por toda parte. É fácil ficar sobrecarregado quando vários inimigos começam a cercá-lo e atacá-lo por todos os lados, por isso é importante evitar atrair muita atenção indesejada ao percorrer uma área. Sempre que possível, tente atrair inimigos únicos para longe dos outros, para que possa combatê-los um a um. Isso é particularmente importante quando se enfrenta inimigos maiores e mais perigosos.

Aprenda A Amar O Rodeio

Não há botão de bloqueio no Darksiders 3 e você não consegue encontrar um item ou desbloquear uma habilidade que permite bloquear. Em vez disso, você precisa se sentir confortável rapidamente usando R1, ou o para-choque certo, para se esquivar do caminho. As esquivas de Fury são diferentes com base na direção, mas geralmente uma roda de esquiva lateral é a melhor opção para evitar a maioria dos ataques.

O momento pode ser complicado. Não há dois inimigos realmente lutando da mesma forma em Darksiders 3 e você precisará gastar tempo aprendendo padrões de ataque e tempos de corda, além de quantos balanços uma sequência de ataques pode conter.

Às vezes, as coisas ficam um pouco frustrantes porque muitos de seus inimigos, ao contrário de você, podem bloquear muito bem. Não apenas isso, mas alguns deles podem até executar animações de ataque enquanto você os atinge, o que significa que você precisa estar pronto para mudar de rumo e desviar-se com a queda de um chapéu. Não ajuda que mesmo os inimigos básicos da lixeira possam acertar como caminhões e facilmente prendê-lo em um canto e derrubar sua barra de vida em questão de segundos.

A Morte e o reaparecimento são bastante frustrantes

Como morrer é apenas uma parte da vida em Darksiders 3 , não se preocupe muito. Embora gostássemos de ter visto uma função de salvamento manual ou, pelo menos, mais salvamento automático perdoado, há algumas coisas boas aqui.

É importante ressaltar que, quando você morre, na verdade não recarrega um arquivo salvo no Darksiders 3 para voltar. Em vez disso, basta “continuar” para frente e reaparecer. Isso significa que todos os itens que você usou ainda desapareceram e os inimigos reapareceram na área – além de toda a moeda da sua alma cair onde você morreu, semelhante a Dark Souls.

Estudar a Luta primeiro

Agora, sabendo o que você faz sobre a morte e a perda de itens, nas primeiras vezes em que você luta com um chefe, você deve intencionalmente optar por não usar nenhum item. Apenas sente-se, evite muito e estude movimentos e animações o máximo possível. Depois que você morrer e voltar, você estará mais preparado, com uma nova barra de saúde e o mais importante – frascos de cura recarregados.

À medida que você progride em Darksiders 3, você expandirá sua reserva do item de cura “Nephilim’s Respite”. Você tem uma chance aleatória de encontrar um desses para reabastecer seu estoque enquanto luta contra bandidos, mas a única maneira certa de recarregá-los é morrer e voltar.

Depois de passar por esse processo algumas vezes, você estará pronto para lutar contra o chefe! Mas não tão rápido …

Não Esqueça Seus Fragmentos

Lembre-se de ativar seus núcleos de escolha antes do que você pretende ser a luta final contra um chefe em particular. Isso significa usar um Estilhaço Imortal para se reviver em caso de morte, um estilhaço Frenzy para recarregar esse medidor e uma carga de Ira para recarregar também. Finalmente, os fragmentos de força são incrivelmente úteis porque duram muito mais do que você esperaria e aumentam drasticamente a sua produção de dano.

Você também pode estocar fragmentos de cura ou mesmo fragmentos defensivos. Você pode encontrar lotes espalhados pelo mundo, mas provavelmente comprará a maioria dos que quiser com dinheiro no jogo.

Concentre-se em atualizar o Flame Hollow mais cedo

Em Darksiders 3, Fury recebe quatro Hollows diferentes que lhe conferem poderes específicos e concedem acesso a novas armas. No início do jogo, ela é apenas seu eu de cabelos roxos padrão com um chicote e é isso, mas rapidamente seu arsenal se expande. No início do jogo, você recebe o Flame Hallow, que acende o cabelo dela e fornece algumas correntes de lâmina semelhantes a Kratos na trilogia original de God of War a ser usada.

Como este é o primeiro Hollow que você obtém, significa que você tem mais tempo para atualizá-lo e deve se concentrar nele imediatamente. Ao visitar a Forja, você pode investir almas e itens de artefato na atualização de suas armas, encantamentos e muito mais. Embora a atualização de seu chicote seja tentadora, a realidade é que as correntes Flame Hollow são apenas um melhor ataque corpo a corpo padrão. Eles são muito mais rápidos e aplicam efeitos de dano ao longo do tempo. Eles são a arma mais rápida do jogo e permitem que você destrua enormes quantidades de dano rapidamente.

A desvantagem, é claro, é a falta de alcance, especialmente nas lutas contra chefes, o que significa que é difícil usá-las e evitar ataques ao mesmo tempo. Mas como arma padrão, não pode ser derrotada. E se você atualizá-los primeiro, antes de outros Hollows, no final do jogo, você estará lançando a maioria dos inimigos em uma ou duas barras.

Use os poderes Wrath e Frenzy frequentemente

Eu passei por toda a segunda briga de chefes em Darksiders 3 antes de perceber que não estava usando minhas habilidades de Ira. Cada um dos quatro vazios tem um poder de ira especial que você pode ativar quando a barra abaixo do seu medidor de saúde estiver totalmente. Tudo o que você faz é pressionar L1 e R1 ao mesmo tempo. A habilidade Ira do Flame Hollow é ótima para lutas contra chefes, pois canaliza o poder de Fury e a torna ainda forte e rápida por um curto período de tempo.

Mas o Storm Hollow tem o melhor poder de Ira para combater grupos de inimigos, com seus múltiplos tornados circulando em torno das lutas e danificando os inimigos ao longo do tempo.

Tenha cuidado ao comprar Itens

Uma coisa que eu gostaria de saber sobre a economia do jogo em Darksiders 3 quando comecei é que o Vulgrim não tem uma estrutura de preços estável. Cada vez que você compra um item de cura ou um fragmento de habilidade, ele aumenta de preço na próxima vez que você o comprar. Não percebendo isso, aumentamos os preços cedo, porque comprei itens de cura em vez de utilizar o Nephilim’s Respite, que recarrega naturalmente e com mortes.

Uma estratégia melhor seria apenas usar os itens que você encontra no mundo e depois estocar extras no final do jogo quando as coisas estiverem ficando mais difíceis. Especificamente, achei Avarice e Pride as lutas mais difíceis contra chefes.

Faça uma pausa nos quebra-cabeças Difíceis

Darksiders 3 é principalmente um jogo de ação de hack ‘n’ slash, mas também tem muitos quebra-cabeças. Não existem “masmorras” apropriadas como nos dois jogos anteriores de Darksiders, mas o mundo todo meio que flui junto. Você passará de uma zona para a próxima inimiga, encontrando caches de almas e resolvendo quebra-cabeças. Mas alguns deles podem ser realmente difíceis e frustrantes.

Às vezes, eles não são apenas difíceis de decifrar às vezes, mas alguns deles não são projetados muito bem e podem ter alguns erros ou requisitos pouco cronometrados. O que funcionou melhor para mim foi apenas dar um passo atrás, fazer uma pausa e voltar mais tarde com uma mente renovada.

Revisite o Forge para atualizar frequentemente

Como Darksiders 3 não tem um mapa do mundo superior e não o direciona de volta para áreas como Haven para visitar o Forge organicamente, você precisa fazer suas próprias viagens manuais. Cada vez que você vê Vulgrim saindo de seu buraco de serpente (ativando um salvamento automático), você deve aproveitar a oportunidade para visitar a Forja e fazer algumas melhorias. Você pode gastar almas e artefatos na qualidade da sua arma, além de instalar e atualizar aprimoramentos.

Explore fora dos roteiros mais conhecidos para almas extras e atualizações

No topo da tela do Darksiders 3, há uma bússola. Esta bússola mostra a direção a seguir para enfrentar o próximo pecado mortal mais próximo, ou luta contra o chefe. É um jogo principalmente linear sem um mapa do mundo superior de qualquer tipo. No entanto, ainda há muitas oportunidades de exploração.

Ao avançar por uma zona, você pode notar barris ou caixas que podem ser destruídas, inimigos para o lado em uma área não essencial, ou mesmo apenas corredores extras que você não precisa descer para continuar avançando. Mas geralmente, se o fizer, é onde você encontrará uma variedade de itens especiais, humanos presos para resgatar ou almas extras para usar no aumento de nível e nas atualizações.

Modos de dificuldade

Existem 4 configurações de dificuldade neste jogo: Fácil, Normal, Difícil e Apocalíptico. Os novos jogadores devem começar no Balanced, aqueles que gostam de sofrer um pouco devem usar o Challenging, e se você é realmente um masoquista, escolhe Apocalyptic. Não estamos brincando, é realmente tão difícil!

Dominar a esquiva perfeita e acompanhar o contra-ataque Arcano será inestimável em dificuldades mais difíceis, enquanto as inferiores permitem mais erros durante o jogo. À medida que a dificuldade aumenta, os inimigos são mais difíceis de matar, eles causam mais dano e seus ataques se tornam mais difíceis de se esquivar devido à remoção de mais e mais iframes. A boa notícia é que você pode mudar as dificuldades no meio do jogo se for muito difícil (ou fácil).Apocalíptico não é para os fracos de coração…

Dano

Após a morte, Fury reaparecerá no buraco da serpente mais próximo, pronto para tentar novamente. Os jogadores perderão apenas as almas que estavam carregando, que assumem a forma de um Demon Lurcher. Os jogadores devem voltar ao local de sua morte e atacar o Demon Lurcher para re-consumir as Almas. Esteja ciente de que os Lurchers próximos gravitarão e serão absorvidos pelo Lurcher Demoníaco até que sejam destruídos. Muitos Demon Lurchers podem existir no mundo, então isso não é tão punitivo quanto a série Dark Souls, porque você tem várias chances de alcançá-los. Todos os inimigos reaparecerão quando o jogador morrer.

Dano de queda ocorre quando os jogadores caem em um poço sem fundo. Eles não são mortos instantaneamente, mas enviados de volta a um local antes da queda, geralmente em uma borda próxima com uma porcentagem de sua vida drenada. Isso significa que a gravidade perdoa menos do que alguns outros jogos (tosse, almas, tosse), e isso também é útil porque os controles de giro são irregulares na melhor das hipóteses.

Gotas de inimigos

Souls Lurchers são retirados dos inimigos quando são derrotados e vêm em 3 variedades:

Azul – moeda

Verde – reabastece a pausa da fúria de Nephilm

Amarelo – reabastece o medidor de ira

Inimigos menores (pequenos) podem ser manipulados, mas inimigos maiores não podem e requerem sua atenção total. Os inimigos maiores também são mais difíceis de escalonar, então domine a arte do contra-golpe.

Os jogadores são rápidos em ver o número de danos de Fury causado aos inimigos. Aqueles que desejam desativá-los podem, mas eles são úteis, pois mostram os diferentes tipos de danos causados, bem como a quantidade de infligidos: danos físicos são brancos enquanto danos arcanos são roxos .

Armas e encantamento

É possível atualizar armas em Darksiders 3 com uma escolha de Barbs of Scorn ou Chains of Scorn . Há também uma variedade de aprimoramentos que podem ser criados.

Aprimoramentos

Os jogadores podem obter seu primeiro aprimoramento quando vencerem o chefe Envy. Progresso através do nível até chegar a uma área compacta com vários carros, olhe para o canto onde está localizado um grande monstro sentado. Ele é um monstro armado com 4 armas que bloqueia a atualização do Fortifier Enhancement, derruba-o para ganhar o aprimoramento.

Salvando seres humanos

Ulthane Blackhammer  dará aos jogadores a  The Bridge Stone:

Uma pedra encantada gravada com a magia dos antigos criadores permite o transporte instantâneo de qualquer ser humano diretamente ao paraíso. Os seres humanos salvadores estão ligados aos troféus.

Referências:

Prima Games, Fextra Life, Game Crate, wikipedia.

Chrono Trigger

Desenvolvido e publicado pela Square Co., Chrono Trigger é um jogo de RPG eletrônico lançado para SNES em 1995. O jogo foi revolucionário para a época e assim, é considerado até hoje um dos melhores jogos já feitos no mundo dos games.

Personagens e enredo

Os sete personagens controláveis de Chrono Trigger vêm de diversas eras. Chrono Trigger começa em 1000 AD com Crono, Marle e Lucca.

  • Crono – O protagonista, silencioso e destemido. Nas batalhas, usa uma Katana.
  • Marle – (princesa Nadia) – Vive no castelo de Guardia. Possui uma vida confortável, contudo prefere esconder sua identidade real.
  • Lucca – Amiga de Crono. Ela é um gênio da mecânica

Na era de 2300 AD se encontra Robo, um robô com personalidade quase humana, criado para ajudar a sociedade. A confiante Ayla vive em 65.000.000 BC. Dotada de incomparável força física, Ayla é a líder de sua tribo e os guia em uma guerra contra uma espécie de répteis humanoides.

O dois personagens restante são:

  • Frog – Foi um escudeiro chamado Glenn, até ser transformado em um Sapo antropomórfico por Magus, além de ter seu amigo Cyrus morto por ele.
  • Magus – Um poderoso e misterioso feiticeiro com sede de vingança.

Um pouco mais da história

Frog dedica sua vida à proteção da rainha Leene, mas também deseja vingar Cyrus. Enquanto isso, Guardia em 600 AD se encontra em guerra com uma raça de demônios e animais inteligentes sob a liderança de Magus, um poderoso feiticeiro. O passado de Magus é coberto por mistérios: ele outrora era conhecido como Janus, o jovem príncipe do reino de Zeal, destruído por Lavos em 12000 BC. Tal acontecimento o mandou para outra era, onde ele arquiteta um plano de vingança contra Lavos e por fim, tenta descobrir o destino de sua irmã, Schala. Lavos, que desperta e devasta o mundo em 1999 AD, é um parasita extraterrestre que se alimenta do DNA do planeta.

Jogabilidade

A jogabilidade de Chrono Trigger é a padrão de RPG, contudo, com algumas inovações. O jogador controla Crono e seus companheiros por um mundo com diversas florestas, cidades e cavernas. A visão do mundo, é vista pelo jogador é numa perspectiva aérea. Áreas como florestas, cidades e palácios são retratadas em mapas mais realistas, em que os jogadores podem conversar com habitantes para procurar itens ou serviços, resolver desafios ou enfrentar inimigos. O que difere Chrono Trigger dos jogos tradicionais do estilo, é o fato de ter inimigos visíveis no mapa, sendo assim, evitando encontros aleatórios. Batalhas também acontecem diretamente no mapa, ao invés de abrir um tela especial para batalha.

Mecanismo de batalha

Durante a batalha, jogadores e inimigos podem desferir golpes físicos ou mágicos no adversário. Itens de cura e/ou proteção, podem ser utilizados pelo jogador. Cada personagem, bem como inimigos possuem um número de pontos de vida, que abaixam quando sofrem ataques, contudo, magias específicas e itens, podem fazer com que aumentem novamente. Quando um personagem que é controlado pelo jogador, perde seus pontos de vida, ele desmaia, então o jogador controlará outro. Se todos forem derrotados o jogo acaba e você voltará desde onde salvou o game, salvo exceção de batalhas específicas que permitem ou forçam a derrota do jogador. Entre as batalhas, o jogador pode equipar seus personagens com armas, armadura, elmo e acessórios com efeitos diversos, e vários itens podem ser usados dentro e fora das batalhas. Itens e equipamentos podem ser comprados em lojas ou encontrados em baús de tesouro.

Sequências

Ao contrário do que muitos pensam, Chrono Trigger não é o único jogo da série. Ele possui duas sequências lançadas pela Square, contudo, não tiveram o mesmo sucesso.

Chrono Cross

O jogo contava com outros protagonistas, mas mantinha o elemento de viagem no espaço-tempo, a característica mais marcante de Chrono Trigger. Foi lançado em 1999 para PlayStation 1.

Radical Dreamers

Foi lançado em 1996, apenas um ano depois do lançamento original de CT. Lançado via internet e apenas no Japão, o game era uma aventura em texto que contava mais da história de personagens secundários e outros que viriam a aparecer em Chrono Cross, anos mais tarde.

Múltiplos finais

Um dos primeiros jogos do SNES a ter múltiplos finais. Aos todo são 13, que variam de acordo com o que foi feito ao longo do jogo. Chrono Trigger apresentava finais dramáticos, felizes e até inusitados, um dos finais diferenciados é o que mostrava os produtores do game.

Curiosidades

  • Os três sábios na história do jogo; Melchior, Gaspar e Belthasar é uma referência aos nomes dos três reis magos que visitaram o recém-nascido Jesus Cristo.
  • Outra referência está nos generais do personagem Magus. Eles foram inspirados nos integrantes das bandas; Black Sabbath, Red Hot Chilli Peppers e Guns N’ Roses, sendo, Ozzy, Flea e Slash, respectivamente.

The Dream Team

O jogo foi desenvolvido por uma equipe que foi apelidada de Equipe dos Sonhos (The Dream Team): Hironobu Sakaguchi (produtor da série Final Fantasy), Yuji Horii (diretor da série de jogos Dragon Quest), Akira Toriyama (criador de mangás famosos, como Dragon Ball e Dr. Slump), o produtor Kazuhiko Aoki e Nobuo Uematsu (músico de Final Fantasy).

Recepção

No geral, os críticos elogiaram Chrono Trigger por sua história, gráficos, trilha sonora inigualável, jogabilidade simples, porém inovadora, e o valor de replay elevado proporcionada por vários finais. O jogo foi um dos mais vendidos no Japão, vendendo mais de 2,36 milhões de cópias no Japão e 290.000 no exterior. O jogo terminou 1995 como o terceiro jogo mais vendido do ano. Chrono Trigger é querido pelos apaixonados por games e é frequentemente listado entre os maiores jogos de videogame de todos os tempos.

O que você acha desse clássico atemporal? Deixe aí nos comentários.

Referências:

Wikipedia, Tech Tudo.

Trials of Mana

RPG de ação, Trials of Mana foi desenvolvido pela Xeen e publicado pela Square Enix em 2020 para Microsoft Windows, Nintendo Switch e PlayStation 4. É um remake em 3D do título Super Famicom de 1995 com o mesmo nome, o terceiro jogo da série Mana.

A história segue seis possíveis protagonistas em suas respectivas missões, que os levam a obter a Mana Sword e combater uma ameaça de fim mundial. Na jogabilidade, o jogador controla três de seis personagens, navegando em ambientes de campo, lutando contra inimigos em combate em tempo real e fazendo uso de classes de personagens. Novo na jogabilidade e no enredo é um capítulo pós-jogo com uma classe desbloqueável.

O remake foi concebido pela primeira vez em 2017, durante a produção de um remake de Secret of Mana (1993). A produção de Trials of Mana foi estimulada pela demanda ocidental, pois o jogo original não havia sido localizado. Originalmente um remake quase direto com planos para multiplayer como no original, a equipe optou por uma experiência em 3D para um jogador que aprimorou alguns aspectos e adicionou conteúdo, mantendo-se fiel no geral. A trilha sonora de Hiroki Kikuta foi organizada por uma grande equipe, com Kikuta supervisionando. A recepção do jogo no lançamento foi geralmente positiva, com elogios ao seu combate e trilha sonora reprojetados, embora muitos tenham criticado seus dub e elementos arcaicos.

Gráficos

Dizer que os gráficos do novo Trials of Mana estão melhores é muito modesto! O jogo foi recriado com visual e cores vibrantes — dos personagens até o mundo em si, tudo está cheio de detalhes. Mas o legado do original ainda transparece claramente. A equipe de criação do game tomou muito cuidado para manter o visual único dos personagens, inimigos e áreas originais.

Combate

O novo RPG de ação possui um sistema de combate completamente recriado, que é veloz, fluido e tático. Utilize combos, controle o campo de batalha e use golpes especiais no momento certo para desferir o máximo de dano. É um sistema de combate completamente diferente do de 1995 — e teria que ser mesmo. O Trials of Mana original era jogado em apenas um plano 2D, então você nunca tinha que se preocupar com inimigos acima ou abaixo de você. 

Personagens e inimigos podem se mover em todas as direções, e o combate teve que ser recriado para acomodar isso. Por exemplo, você agora pode saltar, usar golpes aéreos, flanquear inimigos e mais neste novo espaço 3D. É especialmente importante considerar o seu posicionamento em uma luta. Os inimigos podem atacá-lo de todas as direções, usar golpes à distância, e mandar poderes de todo tipo em sua direção — e se estiver no caminho, vai doer. Tudo isso somado garante batalhas divertidas que ficam cada vez mais estratégicas conforme você progride no jogo. 

Novo Sistema de Habilidades

Sempre que você passa de nível em Trials of Mana, recebe TP (que quer dizer Pontos de Treinamento). Você pode então usar seus TPs em vários tipos de melhorias para seus personagens. Alguns são poderes passivos muito úteis, como mais ataque ou mais vida. Outros podem providenciar golpes novos para suas batalhas — e esses são apenas alguns exemplos. Há mais de 300 habilidades para destravar no jogo, e deixam você customizar seu personagem do jeito que preferir. 

Nova História

Quando iniciar Trials of Mana, terá que escolher três personagens (entre seis possíveis) para formar seu grupo. A narrativa que verá será diferente dependendo dos heróis que escolher. Independente de quem escolher, o remake de Trials of Mana possui novos elementos de história para você descobrir.

Personagens & classes

Ao iniciar o jogo, é necessário montar uma equipe de três protagonistas. Honestamente, não há muito erro e a escolha varia mais por gosto. Por exemplo, um jogador pode preferir ter uma personagem que tende a ser melhor em cura como Charlotte, enquanto outro pode montar uma equipe focada totalmente em dano físico.

Outro fator que pode ser importante para a escolha é a história, já que existem três duplas de personagens ligadas à trama do mesmo vilão: Duran e Angela; Kevin e Charlotte; Hawkeye e Riesz. Mas, francamente, não há escolhas erradas.

Cada personagem também possui classes específicas, sendo possível avançar para o próximo rank após chegar no nível correto e com os itens apropriados. Esse progresso pelas classes implica em vários benefícios, como expansão do combo de ataques básicos, um novo Class Strike, além de habilidades e magias desbloqueáveis no treinamento.

Duran é um guerreiro que usa espada. Sua especialidade em dano físico oferece a ele um bom ataque e uma excelente defesa. Na hora de evoluir as classes, optar pelo caminho da luz irá levar o personagem a magias de cura e mais defesa, enquanto a das trevas leva o personagem a trocar um pouco da sua defesa por mais ataque.

Kevin é o equivalente ao tradicional monk de Final Fantasy, utilizando os próprios punhos para eliminar os inimigos e causando ainda mais dano ao lutar à noite, quando se transforma em lobisomem. Ao ir para o lado da luz, ele se torna mais equilibrado, com magias de cura e mais defesa, enquanto o foco no caminho das trevas é pura força bruta.

Como ladrão, Hawkeye é extremamente ágil no seu uso de facas. A ideia do seu caminho da luz é oferecer habilidades bastante variadas, fazendo o personagem mais versátil. Já pelo lado das trevas implica em um foco bem maior em dano.

Charlotte é uma clériga que usa um mangual para atacar. O seu caminho da luz envolve magias de recuperação melhores, enquanto as trevas oferecem mais técnicas de dano e enfraquecimento (debuff) de inimigos.

Especializada em ataque mágico, Angela pode aprender uma grande variedade de magias. O caminho da luz apresenta uma maior variedade de poderes elementais, enquanto o das trevas está mais próximo desse elemento específico, com habilidades que sacrificam HP para aumentar o ataque mágico ou se beneficiam da morte de aliados.

Por fim, Riesz é uma amazona que domina o uso de lanças. Suas classes da luz são balanceadas, com boa resistência a magia e técnicas para fortalecer os atributos dos membros da equipe. Já as trevas oferecem mais dano, além de técnicas para enfraquecer os inimigos.

Cada classe oferece suas vantagens e desvantagens, então é importante ter em mente a que parece melhor para o seu estilo de jogo e para ter uma equipe equilibrada. No entanto, é importante, obviamente, alocar os pontos obtidos em batalha no menu Training, local onde são aprendidas as habilidades e magias.

Caso queira experimentar as outras classes, o jogador pode utilizar um item adicionado ao remake chamado Goddess Scales, mas ele só pode ser obtido no fim do jogo. Obviamente, também é possível fazer isso em um New Game+, após terminar o capítulo adicional do pós-game.

Explore todos os cantos dos cenários

Explore tudo! Todos os arredores sempre têm itens, sementes e extras espalhados pelo mapa, seja em cidades ou ao explorar o mundo aberto. Olhe atrás das casas, árvores e dentro de arbustos, para encontrar itens, baús, urnas quebráveis e Lucre (moeda do jogo). Além disso, posteriormente você encontrará um personagem fofo chamado Li’l Cactus, que oferece muitos bônus passivos como descontos em lojas e ganho de experiência. Também obtenha novas habilidades passivas conversando com os principais personagens. Se alguém parecer significativo, fale com ele o mais rápido possível.

Pratique esquivas e combos

Combate foi uma das mudanças mais significativas neste remake. Nesta versão seu personagem está em um espaço aberto 3D, onde você pode pular, esquivar, usar todos os tipos de ataques e executar combos. Use todos esses artifícios para sobreviver. Ao atacar, por exemplo, a combinação mais útil é um ou dois ataques leves seguido de um pesado. Isso causa uma boa quantidade de dano rapidamente, além de derrubar a maioria dos inimigos. Fora isso, a maioria dos inimigos tem animações com ícones vermelhos para seus ataques especiais. Esquive isso e repita combos, ataque carregado ou magias para a vitória.

Plante todas as sementes

Soa bobagem, não é? Engana-se! Item Seeds (sementes de itens) são uma característica maravilhosa em Trials of Mana, encontradas ao redor do mundo do jogo, em vasos e baús. Inimigos também as derrubam e basta plantá-las quando chegar a uma pousada (inn) para obter itens aleatórios instantaneamente. Ao plantar mais sementes, seu pote ganha experiência e sobe de nível, que libera acesso a melhores sementes no mundo e itens melhores. Além disso, encontre nosso amigo Li’l Cactus mais vezes e ele fornecerá sua melhoria, para conseguir prêmios ainda melhores.

O dia da semana e clima importam

Em Trials of Mana, o dia e hora (que podem ser vistos no canto inferior direito do mapa) afetam na batalha. As magias são mais fortes quando seus elementos se alinham com o dia da semana. Magias de fogo são mais fortes no dia de Salamando, enquanto as do elemento luz (light) são poderosas durante o dia (Lumina Time). Então nada de entrar em brigas com chefões no dia ou horário que corresponda ao elemento dele! Para não ter erro, observe as combinações:

Luna Day: lua (moon)

Salamando Day: fogo (fire)

Undine Day: água (water)

Dryad Day: madeira (wood)

Sylphid Day: vento (wind)

Gnome Day: terra (earth)

Mana Day: pousada sem custo (free inn)

Experimente diferentes habilidades e classes

O jogo traz uma série de habilidades a serem testadas para que você encontre seu estilo de jogo. Você consegue novas ao melhorar seus status, com NPCs ou com novas classes. Angela ou Charlotte podem se dar melhor com aquelas que afetam magias, já personagens de curta distância, como Duran e Kevin, são beneficiados com ataque e defesa. Porém, Trials of Mana ficou famoso por suas classes. Cada personagem tem duas de nível 2, quatro de nível 3 e, no pós-jogo, duas de nível 4. Você também pode escolher entre o caminho da luz ou escuridão ao mudar de classe. Os de luz focam em magia útil, como curas e melhorias. Já os sombrios concedem feitiços ofensivos e de enfraquecimento. Veja qual combina mais com seu estilo de jogo e não deixe de tentar algo novo.

Mexa na IA dos seus aliados

Trials of Mana é um jogo de ação em que você comanda uma equipe. Apesar de ser possível trocar de personagem a qualquer momento, é importante garantir que seus aliados possam dar o seu melhor nas batalhas mais complicadas ou economizem energia em encontros mais simples.

No menu principal, há uma opção com o nome Strategy. Ela permite alterar as prioridades da IA e colocar limitações de gasto de MP. Com isso, é possível ter um controle razoável de como os personagens se comportam em batalha. Como esse menu não está acessível durante batalhas, o jogador precisa definir isso antes de enfrentar inimigos. Isso é especialmente relevante antes de encontros com bosses.

Acostume-se com a roleta e com os atalhos

Magias e itens são importantes para lidar com as batalhas. Especialmente mais para o final do jogo, é comum que os personagens tenham muitas possibilidades em suas mãos. Qual magia será melhor contra esse boss? Qual buff deveria usar na equipe?

Todas as opções que o jogador obteve através do Training estão na roleta (Ring Menu), que precisa ser aberta utilizando o botão direcional para baixo ou para cima durante a batalha. Os itens também são acessados por lá, mas o número deles é limitado tanto em quantidade (9 de cada item) quanto em variedade (apenas 12 tipos diferentes). No menu, é necessário definir quais itens poderão ser utilizados.

Além disso, qualquer item ou magia da roleta pode ser associado aos atalhos do botão R. Lá, basta apertar R+A/X/Y/B para utilizá-lo. Há também atalhos para as técnicas especiais chamadas Class Strikes, esses são associados ao botão L e não podem ser alterados, mas é importante que o jogador os memorize, pois são um elemento importante do seu arsenal.

Prologue Play

Quando um dos heróis conhece um novo amigo, o jogador pode jogar o prólogo para o personagem que acabou de conhecer e reviver seu passado. É um sistema criado para demonstrar mais profundamente a determinação e o propósito de cada personagem ao partir em sua jornada. As experiências do prólogo são opcionais, o que significa que elas podem ser puladas dependendo da preferência do jogador. Nesse caso, uma cutscene sobre o passado do personagem em questão será mostrada.

Mecânicas do Mapa

Existem muitos desafios a serem superados nas dungeons e no mundo. Se o jogador não conseguir resolvê-los, ele não será capaz de prosseguir…

Por exemplo, mudar a direção do vento também altera a forma com que seu grupo se movimenta em determinada dungeon, ou então em determinadas localidades onde há erupção de fogo e lava, que pode dar dano a seu grupo. Os gráficos melhorados do remake permitem que esse tipo de obstáculo
sejam mais fáceis de perceber.

Criaturas lendárias

No vasto mundo de Trials of Mana, os heróis devem viajar pelos infindáveis mares e travessar imponentes montanhas para chegarem até seu próximo destino. Existem amigos em algum lugar do mundo que podem te ajudar nesta jornada.

Flammie

Conhecido como o Defensor Alado, Flammie é o emissário da Deusa de Mana, que dizem proteger as montanhas e o céu. O jovem dragão pode ser invocado por um Tambor Flammie para voar com o grupo pelo mapa.

Vuscav

O grupo conheceu este misterioso governante dos mares na Ilha Beuca. Embora ele desconfie de humanos, ele é surpreendentemente útil.

Espíritos

Os espíritos são seres que emprestarão seu poder ao jogador durante a jornada. Cada um dos oito espíritos possui diferentes atributos, poderes e jeito de falar.

Faerie

A semente espiritual da Árvore de Mana.

Faerie se aventura para fora do santuário para avisar o Sacerdote da Luz de Wendel do desaparecimento do poder da Árvore de Mana. No entanto, ela desmaia pelo caminho, fraca demais para completar sua jornada sozinha. O herói a encontra e eles juntam forças.

Tipos dos espíritos

Terra: Gnomo – Um espírito que possui o poder da terra e pode manipular grandes rochas. Sua barba e seu chapéu verde e pontudo são suas marcas registradas

Água: Undine – Um espírito que possui o poder da água e pode criar granizo ao coletar ar frio. Um espírito sentimental, ela não deixa uma pessoa com problemas passar despercebida.

Fogo: Salamander – Um espírito que possui o poder do fogo e utiliza uma lança flamejante, atacando com fogo e lava ardentes. É um espírito apaixonado e com um coração flamejante.

Vento: Jinn – Um espírito que possui o poder do vento e pode controlar as nuvens, trovões e o próprio vento. Suas grandes orelhas podem ouvir mensagens carregadas pelo vento.

Lua: Luna – Um espírito que tem o poder de conjurar uma luz misteriosa e desnortear os corações das pessoas. É rodeado por quatro asas em formato de pena, cobertas de luz.

Madeira: Dryad – Um espírito que governa as árvores e possui forte poder de Mana. Ela tem um belíssimo cabelo que se assimila a uma folha.

Luz: Wisp – Um espírito com o poder de espantar o mal com sua deslumbrante luz. Possui um profundo conhecimento teórico sobre a luz.

Sombra: Shade – Um espírito que possui o poder da escuridão, que pode manipular as sombras e engolir tudo em seu caminho. Possui grandes asas negras e um glóbulo ocular gigante.

Referências:

Observatório de Games, Game Blast, Nintendo Blast, Red Bull, Wikipedia.

Final Fantasy VII Remake

Final Fantasy VII Remake (ファイナルファンタジーVII リメイク Fainaru Fantajī Sebun Rimeiku?) é um jogo eletrônico de RPG de ação desenvolvido e publicado pela Square Enix. Foi lançado em 10 de abril de 2020 para PlayStation 4, com exclusividade temporária de um ano. É uma recriação do Final Fantasy VII original, lançado em 1997 para  PlayStation, contando a história do mercenário Cloud Strife enquanto ele e o grupo de resistência AVALANCHE lutam contra a megacorporação corrupta Shinra e um antigo soldado desta, Sephiroth. A jogabilidade tem a intenção de ser uma fusão de elementos estratégicos e ação em tempo real similar a Dissidia Final Fantasy.

Rumores e pedidos para uma recriação de VII existiram por muitos anos, porém vários motivos foram dados sobre o porquê do projeto não estar sendo desenvolvido. Três membros da equipe original de produção retornaram para ajudar Remake: o desenhista de personagens Tetsuya Nomura voltou como diretor e para cuidar do redenho do elenco; o diretor original Yoshinori Kitase assumiu a produção de produtor, enquanto Kazushige Nojima novamente ficou como roteirista. A decisão de lançar o jogo em múltiplas partes foi tomada para que a equipe não precisasse cortar nenhum conteúdo original. Eles também decidiram adicionar novos elementos e histórias, além de reajustar os desenhos e projeto de personagens e mundo, a fim de encontrar um equilíbrio entre realismo e estilização.

Final Fantasy VII Remake foi bem recebido pela crítica, com elogios aos seus gráficos, jogabilidade, narrativa, música e fidelidade ao original. O jogo vendeu mais de 3,5 milhões de cópias nos primeiros três dias, tornando-se um dos jogos mais vendidos para PlayStation 4.

Jogabilidade

Final Fantasy VII Remake reconta a história do jogo original, seguind Cloud Strife, um ex-soldado da megacorporação Shinra, que se junta ao grupo ecoterrorista AVALANCHE como mercenário em sua luta contra a empresa, a qual está drenando a energia vital do planeta Gaia. Porém, o grupo acaba se envolvendo em algo muito maior. Diferentemente de conversões anteriores do original para computadores e outras plataformas de alta definição, Remake é uma recriação completa construída a partir do zero, possuindo gráficos totalmente poligonais contra os ambientes pré-renderizados do original.

Tanto a exploração, quanto as mecânicas de combate acontecem em tempo real, similarmente à Final Fantasy XV. Diferentemente do sistema “Active Time Battle” do original, Remake emprega um sistema de batalha em tempo real similar ao usado na série Kingdom Hearts, em que os jogadores podem controlar Cloud ou seus aliados livremente enquanto usam suas respectivas armas e habilidades para atacar inimigos. Os jogadores também poderão utilizar magias e convocações, com a barra do Limit Break, permitindo que os personagens realizem ataque poderosos uma vez totalmente carregada. O produtor Yoshinori Kitase aifrmou que, apesar do título possuir mais elementos em tempo real, ainda assim haverá partes estratégicas como a seleção de armas e magias para cada personagem empregar.

Combate

Não economize na ATB

Final Fantasy 7 Remake possui um único ataque básico que você pode usar indefinidamente, mas ele não vai levá-lo muito longe no jogo, já que vários inimigos são resistentes — ou mesmo totalmente imunes — a ele. Ao invés disso, faça uso dele apenas para manter seus oponentes ocupados e preencher a barra de ATB (Active Time Battle), a qual abre o acesso a várias outras habilidades, bem mais poderosas, o que nos leva ao ponto seguinte…

Use o personagem certo para o combate…

Diferentes personagens, diferentes propriedades. Como todo bom RPG, FF7 Remake não foge a essa velha lei do gênero. Entretanto, ao invés de se apegar em tradições ultrapassadas (mago branco não é combatente físico etc.), esse jogo visa estabelecer minúcias um pouco mais aprofundadas, que requerem um conhecimento do perfil de cada personagem e seus movimentos.

Cloud, por exemplo, é o clássico combatente de espadas, mais balanceado fisicamente. Tifa é a lutadora corpo-a-corpo, ideal para atordoar inimigos e abrí-los para danos maiores dos outros membros do grupo, enquanto Barret é o mais indicado para ser o “tanque”, absorvendo a maior parte do dano enquanto acerta seus oponentes distantes com seu braço-metralhadora. Aerith é a clássica curandeira, mas vem neste remake com ataques físicos que ajudam a controlar melhor grupos maiores de inimigos.

…mas não se apegue a padrões

Quando você ganhar acesso às Materias, orbes coloridas que lhe conferem o uso de magias e outras habilidades, o remake de Final Fantasy VII se abrirá como uma flor para você, permitindo que você atribua novas capacidades aos seus membros. Aqui, o sistema amigável de evolução de personagens permite que os membros do grupo assumam mais de um papel: Aerith, costumeiramente curandeira, pode se tornar uma feiticeira ofensiva, com magias que debilitam inimigos com status negativos, enquanto Barret pode ser o ladrão de mão cheia, roubando itens dos inimigos enquanto sustenta a maior parte do dano.+21

Troque de personagens constantemente

Com um simples comando no botão direcional do controle, você troca de personagem e acessa as habilidades de outros guerreiros. E você vai precisar disso: a barra de ATB se preenche conforme você acerta golpes ou mesmo com o tempo, mas personagens controlados pela inteligência artificial (IA) não vão executar movimentos mais poderosos sem que você os ordene.

Você ainda pode fazer isso sem trocar de personagens: segurando L2, você abre a janela de comandos dos outros guerreiros, escolhendo habilidades ali, mas o ideal é que você faça uma troca completa a fim de tirar o máximo de proveito de seus membros de equipe — até porque, em alguns momentos, Cloud não será o personagem controlável, então o hábito de usar qualquer guerreiro vem bem a calhar.

Aprenda a “bloquear” e não aposte em “esquivar”

O combate em tempo real de Final Fantasy 7 Remake vem com um comando para esquiva e outro para bloqueio. O último não impede que todo o dano lhe atinja, mas reduz drasticamente o impacto de golpes contra você (um golpe que tire 100 pontos de vida, passa a tirar 12, por exemplo). Já a esquiva anula todo e qualquer dano porque, bem, você saiu do caminho do golpe.

O problema: na maioria dos casos, a esquiva não será capaz de salvá-lo — especialmente contra chefões maiores, que possuem ataques de área ao invés de direcionados. O dano colateral facilmente atravessa o alcance de sua esquiva, então mesmo que você tenha o timing certo, ele ainda vai lhe acertar em cheio. Um bloqueio — mesmo que o derrube — ainda terá um dano mitigado. Saber qual usar de acordo com as situações é essencial para sobreviver aos combates.

AVALIE TUDO!

Ao longo do jogo, você receberá uma Materia amarela (que simboliza “comandos” ou “técnicas”) chamada “Assess”. Não confunda com “acesso”: o nome da Materia é uma tradução inglesa para “Avaliação”. Ela substitui a “Sense” do Final Fantasy VII original, oferecendo a mesma capacidade: visualizar as informações táticas de inimigos.

Ela permite que você conheça as fraquezas de seus oponentes e estabeleça estratégias que façam uso de todos os seus personagens para vencê-los. Por exemplo: um inimigo de metal pode ser fraco contra ataques elétricos, então faça Tifa atordoá-lo com um alto volume de ataques de base, enquanto Aerith dispara uma magia de trovão e finalize-o com Cloud e uma de suas várias técnicas de ataque concentrado, como “Braver” ou, mais à frente no jogo, “Infinity’s End”. Além disso, pelo menos duas quests opcionais são diretamente atreladas ao volume de uso da “Assess”, então quanto mais você usá-la, mais benefícios terá.

Stagger a vida toda!

A função “Stagger” serve para desequilibrar ou atordoar os inimigos e todos, sem exceção, podem sofrer com ela. Abaixo do indicador de vida dos oponentes há uma barra que, se preenchida, deixa o oponente nesse estado extremamente vantajoso (para você), fazendo com que ele tome um dano muito maior que o normal (pelo menos o dobro em ataques normais; três a quatro vezes mais em ataques que explorem suas fraquezas) e o melhor, SEM REAGIR até que a barra se esvazie. A dica é: faça volume com ataques rápidos (Tifa é ótima para isso) até atordoar o oponente e, uma vez feito isso, abuse de técnicas especiais para derrubá-lo de vez.

Abuse da expansão das Summons

As invocações — ou “Summons” — ganharam um papel mais aprofundado em Final Fantasy VII Remake: no original de 1997, elas apareciam e executavam um ataque pré-animado mais poderoso, para sumir em seguida. Aqui, elas não apenas se posicionam como membros temporários de sua equipe (uma inspiração de Final Fantasy XII), como suas habilidades, aplicadas via gasto da ATB, podem ser direcionadas por todos os personagens, e não apenas aquele que as invocou. Neste remake, são seis summons a serem encontradas no game (oito, se você comprou o jogo via pré-venda) e todas possuem habilidades extraordinárias de combate.

Priorize acessórios e armas que lhe concedam mais espaço para Materias

Sim, estamos pedindo para que você ignore os status de armas, já que eles remetem apenas ao ataque básico. As Materias são o cerne do combate em FF7 Remake e, quanto mais delas você tiver equipadas, mais habilidades e magias terá à disposição. Uma ideia comum é equipar todas as magias elementais + uma magia de cura (Materias verdes) e preencher qualquer excedente com habilidades de comando (Materias amarelas) ou “linkagens” que adicionem efeitos aos seus golpes físicos (Materias azuis). Até mesmo porque você precisará ter matérias verdes evoluídas ao máximo para uma quest específica ao final do jogo, então quanto antes equipá-las, mais rápido elas serão aprimoradas.

Exploração

Caixas e baús

Encontrar itens “pelo mundo” tornou-se algo mais realista em Final Fantasy VII Remake, já que todos os cenários contam com baús bem evidentes que simbolizam aquilo que você vai receber (amarelo para itens comuns, roxos para armas/acessórios equipáveis). Mais difíceis de serem percebidas, porém, são as “caixas Shinra”, que contém itens de base (poções e afins) e cristais mako para recuperar pontos de magia. O ponto é: explore cada cantinho do cenário. Viu caixas? Porrada nelas. Viu baús? Bom…abra todos.

Quests e mais quests

O remake de Final Fantasy VII conta com um minimapa que exibe diversos personagens secundários que podem lhe oferecer objetivos auxiliares. É primordial que você cumpra todos esses objetivos se quiser tirar o máximo em recursos e enredo. Geralmente, essas quests aparecem quando você está em algum grande centro urbano, tecnicamente em uma área “livre” para explorar. Elas são variadas, desde “derrube esse inimigo diferenciado” até “encontre essas crianças perdidas”, mas algumas conferem recompensas que você não verá em nenhum outro lugar, então não se acanhe em fazê-las todas.

Durma nos bancos de praças

Um recurso interessante de Final Fantasy VII Remake é a disposição ocasional de “bancos de praça”, facilmente reconhecíveis pela tonalidade azul que destoa do restante cinza de Midgar. Esses aparatos funcionam como pontos de salvamento automáticos, estabelecimento de pontos de checagem e, de quebra, restauram completamente a vida e pontos de magia do grupo todo.

É interessante que você encarne o “Bruno e Marrone” dentro de você e os use mesmo sem precisar, pois, ao estabelecer um ponto de checagem, caso você venha a enfrentar uma luta mais dura e morrer mais à frente, poderá retomar a aventura por esse local, ao invés de ter que atravessar todo o mapa novamente. Aliás, enquanto falamos em praças e sertanejos sofridos…

Não esqueça das vendinhas

Neste jogo, temos os costumeiros lojistas de itens, armas e Materias, mas também inaugurou-se aqui um recurso extra, no formato daquelas máquinas de salgadinhos que vemos em qualquer empresa mais contemporânea. Em Final Fantasy 7, tais vendinhas oferecem os itens de base a preços descontados (iluminados em amarelo, facilmente estocando Poções, Mega-poções e similares), além de algumas trazerem discos com a trilha sonora do jogo. Como os descontos são bem interessantes, ignorá-las seria um desperdício completo, então tire proveito de todas as que encontrar.

Cura também funciona fora das lutas

Ao contrário de Final Fantasy XIII, que curava 100% da sua vida após cada combate automaticamente, Final Fantasy VII Remake trava sua força vital onde quer que ela tenha parado durante a última luta. Se você não prestar atenção, pode entrar no próximo combate com menos “HP” do que o recomendado, o que obviamente o coloca em maus lençóis. Por isso, é importante que você se cure entre uma luta e outra: aperte “X” a qualquer momento para abrir o menu, selecione “Items” e escolha o seu item de cura. Para usá-los continuamente sem ter que abrir o menu repetidas vezes, segure o botão L1 até sua barra de vida ficar cheia de novo.

Mini-mapa, bússola, ou nada? Por que não os três

Nem todo mundo gosta de um mapa grosseiro e azulado exibido na tela e, convenhamos, ele atrapalha a admiração visual que podemos ter por Final Fantasy VII Remake. Então porque não se livrar dele? Ao apertar L2 durante a exploração livre, você alterna essa exibição entre o minimapa, uma bússola aos moldes de The Elder Scrolls: Skyrim ou nada. Teste todos e veja qual é o mais agradável para você.

Descobertas

Durante a exploração do mapa, você ocasionalmente vai se deparar com as “Discoveries”, pequenos objetivos que aparecem especificamente naquela situação. Eles são opcionais em sua maioria, mas trazem recompensas bem legais: em alguns casos, você verá uma Materia que está fora do seu alcance, então vale explorar outros caminhos para se chegar até ela. Noutras situações, você terá que explorar mais um pouquinho, acessando caminhos secretos para adquirir um item específico.

Miscelâneas e segredos

Chadley

Chadley é o jovem agente duplo que trabalha na Shinra, mas ajuda Cloud & cia. fornecendo desafios que resultam em novas Materias. É com ele que você obtém a “Assess” mencionada acima, além da maior parte das “Summons”. Por meio deste personagem, você acessa os “Combat Reports”, uma série de 20 missões auxiliares que envolvem desde “avaliar” um número específico de inimigos até se tornar mestre de todas as Materias verdes. São 20 ao todo e a recompensa mais impactante é a poderosa summon Bahamut.

Não venda Materias excedentes

Em se tratando de um RPG, é óbvio que você acabará com itens repetidos em seu equipamento. Quando falamos das Materias, não as venda, a não ser que elas sejam de fácil reposição (podem ser recompradas, por exemplo). Em Final Fantasy VII Remake, é do seu interesse ter mais personagens equipados com Materias iguais (a recomendação mais básica segue aqui: todos com magias elementais + cura) a fim de aprimorar suas capacidades de defesa ao mesmo tempo em que capitaliza fraquezas dos inimigos.

Você não precisa usar Materias para evoluí-las

A evolução das Materias em Final Fantasy VII Remake se dá por “ability points”, ou simplesmente “AP”. O bom é que, independente do seu uso de qualquer uma das Materias, você só precisa tê-las equipadas em seus equipamentos e armas para que elas já comecem a ganhar esses pontos. Em nossa segunda partida pelo jogo, não usamos a Materia “Raise”, que ressuscita um personagem derrubado, sequer uma vez, mas conseguimos evoluí-la ao máximo mesmo assim. Aliás…

Melhorando Materias rapidamente

Cada Materia tem sua quantidade específica de APs para evoluir, e o jogo lhe oferece duas formas de fazer isso: uma bem lenta, e uma “não tão rápida”. A primeira é, obviamente, equipando Materias e lutando. Nós, particularmente, pegamos as de AP mais baixo primeiro, para já tirá-las do caminho cedo (e termos acesso antecipado a magias elementais de alto nível, como Firaga, Blizzaga, Thundaga e Aeroga).

A segunda opção se abre no Capítulo 14, quando você obtém uma Materia chamada “Pedometer”. Basicamente, um contador de passos dos seus personagens: ande 5 mil passos (você vai terminar antes de perceber) e ela evoluirá para uma “AP Up”. Equipe-a em um slot conectado de seu equipamento (no menu, você vê a diferença: slots não linkados são círculos isolados, enquanto linkados têm um conector entre eles) e, na outra ponta, a Materia desejada para evoluir. Rapidinho, você vai ganhando mais níveis.

Armas e SPs

Ao contrário do jogo original de 1997, você não precisa vender armas que não esteja usando, já que elas evoluem junto com você. A graça disso é que você consegue aprender habilidades inerentes às armas específicas e, depois, voltar para aquela que você mais gosta ou que lhe for mais confortável para as lutas adiante. Assim sendo, a icônica Buster Sword de Cloud pode ser usada ao longo de toda a aventura, sem muito déficit de desempenho. Para evoluí-las, é simples: a cada nível que você ganha, também receberá um valor em SP. Use seus SPs para comprar novas habilidades para suas armas (dica: priorize o nódulo “Need More Materia” para ganhar novos slots para as Materias).

Suas decisões influenciam na sequência cross dresser de Cloud

Uma das sequências mais engraçadas de Final Fantasy VII retorna para o remake, com você tendo que travestir Cloud Strife, um soldado introvertido e duro na queda, com roupas femininas bufantes para satisfazer as vontades de um bandido tarado e machista local. A diferença é que essa missão é bem expandida no remake, possibilitando que você tenha várias opções de vestidos para “Cloudette”, Tifa e Aerith. Vale experimentar para descobrir todas elas.

Seleção de Capítulos

Após você terminar a sua partida, a opção de Seleção de Capítulos será aberta, lhe permitindo retornar a pontos específicos da história para, quem sabe tentar conduzir a trama de uma forma diferente, seja escolhendo outras opções de respostas em perguntas de múltipla escolha, obtendo summons, Materias e quests adicionais eventualmente perdidas ou buscando itens exclusivos.

Abrindo os Portões do Dragão

Você terá que esperar até o Capítulo 14 para isso: retorne ao Setor 5 e inicie a quest “Secret Stash”. Eventualmente, você vai ganhar uma chave para os três portões do Dragão. Abaixo, seguem as localizações de cada um:

Favela do Setor 5 (Sector 5 Slums)

Rodovia Destruída (Collapsed Expressway)

Esgotos (Sewers)

Destes, o terceiro portão é o mais complicado, por ser atrelado à história: após perseguir um monstrinho por todo o esgoto e enfrentar sua versão gigantesca, volte algumas telas, abra o portão, mas não entre. Siga avançando a história até encontrar uma alavanda que vai dragar o nível de água do local. Só então volte para o Portão.

Todos os três conferem itens exclusivos e extremamente valiosos.

Referências:

Canal Tech, wikipedia.

The Elder Scrolls V: Skyrim

The Elder Scrolls V: Skyrim é um RPG eletrônico desenvolvido pela Bethesda Game Studios e publicado pela The Elders Scrolls. É o quinto jogo principal da série The Elder Scrolls, seguindo The Elder Scrolls IV: Oblivion. Foi lançado em 11 de novembro de 2011 para PlayStation 3, Xbox 360 e Microsoft Windows. É o primeiro jogo ocidental da história a receber 40/40 (nota máxima) na conceituada BGS. O Jogo Conseguiu três prêmios no VGA 2011, incluindo melhor jogo do ano.

Os acontecimentos do jogo passam-se duzentos anos depois da, já quase esquecida, crise de Oblivion, no ano 201 da quarta era (4E 201) na província de Skyrim, no norte de Tamriel, e 30 anos após a mais recente Grande Guerra, onde o Aldmeri Dominion e o Império lutaram arduamente, mas que quase extinguiu os humanos de Tamriel, e para evitar tal derrota, acordaram com a Aldmeri Dominion, rendendo duas forças e sujeitando-se as suas exigências.

Skyrim é a terra natal de um povo bravo chamados de Nords (uma raça de humanos) onde além da Grande Guerra, irrompeu uma guerra civil após o assassinato do Alto Rei de Skyrim, Torygg. E diante de todas estas guerras e problemas, a província se encontra dividida: de um lado, os StormCloaks, rebeldes comandados por Ulfric que buscam a independência de Skyrim perante o império; do outro, os Imperiais, militares comandados por Tullius e aliados ao império.

O Enredo

Durante muito tempo, os dragões reinaram no mundo. Escravizavam, eram muito poderosos e viviam em grandes quantidades. Alduin era o líder de todos os dragões e ele, principalmente ele, fazia as barbaridades que fez com os humanos, elfos e outras raças.

Os dragões eram temidos e ninguém tinha a coragem de peitar um dragão ou virar-se contra, até que chegou a era dos Dovahkiins ou Dragonborns (Nascidos dos Dragões). Os Dragonborns eram fortes, tinham maior resistência contra os dragões e isso os fez começar uma revolta contra os gigantes com asas. A imunidade contra os dragões também era parte dos Dovahkiins e isso foi o inicio da decadência de Alduin e sua raça.

Os Dragonborns lutaram, se organizaram e derrotaram Alduin, o que trouxe o fim e a extinção de outros dragões. O mundo se juntou e ajudava os Dovahkiins, o dragões eram caçados com toda força até que aos poucos foram deixando de existir, chegando ao fim da raça.

Centenas de anos depois, algo ocorre. Há rumores de que os dragões estão de volta, Alduin ressurgiu das cinzas como uma fênix e estava pronto para recomeçar a sua vingança e seu massacre contra aqueles que um dia o derrotaram. Ele descontaria toda a sua raiva nas raças e escravizaria-as novamente.

A volta de Alduin trouxe inúmeros problemas, o dragão líder sabia que jamais poderia concretizar os seus planos sozinho e então decidiu reviver todos os dragões que um dia já reinaram com ele, mas Alduin não contava com uma coisa: Ele também teria oponentes à sua altura, o último Dragonborn ainda estava vivo e esse Dragonborn é você, jogador.

O enredo é bom, apesar de não ser mais original ou o melhor enredo. Ele usa aquele clássico roteiro: “A Jornada do Herói”, onde o herói renega o seu papel e depois decide ajudar. Há alguns clichés, mas isso não torna o jogo ruim. O enredo nos traz alguns personagens marcantes, mas a maioria é sem expressão ou você nem sente nada por eles. Para nós da Taverna 42, o enredo tem nota 6,0.

Jogabilidade

No lançamento, a jogabilidade era horrível. O jogo vinha cheio de bugs no sistema e todos tiveram que ser corrigidos. Com o passar dos anos, os bugs foram sumindo e o jogo foi ficando bom. Hoje é quase impossível encontrar quaisquer bugs dentro do game.

Como Skyrim se inspira muito em um RPG de mesa (que é a ideia original dos RPG’s), tem-se no jogo uma liberdade enorme. A liberdade vem desde criar o personagem do 0% a até mesmo se tornar-se um Jarl e decidir o destino de uma vila. Skyrim tem tantas opções que você vai ficar perdido e maravilhado com o mundo.

Há muitas armaduras, muitas espadas, muitas magias e roupagens que vão de deixar maluco. É uma liberdade e uma gama muito alta de variação. O jogo apresentou esse recurso como ninguém na época de seu lançamento e é possível se surpreender com Skyrim até os dias de hoje.

Criação de Personagem

Para começar, a criação de personagem tem inicio na aparência do último Dragonborn. Você pode customizar a aparência inteira do Dovahkiin alterando porte físico, cabelo, sexo, olhos, boca e etc. Após a customização de aparência, você pode nomeá-lo com qualquer nome que quiser e a partir deste momento, ele será conhecido/reconhecido com aquele nome e com aquela aparência.

Árvore de Habilidades, Atributos & Magias

É possível escolher qualquer tipo de habilidade, magia ou atributo para melhorar quando você evoluí o seu nível. Em Skyrim, ao praticar as habilidades você ganha experiência até evoluir o nível de seu personagem e, por fim, gastá-lo nas perícias.

A experiência que o game proporciona é focada na liberdade. O mapa é finito, porém, aberto. Grande parte dele fica disponível a partir do momento em que o tutorial acaba. O jogador tem liberdade para agir como e quando quiser, exceto fazer ações que o desviem da história. Essa liberdade é um elemento recorrente da série Elder Scrolls e tem como grande inspiração os RPG’s de mesa.

Ações básicas não te dão experiência alguma. Há algumas exceções delas, quaisquer ações que o jogador fizer estarão relacionadas com uma ou mais habilidades que irá resultar num ganho de experiência na área da respectiva perícia.

O Dovahkiin se tornará mais proficiente nas ações relacionadas a tal habilidade conforme passa o tempo. A evolução do personagem é quantificada como um aumento no nível da habilidade. Cada acréscimo contribui para que o nível do personagem aumente.

Para cada nível que se alcança, é disponibilizado um ponto que pode ser gasto para obter uma das perícias de alguma das árvores de habilidade. As perícias possuem restrições com base no nível da habilidade que concede ao jogador alguns bônus que são usados em jogo.

As magias são muito variadas. Há mais de 60 tipos de magias diferentes com seus níveis adequados para o jogador, variações de força, gasto de mana e muito mais. Existem seis classificações para magias:

Ilusão: O mago engana o alvo com imagens, sons e modificações no cenário para que pensem que algo está acontecendo. Atravéz de suas mentes, o conjurador ilude e coloca imagens que não existem para enganar.

Conjuração: O mago convoca monstros de outros planos ou teletransporta monstros do próprio mundo como uma conjuração para o lugar que ele está. O monstro também pode ser um clone e não ser o original para evitar riscos de ataque no próprio conjurador. O monstro ficará como aliado do mesmo por um tempo determinado.

Destruição: Magias como estas servem para a destruição total. Elas dão dano massivo e ferem a quem toca. São totalmente letais e são as mais usadas por magos, feiticeiros e etc.

Restauração: Magias de restauração foram criadas inicialmente para a proteção total do conjurador ou do alvo. Elas podem bloquear totalmente o dano físico ou mágico do outro mago. Esse tipo de magia cura, bloqueia e restaura o que o mago quiser e puder.

Alteração: As magias de alteração geralmente são usadas para moldar e mudar a natureza dos objetos e pessoas. Ela altera estados físicos, pode aumentar a resistencia, mudar a propriedade e muito mais. Apesar de interessante, poucos magos a usam em Skyrim.

Encantamentos: Os encantamentos são a capacidade que o conjurador tem de criar propriedades mágicas em objetos. Não são usadas como magias conjuratórias, mas são misturadas a objetos, pessoas e armas/armaduras para ajudar em combates ou facilitar diálogos. Os encantamentos são feitos como rituais em objetos para que o mesmo pegue a propriedade mágica conseguida pelas forças da natureza ou forças negras.

Com essas magias, os magos fazem estragos em Skyrim. É extremamente difícil lutar com um mago sendo um guerreiro quando estiver avançado no jogo. Os magos são ótimos oponentes e suas magias são muito poderosas.

As magias podem ser descobertas lendo livros ou estudando em colégios de magia (como o de Winterhold). É possível combar as magias e deixar algo ainda mais forte. Combar classes com magias é outro costume de muitos jogadores de Skyrim.

Não se perca por aí

Skyrim é realmente um jogo gigantesco e por isso a principal dica é não se perder em seu grande mapa, seja fazendo missões ou apenas vagando por aí. Se você não estiver completando a história principal, fica a seu critério buscar missões em outros locais, mas é sempre bom anotar onde esteve por último e qual direção seguir se estiver perdido.

Qualquer dúvida, você pode consultar sempre um grande mapa, seja no jogo ou pela internet, buscando no Google por termos como “Skyrim Map” ou “Mapa Skyrim”. Você pode até mesmo imprimir uma destas imagens e ir se guiando, marcando por onde já esteve e mais, como um verdadeiro aventureiro medieval.

Se possível, seja um Nord

Se ainda não tiver começado o jogo, vale uma boa dica: dê preferência à raça Nord, que possui uma grande resistência ao tempo frio, mesmo ao “frio mágico”, algo que vai ser bem predominante em muitas regiões do mundo de Skyrim. E, acredite, você vai precisar se proteger do frio.

Além do clima, outra possível ameaça vem dos inimigos, que utilizam Frostbite, capaz de congelar seu personagem (lembra que eles resistem ao dano mágico?). Além da boa resistência, os Nord são uma boa opção para quem está jogando pela primeira vez, por serem bem equilibrados.

O ano do arco e flecha

Muitos jogadores gostam de brincar com o fato de que “2012 é o ano do arco e flecha”. Diversos games foram apresentados com protagonistas que usam este tipo de arma, mas ela é realmente muito útil. Prova disso é que uma das principais dicas de The Elder Scrolls V: Skyrim é sempre ter o conjunto de arco e flecha nos equipamentos.

Compre ou consiga um assim que puder e tente utilizar sempre com as classes de guerreiros e magos. Guerreiros podem resistir mais a danos que os inimigos possam causar, por isso podem atacar a distância até mesmo quando estiverem mais próximos e os magos podem se proteger atacando de longe com a flecha, já que eles não aguentam muitas pancadas.

Ajuda é sempre bem-vinda

Skyrim te permite ter escudeiros, pessoas que você pode contratar para ser um fiel aliado – seja no campo de batalha ou em tarefas mais básicas, como carregar equipamentos. Assim que possível – e estiver disponível – contrate um e trate-o bem! Nada de matar o escudeiro ou coisa assim (alguns jogadores chegam a matar seus aliados acidentalmente, então tome cuidado mesmo).

Com o escudeiro, procure deixar alguns equipamentos razoáveis para que ele possa usar, como uma coleção completa de proteção (com armadura, luvas, botas, um elmo básico), um arco e flecha, cajado com magia e uma arma de duas mãos com alguma bonificação. Assim, seu escudeiro poderá sobreviver bem por algum tempo e te ajudar nas horas mais preciosas.

O sonho da casa própria

Skyrim é um jogo tão complexo que te permite até mesmo ter uma casa, o que é muito útil! Você pode comprar a sua casa ou construir uma do zero (neste segundo caso é preciso ter uma das expansões do jogo – Hearthfire).

As casas próprias lhe concedem muitas vantagens, como a possibilidade de guardar uma infinidade de equipamentos que não vai usar mais, mas que não quer se desfazer, se proteger de inimigos, criar uma família (com esposa, ou marido, e até filhos) entre outras coisas.

Sempre salvar. SEMPRE!

Em Skyrim você deve seguir sempre o princípio básico de qualquer RPG: salve sempre seu progresso. Seja para continuar mais tarde ou para se proteger de algum eventual erro que possa ocorrer.

Infelizmente, Skyrim é um jogo bom mas também repleto de erros, os chamados bugs, por isso é sempre bom se precaver. Salve sempre seu progresso para evitar que um bug trave seu jogo de forma irreparável, por exemplo, ou para voltar atrás em uma má decisão que você possa ter tomado em algum momento da aventura.

Como pousar um dragão

Os dragões são alguns dos inimigos mais poderosos do mundo de Skyrim, e por isso dão bastante trabalho durante as batalhas, principalmente porque eles voam e são difíceis de se alcançar. Mas há uma estratégia bem básica para pousar um dragão – e assim acertá-lo mais facilmente.

O ideal é se manter em uma área de terreno aberto, sem coberturas ou grandes árvores atrapalhando. Se lutar em áreas fechadas, os monstrengos vão apenas circular sua cabeça e atacar com chamas de fogo que vão lhe consumir a vida. Mantenha a batalha em um campo aberto e fique provocando, atacando com magias de distância, flechas e por aí vai. Logo o dragão vai descer para te chamar para uma briga. A partir daí é só atacar com seus melhores golpes (e se defender, claro) para derrotar o monstro.

Não seja um “gastão”

Os equipamentos de Skyrim são muito importantes, incluindo as armas, mas procure não gastar tanto dinheiro com eles. Guarde seu ouro para ocasiões mais importantes (como comprar uma casa). Muitos vendedores vão querer vender armas logo no início do jogo, mas não dê muita atenção.

Prefira sempre conseguir equipamentos durante as lutas, resgatando de monstros mortos, obtendo ao completar missões e por aí vai. Não espere conseguir bons equipamentos sempre, em todas as batalhas, mas eles eventualmente irão aparecer. Não precisa ter pressa.

Viagem rápida

Skyrim possui um interessante sistema de viagem rápida, que poupa o jogador de precisar andar longas distâncias, mesmo à cavalo. Basta selecionar no mapa os locais por onde já passou e aguardar o carregamento.

Esta função é bem útil, já que poupa tempo e também faz com que você evite encontros inesperados e desnecessários no caminho. Afinal, nada melhor do que evitar passar a pé naquela região recheada de gigantes ameaçadores, certo?

A regra de ouro de Skyrim

Sabe qual é a chamada “regra de ouro de Skyrim”? Sempre jogue em primeira pessoa. O game foi feito para ser jogado desta forma, por isso, não tente utilizar a visão em terceira pessoa – que existe, mas é totalmente opcional.

Digamos que a visão em terceira pessoa do jogo esteja lá por um mero detalhe, ela não é nem um pouco aconselhada, tanto que a jogabilidade fica até desengonçada quando se joga neste modo. Skyrim (e a maioria dos games da produtora Bethesda) foi feito para ser jogado em primeira pessoa, o que lhe concede melhor jogabilidade e um visual ainda mais épico para a aventura medieval.

Raças

High Elves

São conhecidos por Altmer, eles são originários de Summerset e são excelentes mestres da magia. Caso você opte por esta raça, você já iniciará o jogo com 150 pontos de magia, uma ótima melhoria, uma vez que naturalmente se começa com apenas 100 pontos. Possui o poder Highborn e as habilidades Healing, Fury e Flames.

Alteration: +5

Enchanting: +5

Destruction: +5

Illusion: +10

Restoration: +5

Argonians

São seres originários dos pântanos e tem características de réptil. Esta raça não é afetada por doenças, além de pode respirar dentro de água e curar as feridas por tempo de 60 segundos. Possui o poder Histskin e as habilidades Healing e Flames.

Alteration: +5

Light Armor: +5

Lockpicking: +10

Pickpocket: +5

Restoration: +5

Sneak: +5

Bretons

São ótimos magos e mestres da alquimia e possuem uma excelente resistência em luta e uma impressionante força física. Caso você escolha esta raça, terá o poder Dragonskin que tem a função de 50% menos de danos quando receber um ataque com magia.

Alquimia: +5

Alteration: +5

Conjuration: +10

Speech: +5

Illusion: +5

Restoration: +5

Wood Elves

Uma raça muito ágil e astuta e que possui uma capacidade impressionante de conseguir objetos que não são seus, outra grande qualidade é capacidade de se esconder nas sombras. Possui uma grande habilidade com o arco e resistência a venenos e doenças. Ou seja, uma excelente raça para o papel da infiltração.  Tem o poder Command Animal e as habilidades Healing e Flames.

Alquimia: +5

Archery: +10

Light Armor: +5

Pickpocket: +5

Lockpicking: +5

Sneak: +5

Dark Elf

Dominam as magias mais escuras existentes no game, principalmente os feitiços de fogo. Esta raça é oriunda de Morrowind e a sua proximidade com o elemento fogo faz com que esta raça seja 50% mais resistente a ele. Possui o poder Ancestor’s Wrath, e as habilidades Healing e Flames.

Alquimia: 5+

Alteration: +5

Light Armor: +5

Destruction: +10

Illusion: +5

Sneak: +5

Redguards

São ótimos guerreiros e tem uma força física invejável. A sua resistência pode regenerar até 10 vezes mais rápido que qualquer outra raça, além de ter mais resistência aos venenos. Tem o poder Adrenaline Rush e as habilidades Healing e Flames.

Alteration: +5

One-Handed: +10

Archery: +5

Block: +5

Destruction: +5

Smithing: +5

Imperials

São humanos que tem uma alta eloquência e um maior nível de discurso, permitindo que encontre mais ouro. Têm excelente capacidade de convencer os outros, além de ter uma ótima afinidade com a infantaria. Possui o poder Voice of the Emperor e as habilidades Healing e Flames.

One-Handed: +5

Heavy Armor: +5

Block: +5

Destruction: +5

Enchanting: +5

Restoration: +10

Khajiit

Raça com aspecto felino originários de uma província de Elseweyr. Eles possuem a capacidade de ver no escuro, além de serem bem ágeis e inteligentes. Uma excelente escolha para o estilo de jogo baseado no sigilo e na infiltração. Tem o poder Night Eye e as habilidades Healing e Flames.

Alquimia: +5

Archery: +5

One-Handed: +5

Lockpicking: +5

Pickpocket: +5

Sneak: +5

Nord

Raça humana que se diferenciam por seu valor e ferocidade nas batalhas. Eles possuem uma excelente resistência natural para o frio, sendo assim, sofrem menos danos quando são atacados com feitiços de gelo. Tem o poder Battle Cry e as habilidades Healing e Flames.

Two-Handed: +10

One-Handed: +5

Light Armor: +5

Block: +5

Smithing: +5

Speech: +5

Orcs

Esta raça é extremamente feroz e pode alcançar um estado de fúria que deixa um extra de 100% em seu ataque e 50% em sua defesa. Tem o poder Berserker Rage e as habilidades Healing e Flames.

Heavy Armor: +10

One-Handed: +5

Two-Handed: +5

Block: +5

Enchanting: +5

Smithing: +5

A Picareta do Notch — Easter Egg de Minecraft

O mais clássico de todos os segredos de The Elder Scrolls V: Skyrim, mas que vale uma menção para quem ainda não a encontrou. Viaje até a Garganta do Mundo, a montanha mais alta do game, e escale-a até o topo. Lá você encontrará a Notched Pickaxe cravada em um monte de minério de Malaquita. Essa é uma homenagem ao Minecraft, game criado por Markus “Notch” Persson.

A manha das flechas

Um segredinho obrigatório para qualquer arqueiro. Encontre um NPC que está sempre praticando arquearia contra um alvo e roube suas flechas, trocando-as por uma flecha de alta qualidade. O NPC irá então atirar diversas flechas daquele tipo no alvo, permitindo que você acumule flechas boas de graça.

Livrinho de aventuras

Enquanto se aventura por Skyrim, é fácil esquecer de parar e ler alguns livros. Mas às vezes vale a pena fazer uma pausa para curtir uma boa leitura. O livro Kolb and the Dragon: A book for Nord Boys, é um livrinho no estilo “Escolha sua própria aventura”. Escolha um caminho no final de cada página para saber o que vai acontecer com seu herói. E não vale roubar!

O cavaleiro sem cabeça

Um dos segredos mais assustadores de The Elder Scrolls V: Skyrim é o cavaleiro sem cabeça que você pode encontrar cavalgando por Skyrim em seu alazão espectral. Ele pode ser difícil de achar, mas se você segui-lo até seu destino final, irá chegar até Hamvir’s Rest para enfrentar uma dezena de mortos-vivos e um caixão com… um crânio dentro.

The Chill: A prisão de Winterhold

The Chill é um dos segredos mais escondidos de The Elder Scrolls V: Skyrim. Sua localização é fácil de deixar passar, já que ela está na beirada do mapa, passando além do Colégio de Winterhold. Essa caverna é, na verdade, uma prisão para Winterhold com um Frost Atronach que serve como guarda. Você pode ser mandado para a cadeia se for preso por um guarda de Winterhold, mas eu não recomento. Mesmo que você escape, terá que encarar três Frost Atronachs na saída da cadeia.

Picos escondidos de Solstheim

Os próximos segredos dependem da expansão Dragonborn. A ilha de Solstheim disponível nesse DLC tem muito a oferecer, como os quatro montes escondidos que representam os pontos mais altos de sua geografia. Você não encontrará esses locais no seu mapa até alcançar o topo de cada pico, e eles exigem um pouco de habilidade para serem escalados. Mas vale a pena, porque a vista deles é impressionante.

Monte um dragão imortal

O DLC Dragonborn te oferece a oportunidade de montar em dragões, mas de que adianta isso se o monstrão pode morrer? Se você viajar de volta para a Garganta do Mundo após aprender o grito que te permite controlar dragões, você pode conjurar um dragão especial que é um NPC importante, portanto, não pode morrer ou se voltar contra você como outros dragões treinados.

O Ebony Knight

Você precisa atingir o nível 80 antes do Cavaleiro de Ébano aparecer na porta da sua casa com um simples pedido: uma luta até a morte. E ele é bem forte, usando as melhores armas e armaduras do jogo e até mesmo usando seus próprios gritos mágicos! Não tenha vergonha de chamar um amiguinho para a luta… ou até mesmo um dragão.

Aranhas explosivas

O DLC Dragonborn também tem uma pequena área Spider Imbuing Chamber em The Elder Scrolls V: Skyrim. Após completar White Ridge Barrow na ilha de Solstheim, você irá encontrar um grande dispositivo de fabricação de itens que usa gemas e Albino Spider Pods para criar aranhas explosivas arremessáveis. É isso mesmo o que você leu.

Thu’ums

Os Thu’ums ou Gritos são características de qualquer Dohvakiin. Ao nascer, os Dragonborns tem a características de absorver o poder de dragões e usar como gritos de guerreiro. Os gritos tem vários efeitos e são muito úteis durante o jogo. Há alguns Thu’ums que funcionam como uma espécie de magia como conjuração e alteração, mas são poderes na realidade de Skyrim.

Ao matar um dragão, o Dohvakiin recebe a alma do dragão. Quando ele suga essa alma, ele ganha o grito do dragão que é determinado pelo tipo de dragão. Ao ganhar esse grito, o herói pode usá-lo para o momento que precisar e sem pestanejar.

Gráficos

Originalmente, The Elder Scrolls V: Skyrim não apresentou os melhores gráficos nem na época. Ele tinha gráficos muito bons, mas já tínhamos jogos superiores como Battlefield 3. Graficamente, o game, para os dias de hoje é ruim e por isso muitos jogadores instalam modificações para melhorias gráficas.

Para a época, os efeitos de iluminação, fumaça, fogo e até mesmo as texturas eram bons. Não deixavam a desejar. Skyrim usa a mesma Engine de “Fallout” 3 e “Fallout: New Vegas”, mas com um polimento e uma dedicação maior no game.

Apesar de toda essa maravilha, os personagens e NPC’s não tem expressões faciais bem trabalhadas. É tudo muito morto e isso tira um pouco da imersão, mas não atrapalha a experiência.

Para nós da Taverna 42, Skyrim tem nota 7,0 no quesito gráfico. Avaliando pela época, o jogo tinha gráficos bons, efeitos bons, não incomodava o jogador e dava para se divertir com esses efeitos.

Trilha Sonora e Sons

The Elder Scrolls V: Skyrim tem ótima trilha sonora e ótimos sons. Esse sem dúvida é um dos pontos mais fortes de Skyrim. Os sons são muito realistas, o barulho das espadas, as magias, os monstros, o vento, a chuva, tudo é muito bem utilizado e tudo é muito bem colocado.

A trilha sonora inspira o jogador, mas ela aparece melhor em momentos de batalha. Durante as viagens pelo mapas, o game toca músicas calmas e tranquilas. Há instrumentos musicais que são tocados pelos NPC’s do jogo e que podem ser tocador pelo jogador.

Durante as batalhas, a trilha sonora é demais! A inspiração e a adrenalina vem na hora da batalha graças a essa trilha sonora.

Para nós da Taverna 42, a trilha sonora e os sons tem nota 9,0. Inspira o jogador quando precisa, dá uma melhor imersão ao game e é marcante.

O jogo

A jogabilidade é ótima, o sistema de evolução do personagem é bem trabalhado, há uma gama muito alta de magias, espadas armaduras, escudos, roupagens, itens, livros e muito mais do que o mundo de Skyrim tem a oferecer. Hoje em dia, o jogo está ótimo para jogar e não apresenta alguns bugs.

Os controles são bem encaixados, há uma variedade enorme de itens e objetos tanto ativos quanto passivos, há uma quantidade alta de magias, a liberdade de customização e criação é enorme e o caminho que você vai seguir é totalmente livre.

Referências:

Taverna, Palpite Digital, Br Ing, techtudo, wikipedia.

Comente abaixo sobre The Elder Scrolls V: Skyrim!

Hearthstone

Hearthstone, originalmente conhecido como Hearthstone: Heroes of Warcraft, é um jogo de cartas estratégico on-line desenvolvido e publicado pela empresa Blizzard Entertainment. É o primeiro jogo da empresa gratuito e também o primeiro a ser lançado para plataformas móveis. Em Hearthstone, jogadores constroem decks de cartas a partir de heróis que representam nove classes do universo de Warcraft e trocam turnos jogando cartas de seus decks personalizados, usando feitiços, armas ou habilidades heroicas.

O desenvolvimento do jogo foi anunciado na feira de jogos electrónicos PAX East em 22 de março de 2013. A previsão de lançamento era ainda em 2013 para as plataformas Windows e Mac OS X e, posteriormente, para dispositivos iPad, mas o jogo foi lançado mundialmente no dia 11 de março de 2014. Em 15 de dezembro de 2014 foi lançado para tablets Android, e dia 14 de abril de 2015 para smartphones.

HearthStone é um jogo em constante atualização, e as expansões adicionam novas cartas que podem ser usadas para construir decks cada vez mais poderosos.

Registro e download do jogo

Como é um jogo grátis, não há necessidade de comprar o game. Após realizar a instalação, faça o registro n Battle.net, e basta preencher os campos que aparecem na imagem abaixo. Essa será a sua conta não só para o HearthStone, mas para qualquer jogo da Blizzard.

Modos de jogo

HearthStone conta com diversos modos de jogo para você escolher. No modo Jogar você pode montar um deck e enfrentar outros jogadores de forma Casual ou Ranqueado. Já no modo Aventura você joga sozinho, e dentro dele você pode praticar contra a IA do game ou comprar aventuras que concedem cartas como prêmio. O modo Taverna traz desafios divertidos, e as suas regras variam a cada semana.

No modo arena o jogo sorteará cartas e você deve montar um deck com essas cartas. Para entrar na Arena você precisa gasta 150 de ouro, mas em compensação você receberá um prêmio baseado na sua performance. A arena acaba quando você perde um total de três partidas consegue 12 vitórias.

Montar um deck

Os modos Jogar, Aventura e alguns desafios na Taverna dão ao jogador a liberdade para criar os seus próprios decks com suas cartas favoritas. O primeiro passo é escolher o seu herói. Eles estão divididos em nove classes: o Guerreiro, Xamã, Ladino, Paladino, Caçador, Druida, Bruxo, Mago e Sacerdote. Cada um possui 30 pontos de vida, cartas exclusivas e um poder de herói para de ajudar nas partidas.

Depois de escolher seu herói você irá montar o seu deck. Ao todo você poderá escolher até 30 cartas, que são divididas em dois tipos: lacaios (minions) e magias (spells). Cada carta possui um custo de mana, e podem ser encontradas em diferentes raridades.

Raridade                                   Cor                                   Valor (em pó arcano)

Básica                                     Sem cor                           Obtidas ao passar de level

Comum                                    Branca                                            40

Rara                                          Azul                                                 100

Épica                                         Roxa                                                400

Lendária                                  Laranja                                           1600

Os lacaios são criaturas que te ajudam no combate. Eles todos os lacaios possuem um valor de ataque e de vida, e podem também ter efeitos especiais. Os lacaios podem ser usados para atacar o herói adversário ou os minions inimigos. Ao atacar um lacaio, tenha em mente que ele também vai contra-atacar. Dessa forma, o valor de ataque de ambos será descontado da vida deles. Para sobreviver, o valor de vida deverá ser maior que o de ataque.

Diferente dos lacaios, que ficam em campo até serem destruídos, as magias têm efeito imediato. Elas são exclusivas de cada classe, e podem conceder benefícios como remover o lacaio adversário, curar o seu herói ou até comprar mais cartas.

Como funcionam as partidas

Objetivo das partidas é derrotar o herói inimigo. Para isso, é preciso diminuir a sua vida até zero pontos de vida, o que pode ser feito usando magias ou atacando com os lacaios.

Você começa comprando três cartas, e o game define aleatoriamente quem começa jogando. Para evitar injustiças, quem começar em segundo compra uma carta a mais e ganha uma moeda, que pode ser usada no futuro para conseguir mana temporariamente por um turno.

A mana é o recurso que você tem em cada partida, e ela é usada a cada vez que você usa uma carta. Você começa o jogo com um de mana, e a cada turno você recupera a mana usada no turno anterior, além de ganhar mais um cristal de mana. Dessa forma, para usar uma carta de custo sete, é preciso esperar no mínimo o sétimo turno.

Conheça as classes

São nove heróis disponíveis, e cada um apresenta cartas exclusivas e únicas para sua classe. Além disso, o estilo de jogo varia de acordo com a escolha, aproveitando as diferentes magias e feitiços heroicos para ajudar na vitória. Em resumo, os noves heróis apresentam as seguintes características:

O Guerreiro, o Ladino e o Paladino contam com várias cartas de equipamentos, além de feitiços para dar dano aos lacaios e heróis adversários. Enquanto Garrosh prefere a batalha física e trabalha com efeitos para aumentar o dano dos guerreiros feridos, Valira utiliza muitas magias de dano direto e Combos, que são efeitos ativados depois de jogar uma carta no turno. Uther, por sua vez, prefere ampliar os atributos dos lacaios invocados.

O Xamã utiliza poderosos feitiços e cartas com Sobrecarga, que impossibilita que você utilize um número específico de mana no turno seguinte. Além disso, também invoca totens com diferentes efeitos, como aumentar o dano dos lacaios ao redor deles, comprar cartas ou ainda curar os monstros do campo.

O Mago é a classe que mais se utiliza de feitiços, controlando o campo de batalha com magias de dano direto ou com efeitos especiais de Congelamento, cortando uma ação do personagem afetado. Em compensação ao Mago, o Sacerdote prefere contar com muitas magias de cura, controlando o tabuleiro a partir do suporte aos lacaios invocados.

O Druida é uma das classes versáteis, podendo utilizar tanto feitiços de dano, cura ou amplificação. Suas cartas também contam com efeitos que podem ser escolhidos de acordo com a situação, como invocar um lacaio no campo ou aumentar os atributos dos monstros já invocados.

O Bruxo se utiliza de magias e lacaios poderosos que o fazem descartar outras cartas da mão. Seu poder heroico combina com esse estilo de jogo, que sacrifica pontos de vida para comprar novas cartas.

Por último, o Caçador é o que mais aposta na batalha física e na invocação de lacaios, contando com muitas Feras em seu deck que apresentam efeitos que se ligam aos demais monstros do mesmo tipo.

Focar em uma classe é um passo inicial importante, pois em pouco tempo você conhecerá as possibilidades dos demais heróis e saberá reagir com mais facilidade contra as diversas estratégias do jogo.

Além disso, escolher um estilo que lhe agrada também é fundamental para se adaptar facilmente para as situações – pois um jogador mais agressivo com certeza estará mais confortável utilizando o Guerreiro ou o Ladino, assim como um mais cuidadoso vai preferir o Sacerdote.

Analise constantemente seu deck

Assim que tiver conhecido todos os heróis e escolhido uma classe para iniciar os confrontos, está na hora de conhecer as possibilidades que ela oferece. A primeira sugestão é abrir a coleção e ver todas as cartas exclusivas e como elas podem criar boas combinações com as cartas comuns.

Alguns sites, como Hearthpwn e GosuGamers, oferecem ferramentas para que os jogadores criem e publiquem decks para que todos possam analisar. Embora muitas das sugestões sejam compostas de cartas mais raras, há também aquelas que são voltadas aos iniciantes, conhecidas como “Low Budget”. Estas combinações são geralmente formadas por cartas mais comuns ou mesmo que não precisam de tanto “pó arcano” para serem fabricadas.

Com o tempo e a abertura de pacotes, será mais fácil de inserir cartas raras e com efeitos que criem uma sinergia mais elaborada com os demais monstros e feitiços. Para isso, abaixo vão algumas dicas de como conseguir mais ouro para comprar mais pacotes e turbinar os seus decks.

Busque pelas recompensas

Hearthstone oferece a possibilidade de trocar 100 peças de ouro por um pacote de cartas, ou ainda utilizar de dinheiro real para comprá-los. Cada booster terá pelo menos uma carta rara ou superior, aumentando as chances de conseguir aquele feitiço ou lacaio que tanto deseja.

Se não quiser utilizar de dinheiro real para comprar os pacotes, existe missões diárias para que você ganhe pacotes de 40, 60 ou 100 de ouro. Estas missões podem ser concluídas rapidamente, como vencer duas ou cinco partidas com algumas classes específicas, ou ainda invocar um número determinado de lacaios em campo.

Três vitórias também garantem a modesta quantia de 10 de ouro, mas cada jogador é limitado a receber 10 vezes esta quantia diariamente. No entanto, este pequeno bônus demora para ser convertido em um pacote, sendo mais interessante que você foque nas missões que o jogo oferece.

Além disso, o título disponibiliza “missões secretas” – uma coletânea de bônus que Hearthstone oferece ao jogador depois de cumprir certos requisitos. Buscar estas recompensas é interessante para os novatos, pois garantem boas quantias de ouro e outros bônus. Ficou interessado? Pois aqui vão os principais:

Desbloquear todos os heróis: 100 de ouro.

Jogar três partidas no modo de jogo: 100 de ouro.

Vencer 100 partidas em qualquer modo: 300 de ouro.

Vencer 1000 partidas em qualquer modo: 300 de ouro.

Derrotar todos os oponentes IA: 100 de ouro.

Coletar todas as cartas básicas: 100 de ouro.

Entrar na Arena: uma entrada gratuita para a Arena – guarde essa para depois!

Tenha em mente a condição de vitória

Busque montar seu deck sempre pensando em como ele vai tirar todos os 30 pontos de vida do herói adversário. Afinal, não adianta invocar cartas lendárias e poderosas se você vai perder no próximo turno.

Fazer escolhas faz parte do jogo, e você deve considerar qual será a mais favorável para você de acordo com a situação da partida. Um exemplo disso é quando o oponente colocou em campo uma poderosa carta, mas os pontos de vida dele estão baixos – talvez não seja a melhor opção gastar sua magia de dano para finalizar aquele lacaio. Tudo vai depender de como você construiu seu deck e como ele pode operar para finalizar aquele adversário.

Preveja as cartas do adversário

Com o tempo, você vai identificar quais são as cartas possíveis nos decks dos adversários e desconfiar quando ele estará guardando um feitiço especialmente para destruir aquele lacaio poderoso ou limpar o campo de monstros fracos. Cartas assim geralmente são exclusivas para os heróis, e trabalhar com esse fator será importante para tirar vantagem da sua previsão.

Um exemplo comum desta situação é quando você conta com um lacaio poderoso na mão e está jogando contra um mago. São grandes as possibilidades dele contar uma magia de dano direto ou uma Polimorfia (que transforma seu monstro em uma Ovelha 1/1), então é bem mais estratégico jogar um lacaio mediano para pressioná-lo a usar os feitiços neste monstro mais fraco.

Arrisque a sorte na hora certa

De uma forma diferente dos outros jogos do gênero, conta com muitas cartas com efeitos que dependem da sorte, como disparar magias entre lacaios aleatórios ou uma porcentagem de chance de comprar cartas adicionais no turno.

Trabalhar com estes efeitos pode causar situações favoráveis ou desfavoráveis, e saber quando arriscar é importante para conquistar uma vantagem importante durante a partida.

Um dos clássicos casos em que se arrisca a sorte no início do jogo é quando se invoca o Bombardeiro Louco, que causa três pontos de dano em qualquer personagem no tabuleiro. Isso pode finalizar o adversário, mas também assassinar seu monstro fraco no campo com um efeito interessante.

É importante ressaltar que estudar as possibilidades é sempre necessário para determinar quando apostar na sorte. No entanto, há casos de vitória ou derrota, e colocar o lendário Asa da Morte, que limpa o campo para o poderoso dragão e descarta todas as suas cartas, é rezar para que aquele adversário com poucas cartas não compre justamente aquela que vai fazê-lo ganhar.

É pouco aconselhável ficar sem cartas na mão. Situações assim são favoráveis para o adversário, que contará com muitas possibilidades de controlar o campo, enquanto você dependerá daquela única carta que virá a cada novo turno. Evite essa situação – a menos que este caso seja crucial para atingir a vitória.

Estude as melhores escolhas da Arena

A Arena reserva recompensas ambiciosas para quem já está acostumado com as mecânicas e as possibilidades. Pagando 150 de ouro (ou R$ 4,50), é possível montar seu deck sempre escolhendo entre três possibilidades de heróis e cartas.

Com três derrotas, o seu deck será eliminado da Arena, e as vitórias neste período determinarão a qualidade – e a quantidade – das recompensas. Entre os bônus estão pacotes de cartas, ouro, pó arcano e cartas douradas ou lendárias.

Com um pouco de sorte, é possível ser premiado com cartas muito efetivas para as partidas deste modo – e saber quais são as melhores escolhas é fundamental para aumentar as chances de vitória.

Muitos jogadores se dedicam a estudar continuamente as melhores cartas da Arena, organizando rankings para definir quais serão as boas escolhas para um deck genérico. Procurar por uma dessas listas pode ajudar os novatos na hora de montar as primeiras combinações para o modo, e, caso precise de indicações, a Tier List do jogador profissional Trump pode ser um bom início.

Lacaios com atributos equilibrados (como o Yeti Ventogelante) e feitiços de controle de campo geralmente são cartas que podem cair bem para qualquer combinação. No entanto, vale sempre ressaltar que a sorte nem sempre pode ajudar com as cartas, e sua obrigação é pensar em como harmonizar o deck mesmo com escolhas menos comuns.

A Arena, assim como todo o Hearthstone, vai ganhando cada vez mais profundidade quanto mais se experimenta as estratégias do jogo. Esperamos que, com essas dicas, você se sinta mais confortável e motivado para desafiar os próximos aventureiros da taverna – até, quem sabe, este humilde redator, que também se diverte por Azeroth de vez em quando.

Escolha o herói base para o seu deck.

Agora você pode escolher uma receita de deck para o herói escolhido. Note que logo abaixo do nome do deck é mostrado quantas cartas você tem para formá-lo. Não há problemas se você não tem todas as cartas necessárias, você pode substituí-las por outras parecidas.

Clique em cima do deck para saber quais são as cartas dele, não se esqueça de ler a descrição que aparecer no canto inferior, assim você saberá qual o estilo do baralho (isso é muito importante). Agora que você já entendeu que o melhor Deck para iniciante é aquele que já está pronto para você usar, conheça agora os tipos de cartas.

O objetivo não é ter o melhor Deck de todos, mas sim, ser o melhor jogador. Para isso é uma longa estrada pela frente e você vai precisar conhecer primeiro as cartas.

Existem 3 tipos gerais de cartas:

Cartas de Habilidades, Cartas de Lacaios e Cartas de Armas.

As Cartas de Habilidades

Estas cartas não possuem valor de ataque e vida, elas somente têm o custo de mana. Ao invocar esse tipo de carta, você ativará uma vez o seu efeito e logo após ela será descartada.

Exemplo de efeitos: Feitiços que causam danos em lacaios ou no herói adversário e feitiços que restauram a vida de lacaios ou de seu herói.

As Cartas de Lacaios

Todas possuem pelo menos 1 de vida, algumas têm 0 de ataque e servem para defesa, enquanto que outras possuem 1 ou mais de ataque para atingir o adversário. As cartas de lacaios permanecem no campo até que de alguma forma ela fique com 0 de vida.

As Cartas de Armas

As cartas de armas servem para equipar o seu herói, dando a ele dano de ataque ou alguma habilidade especial.

Todas cartas deste tipo têm um valor de durabilidade que a todo turno vai diminuindo, quando o valor zerar, a carta é destruída e o efeito dela também.

Confira uma lista completa das cartas de armas.

Raridades de uma carta

Toda carta de HearthStone tem o seu nível de raridade, normalmente ele é expresso através da coloração de sua gema ou ausência dela. O nível de raridade em HearthStone mede a dificuldade de conquistar a carta, no total são 5 níveis: as cartas sem gemas ou livres, comuns, raras, épicas e Lendárias.

Aquelas que não possuem gema ou as comuns, são normalmente as mais fracas e as Lendárias são as mais poderosas. Tome muito cuidado ao pensar que toda carta comum ou livre é ruim ou inútil, isso não é verdade, de fato, elas podem ser muito importantes para deixar seu deck forte. É tudo uma questão do contexto ao qual uma carta será usada.

Por pior que uma carta pareça ser, ela poderá ser muito útil em certas estratégias específicas.

Curiosidade: Existe um conjunto de cartas consideradas básicas. Algumas dessas cartas não possuem as gemas, enquanto que outras possuem a gema e são do tipo comum.

A raridade de uma carta pode ser um fator decisivo no jogo, por exemplo, existem habilidades ou efeitos no jogo que podem afetar somente um tipo de raridade. Uma regra geral que você deve sempre se lembrar é a de que você não pode ter cartas lendárias repetidas em seu deck. O máximo é uma.

Arquétipos

Em HearthStone existem os arquétipos, que é uma classificação que os jogadores usam para definir qual a estratégia do deck.

Alguns dos arquétipos mais conhecidos são: Aggro, Combo, Control/Controle, Midrange, Mill/Fadiga, Tempo, Token e Turtle.

Arquétipos: Quais os Melhores Estilos de Deck?

Um deck no estilo Aggro, por exemplo, é todo construído com cartas para deixar o adversário sempre na defensiva, o seu objetivo é sempre terminar a partida o mais rápido possível.

Os decks do tipo Aggro são muito usados por alguns jogadores para completar as missões diárias de HearthStone de forma mais eficiente. Um deck que poderia ser muito bem e oposto há um de Aggro é o de Controle, que tem como objetivo uma partida longa.

De maneira geral, montar um deck exige que vários fatores sejam considerados, sejam eles o arquétipo ou a classe escolhida. Se você resolver fazer um deck sem conhecimento algum, vai cometer alguns erros simples, como deixa-lo desbalanceado ou vulnerável contra a maioria dos outros decks.

Por isso, lembre-se que no início você não precisa saber tudo de uma vez. Se permita conhecer cada carta e estratégia aos poucos, para obter sucesso a longo prazo.

Como Saber se uma Carta é Boa para o seu Deck?

Caso queira uma ajuda extra, você pode buscar através de alguns sites que lhe fornecem uma comparação entre as duas cartas que lhe foram apresentadas na criação do deck. O valor total da mana é muito importante, tente escolher cartas que possuem um total de ataque e defesa maior relacionado ao tanto de mana gasto.

Para você entender melhor: Some o ataque e a defesa da Clériga do Sol Partido. O total é 5. Agora some o ataque e a defesa da carta Cria de N’Zorth, o total foi somente 4.

Analisando: Com 3 de mana, você consegue 1 a mais no total de defesa e ataque quando escolhe a carta Clériga do Sol Partido comparado com a carta Cria de N’Zorth.

E a carta do meio? A carta Minimago tem somente 1 de defesa, ela pode facilmente morrer antes mesmo de ter uma chance de atacar e o custo de mana dela é 4. Veja que essa é somente uma parte da análise que pode ser feita com as opções de cartas, você ainda tem que levar em consideração a habilidade dela e o tipo de carta.

Missões no Hearthstone

Você pode completar missões para ganhar prêmios. Usar as missões com sabedoria é uma ótima forma de conseguir mais recursos no jogo.

Para acessar as missões, vá ao menu principal e clique no botão de missões que fica ao lado da loja.

Todas missões lhe dão recompensas, elas são principalmente em ouro, mas podem ser também um pacote de cartas ou cartas avulsas.

Missões diárias

Como o próprio nome diz, as missões diárias aparecem todo dia, porém elas não podem acumular mais do que 3. Você tem 3 espaços reservados para as missões, a cada dia é liberada somente uma de cada vez.

O ideal é deixar todo dia, pelo menos um espaço vazio para a missão do dia seguinte, assim você sempre estará acumulando riquezas. Sabendo disso, tente completar primeiro as missões mais rápidas e deixe as mais demoradas para depois.

As missões diárias podem se repetir, as missões que necessitam de mais esforço lhe recompensam muito mais do que as mais fáceis. Todo dia você pode descartar uma das missões e receber uma nova, é aí que você tem que ser esperto.

Antes de descartar uma missão, faça para você as seguintes perguntas:

Você conseguirá completar a missão rápido? Ela lhe fornece um bom prêmio?

Outras Missões: Se acontecer de você ficar muito tempo sem entrar em sua conta no HearthStone, você receberá umas missões especiais que lhe dão uma generosa recompensa. Dessa forma você pode recuperar o tempo perdido e terá um incentivo a mais para continuar jogando. UMA MISSÃO E DOIS ESPAÇOS PARA MISSÕES.

Conquistas

Você leu o título corretamente, existem conquistas em HearthStone, porém, diferente das missões diárias, nós não conseguimos ver quais missões são essas. Alguns as chamam de missões únicas, aquelas missões ao qual você somente pode completar uma vez.

Confira uma lista das missões secretas que você provavelmente só iria conhece-las após completa-las.

Jogue uma partida no modo jogar: 1 pacote de cartas

Jogar 3 paridas no modo jogar: 1 pacote de cartas

Atinja o nível com qualquer classe: 1 pacote de cartas

Desencantar uma carta: 95 de pó arcano

Entrar na Arena: Ganha um acesso gratuito na Arena

Obter todos os piratas: Carta Papagaio do Capitão

Obter todos os piratas dourados: Carta Papagaio do Capitão Dourado

Obter todos os murlocs: Carta Velho Olho-turvo

Obter todos os murlocs dourados: Carta Velho Olho-turvo Durado

Ganhar 100 jogos em qualquer Modo de jogo: 300 de ouro

Ganhar 1000 jogos em qualquer Modo de jogo: 300 de ouro

Habilitar todos os heróis: 100 de ouro

Derrotar todos os Heróis IA Peritos: 100 de ouro

Obter todas as cartas do Conjunto Básico: 100 de ouro

Obter todas as cartas do Conjunto Perito: 100 de ouro

Obter todas as cartas do Conjunto Avançado: 100 de ouro

Como Melhorar no Jogo

Ser um verdadeiro mestre em HearthStone não acontece da noite para o dia, exige treino e dedicação, além de seguir nossas dicas.

Jogue todo dia: Além de poder aumentar o seu estoque de ouro completando as missões diárias, você sempre estará aprendendo estratégias novas a cada partida disputada.

Jogue nas arenas: Para que você cresça no HearthStone, jogar as partidas de arenas é um exercício muito importante. Você irá conhecer decks novos e consequentemente aprenderá a criar um deck que tenha condições de vencer muitas batalhas.

Jogue com calma

Cada jogador tem um tempo para fazer cada jogada, você não precisa colocar em campo a primeira ideia que vem em sua cabeça, pense bastante antes de jogar.

Se caso o adversário estiver demorando muito, use o tempo para pensar no que ele pode fazer e o como você deve reagir quando chegar a sua vez.

Referências:

Tec8, Tecmundo, techtudo, wikipedia.

Comente aqui abaixo sobre Hearthstone!

Final Fantasy VII

Final Fantasy VII (ファイナルファンタジーVII) é um jogo eletrônico de RPG desenvolvido e publicado pela SquareSoft. É o sétimo título principal da série Final Fantasy e foi lançado originalmente para PlayStation em 1997 e depois também para Microsoft Windows no ano seguinte. A história segue Cloud Strife, um mercenário que junta-se a uma organização ecoterrorista a fim de impedir que megacorporação Shinra use a essência vital do planeta como uma fonte de energia. Acontecimentos colocam Cloud e seus aliados atrás de Sephiroth, um “super-humano” que deseja destruir o planeta. A jogabilidade tem navegação e exploração de diversos ambientes e sistema de batalha baseado em turnos.

O desenvolvimento começou em 1994 para o Super Nintendo Entertainment System. A SquareSoft enfrentou atrasos e dificuldades técnicas por experimentações feitas em várias plataformas, por fim decidindo mover a produção para o PlayStation pelas vantagens do formato CD-ROM. O título tornou-se o primeiro jogo na série a empregar full motion video e gráficos tridimensionais, com a maioria das cenas usando modelos de personagens sobre fundos pré-renderizados. Os sistemas de jogabilidade permaneceram praticamente inalterados em relação a jogos anteriores, porém Final Fantasy VII foi o primeiro a utilizar uma ambientação com elementos de ficção científica e uma apresentação mais realista. A escala do desenvolvimento não tinha precedentes para a época e orçamento final de produção e divulgação ultrapassou a marca de oitenta milhões de dólares.

Uma enorme campanha de divulgação foi realizada para Final Fantasy VII. O jogo foi aclamado pela crítica ao ser lançado e foi um sucesso comercial, sendo amplamente considerado como um dos melhores jogos eletrônicos de todos os tempos. Ele é reconhecido por ter impulsionado as vendas do PlayStation e popularizado os RPGs japoneses mundialmente, com os elogios sendo direcionados para seus gráficos, jogabilidade, música e história, enquanto algumas críticas centraram-se em problemas da localização para o inglês. O título venceu vários prêmios de Jogo do Ano e outras premiações. Seu sucesso gerou mídias adicionais na forma da Compilation of Final Fantasy VII e uma recriação para o PlayStation 4.

Jogabilidade

A jogabilidade de Final Fantasy VII é dividida principalmente de três grandes áreas: um mapa do mundo de jogo, mapas de campo e telas de batalha. O mapa do mundo é uma representação tridimensional em escala de todo o mundo ficcional do jogo, pelo qual o jogador pode viajar entre as diferentes localidades existentes. Assim como nos jogos Final Fantasy anteriores, a travessia pode ser feita a pé, montando chocobos (aves galiformes recorrentes da série), dirigindo um pequeno buggy, pilotando uma aeronave ou por mar através de um submarino ou barco.

Nos mapas de campo os personagens são direcionados por ambientes em uma escala realista em relação aos seus tamanhos, consistindo em fundos pré-renderizados bidimensionais que representam locais como cidades e florestas. O jogador inicialmente fica restrito apenas dentro da cidade de Midgard, porém todo o mundo torna-se disponível ao progredir pela história do jogo. A progressão pelo enredo central ocorre principalmente através de sequências roteirizadas, apesar de cutscenes cinemáticas pré-renderizadas também estarem presentes em diversos pontos da história.

Combate

As batalhas em Final Fantasy VII podem ocorrer randomicamente ou iniciadas por algum evento específico, colocando o grupo do jogador contra um ou mais inimigos. Vencer uma batalha ao derrotar todos os oponentes gera como recompensa experiência, itens e gil (a moeda do jogo). Entretanto, se todos os membros do grupo forem abatidos ou deixados incapazes de continuar no combate, o jogo termina e o jogador deve recomeçar a partir de seu último salvamento. A tela de batalha é uma representação tridimensional da área, como o interior de um edifício ou o meio de uma floresta, em que o jogador comanda os personagens em combates contra inimigos controlados pela inteligência artificial. Apesar dos personagens aparecerem super deformados nos mapas de jogo, seus modelos são apresentados de maneira realista e em escala normal durante as batalhas. Final Fantasy VII foi o primeiro jogo da franquia a utilizar modelos de personagem renderizados totalmente com polígonos. O jogo utiliza o tradicional sistema de combate “Active Time Battle”, introduzido pela primeira vez em Final Fantasy IV. Diferentemente de jogos anteriores, em que até cinco personagens participavam dos confrontos, em Final Fantasy VII esse número é limitado a três.

O sistema de habilidades de Final Fantasy VII é construído ao redor das Matérias: orbes mágicas compostas pela energia vital condensada do planeta, chamada de Mako. Elas são colocadas em espaços especiais de armas e armaduras, permitindo que os jogadores customizem as habilidades de seu grupo a fim de usar mágica, convocações e habilidades especiais. A Matéria é dividida em cinco categorias: Verde Magia para feitiços defensivos e ofensivos, Amarelo Habilidade que concede novas perícias, Vermelho Convocação que permite que monstros entrem no combate, Roxo Suporte que confere aumentos temporários nas estatísticas do personagem e Azul Junção que melhora outras Matérias ao ser colocado em espaços conectores (por exemplo, ligar Matéria de Fogo com Matéria Geral permite que o jogador ataque todos os inimigos simultaneamente com um feitiço de fogo). Porém, a maioria das magias baseadas em Matérias também diminui os atributos físicos do personagem em questão. Matéria e os personagens podem subir de nível com pontos de experiência, disponibilizando habilidades e funcionalidades mais fortes, com novas Matérias sendo criadas assim que chegarem no nível máximo. Os feitiços de convocação também são equipáveis assim como a Matéria, com ataques elaborados podendo ser realizados. Uma versão modificada dos “Desperation Attacks” de Final Fantasy VI aparece em Final Fantasy VII na forma dos “Limit Breaks”: cada personagem possui uma barra que gradualmente se enche a medida que sofrem danos em batalha; quando ela se enche, o personagem pode lançar seu Limit Break, uma ataque especial que inflige grandes danos nos oponentes ou que ajuda os outros membros do grupo.

Mundo

O mundo de jogo é semelhante ao daquele de Final Fantasy VI, em que é muito mais avançado tecnologicamente do que nos cinco primeiros jogos da série. De forma geral, a tecnologia e a sociedade são semelhantes ao meio social de uma ficção científica industrial ou pós-industrial. O mundo de Final Fantasy VII é chamado dentro de jogo de simplesmente “o Planeta”, porém foi retroativamente nomeado Gaia e é formado por três massas continentais principais. O continente do leste é onde fica a cidade de Midgar, uma metrópole industrial que serve como capital e abriga a sede da Shinra Electric Power Company, uma poderosa empresa de energia que chega a operar como o verdadeiro governo do mundo. Outros lugares no continente do Leste incluem Junon, uma base militar da Shinra; Fort Kondor, uma fortificação que esconde um reator Mako; um rancho chocobo, onde diferentes tipos de animais podem ser criados; e Kalm, um vilarejo perto de Midgar.

O continente do Oeste possui o Gold Saucer, um grande parque de diversões com a Prisão Corel estando localizada bem abaixo; a Costa Del Sol, um resort à beira mar; Gongaga, um pequeno vilarejo que contém os restos de um reator Mako; Nibelheim, a cidade natal de Cloud e Tifa; e o Cosmo Canyon. As tribos que vivem nesta última estão em harmonia com a natureza e se dedicam ao bem estar de Gaia. Seu assentamento possui um observatório e serve como local de pesquisa para aqueles que desejam participar do “Estudo da Vida do Planeta”, um estilo de vida que encoraja respeito pela natureza e ensina que o planeta possui uma energia própria.

Em uma ilha perto do continente do Oeste fica o vilarejo de Wutai. O continente mais ao norte é coberto por glaciais e tem alguns assentamentos como Bone Village, um local de escavação para um suposto tesouro enterrado; Icicle Inn, um resort de esqui; a mítica Cidade dos Antigos, localizada no meio de um vale.

Personagens

Final Fantasy VII possui nove personagens principais jogáveis: Cloud Strife, o protagonista e um mercenário antissocial que afirma ser um ex-membro da 1ª Classe da unidade SOLDIER da Shinra; Barret Wallace, o líder do grupo terrorista anti-Shinra chamado AVALANCHE; Tifa Lockhart, um artista marcial membro da AVALANCHE e amiga de infância de Cloud; Aerith Gainsborough, uma vendedora de flores que está sendo perseguida por uma unidade de operações especiais da Shinra desde sua infância; Red XIII, uma criatura semelhante a um leão que foi alvo de experimentos por parte dos cientistas da Shinra; Cait Sith, um gato robótico adivinho que anda montado em um boneco moogle animado; Cid Highwind, um piloto e mecânico que sonhava em ser o primeiro homem no espaço; Yuffie Kisaragi, uma jovem ninja e ladra habilidosa; e Vincent Valentine, um ex-membro da unidade Turks da Shinra que passou por experimentações trinta anos antes do início do jogo. O principal antagonista da história é Sephiroth, um antigo membro da SOLDIER que reaparece vários anos depois de sua suposta morte.

Clobberin’ Time

É bem verdade que quando o assunto RPG a primeira coisa que muita gente visualiza é o cadenciado formato de ações divididas em turnos e logo surge o conceito pré-concebido de um jogo lento, mas é aí que FFVII brilha.

O game tem contornos de filme de ação e o pau quebra mesmo. Logo que o jogador confirma a opção NEW GAME no menu principal a calmaria da tela de abertura com uma espada gigante e música suave de fundo dá lugar ao frenesi de uma trilha agitada – as músicas de fundo do jogo também são um show à parte – que embala um ataque a bomba de um grupo terrorista.

Melhor de tudo? Você está entre os protagonistas desse ataque! Daí para a frente o que se segue é um belo trecho com diálogos e confrontos onde nada fica exatamente claro, ou seja, será que o personagem principal do jogo é realmente um terrorista do mal, inimigo da liberdade?

Bem, sem querer ser repetitivo, mas inevitavelmente sendo é aí que mora mais uma das belezas de Final Fantasy VII. Obviamente, como em qualquer outra história de heroísmo, o game tem mocinhos e vilões, mas as linhas entre estes em boa parte são tênues o suficiente pra deixar a cargo de quem joga a separação real.

Lançado no auge da tecnologia dos Compact Discs (CDs), o jogo era dividido em três discos em suas versões principais e muitos dos jogadores terminavam o primeiro CD sem ter até então desenvolvido alguma empatia em relação a Cloud, o personagem principal.

Ora, muita gente é capaz de afirmar até hoje que nem gosta do ex-Soldier convertido em mercenário e que simpatiza muito mais com Sephiroth, o principal vilão da história. Isso porque enquanto Clouddescobre seu propósito maior na luta para salvar a terra da aniquilação orquestrada pela ação de grandes corporações, sua poderosa nêmese se entrega a missão semelhante, com uma causa talvez até mais justas, só que com meios e fins um tanto mais drástico.

Evolução da mecânica perfeita

Até chegar nessa conclusão, no entanto, são muitas horas de combates contra inimigos diversos e ainda que a mecânica de turnos seja a escolhida a presença de elementos como o combate ativo e os Limit Breakers dão uma cara completamente distinta à experiência.

Diferente da rigidez dos duelos onde cada personagem ou grupo toma suas decisões em um momento estático para só depois de confirmar cada ação ver seu resultado e receber a resposta, no modo de combate ativo o oponente não te espera para agir quando seu tempo de ação se completa e o mesmo acontece entre os personagens controlados pelo jogador na medida em que ele vai decidindo o que cada um fará.

Essa dinâmica não é exatamente uma novidade de FFVII, mas sua fluidez poderia oferecer (e em determinados momentos oferece de fato) um desafio muito maior. Contudo, para balancear a equação entram em ação os Limit Breakers, uma espécie de tradução das barras de especial dos arcades como Marvel Super Heroes para um RPG que torna a experiência de combate um tanto mais divertido.

Enquanto sofre dano ao longo da luta, cada personagem transforma aquela penalidade de vida em ímpeto de combate para culminar na oportunidade de utilizar uma técnica devastadora de ataque ou suporte que vai evoluindo de acordo com seu uso. Esses ataques inclusive lembram golpes combinados de outra preciosidade da Square que marcou época na geração anterior de consoles e atende pelo nome de Chrono Trigger.

Assim como no seu primo do SNES, com o tempo, é comum ver o jogador empenhado em conquistar novos Limit Breakers para cada personagem antes de dar sequência na história e assim conseguir derrotar certos inimigos mais poderosos mesmo que eles sejam confrontos opcionais como as arrasadoras Weapons, máquinas de matar criadas pela indústria bélica de Midgard (terra onde a história se passa).

Outro jogo a parte são as esferas equipáveis chamadas de Materia que carregam a essência da própria Terra e com isso fazem manifestar diferentes poderes mágicos. Os pontos altos delas são sem sombra de dúvida os Summons ou invocações que despertam os mais diversos seres mitológicos para auxiliar Cloud e seus companheiros em batalha. Conseguir algumas delas ou despertar o poder contido em cada uma também exige dedicação e paciência, mas o resultado final sempre recompensa o esforço.

E tudo isso acontece de forma orgânica, sem perder o ritmo da história que vai acrescentando elementos a cada novo personagem e desafio apresentado diferente do que às vezes acaba acontecendo nos jogos atuais com uma avalanche de missões paralelas sem repetitivas e sem relação com o eixo principal da trama.

Um grande exemplo disso é o icônico chocobo. Aquele pássaro amarelo que mais parece uma galinha gigante e tem feições fofinhas traz uma série de facilidades ao gameplay, mas não é requisito obrigatório para se chegar ao fim do jogo. Com uma dose de astúcia e sorte, o jogador pode bater FFVII sem se preocupar com os penosos, mas se dedicar um pouquinho de tempo para capturar um, logo se verá interessado no acasalamento dos bichos e nos benefícios que cada cor tem.

No final, horas serão investidas em corridas e em passeios pelo mapa para alcançar áreas antes inacessíveis e obter aquele item único que pode fazer a diferença no fim da já completíssima história.

Ainda atual após 20 anos

Não bastasse toda essa soma que faz de Final Fantasy VII um game atemporal tanto no quesito história como em relação a seu gameplay e valor de replay, a Sony e a Square Enix anunciaram em 2015 que essa jóia vai ganhar um remake.

Isso significa que quem não jogou a versão original vai ter a oportunidade de experimentar esse clássico como se ele tivesse acabado de sair. Muito disso se deve ao fato de que o visual do jogo está sendo completamente repaginado para se adequar à realidade gráfica atual e ao avanço da própria série Final Fantasy que ganhou no fim do ano passado seu 15º episódio.

Ainda não há data de lançamento ou maiores informações a não alguns vídeos incríveis divulgados pela desenvolvedora do game e uma enxurrada de boatos, mas isso é bom já que dá tempo a quem ainda não jogou de viver a experiência original de 1997 e chegar afiado à nova versão que, ao que tudo indica, deve seguir a tendência atual e ganhar não só uma nova cara, mas acréscimos à trama através dos populares DLC’s.

4 dicas para gamers em Final Fantasy VII

Não faltam truques para que você entre nesse jogo de uma forma mais intensa e com toda a emoção de um jogo. Vamos deixar, só para você, algumas das nossas dicas favoritas para jogar o Final Fantasy VII sem perder pitada do que esse jogo tem à sua espera. 

Para que você possa fazer o desbloqueio do Mission Mode, você deverá completar esse jogo na sua plenitude ao menos uma vez; 

Quando você termina o jogo e o salva, você tem muitas vantagens. Você pode, por exemplo, carregar o jogo, cortando as cenas na mesma quantidade de vezes do Memory Capsule que você coletou quando jogou esse jogo pela primeira vez; 

Existe um final extra para esse jogo. Para acessá-lo, você deve ter pegado 3 G Reports. Ao fazer isso, você verá um final diferente assim que passe o THE END; 

Para os jogadores que gostam de desafios e jogam no modo mais difícil do jogo (Extra Hard): nesse caso você chegará a uma parte em que deverá matar um personagem – um guarda – que está na mesma casa de um garoto que você tem de proteger. Ao fazer isso, você terá acesso a um Keycard, que será deixado pelo guarda. Pegando-o, você deverá depois sair para procurar um dos itens do jogo: o Toy Gun. Esse item vai dar a você um upgrade de 15 mil gil, que se transformará em Silver Toy Gun. Um novo upgrade de 35 mil gil fará dela uma Gold Toy Gun, sendo que um último upgrade de 200 mil gil pode fazer com que ela gere a desejada Ultima Weapon. Esta arma será o seu objetivo. Com ela, poderá matar com um único golpe. 

Mais dicas para os amantes de Final Fantasy VII

Para começar, quando estiver jogando, saiba que segurando L1 + R1 + L2 + R2 conseguirá vencer, de uma forma mais simples, as corridas do Chocobo. Durante o jogo, ao chegar em Rocket Town, você pode usar na Huge Materia uma senha: o código é o círculo, o quadrado e depois duas vezes o X; 

Existe um Easter Egg, que leva o jogador a conhecer o chamado “All Lucky 7’s”. Isso é, no momento em que o HP de seu personagem fica em 7777, o jogador entra nesse modo e passa a atacar todos os inimigos. Seus ataques tiram 7777 nas batalhas até terminar com o seu HP. Quando termina a batalha, o personagem terá um HP de 1; 

Você pode conseguir vários Itens utilizando a matéria de Morph e de Mega All para equipar Yuffie. Depois de fazer isso, você irá enfrentar novos inimigos no barco em Sunken Gelnika. Quando o personagem tiver feito os ataques finais nos seus inimigos, a matéria se transformará nos Source Items desejados.

Essas dicas irão, por certo, ajudar você a descobrir tudo o que o jogo Final Fantasy VII da Square Enix preparou para os gamers mais atentos. Você poderá não perder nenhum momento do jogo e descobrir todas as formas como esse jogo foi preparado para trazer até você a magia dos anteriores dessa série. Mas não fique por essas dicas!

Referências:

Jogo Veio, Arkade, Wikipedia.

Comenta aqui embaixo sobre o Final Fantasy VII!

Tibia

Jogo eletrônico multijogador (MMORPG) gratuito, desenvolvido pela CipSoft. Criado em 1997, é um dos jogos mais antigos do gênero. No Tibia, os jogadores podem desenvolver as habilidades de seus avatares, buscar tesouros, resolver enigmas e explorar áreas como cidades, masmorras, florestas, desertos, ilhas, praias, minas, etc… Os personagens podem disputar lutas entre si ou com criaturas, tais como monstros, dragões, demônios, orcs, utilizando armas e magias, enquanto os NPCs não podem ser atacados.

Ao iniciar o jogo, o seu avatar começa na ilha de Dawnport, uma ilha onde todo jogador deve permanecer até desenvolver habilidades necessárias para o progresso e sobrevivência nos outros mapas do jogo. Quando o jogador atinge o nível 8, ele pode, opcionalmente, escolher a sua vocação e deixar a ilha. Em Dawnport, o jogador familiariza-se com o jogo e aprende muitas coisas sobre o mundo de Tibia, como magia ou usar flechas e espadas.

O famoso combate PvP (Player vs. Player). Por isso, separamos uma pequena explicação sobre os servidores que permitem essas batalhas, além de falar sobre as regras e limitações que cada um deles apresenta.

Há três tipos de servidores PvP: Os Hardcore PvP, os Optional PvP e os Open PvP. Nos servidores hardcore, não há qualquer limitação, é um mundo onde cão come cão. Nos Optional, apenas durante guerras é permitido o combate entre usuários, os quais sejam de lados opostos. Já o Open PvP possui uma longa lista de restrições que iremos revisar.

Um detalhe a se destacar é que, independente do tipo de servidor, você não tem permissão para atacar um jogador nos 10 primeiros segundos após ele fazer Login com seu personagem. A única exceção é caso esse jogador ataque você primeiro e seja apenas autodefesa.

Hardcore PvP

Como dito, este modo não tem restrições e nem punições. Você pode matar outros jogadores livremente e isso é até mesmo incentivado, já que em um servidor hardcore, a matança acaba virando o foco do jogo.

Optional PvP

Neste caso, o PvP é liberado quando duas Guildas decidem declarar guerra, uma contra a outra. Apenas os personagens das Guildas envolvidas podem ferir uns aos outros e também não é possível se mover para espaços ocupados por inimigos ou seus summons. Durante uma guerra você tem um aumento de skills ao atacar seus oponentes.

Open PvP

Diferente do Hardcore e do Optional, o Open PvP tem uma série de restrições, regras e punições para quem as desobedece. Por exemplo, você pode matar jogadores agressivos livremente, aqueles que estejam marcados com uma caveira em seu nome. Porém, ao matar jogadores inocentes – sem caveira – você será marcado como um jogador agressivo, uma presa para os outros.

As punições são distribuídas para os últimos 20 jogadores que causaram danos à vítima nos seus 60 segundos finais de vida, permitindo que um grupo inteiro seja responsabilizado por uma morte. Auxiliar na matança indiretamente, prendendo ou paralisando o oponente, não acarreta em punição, mas o seu nome aparece na lista da vítima como uma pessoa que ajudou a matá-la.

Caso você mate muitos jogadores desmarcados em um certo espaço de tempo, começará a receber punições, que variam dependendo da quantidade de pessoas que matou e o intervalo de tempo em que essas mortes ocorreram. Essas punições são dadas através de um sistema de caveiras no seu nome.

A Marca da Caveira

Caveira Branca – Esta é a classificação mais branda, garantida ao atacar outro jogador. Você fica marcado com uma caveira branca por 60 segundos, impedido de deslogar de entrar em zonas de proteção. Caso você continue atacando, esse tempo vai sendo estendido.

Caveira Vermelha – Se por acaso, além de atacar, você eliminar outros jogadores inocentes, os quais não estão marcados com caveiras, você pode ganhar uma caveira vermelha. Ela é enviada a quem eliminar de 3 a 5 jogadores inocentes em 24 horas, 5 a 9 em 7 dias ou 10 a 19 em 30 dias.

A Caveira Vermelha é uma punição média que dura por 30 dias, podendo ser estendida se as infrações forem repetidas. Caso você morra com uma caveira vermelha, perderá todos os seus itens, independente de estar usando Blessings ou Amulet of Loss para prevenir isso.

Caveira Preta – Esta já é uma punição pesada, guardada para jogadores que matem 6 ou mais jogadores inocentes em 24 horas, 10 ou mais em 7 dias ou 20 ou mais em 30 dias. Ela tem duração de 45 dias e, assim como a Caveira Vermelha, pode ser estendida e você perde todos os seus itens ao morrer.

Uma diferença da Caveira Preta é que uma vez marcado por ela, você não tem mais permissão para atacar jogadores inocentes, sem marca de caveira. Isso também significa que você não pode usar magias e runas de área que sejam ofensivas, não pode utilizar magias sem um alvo específico, nem Burst Arrows, pois poderiam atingir pessoas inocentes por tabela.

Como é uma punição pesada, um usuário marcado com a Caveira Preta recebe o dobro de dano em combate PvP contra outros jogadores. Ao morrer, você perde todos os seus itens e retorna ao templo com apenas 40 pontos de Health e 0 de Mana.

Caveira Amarela – Além das caveiras de punição, há ainda algumas outras, como a amarela, laranja e verde. Caso você esteja com uma Caveira Branca, Vermelha ou Preta, e seja atacado por outro jogador, este que atacou você será marcado com uma Caveira Amarela, visível apenas para você.

Em outras palavras, a Caveira Amarela indica que este jogador atacou você primeiro e que você pode matá-lo sem temer aumentar sua punição, pois está apenas se defendendo de uma agressão.

Caveira Laranja – Já a Caveira Laranja é atribuída quando alguém mata você de forma injusta. Esse jogador ficará marcado com essa caveira por 7 dias, visível apenas para você, simbolizando que tem todo o direito de se vingar dela. Ao atacar esse jogador, no entanto, você ganha uma Caveira Amarela, permitindo que ele se defenda.

Caso seja morto pelo mesmo jogador mais de uma vez, você pode se vingar o mesmo número de vezes que foi morto, a Caveira Laranja só desaparece se você o matar tanto quanto ele já te matou ou se os 7 dias de punição se passarem.

Caveira Verde – A Caveira Verde não é uma punição, mas apenas uma indicação de personagens envolvidos em uma guerra de guildas, tanto a sua quanto a rival, e também de integrantes da sua Party. Não há punições por matá-los.

Vocações

Existem quatro vocações básicas entre as quais o jogador pode escolher uma para seu personagem:

Feiticeiro

Sorcerers não são grandemente habilidosos com armas e não levam vantagem em combates corpo a corpo, mas podem ser devastadores com inúmeros tipos de magias e runas de ataque. Sua especialidade é a energia.

Druida

Druids são muito conhecidos por seus poderes de cura, e apesar de evoluírem com a mesma proporção dos (sorcerers), não têm a mesma força de magia. Por serem muito semelhante aos sorcerers, os druidas fazem uso das mesmas runas que eles. Sua especialidade é o gelo.

Paladino

Paladins são grandemente habilidosos em combate à distância e por isto são os melhores arqueiros. Possuem um potencial mágico alto, mas sendo inferior aos magos e superior aos cavaleiros. As armas utilizadas pelos paladinos, são: arcos, flechas e lanças.

Cavaleiro

Knights são os melhores no manuseio de armas, sendo fortes e resistentes para combates corpo-a-corpo, com suas habilidades de defesa e ataques armados. Sua evolução na área de magias é a mais limitada e lenta em comparação às demais vocações. As armas utilizadas pelos cavaleiros, são: espadas, machados e clavas.

Luta Justa

Em Tibia, existem “Regras de Luta Justa” para definir o que é considerado uma luta honesta e uma luta desleal. Por exemplo: dois adversários se enfrentando em condições de igualdade é obviamente algo justo, mas esperar um usuário estar enfraquecido para então pegá-lo de surpresa é considerado desleal.

Uma luta é considerada desleal quando 40% do dano infringido a você nos últimos 60 segundos de vida é causado por combates PvP, ou pelo menos se 20% tiver sido causado por outro jogador ou seus summons.

A vantagem é que, quando uma luta é definida como desleal, as suas punições pela morte vão sendo reduzidas, dependendo das condições. Os níveis dos jogadores que te atacaram são somados e comparados ao seu nível e de jogadores que te ajudaram, como oferecendo cura. Se esse número for maior da parte dos que atacaram, sua punição é amenizada.

Suas punições podem ser reduzidas em até 80%, considerando ainda suas bênçãos, reduzindo assim suas perdas proporcionalmente a quão desleal foi a luta.

Principais locais

Cidades

No Tibia existem diversas cidades, entre elas, algumas de importância relativamente grande em Tibia. Essas cidades se localizam em diversos locais do continente do jogo (conhecido dentro do jogo como Main) ou em alguma ilha próxima.

Para viajar de uma para outra se pode ir a pé, ou usar algum meio de transporte (barco ou tapete mágico). Contudo há cidades onde apenas pode se chegar usando algum meio de transporte e apenas jogadores com Premium Account podem usá-los (a exceção da balsa que leva às Ice Islands, que todos podem usar), o que significa que tais locais são de acesso apenas para esses jogadores.

Ankrahmun

É uma das cidades localizada no deserto do continente de Darama, ela é formada por pirâmides e é governada por um faraó morto-vivo.É uma das duas cidades que possuem um grande deserto no jogo. Essa cidade é de acesso apenas a quem possui Premium Account

Ab’Dendriel

É a cidade dos elfos. A cidade, localizada a nordeste do continente tibiano, possui uma grande vegetação e as casas construídas em árvores. Seu nome vem da palavra grega déndron, que significa árvore

Carlin

É a cidade rival da de Thais (a capital do mundo de Tibia). Em sua história, Carlin foi palco de uma grande guerra; e atualmente ela é governada apenas por mulheres, que tomaram o controle da cidade

Darashia

É uma das cidades do deserto do continente de Darama, ela é famosa pelo mel que produz. Essa cidade é de acesso apenas a quem possui Premium Account

Edron

É a única cidade da ilha de mesmo nome, nessa cidade é possível comprar magias que não podem ser conseguidas em nenhum outro lugar. Essa cidade é de acesso apenas a quem possui Premium Account

Kazordoon

É a cidade dos dwarfs (anões). Com o seu conhecimento sobre água e terra, seus artesãos e engenheiros construíram a cidade em um vulcão extinto. Seus habitantes basicamente sobrevivem pela mineração e o artesanato de equipamentos de batalha. O nome da cidade vem da palavra Khazad-dûm, que significa “Mina dos anões”, de acordo com o Khuzdûl (a língua dos anões do universo de Senhor dos Anéis)

Liberty Bay

É a cidade da ilha de Vandura, que fica no arquipélago Shattered Isles. A cidade é famosa por seus recursos naturais, especialmente a sua cana de açúcar da qual é feita rum. Essa cidade é de acesso apenas a quem possui Premium Account

Port Hope

É a cidade localizada no centro da selva do continente de Darama, é uma colônia de Thais. Essa cidade é de acesso apenas a quem possui Premium Account

Rookgaard

Era a antiga ilha introdutória do jogo onde os iniciantes poderiam aprender como jogar. Ainda pode ser acessada por meio de NPCs em Dawnport.

Dawnport

Esta é a nova ilha introdutória para novos jogadores, onde os mesmos podem testar todas as classes para verem qual é a melhor escolha para si. Completando level 8 podem ir para mainland.

Thais

É a maior e mais antiga cidade, o Reino de Thais, que além de cobrir o Sul de Main, cobre a ilha de Edron e outros territórios imensos, como os continentes de Tiquanda e Shattered Isles. Ela considera a si própria como sendo a capital de Tibia, mesmo que o seu rei Tibianus III nunca o tenha confirmado oficialmente. Nela é possível encontrar atrações como um salão de jogos, um museu e um bar.

Venore

É uma grande cidade de mercadores. Na história do jogo, ela inicialmente começou com um grupo de colonizadores de Thais (a capital de Tibia), contudo agora chega a rivalizar com essa cidade em termos de riqueza. Os comerciantes locais encontram-se associados em fortes grupos

Svargrond

É situada no extremo noroeste do jogo e é uma grande ilha de gelo. Possui vilarejo de chakoyas, bárbaros, gigantes e outras criaturas

Yalahar

É situada no extremo norte do jogo. Seus habitantes, conhecidos por Yalahari, são uma das raças mais inteligentes. A cidade foi devastada por uma entidade chamada Variphor

Farmine

Farmine é uma cidade subterrânea localizada em Zao. Toda a história de Zao não é bem conhecida. Lagartos e Dragões ou sempre viveram no continente ou chegaram por algum meio. Após um tempo, os Orcs chegaram e desde então têm lutado contra os lagartos. Possivelmente antes dos lagartos chegarem em Zao, homens primitivos já viviam no lugar, mas depois de perderem a batalha para os lagartos se estabeleceram no lado Leste da montanha.

Gnomebase

Gnomebase é uma cidade no subterrâneo de Tibia, que chegou na versão 9.60 de Tibia, no dia 11 de Julho de 2012. A cidade é habitada por gnomos, uma raça escondida durante séculos do resto do mundo, sendo conhecida somente pelos anões, que os esconderam por muito tempo.

Gray Beach

Gray Beach é a pequena praia ao sul de Quirefang, protegida por montanhas que a separam da The Hive, o local aonde os insetos vivem.

Como não atacar inocentes

Em servidores Open PvP há um botão de segurança na interface que ativa o Modo Seguro, um modo onde você não pode atacar outros jogadores desmarcados por acidente, mas permite que você ataque jogadores marcados com caveiras. No entanto, ainda há o perigo de atingir inocentes ao utilizar magias ou runas que afetem uma área inteira. Nesse caso você será punido com uma Caveira Branca.

Bloqueio para deslogar

Durante um combate você não pode deslogar do jogo devido a um efeito chamado Logout Block. Após atacar alguém, usar magias ou runas ofensivas, ser atacado por outro jogador ou criatura e até mesmo sofrer dano acidental, você fica impedido de se deslogar por 60 segundos.

Caso você tente fechar o Tibia ou até desligar o seu computador durante esse bloqueio, você sairá do jogo, mas seu personagem continuará online vulnerável, recebendo ainda mais danos e sem poder se defender.

Bloqueio de zona de proteção

Em Tibia há certos locais onde não é possível atacar outros jogadores. Essa localidade é conhecida como zonas de proteção. Tratam-se de templos, depots, navios, casas, entre outros. Caso você ataque alguém e seja marcado com uma Caveira, você fica 60 segundos sem poder entrar em uma zona de proteção, fenômeno conhecido como Protection Zone Block (PZ Block).

Isso ocorre para que você não possa simplesmente atacar alguém e correr para uma zona de proteção, sem dar a chance de que ele revide. Caso você seja atacado e então revide, você não fica impedido de entrar nas zonas de proteção. Ao matar outro jogador, você fica sem poder entrar por 15 minutos.

Magias e runas de ataque que afetem uma área automaticamente deixam você impedido de entrar em zonas de proteção por 60 segundos, pois podem acertar jogadores inocentes por acidente.

Trocando de lugar

Outro elemento que acontece apenas em mundos Open PvP é a ação de Swapping ou Permuta, o que na prática é basicamente uma troca de lugares. Para impedir que outros jogadores prendam fisicamente um usuário, é possível trocar de lugar com quem está tentando te prender.

Caso você fique completamente impedido de andar em todas as direções, por obstáculos, jogador ou summons, você pode trocar de lugar com alguns deles. Quando for possível executar a troca de lugar, os quadrados para onde você pode ir estarão da cor laranja, bastando clicar ou andar na direção dele com as setas para trocar de lugar.

Só não é possível trocar com personagens que estejam em uma zona de proteção, portas, que você tenha atacado primeiro ou que estejam em guerra.

Como não perder bênçãos em PvP

Existe uma bênção (blessing) especial para jogadores que tenham medo de perder suas bênçãos em PvP. Chamada de Twist of Fate, ela pode ser comprada de NPCs dentro de templos e o seu preço é proporcional ao nível do jogador que deseja comprá-la.

Com a Twist of Fate, ao ser morto em uma luta considerada desleal (veja as condições acima), você não perde suas bênçãos ao morrer, perde apenas a Twist of Fate, mantendo todas as outras. Uma vantagem é que caso você não tenha outras bênçãos para “proteger”, a Twist of Fate também não será utilizada.

Vale lembrar, no entanto, que ela só serve para PvP, jogador vs jogador. Caso você morra para um monstro, a Twist of Fate não poderá salvar as suas outras bênçãos.

Referências:

Techtudo, wikipedia.