Street Fighter

Street Fighter (ストリートファイター Sutorīto Faitā?), popularmente abreviado para SF, é uma popular série de jogos de luta na qual o jogador controla lutadores de diversas partes do mundo, cada qual com seus golpes especiais. A série é propriedade da empresa de jogos Capcom e teve seu primeiro jogo lançado em agosto de 1987. Algumas séries são integradas à SF, como por exemplo Final Fight e Slam Masters.

O primeiro jogo de luta foi Heavyweight Champ, lançado pela SEGA para os arcades em 1976. O próximo só apareceria vários anos depois, em 1984, com o jogo Karate Champ da DataEast. Este é considerado o primeiro jogo de luta para dois jogadores, apresentando dois controles. Seguindo seus passos, a Konami lançou Yie-Ar Kung Fu, em 1985 com gráficos impressionantes (para a época) e cheio de detalhes nos cenários. Vendo o sucesso de ambos os games, a Capcom decidiu lançar seu próprio jogo que tivesse características de ambos os jogos. Assim nasceu Street Fighter.

Não se pode dizer que Street Fighter inventou totalmente o gênero dos jogos de luta, até porque em 1979, Victronics’ Warrior, já tinha dado o grande começo do estilo. Tudo bem que não se pareça nada com o que vemos hoje, porém, já mostrava o confronto de dois cavalheiros em gráficos bizarros. Alguns anos depois veio Karate Champ de 1985, e só tivemos o que chegasse mais próximo de Street Fighter em 1985 com Yie-Ar Kung Fu da Konami, que já contava com ótimos gráficos para epóca e com cenários e personagens bem detalhados.

História

O começo de tudo Chega a ser difícil de acreditar, mas a jornada de sucesso de “Street Fighter” teve início com um título que quase ninguém jogou e que apenas os mais aficionados reconhecem. Influenciada por jogos como “Karateca” e “Karate Champ” e buscando pegar carona na popularidade de filmes sobre artes marciais, a Capcom decidiu apostar na ideia do produtor Takashi Nishyama de desenvolver um jogo que colocaria lutadores de diversos estilos um contra o outro em uma arena digital.

Em 1987, nascia “Street Fighter”, e com ele conceitos que ditam as regras do gênero dos games de luta até hoje, tais como as barras de energia, a ativação de golpes especiais mediante movimentos específicos (os golpes clássicos hadouken, shoryuken e tatsumaki senpuu-kyaku foram criados aqui), colocar dois jogadores para lutar entre si, o modo arcade, as fases bônus, etc. Mas se todas as ideias estavam presentes desde o início, o mesmo não se pode dizer da qualidade: essa ficou para as continuações.

Contando apenas com Ryu e Ken como personagens jogáveis, “Street Fighter” tinha comandos imprecisos, que resultavam em um gameplay sofrível. Enfrentar Sagat, o grande chefão do jogo, era uma loteria: mais que jogar, cabia ao jogador torcer para que seus comandos fossem lidos corretamente e para que a máquina computasse os golpes.

Devido a esses problemas e a ausência de uma versão para o Nintendinho (NES), console mais popular da época, o jogo não causou grande comoção, chamando mais atenção pelo carisma dos personagens (além de Ryu, Ken e Sagat, o game original apresentou figuras como Adon, Eagle, Gen e Birdie — para ficar nos que voltaram a aparecer nas sequências) e pela temática, calcada na violência urbana, que viria a influenciar outra franquia famosa da Capcom, o saudoso “Final Fight”.

Jogabilidade

Street Fighter causou pouco impacto quando foi lançado. Entretanto, possui um sistema de controle que envolve um joystick e dois botões hidráulicos, que ao pressionar permite o personagem chutar ou dar um soco, em três níveis variados (fraco, médio ou forte). Muitas destas máquinas, por causa da tendência dos jogadores a bater os botões com muita força e danificar os controles, voltaram a usar botões mais tradicionais, dando lugar a joysticks com seis botões que seria o padrão de todos os jogos de Street Fighter. Além disso, introduziu movimentos especiais como o Hadouken, Shoryuken e Tatsumaki Senpuu Kyaku entre outros.

Street Fighter fez pouco impacto em seu lançamento. Porém seus controles eram inovadores, com 1 joystick e 2 botões hidráulicos, que dependendo da força davam potência diferente ao golpe. Como geralmente se batia com muita força, foram trocados pelos 6 botões que se tornaram tradição na série.

O game acompanhava Ryu ou Ken, duelando com dez lutadores de 5 países. O game introduziu os golpes especiais da Punho Ondulante (Fireball, Hadouken, 波動拳), Punho do Dragão Ascendente (Dragon Punch, Shoryuken, 昇龍拳), e Chute Furacão (Hurricane Kick, Tatsumaki Senpuukyaku, 竜巻旋風脚), que ficariam com Ryu e Ken pelo resto da série. Sagat, ainda sem a cicatriz no peito, é o chefe final do jogo. Os demais personagens são Eagle, Lee, Joe, Gen, Geki, Retsu, Adon, Mike e Birdie.

Round 1, Fight!

O primeiro Street Fighter surgiu nos arcades japoneses em 1987. Neste jogo você controlava o karateka Ryu, que viajava pelo mundo enfrentando os dois melhores lutadores de cada país, sempre procurando por oponentes mais fortes até encontrar o campeão tailandês Sagat. Como podemos ver, muda o chefão, mas o enredo se repete até hoje. Mesmo assim, não se engane: essa “busca pelo mais forte” é um dos poucos elementos que se manteve constante nos últimos 25 anos – ainda bem, pois a estreia da franquia estava longe de ser um sucesso.

Para entender o fracasso do primeiro jogo, precisamos lembrar que a indústria era bem diferente em 1987. Nesta época já havia games de luta, mas a maioria era de progressão lateral cooperativa, como no clássico Double Dragon. Competir no fliperama era basicamente sinônimo de escolher um game e batalhar pela pontuação mais alta, com os jogadores se alternando no controle.

A disputa mano a mano entre dois jogadores, grande inovação do primeiro Street, colocava o segundo player no comando do americano Ken, idêntico a Ryu, mas com outra paleta de cores. A novidade causou curiosidade, mas esbarrou em um defeito terrível para qualquer jogo de luta: a jogabilidade. Os comandos eram bastante complexos se comparados aos títulos de luta da época (como Yie Ar Kung Fu, por exemplo). Para piorar, os personagens andavam saltitando e os controles respondiam mal, o que comprometeu o sistema de execução de golpes baseado na combinação de movimentos com o joystick + algum botão de ataque: executar um simples hadouken era mais uma questão de persistência do que habilidade.

Here comes a new challanger!

Quando a continuação chegou, em 1991, o jogo havia sido repaginado. Agora você podia escolher o seu personagem, e o rol de lutadores era bem extenso para os padrões da primeira metade dos anos 1990: oito competidores, com estilos bem diferentes, que mudavam totalmente a forma de encarar as lutas. Para completar, a Capcom foi muito feliz ao definir o elenco. Seus personagens iniciais foram (e são até hoje) os mais carismáticos já vistos em um game do gênero.

A jogabilidade manteve o mesmo layout, com três botões de soco e três de chutes, de velocidade e intensidade variáveis, mas agora os comandos estavam muito melhores. Você finalmente se sentia no controle do seu lutador, e os golpes especiais saiam de forma intencional, ainda que com alguma dificuldade para mãos destreinadas.

O jogo apresentava 10 personagens de 5 países diferentes, sendo 8 inimigos e os protagonistas Ryu e Ken. A temática de Street Fighter é sempre mantida ao decorrer dos jogos, adicionando oponentes de vários países diferentes e cada um com características e “histórias” novas. Basicamente sua história com Ryu é vencer seu primeiro campeonato e orgulhar seu mestre, Gouken, e pela cronologia da série Ryu vence esse desafio tendo como inimigo final Sagat, que na epóca era “O melhor lutador de Muay-Thai do planeta”, porém, com um Shoryuken no peito ele vê que na verdade tem que treinar muito seu “Tiger Robocop” para vencer o mendigão do Ryu! A trama não termina aí e, sim, com a volta de Ryu para o Japão e a descoberta que seu mestre foi morto e agora ele precisa descobrir quem fez isso com ele.

Personagens

O original Street Fighter conta com 12 personagens: 2 selecionáveis e 10 oponentes controlados apenas pelo CPU, Sagat retorna na sequência Street Fighter II, outros personagens como Adon, Birdie, Gen e Eagle retornaram na série Alpha.

O fato é que todas franquias tem um início, seja ele um ótimo pontapé inicial, um grande erro ou talvez até um início que seja esquecido até hoje para quem gosta dessa série que vou abordar nessa matéria. Que nada mais é do que: Street Fighter! Sim, a mais famosa franquia dos games de luta, onde pode ser a grande causadora de brigas entre amigos, dúvidas de qual é o nome correto da magia usada pelo personagem e diversas outras bizarrices possíveis e imagináveis. Em 1987, quando os jogos de arcade se baseavem em atirar com uma nave e, também, pular sobre um barril e salvar uma princesinha, chegava um jogo que apresentava um estilo muito raro de se ver na epóca, que eram os de luta.

Curiosidades do jogo

Os acontecimentos do game se passam em 1987;
O game foi dirigido por Takashi Nishiyama e planejado por Hiroshi Matsumoto, que após o “grande” sucesso do game se mandaram para a SNK;
Existem ports para Arcade, TurboGrafx-CD, DOS, Commodore 64, ZX Spectrum, Windows, PS2 (coletânea) e PSP (coletânea);
Hadouken, Shouryuken e Tatsumaki Sempuukyaku existiam, porém, com nomes de Ball of Fire, Dragon Punch e Huricane Kick;
Provavelmente hoje todos saibam como executar o Hadouken, Shouryuken, mas na epóca nada disso foi divulgado, apenas uma cartilha mostrando o que chutava e socava;
Além de só saber chutar e dar socos, você tinha 30 segundos para derrotar seu inimigo ou deixar ele com a vida menor que a sua, caso não conseguisse perderia a luta, nada de segundo Round;
Ryu, Ken, Sagat, Adon, Gen, Retsu, Geki, Mike, Lee, Birdie e Eagle são todos os lutadores de SFI;
Em sua primeira aparição, Birdie era branco e em SF Alpha ele está negro e a desculpa da Capcom foi a que ele estava doente em sua primeira vez no torneio;
O nome Fighting Street do port foi dado para que evitassem a ligação com o jogo de Arcade;
Mesmo não tendo aquele sucesso tão gigantesco entre os jogadores da época, a Capcom não desistiu da ideia e aproveitou o número de fãs do primogênito para que em 1991 tivesse sua continuação e seu grande sucesso.

Referências:

Forum Outerspace, Uol, Terra, Techtudo, Wikipedia.

Deixe seu comentário: