Líder do Stadia elogia estúdio dias antes de fechá-lo

Os desenvolvedores dos estúdios de jogos recentemente formados pelo Google ficaram chocados no dia 1º de fevereiro quando foram notificados de que os estúdios seriam fechados, de acordo com quatro fontes com conhecimento do que aconteceu. Na semana anterior, o vice-presidente e gerente geral do Google Stadia, Phil Harrison, enviou um e-mail para a equipe elogiando o “grande progresso” que seus estúdios haviam feito até agora.

Demissões em massa foram anunciadas alguns dias depois, parte de um padrão aparente de liderança do Stadia de não ser honesto e aberto com os desenvolvedores da empresa, muitos dos quais mudaram suas vidas e carreiras para se juntar à equipe.

Líder do Google Stadia elogia estúdio de jogo dias antes de fechá-lo

📷 Líder do Google Stadia elogia estúdio de jogo alguns dias antes de fechá-lo | Olhar Digital

Em comunicado, o Google foi claro: produzir jogos de qualidade é caro. “Criar os melhores jogos a partir do zero leva muitos anos e um investimento significativo que continua crescendo exponencialmente”, diz a empresa.

A decisão não impede que o Google tenha jogos exclusivos para o Stadia. A empresa ainda poderia fechar acordos com outras desenvolvedoras para trazer títulos exclusivamente para sua plataforma, mas, considerando a base mínima de usuários, um acordo de exclusividade deve ser bastante custoso.

Vale lembrar que, além de cerca de 150 desenvolvedores diretamente afetados, o Stadia também demitiu Jade Raymond, veterana da indústria e cabeça das operações do estúdio, no início de fevereiro.

Líder do Google Stadia elogia estúdio de jogo dias antes de fechá-lo

📷 Líder do Google Stadia elogia estúdio de jogo alguns dias antes de fechá-lo | Tecnoblog

Por enquanto, o serviço é limitado a pouco mais de 20 países, entre Estados Unidos, Canadá e outros na Europa. O Stadia ainda não funciona na América Latina, incluindo o Brasil, e até mesmo em países asiáticos como Japão e China, o que em parte explica o número limitado de jogadores.

O Google não revela quantos usuários ativos a plataforma possui, mas especialistas estimam que o número esteja pouco acima do um milhão. Para efeito de comparação, o PlayStation 5 já beira os cinco milhões de unidades vendidas depois de dez semanas desde o lançamento, segundo o VGChartz, site que monitora a venda de videogames pelo mundo. Já o Xbox Series, lançado dois dias antes, está próximo dos três milhões. O baixo número de jogadores no Stadia é facilmente percebido em partidas competitivas online, nas quais é difícil encontrar oponentes, mesmo em jogos populares como PUBG.

Líder do Google Stadia elogia estúdio de jogo dias antes de fechá-lo

📷 Líder do Google Stadia elogia estúdio de jogo alguns dias antes de fechá-lo | MeuPlaystation

Tornar o Google Stadia mais acessível em diversas plataformas, tais como os serviços de streaming de vídeo (Netflix e Globoplay), pode ajudar a popularizá-lo e impulsionar ainda mais crescimento do mercado de games como um todo.

Stadia continua

O Google Stadia continuará funcionando como funciona hoje. Uma assinatura mensal de US$ 10 fornece acesso a vários jogos via streaming, de um computador, celular ou qualquer outro tipo de aparelho compatível. Porém, a ideia agora é oferecer a tecnologia do Google para streaming de jogos a outras empresas, publicadoras ou desenvolvedoras.

Líder do Google Stadia elogia estúdio de jogo dias antes de fechá-lo

📷 Líder do Google Stadia elogia estúdio de jogo alguns dias antes de fechá-lo | Tecnoblog

O Stadia foi lançado em 2019 e previa ser uma enorme inovação no mercado de jogos, com games que rodavam em nuvem, dispensando consoles. O serviço conta ainda com um controle oficial, vendido à parte, que funciona em qualquer aparelho compatível.

Referências:

Kotaku, Terra, Olhar Digital, Agência Brasil.

Deixe seu comentário: