Control

Control é um jogo eletrônico de ação-aventura de tiro em terceira pessoa desenvolvido pela Remedy Entertainment e publicado pela 505 Games. Ele foi lançado em 27 de agosto de 2019 para Microsoft Windows, PlayStation 4 e Xbox One.

Jogabilidade

Control é jogado a partir de uma perspectiva em terceira pessoa em que o jogador controla Jesse Faden. A protagonista enfrenta diversos tipos de inimigos usando a chamada Arma de Serviço, uma arma de fogo sobrenatural que pode assumir várias formas. A pistola pode ser modificada a fim de aprimorar sua eficiência.[1] Além disso, o jogador também tem acesso a poderes sobrenaturais e de telecinese. Por exemplo, Jesse pode usar detritos como uma forma de escudo defensivo ou ainda atirá-los em inimigos, transformando-os em armas. O jogador pode adquirir Objetos de Poder ao completar missões paralelas ou ao explorar o mundo de jogo. Itens encontrados podem ser usados para desbloquear novas habilidades, como a capacidade de fazer Jesse levitar no ar.

Sinopse

Jesse Faden (Courtney Hope), após uma experiência traumática durante sua infância lhe ter concedido poderes sobrenaturais, procura respostas no Departamento Federal de Controle, uma agência governamental clandestina encarregada de estudar e conter fenômenos sobrenaturais. Quando a sede do Departamento, chamada de Antiga Casa, é invadida por uma força estranha conhecida apenas como Ruído, Jesse se transforma na diretora da agência por meio de um processo ritualístico. Ela passa a ser assombrada pelo ex-diretor Zachariah Trench (James McCaffrey) e deve encontrar seu caminho através dos corredores da Antiga Casa a fim de derrotar o Ruído e descobrir as respostas para o mistério.

Depois que uma agência secreta em Nova York é invadida por uma ameaça de outro mundo, você se torna a nova Diretora lutando para recuperar Control.

Control é a história de Jesse Faden e de sua busca pessoal por respostas enquanto ela evolui no papel de Diretora. O mundo de Control tem sua própria história, assim como os aliados que Jesse encontra pelo caminho. Jesse trabalha com outros agentes do Departamento e descobre segredos e experimentos obscuros.

Mundo mais importante que a história

Enquanto as demais desenvolvedoras criam primeiramente a história base que será o pano de fundo para o mundo do jogo que estão desenvolvendo, a Remedy segue justamente o caminho oposto.

Em Control, o foco é desenvolver um universo que mistura ficção científica com horror, que recebe o nome de “New Weird”, e é justamente isso que você sentirá no primeiro contato com este jogo.

Fica claro que o ponto mais importante não é contar uma boa história para o jogador, mas inseri-lo em um mundo onde nada faz sentido inicialmente, mas à medida que vai sendo explorado as peças começam a se encaixar.

Aqui você encarna na pele de Jesse Faden (interpretada pela atriz Courtney Hope – que também participou de Quantum Break), que possui poderes sobrenaturais e está em busca de seu irmão que sumiu há anos. Recentes pistas levam a agente ao Federal Bureau of Control (FBC) em Nova York, um prédio governamental que foi tomado por uma criatura de outro plano chamada de ‘O Ruído’.

Ao chegar lá você dá de cara com um lugar quase vazio com vários corpos de funcionários pairando no ar, como se estivessem enforcados no teto. E não demora para que alguns deles ganhem vida sobre uma aura vermelha e partam para atacar a recém-chegada protagonista.

Logo no começo ao explorar o local de entrada você chegará na sala do antigo diretor e ao lado de seu corpo está a “Arma de Serviço”, que você usará o tempo inteiro até o final do jogo. Jesse, então, assume o papel de nova diretora do local, mas não por vontade própria.

O lugar é grande e está todo corrompido pela tal entidade planar. Em meio à exploração, você encontrará pessoas que não foram corrompidas pelo Ruído. Através destes personagens será possível entender um pouco do que aconteceu, mas a narrativa não foca muito neste ponto. Para realmente entender bem a trama do jogo, será preciso ler todos documentos e gravações que encontrar pelo caminho.

Como dito, Control é um jogo em que o seu mundo é mais importante que a trama. E como você explora esse universo único é que torna a jogabilidade diferente dos outros lançamentos do ano.

Faça as Sidequests

“Control” não conta só com uma campanha, o jogo também possui várias missões secundárias interessantes para completar. Fazer essas missões é essencial, não só para expandir a história como por conta das recompensas que fornece.

Várias modificações e habilidades são conseguidas somente nessas missões e algumas delas vão facilitar demais o progresso na campanha, especialmente contra os chefes mais chatos. Se isso não é motivação suficiente, ainda tem conquistas/troféus que exigem completar todas elas.

Fique em Movimento

Os inimigos em “Control” são tão esquisitos quanto as mutações do cenário. Eles se movem de maneira estranha e atacam em conjunto, com uma vontade de encurtar as distâncias. Como são vários tipos deles e os combates se passam em locais fechados, é preciso se manter sempre em movimento.

Atire, esquive, foque os inimigos mais importantes e sempre mantenha as pernas trabalhando, buscando locais seguros para derrubar mais inimigos.

Quando acabar a munição, use habilidades

A munição das suas armas em Control acabam num piscar de olhos e geralmente são insuficientes para eliminar um inimigo. Para aliviar a barra, pelo menos ela recarrega sozinha, bastando ficar alguns segundos sem uso.

O problema é que esse tempo é suficiente para complicar a sua vida contra alguns inimigos. É aí que entram as habilidades. Utilizar seus poderes paranormais não impede a arma de se recarregar, o que torna essa janela de tempo ideal para usá-los contra os inimigos e se manter sempre na ofensiva.

Treine com suas habilidades para saber quais as melhores contra cada inimigo e use sempre que estiver sem balas na arma.

Qual é a importância das habilidades de Control

Eles são indispensáveis ​​para desbloquear habilidades no decorrer do seu jogo, e não apenas isso, mas você também pode abrir pontos de habilidade com os quais você pode concluir as missões, incluindo missões secundárias. Esses pontos melhorarão suas habilidades para que você cause grandes danos, mais durabilidade, entre outros benefícios que lhe serão concedidos.

As habilidades: Levantar por levitação, Proteger, Fugir, Aproveite, luta confusa, Lançamento.

Para que você possa entender sua utilidade e quando usá-los no Control, forneceremos um breve resumo de cada um deles.

Elevação por levitação: esta é uma habilidade muito importante, pois permite que você permaneça no ar por um certo tempo; sendo suspenso, você pode fazer coisas diferentes. Recomendamos o desbloqueio para que você possa entrar em algumas áreas onde encontrará itens colecionáveis.

Proteger: com essa capacidade, você pode usar alguns objetos ou lixo para fazer uma barra de proteção à sua frente, isso permite que você se proteja contra danos, evitando sair do local, faça-o para que você possa se mover livremente ao carregá-lo.

Iludir: com essa habilidade, você pode evitar o fogo, objetos e até chegar perto quando precisar atravessar uma das áreas rapidamente. O importante é que você aprenda a dominá-lo da melhor maneira.

Aproveite: é uma habilidade que permite controlar seus oponentes com baixos níveis de HP com sua mente, fazendo com que eles lutem por você. O mais importante é que, após seus próprios inimigos lutarem por você, eles morrerão automaticamente.

Luta confusa: é uma habilidade que você terá disponível por padrão; você não deve desbloqueá-la, pois causa muitos danos aos seus inimigos.

Para finalizar este guia para iniciantes, temos a capacidade de lançar: Permite que você tenha a força necessária para levantar qualquer objeto encontrado e jogá-lo em seus inimigos, além de destruir paredes e pisos para usar os detritos em sua defesa.

Não melhore armas até liberar todas

Existem cinco armas em “Control”, que são liberadas a medida que o jogador avança na história, e são construídas com os itens que você encontra pelo cenário. Cada uma delas tem um propósito diferente e servem para determinados tipos de inimigos e estilo de jogo.

Até você liberar todas, o recomendado é não gastar seus escassos recursos melhorando as que você já conseguiu, já que há o risco de a próxima arma ser a sua favorita e a que foi melhorada ficar para escanteio.

Não demora tanto para conseguir todas elas, portanto não custa nada esperar um pouco, especialmente porque os inimigos até então podem ser derrotados tranquilamente com seu arsenal básico e modificações.

Invista em pontos de vida

Não são só as armas que podem ser melhoradas em “Control”, também é possível instalar modificações na personagem principal, Jesse faden, para que ela melhore em vários aspectos. Dentre as várias opções, a nossa dica é sempre focar na vida, tanto nos que aumentam a quantidade máxima, quanto os que melhoram a regeneração.

Focar na vida é importante por conta do sistema de níveis do jogo, que só vale para os seus inimigos. Eles vão de um a seis, mas você estará sempre no mesmo degrau, dependendo das suas modificações. A barra vida é por muito a que mais sofre nesse sistema e você irá ficar com ela quase vazia durante vários momentos.

Até por isso, mesmo quando o assunto for habilidades, especialmente no início do jogo, o ideal é também focar nas que melhoram os seus pontos de vida. A princípio você não terá muitas habilidades disponíveis e os inimigos não vão representar tanto perigo, então investir na sua vida desde já é uma boa.

Não construa Mods

É possível construir os Mods com seus recursos em “Control”, mas isso é um desperdício enorme, que vai fazer falta mais para frente. Como eles podem ser encontrados pelo cenário e nas missões secundárias, gastar os seus recursos com eles só fará falta para outras áreas importantes do seu personagem.

O que você deve fazer, em vez disso, é destruir os Mods que não servem mais ou que estão abaixo dos que você já possuí. Ao fazer isso você acumulará mais materiais para fazer o que você não acha no jogo, como melhorar o nível das suas armas.

Combate corpo a corpo é importante

Não é só a sua arma que vai garantir que você chegue ao final de “Control”. Com a pouca quantidade de munição nas armas, que precisam ser recarregadas a quase todo o momento, você vai depender bastante dos punhos também.

O combate corpo a corpo é importantíssimo e muito poderoso. É possível melhorar suas habilidades nessa área durante o jogo, portanto não foque somente nas armas e vida, vez ou outra invista nos seus punhos.

Leia os colecionáveis

Ao todo existem 120 colecionáveis em “Contro”l, o que rende um troféu/conquista para aqueles que os coletarem. Muito mais que souvenirs, os colecionáveis expandem e explicam de forma importante a história do jogo. Cada documento, fita ou vídeo é uma ponta a mais de imersão no universo proposto pela Remedy.

Outro motivo são as Side Quests. Muitos delas são ativadas ao encontrar um colecionável, como já descrevemos acima, completá-las é importante para ter os melhores equipamentos. Portanto, nada de só passar pelos colecionáveis ou deixá-los no inventário, tire um tempinho para ler e se aprofundar na proposta do jogo.

Explore

Há muitos segredos escondidos nas diversas salas da FBC, o prédio onde se passa a campanha do jogo. Desde os colecionáveis até referências a outros jogos da Remedy. Há até uma referência ao Hideo Kojima, que é um dos cientistas do local.

Se isso não é motivo suficiente para explorar cada cantinho do prédio, ainda existem várias caixas com recursos e modificadores escondidas nos locais mais improváveis. Portanto explore sempre, se for preciso, use o mapa para se localizar e voltar para onde parou.

Atenção a seus arredores

A protagonista Jesse Faden possui poderes telecinéticos. Saber usá-los em objetos ao seu redor será um grande recurso durante o gameplay. Extintores de incêndio e as mesas são alguns exemplos de coisas que podem ser arremessadas contra seus inimigos.

Levitar te dará o controle da situação

A telecinese de Jesse não serve apenas para objetos. Ela pode pegar uma propulsãozinha e sair do chão com a levitação. Isso te ajudará a desviar de ataques dos adversários, te dará um posicionamento bom de ataque e também ajuda a alcançar objetos em lugares inacessíveis normalmente.

Defenda-se como puder

Não é só de ataques que se faz um game. Jesse precisará se defender também. Evadir é uma habilidade que permitirá que a personagem se afaste do inimigo rapidamente. Além disso, ela pode criar escudos usando objetos à sua volta.

A Arma de Serviço te ajudará muito

A Arma de Serviço, também conhecida como a “Arma do Diretor” é a pistola que Jesse carrega. Ela possui cinco formas diferentes, e os jogadores precisarão aprender a usá-la e adaptá-la para cada situação.

Control e o Mundo Invertido

O cenário da aventura de Jesse em Control lembra muito o Laboratório de Hawkins, que ficou imortalizado na série Stranger Things, da Netflix. É o chamado “Federal Bureau of Control”, uma organização que mistura realidade e misticismo em um prédio que é todo dividido em áreas.

E, assim como no seriado, tem áreas “limpas” e outras “contaminadas”. Só que não tem Mundo Invertido ou Demogorgon por aqui, mas sim algo chamado “Ruído”, ou “Hiss” em inglês. É uma espécie de “entidade” que deixa tudo no prédio muito louco. Não que esse Bureau já não seja maluco, com paredes que se movem e coisas do tipo.

Porém, com o Ruído, tudo fica pior. Pessoas ficam levitando pelos cenários, como em um transe, e outras são corrompidas a ponto de te atacarem. Guardas, executivos e diversas criaturas bem esquisitas que foram “criadas” com a ajuda da “entidade”. É um cenário já bastante complexo por si só, não é?

Pois bem, adicione “múltiplas realidades”, como um multiverso, e você estará no meio da trama de Control. No fim das contas, porém, é tudo sobre como Jesse e seu irmão foram expostos a um evento sobrenatural encoberto pelo Control na infância, e agora, 17 anos depois, ela encontrou a organização e quer respostas sobre o que houve com Dylan.

Ou seja, bichos misteriosos e combates frenéticos à parte, é uma história sobre família. Sobre ir atrás de quem lhe fez mal e também machucou quem você ama. E, claro, tem diversos plot twists e revelações que ninguém está esperando. Não daremos spoiler no review, mas o que você precisa saber é: o enredo é um dos pontos fortes de Control.

A forma como a narrativa se desenrola é muito interessante, a construção da personagem principal é bem feita e o ritmo de como as informações vão sendo coletadas e assimiladas também agrada. O final é algo que vai sendo construído a cada “revelação” do jogo e, por mais que fique claro em um dado momento, ainda assim é recompensador.

Desempenho fora de Controle

Só que tudo que Control tem de envolvente e divertido é posto à prova com a performance pífia apresentado no PS4 Pro – plataforma usada para a avaliação do Meu PS4. Quedas de frames e travamentos constantes, além de loadings super demorados, fazem com que sua experiência seja bem menos agradável do que deveria. 

Os cenários são bem construídos e os gráficos são bacanas, tirando um detalhe ou outro (como os fios de cabelo de Jesse). A fotografia do jogo é bem interessante e, em várias ocasiões, o jogador que se interessa por isso, vai querer fazer capturas de tela (e, muito em breve, usar o Modo Foto).

A interação com os cenários também é incrível. Você pode quebrar quase tudo o que vê pela frente com suas habilidades paranormais e armas. Contudo, de nada adianta esse trabalho visual todo se o jogo não é reproduzido corretamente. Segundo os analistas da Digital Foundry, por exemplo, o número de fps chega a 10 em algumas cenas.

Isso é inadmissível, e espera-se que a Remedy corrija essas falhas com um patch, o mais rápido possível. Afinal, é injusto o jogador comprar um game caro, que pode custar mais de R$ 330 (edição Deluxe), para ter um desempenho tão ruim. Sem falar nos travamentos, que são bem constantes, especialmente ao final de missões e no loading.

São esses problemas que pesam negativamente na avaliação de Control, e fazem com que seja impossível colocá-lo no mesmo patamar de outros grandes títulos do ano, como KH3, Resident Evil 2 e até Sekiro: Shadows Die Twice, por exemplo. Em história e jogabilidade, não deixa a desejar em nada.

Referências:

Tudo Celular, Xbox Play, Meu PS4, Uol, wikipedia.

Deixe seu comentário: