The Evil Within 2

The Evil Within 2 [a] é um videogame de terror de sobrevivência em terceira pessoa desenvolvido pela Tango Gameworks e publicado pela Bethesda Softworks para Microsoft Windows, PlayStation 4 e Xbox One. O jogo foi lançado mundialmente em outubro de 2017 e é a sequela do videogame de 2014 The Evil Within. O jogo recebeu críticas geralmente positivas; como seu antecessor, recebeu elogios por seu visual, atmosfera e jogabilidade, mas recebeu algumas críticas por sua história e personagens.

Não tenha medo… de fugir

Naturalmente, The Evil Within 2 te dá medo. Ele foi feito para isso. Monstros assustadores, sustos mil, mas nem sempre precisa ser assim. Quando se deparar com uma criatura desconhecida que você não sabe bem o que faz ou como ataca, não tenha medo de fugir!

O game te dá todas as possibilidades para tentar se esconder ou despistar inimigos normais. Ainda que não seja tão adequado, é possível escapar com algum trabalho extra, seja por vida curta ou falta de munição. Contudo, tenha cuidado: os monstros são bem inteligentes e não deixarão que você suma sem mais nem menos.

Siga sempre o comunicador

O comunicador é uma importante ferramenta em The Evil Within 2 e coloca muita informação à disposição de Sebastian. Saiba seguir suas dicas e encontrar a localidade de outros elementos, itens ou sobreviventes no STEM.

Sem o comunicador, sua vida vai ficar bem mais complicada. Explicamos isso pois suas dicas podem parecer meros tutoriais do próprio jogo, mas não são. Não as ignore em hipótese alguma se quiser sobreviver um pouco mais.

Jogue com calma (na medida do possível)

Apesar de ter elementos de ação, The Evil Within 2 é um game para ser explorado nos mínimos detalhes. Jogue com calma, não pense em correr para terminar e ver logo a sequência de cenas finais.

Explore os cantos escuros, destrua caixotes para revelar itens e, claro, não deixe de aproveitar cada segundo da campanha. Essa dica é ainda mais recomendada nas dificuldades mais altas, carregadas de desafio superior.

Prefira sempre a furtividade

Por falar em calma, a furtividade é sua amiga em The Evil Within 2. Escolha permanecer nas sombras, evite combates e encontros indesejados. Os jogadores que fazem isso têm mais chance de sobreviver por algum tempo sem ser interrompidos. É no acobertamento que você encontra menus para matar automaticamente inimigos distraídos.

Como já deixamos claro, as sombras são suas amigas. Esgueire-se por cantos e escolha ficar atrás de móveis ao longo dos mapas que são dentro das casas, ou por trás de objetos diversos em outros locais de Union. Fique sempre atento ao ícone de olho que aparece no topo da tela. Se ele mudar, quer dizer que um inimigo te viu. Uma boa dica para distrair oponentes e usar mais a furtividade é, por exemplo, lançar objetos como garrafas em outro canto do cenário.

Economize balas

Chegamos àquela dica precisamente voltada para o gênero de sobrevivência de horror: economize balas. Não é brincadeira, já que toda a munição é escassa ao longo do jogo. As armas brancas, de corte, fazem um trabalho melhor para eliminar monstros mais simples ou abrir caixotes.

É claro que teremos momentos nos quais as balas serão imprescindíveis e você terá que descarregar pentes inteiros para eliminar os inimigos. Contudo, é sempre bom ter aquela reserva adicional, para fazer com que uma batalha de chefe seja mais simples, por exemplo.

Machado: a melhor arma branca

Por falar em armas brancas… Elas são as armas de corte, que não gastam munição e te oferecem ataques praticamente infinitos contra qualquer monstro padrão. Dentre elas, o machado é a melhor, com golpes mais fortes e precisos.

Na maioria do tempo, Sebastian terá a clássica “faquinha” à sua disposição, mas a partir do momento em que conseguimos o machado, a experiência de combate muda completamente. Não tenha medo de usá-lo no lugar das armas de fogo, inclusive.

Sempre mova a câmera

Essa dica está ligada com outras que citamos mais acima: a câmera é um dos segredos para se dar bem em The Evil Within 2. Alguns inimigos atacam sem aviso, silenciosos e, principalmente, por trás.

Ter todo o cuidado para não receber um golpe desprevenido ou morrer sem ser alertado é primordial no game. Infelizmente, não dá para olhar para a frente sempre, então é ideal que você sempre vigie outros ângulos da cena.

Jogar no ‘Easy’ não é vergonha

Por fim, saiba que The Evil Within 2 tem pelo menos três níveis de dificuldade iniciais. Começar no mais fácil não é vergonha alguma e, inclusive, é indicado pelo próprio diretor do jogo, Shinji Mikami – que foi o produtor e co-criador do primeiro.

The Evil Within 2 já é difícil por natureza, dada a variedade de momentos tensos, e jogar no “Casual”, o nível mais fácil, ajuda na adaptação dos controles e no desenrolar da história. Depois, é possível repetir a partida, em dificuldade superior, mas não se acanhe em começar pela mais simples – mesmo nesta dificuldade há um certo desafio alto.

Ande sempre escondido

The Evil Within 2 é um game que precisa ser jogado com cautela. O seu personagem, Sebastian, não é particularmente rápido ou forte e você terá que aprender a sobreviver sabendo isso. Considere sempre os campos de visão dos inimigos, seus movimentos e os locais onde você pode se esconder.

Sendo um game de terror de sobrevivência, você também necessita de itens essenciais como munições, mas estará limitado a um inventário não muito grande. A melhor estratégia então será andar escondido e tentar pegar seus adversários com sua faca, sempre por trás. Cada zumbi que você mata dessa forma é mais uma bala que pode o salvar no futuro.

Não seja impulsivo se for visto

Se você for descoberto por algum zumbi, não entre logo em pânico. Não é boa ideia começar disparando, mas sim procurar outro local para se esconder. Se você conseguir quebrar o campo de visão com o inimigo há boas hipóteses dele se esquecer de sua presença.

Tenha apenas cuidado com os arbustos, pois embora eles sejam bons para você se esconder, os mais altos podem também quebrar sua visão.

Estude suas redondeza

Como você não vai ter acesso a um mini-mapa, é muito importante percorrer seu caminho com cautela. Alguns zumbis estão sentados ou deitados nas ervas, um pouco camuflados e parecendo até mortos. Você não deve confiar em nada que não tenha sido morto por você, logo evite pisar nesses mortos-vivos ou eles vão acabar o atacando quando menos esperar.

Para o ajudar, você tem um ícone de alerta em cima da tela que indica se alguém está atento a sua presença. Se o olho estiver escaneando, isso significa que alguém está procurando você. Se por outro lado estiver apenas olhando em frente sem pestanejar então é melhor fugiu porque alguém está indo na sua direção!

Não esqueça que esse é um game de mundo aberto

The Evil Within é um game que o vai recompensar pela exploração. É necessário entrar em edifícios para pegar itens que vão ser muito necessários na sua sobrevivência. Logo, é útil que vá explorando suas redondezas enquanto se dirige para seu objetivo principal.

Além disso, andar pelo meio das ruas vai provavelmente levar você até à morte. Felizmente, o game tem muitos atalhos e vielas para você percorrer, fazendo com que fique mais escondido. Estabeleça sua rota por caminhos alternativos para aumentar suas chances de sobrevivência.

Complete todas as missões, incluindo as secundárias

É muito importante que você não só complete suas missões, mas também alguns objetivos opcionais que pode pegar. Essas missões secundárias devem ser completadas assim que possível porque vão conceder a você recompensas muito úteis, como novas armas e bolsas que aumentam sua capacidade de inventário.

Construa itens e melhore suas armas

The Evil Within 2 tem um sistema de construção fácil. Você apenas tem que pegar os materiais pelo mundo e os usar para criar itens. Embora o possa fazer em qualquer parte, o melhor será mesmo planejar o que quer fazer e levar seus itens a um banco de trabalho que pode encontrar em alguns pontos seguros. E ao fazer isso aproveite para criar um pouco de tudo, pois não sabe que itens vão fazer falta enquanto andar em suas aventuras. No início do game, tente se focar principalmente em munições para sua pistola de mão.

Nos bancos de trabalho, você também pode melhorar suas armas e, nesse caso, deverá começar a fazer o mais cedo possível. Cada melhoramento que você faça não vai ficar ativo apenas na arma que você está usando no momento, mas em todas da mesma categoria. Ou seja, se você melhorar uma pistola fraca na realidade todas as pistolas que pegar no futuro vão ter esse melhoramento incluído.

Evite entrar em combates desnecessários

Nesse início de jogo, seu personagem não terá várias habilidades que ajudam em combates. Sejam eles corpo a corpo ou com armas de fogo. Dessa forma, vá “comendo pelas beiradas”. Sim, elimine zumbis desgarrados para ganhar o gel verde que ajuda justamente a melhorar suas habilidades. Mas evite confrontos com grupos de monstros ou com criaturas que parecem assustadoras (elas são fortes, vai por mim).

Use os arbustos para passar desapercebido

The Evil Within 2 usa o bom e velho arbusto (consagrado em Assassin’s Creed, Uncharted e tantos outros jogos) como camuflagem. Portanto, aproveite os arbustos em Unity para andar camuflado e/ou fazer um aproach ninja antes de fazer aquele ataque furtivo.

Faça as missões paralelas

Sempre que possível, faças as missões paralelas em Unity. A primeira que já aparece logo de cara é para procurar por um armazém de armas. Do it (faça). Além de pegar munição pra chuchu, você conseguirá ótimas armas, como o virote (besta) e a shotgun.

Rifle “sniper” no telhado

Unity se parece com uma cidade de interior, cheia de casas pequenas, igreja e parque. Porém, há um prédio nela. E é nele que você precisa subir. Não chega a ser um arranha céu, mas é uma construção alta que se destaque dentre as outras. Em uma das laterais da construção há uma escada. Suba e procure pelos corpos de membros da Mobius. Só cuidado com os zumbis errantes que você pode encontrar por lá.

Reviste os soldados Mobius

Sempre que possível, reviste os soldados da Mobius mortos em Unity. Eles tem os melhores loots. Desde munição, porções generosas de gel e até itens que só eles lhe darão, como melhores repositórios de munição, seringas curativas etc. É claro que o jogo, sabendo disso, escolhe a dedo os locais para os policiais estarem caídos. Geralmente perto de algo em risco. Mas, mesmo assim, é possível saquear vários corpos e voltar com recompensas bem legais.

Se avistar uma imagem de santa, quebre-a

Calma. Sebastian Castellanos não virou nenhum religioso fanático. É que as imagens de santa em The Evil Within 2 contém chaves para você desbloquear itens em um armário que fica ao lado da cadeira elétrica na qual você obtém seus poderes.

Deixe para craftar em refúgios

Em The Evil Within 2 é possível melhorar armas e criar os itens que você usa no jogo. É possível fazer isso em bancadas espalhadas pela cidade. Logo de cara você encontra uma, no abrigo do O’Neil. O abrigo é um dos refúgios do jogo. Você até encontrará bancadas (workbenchs) “soltas” em algumas casas na Unity. Porém, criar itens nesses locais custará o dobro dos materiais que os refúgios lhe cobram. A não ser que você precise muito, guarde seus itens para criar em refúgios.

Pausa para o cafezinho

Quem não gosta de um café quentinho? Ainda mais passando o perrengue que o Castellanos passa em The Evil Within 2. Qual não foi minha surpresa quando, ao adentrar no primeiro refúgio do jogo, dei de cara com uma máquina de café. E, para minha surpresa ainda maior, o café recuperou completamente minha energia. Incrível! Portanto, se estiver voltando para um refúgio após uma missão e a energia não estiver lá essas coisas, tente economizar suas seringas já pensando naquele café quentinho do refúgio. Só não abuse, pois o café demora um tempinho para ficar pronto novamente.

Olho vivo no indicador de som

Em The Evil Within 2, há um indicador de barulho que fica na sua tela. Sempre que um zumbi ou monstro estiver por perto, o sensor mostrará umas ondas de som (parecem também com um eletrocardiograma, se você já viu um). Quanto mais perto do zumbi, mais ondas você verá. Portanto, sempre que tiver ondinha, tem zumbizinho. 

Upgrades

O mais importante de tudo; foque em estamina. Saiba que o personagem tem um péssimo fôlego. Sua barra é pequena e esvazia rápido. Então melhore dois níveis dessa barra. Você poderá ter uma chance melhor de correr de uma encrenca.

Depois dessa barra procure melhorar atributos que não envolvam o ataque. Não fará grande diferença. Veja os upgrades de estamina, vida etc, mas não de seu ataque.

Perceba as melhorias “laterais”. Toda árvore possui o principal a ser melhorado e o que rodeia a melhoria. Veja o que melhor te ajudará na progressão do jogo.

Particularmente, eu investi um pouco na árvore de furtividade. Diminuindo o ruído dos meus passos e aumentando a velocidade da caminhada agachada. Com isso, a dica que dei sobre o ataque furtivo fica ainda melhor se pensar por esse lado.

Melhoria de arma

Pense na melhoria da sua pistola. Claro, esse foco voltado mais para o início do jogo. Não gaste suas peças com nada diferente do que a capacidade de balas no pente e a cadência de tiro.

Sobre a quantidade de balas a explicação é muito simples; quanto mais munição disponível, melhor. Lembrando que arma de fogo é apenas para momentos de alta dificuldade, seja eles quais forem. E outro ponto é de você não deixar munição para trás no cenário. Se sua arma estiver cheia, você não coletará as balas, nem mesmo para ficarem em inventário. O que faria sentido se fosse assim, mas fazer o que né?!

A cadência vai te ajudar diretamente em momentos de aperto. Caso esteja sendo seguido por muitos inimigos ou tenha alguma criatura muito forte e é preciso mata-lo o quanto antes, a velocidade de disparo da arma será essencial. Ficaria muito difícil matar duas ou três criaturas que te perseguem se a sua arma demora para atirar.

Essas duas melhorias, você pode gastar peças para um upgrade cada ou dois. Fica a seu critério. Depois de estar bom o suficiente nesses dois aspectos, você pode pensar no resto. Na potência, na velocidade de recarga ou em outra arma.

Procure as chaves

Caso não tenha saco para procurar as famigeradas chaves, com certeza encontrará a localização delas na internet. Mas lembre-se, na grande maioria das ocasiões elas ficam dentro de estátuas. Não é tão fácil de encontra-las, mas ajudaria muito caso encontre.

As chaves lhe darão acesso aos armários da sala de upgrades. Com uma chave em mãos, então a sorte estará lançada. Mas praticamente, sempre, você obterá bons itens.

Referências:

Alvanista, Última ficha, Aficionado, wikipedia, techtudo.

The Surge 2

The Surge 2 é um jogo de RPG de ação desenvolvido pela Deck13 Interactive e publicado pela Focus Home Interactive para Microsoft Windows , PlayStation 4 e Xbox One . É a sequela de The Surge de 2017.

Gameplay 

The Surge 2 é um jogo de role-playing de ação jogado de uma perspectiva de terceira pessoa. O jogo apresenta um criador de personagem que permite aos jogadores personalizar as aparências e o sexo do avatar do jogador.  Os jogadores podem utilizar uma variedade de armas brancas para derrotar os inimigos, cujos membros podem ser alvejados e removidos individualmente. Os jogadores também podem evitar e desviar de ataques, o que exige que os jogadores angulem adequadamente suas armas equipadas.  Drones de combatee consumíveis como bio-sensores também podem ser implantados. Quando os jogadores matam ou desmembram seus oponentes, eles podem coletar e equipar as armas, aprimoramentos de armadura ou tecnologia deixados por eles. A cidade de Jericó, o cenário do jogo, oferece caminhos alternativos que os jogadores podem explorar livremente. No jogo, os jogadores encontrarão diferentes personagens não jogáveis e terão que fazer escolhas diferentes que afetarão o mundo e a história do jogo. Os jogadores também podem deixar mensagens de graffiti no mundo do jogo para outros jogadores verem. 

Use o drone de combate

Logo de cara, o segundo jogo da série introduz um recurso muito bem-vindo: o drone de combate. Com ele, é possível atirar nos inimigos de longe, sem tanto alarde, o que garante uma boa dose de estratégia e concede uma liberdade maior na hora de formular a melhor abordagem.

Mantenha o estoque de omnicélulas (a munição do game) sempre cheio e priorize o uso do robô para quando houver um grande número de criaturas num mesmo ambiente. Assim você se mantém longe de ataques corpo a corpo, por exemplo, e ganha tempo com uma distração para recuperar a barra de saúde. Definitivamente, o drone é o grande salvador em momentos críticos.

O Contra-ataque faz a diferença

Uma das grandes novidades de The Surge 2 é a sua dinâmica de parry, que consiste em revidar ataques rivais com investidas fulminantes. Embora o contra-ataque seja um tanto arriscado e tenha uma lenta curva de aprendizado, você certamente ficará em vantagem na batalha ao conseguir executá-lo com maestria.

Se você estiver jogando no controle, seja de PS4 ou Xbox One, pressione o botão de bloqueio e utilize o analógico direito para manipular a arma em posição de defesa. Para realizar um contra-ataque devastador, é preciso posicionar o armamento do personagem no mesmo ângulo de ataque do adversário, no tempo certo. Saiba que o jogo não permite aparar ataques de qualquer inimigo, então é importante saber com quem você está lidando antes de se arriscar.

Desmembre inimigos

Assim como no jogo anterior, o sistema de personalização é todo baseado na mecânica de desmembrar inimigos. Você pode focar em diferentes partes do corpo e utilizar golpes de finalização para decepar o componente desejado e obter matéria-prima. Corte a cabeça do alvo, por exemplo, e ganhe peças para criar novas proteções de cabeça.

Caso você queira aprimorar uma arma, o ideal é focar no braço do inimigo que esteja munido com o equipamento almejado para cortá-lo. Fique atento também às partes das criaturas robóticas, já que há uma grande chance de o loot conceder implantes extras.

Implantes são essenciais para sobreviver

Os implantes são itens equipáveis que servem para complementar e conceder efeitos especiais ao traje. Conforme o personagem sobe de nível, novos espaços de implantes são desbloqueados e podem ser gerenciados em campo, eliminando a dependência de um Medcentro.

Alguns implantes consomem potência de núcleo – a barra em azul alocada no centro da tela -, portanto fique de olho nela para não gastar o estoque todo de uma vez. Lembre-se de que os implantes também podem ser aprimorados para aumentar a quantidade de pré-cargas – o item que restaura vida – a serem feitas durante os embates.

Morreu? Corra para recuperar a sucata

Como é de praxe nos jogos inspirados na fórmula masoquista de Dark Souls, o personagem deixa seus recursos no local da morte depois de ser derrubado pelo oponente. Em The Surge 2, a situação é mais crítica, já que há um cronômetro para indicar o tempo que o jogador tem de resgatar a sucata até que ela expire para sempre. Quando você morrer, preste atenção ao contador e corra ao local da morte para não perder nada.

O Medcentro é o seu local seguro

Os Medcentros funcionam como as fogueiras de Dark Souls, ou seja, são locais seguros onde é possível salvar o progresso, subir de nível, criar e melhorar itens e equipamentos. Tenha em mente que, ao morrer, o personagem vai ressurgir no último Medcentro encontrado, então considere procurá-los o quanto antes assim que uma nova área for descoberta.

Evolua o personagem

Se você não quer sofrer mais que o necessário com a dificuldade acima da média, certifique-se de evoluir seus atributos nas estações de Medcentro, no módulo do núcleo de energia. Obtenha pontos de módulo ao coletar sucata de inimigos abatidos para distribuir entre as três opções disponíveis: vida, vigor e bateria.

Todos os atributos são igualmente valiosos no decorrer da jornada, mas o vigor deve ser prioridade na lista de quem está começando a desbravar o game agora. A saúde aumenta a barra de vida, enquanto o vigor possibilita um número maior de ações durante as batalhas, significa ter mais resistência. Por outro lado, fortalecer a eficiência da bateria eleva a reposição de vida a cada uso de injeção – algo que não é tão relevante no início tendo em vista o modesto nível e poder de ataque dos inimigos.

Faça upgrades

Em comparação ao jogo anterior, pouca coisa mudou no sistema de upgrades de itens. A mecânica de montagem funciona de forma bastante simples: use sucata e componentes para subir o nível de armas e armaduras. Todas os itens são criados inicialmente no Grau I (GQ I) e recebem novos atributos e status à medida que são melhorados no Medcentro.

Procure acompanhar o progresso das armas pelo menu de pausa para saber se algum de seus equipamentos já pode ser evoluído com as peças obtidas. É realmente difícil sobreviver às ameaças da cidade de Jericho e progredir na história sem desbloquear o potencial total dos equipamentos, então concentre-se em evoluir todos os encaixes.

Busque vingança e seja recompensado

Se você estiver online e conectado ao servidor do jogo, saiba que é possível vingar a morte de outros jogadores reais para ganhar bônus de sucata e peças extras de montagem. O oponente passível de revanche possui um ícone de caveira alocado em sua barra de vida, como um indicador, sendo facilmente detectável. Ao avistá-lo, não hesite em iniciar o confronto, pois a recompensa que será concedida vale o desafio.

Um boa (e intrigante) história

“The Surge 2” não deixa o jogador às escuras quando o assunto é a sua história. De cara você fica sabendo que encarna um sobrevivente de um acidente de avião que foi parar na cidade de Jericho. Para deixar as coisas mais legais, o jogo permite que você defina aparência, gênero e história do personagem.

A cidade, em si, encontra-se em convulsão social depois dos acontecimentos do primeiro game. Breve resumo com spoilers: um enxame de nanorobôs criados para recuperar o equilíbrio ecológico da Terra foi liberado na atmosfera acabou se tornando uma doença capaz de deixar os usuários de implantes mecânicos – muita gente, no mundo do jogo – e máquinas completamente fora de controle.

No decorrer do game, além de receber pílulas de tudo o que ocorreu por meio de arquivos de áudio, o jogador também tem acesso a missões paralelas que expandem a trama.

O resultado é que, em vez de ter uma narrativa misteriosa, “The Surge 2” traz uma história palpável e que mantém o jogador interessado, especialmente quando colocado diante de algumas reviravoltas que dão diferentes propósitos à jornada.

O mapa do jogo, que concentra a ação em poucas localidades, mas com diversas áreas e atalhos a serem localizados, também evita que os jogadores fiquem perdidos tentando descobrir onde ir.

Sistemas de jogo que funcionam

“The Surge 2” não se afasta de suas origens quando falamos de sistema básico de jogo. Temos as tradicionais barras de saúde e vigor, bem como o sistema de “alto risco, alta recompensa”: andar por aí carregando uma grande quantidade de sucata (que é a moeda do jogo, usada para evoluir o personagem, armas e aprimoramentos e também comprar determinados itens) garante recompensas melhores ao matar inimigos. Se você for derrotado, porém, terá um tempo limitado para retornar ao local e reaver seus itens.

Isso abre uma possibilidade estratégica, uma vez que quando você está perto do seu local de morte, sua barra de saúde se regenera. E, uma vez que você coleta a sucata perdida, você recupera totalmente sua saúde. Sendo assim, morrer para aquele chefão complicado pode ser a saída para ter um ponto de recuperação de saúde no meio da luta e tornar o embate mais favorável.

Já quem é avesso a riscos pode armazenar sua sucata em um dos med-centros, que estão para “The Surge 2” como as fogueiras estão para “Dark Souls”.

Além disso, conforme você ataca os inimigos e dá parry nos ataques, você acumula cargas de bateria. Essas cargas servem não apenas para você usar um item recarregável que recupera sua saúde, mas também permite que você use o sistema mais atrativo do game: as execuções.

Funciona assim: conforme você trava o alvo em um inimigo, é possível escolher qual parte do corpo irá atacar. São seis delas, sendo braços, pernas, corpo e cabeça. Uma vez que cada uma delas recebe dano suficiente, é possível usar uma carga de bateria para decepar a parte escolhida.

Além de finalizar os oponentes instantaneamente, esse “fatality” também permite que você adquira as armas dos inimigos, bem como esquemas de suas armaduras para que você as construa posteriormente.

Por fim, há mais dois elementos. Os implantes, que são uma espécie de “perks” que dão características específicas ao personagem – como recuperar saúde após uma finalização – e o drone, que acumula modos de operação distintos.

Dar prioridade à Vida, Vigor e Eficiência da Bateria

Isto é mais uma opinião pessoal. Na prática, não sei se é o melhor, mas foi o que fiz e resultou até ao momento. Inicialmente, investi a minha sucata sempre na Vida e Vigor e um pouco menos na Eficiência da Bateria. Só passado algumas vezes de ter evoluído estes aspetos, é que comecei a melhorar equipamentos. Fica ao vosso critério, mas acho mais importante ter mais vida e poder atacar mais vezes, mesmo que os ataques sejam mais fracos ou tenhamos menos defesa.

Matar inimigos com caveira na cabeça

Existem inimigos no terreno, os quais até já podem ter morto anteriormente, mas agora têm uma caveira vermelha sob as suas cabeças. Isto significa que esse inimigo matou um jogador humano. Ao derrotar este inimigo, irão obter materiais para criar equipamentos ou fazer melhoramentos. Sempre que os avistarem, não hesitem em defrontá-los.

Levar sucata para as lutas com bosses

Por norma, noutros jogos do género, todos tentamos ir sem qualquer tipo de sucata (almas/ecos de sangue) para as batalhas com os bosses. Porém, The Surge 2 muda um isso e é aconselhado a terem um pouco de sucata convosco. Ao morrer em combate com um boss, a vossa sucata estará lá à espera para ser recuperada, mas com a particularidade que também recuperam vida. Ou seja, o ideal é deixar a sucata no campo durante um bocado e quando já tiverem pouca vida, aproximem-se para a apanhar e ganhar uma barra de vida cheia novamente.

Enfrentar bosses com Eficiência da Bateria no máximo

Ainda no seguimento das batalhas com os bosses, é altamente aconselhável entrar em combate com os mesmos com a vossa barra da Eficiência da Bateria algo preenchida. Isto irá permitir que possam usar essa energia para recuperar vida. Para tal precisam ter ativos os implantes “Regenerador Celular” e “Circuito Medivoltaico”.

Seja Agressivo!

Em The Surge 2, você pode se curar com seu estoque de energia e cargas apenas de energia quando atacar com sucesso um inimigo. O ataque é a melhor defesa! Tente gerar o máximo de energia possível para se manter melhor.

Abandone o implante de auto-recuperação

Também ajuda a abandonar o implante inútil Auto-Heal. Este implante cura automaticamente quando você está prestes a morrer. Pode parecer útil, mas na verdade você não vai adiantar nada se for um veterano do Dark Souls. Livre-se dele e encaixe-o em um implante diferente o mais rápido possível.

Cuidado com as desvantagens da engrenagem da classe Golias

Equipar o equipamento com a maior defesa pode parecer uma ótima idéia, mas você também encontrará sérias desvantagens. O equipamento da classe Golias, que é o mais pesado e oferece a maior defesa, geralmente concede uma penalidade de resistência ou torna seus ataques mais lentos. Alguns até diminuem a quantidade de energia que você gera por ataque. É melhor ficar com uma armadura mais leve para evitar ataques, em vez de absorver mais danos.

Se você é iniciante, tente usar a lança

Lanças são uma classe de arma que é bastante ideal para iniciantes. Eles são rápidos em atacar, têm bom alcance em seus inimigos, e existem algumas lanças incríveis para encontrar, mesmo no início do jogo. Caso contrário, você vai querer usar armas rápidas, como as Lâminas de 1 Mão ou Punhais. Quanto mais rápido você puder atacar, mais fácil poderá escapar de situações ruins.

Aprenda quando desencadear ataques cobrados

Ataques cobrados são movimentos poderosos que todas as armas podem desencadear. Eles levam um momento para carregar (naturalmente), mas o dano extra que eles fazem vale a pena esperar. O truque da maioria dos encontros é apenas encontrar uma boa oportunidade para desencadear um ataque carregado, eles também são ótimos em quebrar armaduras. Uma vez que a armadura é destruída em um inimigo, o resto da luta pode ser trivial.

Troque armas constantemente – você as encontrará em todos os lugares

Ao contrário de Dark Souls, onde você pode ficar com a mesma arma por muito tempo, The Surge 2 incentiva você a trocar. Algumas armas são simplesmente melhores do que outras. Abandone as armas antigas e adote as novas.

Explorar as fraquezas dos inimigos para facilitar a vida

Muitos inimigos têm fraquezas únicas que você pode explorar e trata-se de qual parte do corpo você ataca. Por exemplo, quando você chega ao Jardim e precisa lidar com os robôs aqui, pode atacar uma variedade de diferentes partes do corpo para enfraquecê-los. Atirar na cabeça deles com o seu drone interromperá o ataque a laser. Atacar suas pernas pode imobilizá-las completamente.

Explorar, Explorar, Explorar

Cada área é um labirinto de passagens e corredores e é importante explorar todos os cantos e recantos que puder. Você pode abrir muitos atalhos que facilitam muito as viagens futuras por essas áreas. E há itens, armas e implantes que você não vai querer perder.

Há onde melhorar

Mas “The Surge 2” também traz alguns tropeços. Um deles, ao menos na versão de avaliação, diz respeito ao desempenho do game em si.

Jogando no Xbox One X, por diversas vezes enfrentei quedas bruscas no FPS, mesmo com o jogo no modo “desempenho” (que sacrifica parte da qualidade gráfica em prol de manter os quadros estáveis).

Nenhuma dessas quedas ocorreu durante combates (felizmente), mas sim enquanto eu explorava os cenários. Considerando que esse é o tipo de falha que mais me irrita em um game, passei muito perto de perder a paciência.

Outro ponto a ser melhorado é a variedade de chefões. É curioso que o jogo comece com um boss inovador, com mecânicas específicas – que são bastante satisfatórias quando descobertas pela primeira vez -, mas acabe perdendo parte desse fôlego conforme progride, apostando mais no tamanho e na dificuldade da encrenca do que em fazer o jogador usar o cérebro.

Esses erros, no entanto, não apagam o avanço que “The Surge 2” representa em relação ao seu antecessor. Inclusive, fica aqui a dica: se você quiser se aventurar na franquia, pode ignorar o primeiro jogo e partir de cara para esse, já que a história é bem contextualizada e o game, em si, é muito melhor.

Referências:

Huf Games, The Pixel Glitch, Uol, techtudo, wikipedia.